Noticias‎ > ‎

2007

70 anos depois a Casa do Povo oferece um leque variado de actividades aos ribeirenses
http://www.ccdr.pt/content/view/145/71/

Terça, 03 Abril 2007
Image
Casa do Povo de Ribeirão

Fundada em 5 de Abril de 1937, a Casa do Povo de Ribeirão nasceu única e simplesmente há sete décadas atrás para beneficiar os agricultores, como todas as outras Casas do Povo existentes no país. Na década de 60 houve mesmo uma equipa de Voleibol na Casa do Povo ribeirense, e anos mais tarde, após o 25 de Abril de 1974, acolheu o Centro de Saúde da Vila. Ao longo de mais de 20 anos, a Segurança Social alugou as instalações da Casa do Povo para que aí funcionasse um posto médico ao serviço dos ribeirenses. Na altura “a Segurança Social pagava dois contos e quinhentos pelo aluguer”, lembra António Pereira, presidente da associação.
No mesmo edifício funcionava o posto médico, com uma secretaria, gabinetes médicos e de enfermagem, e a associação Casa do Povo com uma sala de atendimento aos seus sócios. Anos mais tarde, a associação deixa de funcionar, passando o Centro de Saúde a dominar todo o edifício. Assim, na década de 80 os sócios da Casa do Povo passaram automaticamente a ser sócios da Segurança Social e “foi aí que foram extintas as Casas do Povo como caixa de providencia”, lembra o presidente. Só anos mais tarde, em meados de 1999, o posto médico mudou-se para as actuais instalações do Centro de Saúde, junto ao Rio Veirão.
A Casa do Povo ficou então fechada durante muitos anos, sem qualquer actividade à excepção dos ensaios do Rancho Etnográfico de Ribeirão. Só há cerca de dois anos atrás “voltou a ter vida”, sublinha o presidente. Vida essa que começou a desabrochar ainda em 1997 quando António Pereira foi convidado a encabeçar uma lista que logo viria a dirigir a associação.
Na altura, a associação tinha uma lista com mais de mil sócios, embora muitos já falecidos. A nova direcção resolveu então fazer um actualização tendo sido pedido aos sócios que quisessem continuar associados que pagassem a respectiva quota. Os que não apareceram para pagar a quota foram então extintos. De modo que em 1997 foram totalizados cerca de 70 sócios. “O sócio na altura pagava uma quota de cem escudos por ano”, lembra o presidente.
Assim que António Pereira tomou posse, teve conhecimento que a Câmara Municipal de Famalicão estava interessada em implantar junto à Casa do Povo um pólo de biblioteca e “logo se começou a trabalhar com o projecto”, com a realização de várias reuniões de trabalho entre a Câmara e a associação.  No entanto, foi um processo demoroso, pois “só em 2005 é que ficou pronto (...) o projecto demorou uns quatro anos a sair cá para fora”, frisa António Pereira.
Em 2005 nasce, então, a actual Casa do Povo. Inicialmente, o presidente da associação “estava convencido de que a Casa do Povo seria uma casa para as associações de Ribeirão”. O convite foi feito a todas as associações que quisessem usufruir do espaço perante uma quota simbólica, mas “infelizmente”, apenas duas associações responderam afirmativamente ao convite, nomeadamente a ADAR e o CCDR.
Foi necessário então a direcção “arregaçar as mangas” no sentido de arranjar actividades que dessem vida à Casa do Povo. Actividades essas “que não fizessem frente a ninguém”, sublinha António Pereira.
Hoje, dois anos depois, para algumas pessoas a Casa do Povo não passa de um edifício onde outrora serviu os lavradores, sem coragem para entrar, “ainda não se convenceram que esta casa é deles”, lamenta o presidente. E garante, “se entrarem no novo edifício, mudam por completo o pensamento que têm pela Casa do Povo (...) Quem entra espanta-se e manifesta interesse em ser sócio da Casa do Povo, mas vão aparecendo a conta-gotas”.

