649 dias após
fim do 1o semestre letivo

O projeto

Introdução

    O Projeto Cartografia Digital é uma parceria entre o Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, os Centros Culturais e as Escolas Municipais da cidade, e foi aprovado pelo Programa de Extensão Universitária (ProExt) do Ministério da Educação.

     A partir da articulação e mediação dos Centros Culturais, o Projeto será desenvolvido em conjunto com escolas localizadas na região metropolitana de Belo Horizonte com o objetivo de enriquecer e edificar a formação dos futuros professores de História, integrando-os à realidade da cidade e das possibilidades de ensino abertas por diferentes abordagens pedagógicas, especialmente pelas Novas Tecnologias da Informação e Comunicação (NTIC's).

Resumo

    O Programa articula projetos desenvolvidos junto ao Departamento de História da UFMG: "Cinema e História: Olhares sobre a Cidade e o Urbano", "O aluno pesquisador: registro e documentação da cidade" e "Cartografias Urbanas: Redes, Espaços e Fluxos Comunicativos". Na articulação destes projetos, o programa "Cartografia Digital" propõe a constituição de uma cartografia urbana que é conduzida a partir de mapeamentos do espaço físico da cidade tomando-o como lugar de convergência de sentidos que aponta para novas perspectivas de análise de categorias como: espaço, práticas sociais, território, sociabilidade, circuitos comunicativos e patrimônio cultural.

     As ações buscam a pluralidade de sentidos produzidos e em produção no espaço urbano. Compreende-se que a diversidade de sons, textos, sinais, imagens, ruídos, que se processam neste lugar provoca nos sujeitos muitas vezes indiferença ou incômodo. Por esta razão, buscar-se-á entender como determinados espaços vão se constituindo em lugares do diálogo a partir de práticas culturais que passam pela decodificação de espaços quase que invisíveis para a maioria das pessoas. Tratará a questão do patrimônio como uma referência à vivencia dos cidadãos e a coresponsabilidade de todos com o espaço urbano circundante. As atividades serão desenvolvidas em áreas à margem dos processos culturais, sociais e políticos hegemônicos.

Objetivos

    Desenvolver formas de apropriação e uso das Novas Tecnologias da Informação e Comunicação (NTIC‘s) pela comunidade escolar a partir da implementação e avaliação das ações propostas pelos projetos: "Cinema e História: Olhares sobre a Cidade e o Urbano"; "O Aluno Pesquisador: Registro e Documentação da Cidade"; ambos sob o escopo do "Cartografias Urbanas: Redes, Espaços e Fluxos Comunicativos". A partir da atuação conjunto destes projetos junto à comunidade escolar intenta-se promover a identificação e produção de registros imagéticos, textuais e sonoros capazes de levar o aluno a compor textos e produções multimídia de discussão do local onde ele habita e estuda.

     Procura-se desenvolver uma maior percepção da comunidade do entorno e das pessoas e lugares que são referência para a população da área onde ele estuda e vive e promover a construção de narrativas digitais a partir de questões levantadas por meio dos registros.

    Objetivos Específicos:

  • Promover o letramento digital.
  • Avaliar o grau de apropriação da comunidade escolar das NTIC‘s.
  • Empreender pesquisa relacionada ao espaço/tempo próprios às comunidades escolares selecionadas e entorno a elas correspondente.
  • Promover a percepção primária do espaço/tempo.
  • Delinear o imaginário referencial do lugar.
  • Divulgar e debater os novos estudos produzidos sobre temas da cidade.
  • Contribuir para que alunos do Ensino Básico reflitam criticamente sobre as relações entre cinema e história.
  • Promover o registro experiência de pesquisa em áreas urbanas com alunos do ensino fundamental.
  • Desenvolver nos alunos da comunidade escolar competências e habilidades de registro e documentação de mapeamentos das cidades.
  • Organizar registros dos mapeamentos da cidade realizados pelos alunos.
  • Constituir narrativas a partir dos registros produzidos.
Comments