História

Fundada em 5 de Abril de 1937, a Casa do Povo de Ribeirão nasceu única e simplesmente há sete décadas atrás para beneficiar os agricultores, como todas as outras Casas do Povo existentes no país. Na década de 60 houve mesmo uma equipa de Voleibol na Casa do Povo ribeirense, e anos mais tarde, após o 25 de Abril de 1974, acolheu o Centro de Saúde da Vila. Ao longo de mais de 20 anos, a Segurança Social alugou as instalações da Casa do Povo para que aí funcionasse um posto médico ao serviço dos ribeirenses. Na altura a Segurança Social pagava dois contos e quinhentos pelo aluguer.

No mesmo edifício funcionava o posto médico, com uma secretaria, gabinetes médicos e de enfermagem, e a associação Casa do Povo com uma sala de atendimento aos seus sócios. Anos mais tarde, a associação deixa de funcionar, passando o Centro de Saúde a dominar todo o edifício. Assim, na década de 80 os sócios da Casa do Povo passaram automaticamente a ser sócios da Segurança Social e foi aí que foram extintas as Casas do Povo como caixa de providencia. Só anos mais tarde, em meados de 1999, o posto médico mudou-se para as actuais instalações do Centro de Saúde, junto ao Rio Veirão.

A Casa do Povo ficou então fechada durante muitos anos, sem qualquer actividade à excepção dos ensaios do Rancho Etnográfico de Ribeirão. Só em 2005 a Casa do Povo voltou à Vida essa que começou a desabrochar ainda em 1997 quando António Pereira foi convidado a encabeçar uma lista que logo viria a dirigir a associação.

Na altura, a associação tinha uma lista com mais de mil sócios, embora muitos já falecidos. A nova direcção resolveu então fazer um actualização tendo sido pedido aos sócios que quisessem continuar associados que pagassem a respectiva quota. Os que não apareceram para pagar a quota foram então extintos. De modo que em 1997 foram totalizados cerca de 70 sócios. O sócio na altura pagava uma quota de cem escudos por ano.

Assim que António Pereira tomou posse, teve conhecimento que a Câmara Municipal de Famalicão estava interessada em implantar junto à Casa do Povo um pólo de biblioteca e logo se começou a trabalhar com o projecto, com a realização de várias reuniões de trabalho entre a Câmara e a associação.  No entanto, foi um processo demoroso, pois só em 2005 é que ficou pronto.

Em 2005 nasce, então, a actual Casa do Povo. Inicialmente, o presidente da associação estava convencido de que a Casa do Povo seria uma casa para as associações de Ribeirão.

Foi necessário então a direcção “arregaçar as mangas” no sentido de arranjar actividades que dessem vida à Casa do Povo. Actividades essas que não fizessem frente a nenhuma outra associação.

Hoje, dois anos depois, para algumas pessoas a Casa do Povo não passa de um edifício onde outrora serviu os lavradores, sem coragem para entrar, “ainda não se convenceram que esta casa é deles”, lamenta o presidente. E garante, “se entrarem no novo edifício, mudam por completo o pensamento que têm pela Casa do Povo. Quem entra espanta-se e manifesta interesse em ser sócio da Casa do Povo".

Abril de 2007

Comments