Danças de Salão
A Casa do Povo oferece aos ribeirenses um leque variado de actividades. As Danças de Salão foram a actividade inaugural da associação em 2005. Inicialmente criou-se uma turma de iniciados com 14 pessoas escritos. Em Setembro de 2006, foi criada uma nova turma de iniciados também já com bastante gente. Sendo que em 2006 havia já duas turmas, uma de iniciados, outra de nível intermédio. Mas em 2007 o aparecimento de novos interessados em inscrever-se na actividade levou a que fosse criada logo no inicio do ano uma nova turma de iniciados, pois a turma de iniciados já existente já estava lotada, não havendo espaço para a entrada de novos elementos. Em suma, há uma turma de nível intermédio, e duas de iniciados, embora uma turma esteja mais avançada.
A nova turma, ainda com espaço para novas inscrições, ensaia às terças-feiras das 21h às 23h00. As outras turmas dançam às quartas e sextas das 21h às 22h00 (iniciados), e das 22h00 às 23h00 (intermédio).

Image
Baile de Gala em que participou a Casa do Povo de Ribeirão


Dançarinos de todas as idades, dos 10 aos 62 anos de idade, homens e mulheres, que pagam mensalmente 20 euros. As aulas são dadas por professores credenciados, havendo mesmo uma professora que já foi Campeã Nacional de Dança.
Nas Danças de Salão os participantes dançam vários estilos de música, sendo que normalmente o professor, por cada aula, ensina três estilos diferentes.
Sabedoria e exercício são os grandes proveitos para quem anda nas Danças de Salão. Para além de aprenderem a dançar um número variado de estilos, os alunos praticam algum exercício físico, tão aconselhado pelos médicos. “Andar na rua estão sujeitos ao tempo, que muitas vezes é desfavorável, e estão sujeitas a acidentes, pois em Ribeirão não temos uma zona pedonal apropriada”, acrescentando José Fonseca vice-presidente da associação, “na actividade das danças de salão, as pessoas não só aprendem, como fazem exercício e estão mais seguros”.

Ténis de Mesa
Numa vertente mais desportiva, a Casa do Povo oferece aos ribeirenses a oportunidade de praticarem Ténis de Mesa. Devidamente apetrechados, a associação tem esta actividade desde o início de 2006, com equipas masculinas e femininas, tendo já competido na Associação Ténis de Mesa de Braga, como participado em vários torneios da INATEL e de Câmaras Municipais.
Ao todo são 13 praticantes de Ténis de Mesa treinados por Fernando Carvalho às segundas e quarta-feiras pelas 20h00. Quem quiser pode assistir ou inscrever-se gratuitamente, para isso basta aparecer e inscreverem-se como sócios da Casa do Povo.
António Pereira aproveita aqui para fazer um convite “aos conterrâneos de Ribeirão” que já jogaram ténis de mesa. “Tenham coragem de pedir a chave da Casa e venham para cá, por exemplo, ao domingo de manha, jogar ténis de mesa”, convida o presidente, informando que o acesso é totalmente gratuito e que podem contar com todo o material necessário para praticarem ténis de mesa.

Danças Africanas
As Danças Africanas são a mais recente actividade da Casa do Povo. Iniciaram este mês e já tem cerca de 20 alunos inscritos, na sua maioria, dentro de uma faixa etária mais jovem. As aulas são dadas por um professor credenciado africano, às segundas-feira das 21h às 22h30. Kizomba, Kuduro, Semba, Tarracinha, Ndombolo e Funana são os estilos africanos experimentados nesta actividade. As Danças Africanas cobram uma mensalidade de 15 euros.

Outras actividades
Para além das actividades fixas da associação, a Casa do Povo procura ao longo do ano oferecer aos ribeirenses outras iniciativas de lazer e distracção. Nesse contexto, decorreu no passado mês de Fevereiro um Torneio de Sueca que superou as expectativas da organização, dada a boa receptividade dos participantes. O sucesso foi tanto que a associação está já a organizar mais um torneio, a ter lugar já no próximo dia 31 de Março, no âmbito do 70º aniversário da Casa do Povo.
Neste segundo torneio vai haver prémios para os 4 primeiros lugares, e uma lembrança para todos os participantes.
No âmbito da colaboração do INATEL, já foram promovidas várias iniciativas, como por exemplo, uma Noite de Fado e Cinema com a exibição de um filme. Por outro lado, o INATEL apoiou  a associação no ultimo aniversário ao ceder gratuitamente um conjunto musical. Para o 70º aniversário, a associação volta a contar com o apoio do INATEL na cedência de um conjunto musical.
As instalações da Casa do Povo servem ainda de palco para a realização de outras actividades extras à associação. É o caso das aulas de Aeróbica, às terças e quintas, actividade pertencente ao CCDR; as aulas da Associação de Defesa Pessoal; as reuniões semanais da ADAR ao sábado à tarde; entre outras.

Ser sócio
Actualmente, a Casa do Povo tem 90 sócios, sendo que a quota dos sócios (6 euros por ano) é uma das principais receitas da associação, para além das receitas das actividades. Ser sócio da Casa do Povo, para além de lhe dar possibilidade de participar nas actividades da associação, dá-lhe como beneficio ajudar uma associação, como sublinha José Fonseca, “o principal proveito que tem é o proveito social de ajudar uma associação. Colaborar!”.
Olhando para o passado, “foram 70 anos que se traduzem em dois, porque a Casa do Povo parou mesmo”, sublinha o presidente. Mas o importante é o presente e o futuro, cuja missão da associação consiste em “dinamizar a Casa do Povo de forma a que esteja todos os dias com vida”, frisa o vice-presidente.
A porta da Casa do Povo está aberta a todos e a todas as actividades que podem beneficiar Ribeirão.





Com o apoio do INATEL: Danças abrilhantaram festa
http://www.ccdr.pt/content/view/169/71/



Quinta, 26 Abril 2007

Foi em ambiente de festa que o salão nobre da Casa do Povo se encheu de pessoas no passado dia 5 de Abril, dia do 70º Aniversário da Casa do Povo de Ribeirão.
A sessão solene contou com a presença dos órgãos sociais da Casa do Povo assim como das autoridades convidadas. A Câmara Municipal de Famalicão foi representada na pessoa de Leonel Rocha, e o Inatel-Braga, pelo delegado Hendell Oliveira.
Após uma pequena troca de agradecimentos e “recados” das pessoas presentes, deu-se a abertura do baile dançante acompanhado pelo Grupo Agua Viva de Braga, cedido gratuitamente para este momento pelo Inatel-Braga.
A meio do baile foram exibidas, por um par convidado, algumas das variantes de “Dança de Salão”, que tiveram a acompanhar pares das aulas de dança de salão da Casa do Povo de Ribeirão.
Seguiu-se a entrega de prémios às actividades de Ténis de Mesa, que teve lugar no passado dia 30 de Março, e do Torneio de Sueca promovido nos dias 2 e 3 de Abril.
A música voltou a animar o serão com a exibição, pelo Professor Mandela e por alguns alunos, das “Danças Africanas”. Uma iniciativa da Casa do Povo que está a ter uma grande adesão, colmatando assim uma necessidade de entretenimento das gentes de Ribeirão.
Por fim, e para comemorar com pompa e circunstância, foi cantado os parabéns à Casa do Povo de Ribeirão com oferta do bolo e champanhe para todos os presentes.

Vencedores do torneio de Sueca
1º Joaquim Silva / Jorge Carvalho
- Prémio Agostinho & Carneiro Lda.
2º Quintas e Miguel
- Prémio “ Queijos Senras”
3º Manuel Gonçalves / António Coelho
- Prémio Restaurante Colina do Ave
4º António Jorge / António Silva
- Prémio Casa Povo de Ribeirão

Vencedores do torneio de Ténis de Mesa
Casa do Povo Alvito S. Pedro, Barcelos
Grupo Desp. Bairro da Misericórdia, Braga
Assoc. Desp. Rec. Outeirense - P. Saramagos, Famalicão
Escola Sec. Benjamim Salgado - Joane, Famalicão

Comments