Sistema de Negociação de Milho

postado em 10 de set de 2018 06:33 por Carta Pecuária   [ 10 de set de 2018 08:17 atualizado‎(s)‎ ]

Caro leitor,

Quais são os bons momentos de se comprar milho?

Qual é a melhor hora de vender milho?

Isso é importante?

Em mercado, “melhor hora” é igual à timing.

Timing é um termo que não tem tradução direta para o português, então acabamos por usar desse jeito. Mas timing poderia ser traduzido como "melhor momento", "melhor hora", "janela de oportunidade" ou "momento propício".

E timing, em mercado, caro leitor... é tudo.

A melhor hora de comprar milho é quando ele está em tendência de baixa e conseguimos identificar aquele momento do piso nos preços.

O melhor momento de vender milho é quando ele está em tendência de alta e a gente consegue identificar que ele está nos picos.

Algumas vezes temos sorte em acertar. Algumas vezes realmente sabemos que está bom para negociar.

Mas acertamos todas as vezes?

Agora pense no tempo que se gasta para angariar esse conhecimento, no tempo necessário para refletir, na angústia da indecisão para saber se estamos realmente certos...

Podemos fazer diferente.

Gostaria de ter acesso a uma ferramenta que nos dê esse tipo de informação já processada.

É possível?

“O milho está em alta.”

“O milho está em baixa.”

“Compre aqui.”

“Venda aqui.”

Milho é o grão mais utilizado na alimentação bovina, por exemplo.

Se você pegar o relatório de despesas no final do ano e levantar o que foi gasto dentro da fazenda, se você faz engorda intensiva é possível que o valor gasto com sacas de milho seja expressivo.

Em pecuária intensiva ele é um dos maiores gastos.

Mas não só na pecuária. No leite também. Frango também. Suíno também.

Faz sentido comprar bem?

Qualquer “um real” que você consiga comprar mais barato faz muita diferença no final do ano?

Da mesma forma, sob o ponto de vista de quem produz, o milho é parte fundamental da primeira e segunda safra no Brasil.

No Centro Oeste, por exemplo, o milho é a cultura dominante nas colheitas de junho/julho.

Se durante o período em que você está negociando a sua produção, se conseguir vender o milho “um real” melhor faz diferença?

Penso que sim.

Mas como saber a hora de comprar e a hora de vender para tentar pegar os melhores preços?

Aqui na Carta Pecuária já temos uma ferramenta que nos cobre isso para o Boi Gordo e Reposição.

Chamamos esse monitoramento do timing de Sistema de Negociação de Gado – SNG.

É o SNG a publicação em que marcamos os momentos de compra e venda de gado. O intuito é tentar pegar, ao longo dos anos, os melhores momentos para fazermos negócio. Tanto na alta quanto na baixa.

Tem funcionado muito bem. O SNG tem nos ajudado a vender um pouco melhor o gado gordo. Tem nos ajudado a comprar um pouco melhor a reposição.

Como é uma publicação da Carta Pecuária, tem ajudado os leitores com esse tipo de informação e melhorado suas negociações também.

Agora, a gente quer mais.

Queremos esse mesmo raciocínio para o milho.

É com esse espírito e com muito prazer que passaremos a publicar também o Sistema de Negociação de Milho.

Ele passará a fazer parte das publicações a partir de hoje.

Segue o SNM de hoje, abaixo.






Como ele funciona?

Quem já é assinante a leitura é igual ao do sistema do boi.

Para quem não conhece o sistema ele é dividido em três gráficos.

Ambiente, Intensidade e Temperatura.

Ambiente e Intensidade trabalham juntos. Se originam do mesmo algoritmo.

A Temperatura é baseado em outro algoritmo e faz o papel de contraponto, validação e gatilho.

O Ambiente usa como leitura os preços do indicador Cepea do milho. Junto aos preços (mas não baseando-se diretamente neles) está o que chamo de ambiente.

O ambiente propriamente dito são as áreas pintadas em laranja e branco.

A leitura é a seguinte. Ambiente laranja significa que o mercado está em baixa. Ambiente em branco mostra que o mercado está em alta.

Veja a figura do Ambiente abaixo.




A Intensidade mostra a força desses respectivos ambientes. Se estamos em baixa, quão forte está essa baixa? A mesma coisa para a alta. Se estamos em branco, quão intensa está sendo a alta?

Abaixo está a figura da Intensidade.




A Temperatura é o gatilho de negócios. O gatilho funciona de duas formas. Você passa a querer vender milho se a temperatura está acima de 40 pontos do gráfico ou que as bolas verdes estejam saturadas (pintadas de amarelo).

A mesma coisa para a baixa. Se a temperatura está abaixo de -40 pontos e/ou saturada é hora de pensar em comprar um pouco de milho.

Observe a figura da Temperatura abaixo.




E qual foi o resultado do sistema?

Teria valido a pena ter paciência e esperado ter comprado ou vendido pelo SNM? Vejamos.

Abaixo teria sido as janelas de vendas informadas pelo sistema:





Observe que o sistema "pegou" os momentos de melhor venda de gado em relação ao que estava acontecendo no momento.

Da mesma forma, será que o SNM identificou as melhores compras de milho?

Abaixo.




Sim. O sistema também identificou os melhores momentos que você poderia ter comprado milho.

Agora, pense.

Se você tivesse deixado para comprar na semana seguinte...

Se tivesse comprado na semana anterior...

Não teria pego os melhores preços.

O Sistema de Negociação de Milho é isso. Uma ferramenta para ajudar você a vender melhor a sua produção e também para ajudar a quem precisa comprar o grão a comprar em melhores momentos.

Porque vender 1 real melhor ou comprar 1 real melhor faz a diferença?

Faça isso em vários anos. Comercialize melhor de forma consistente todos os anos.

Você verá que esses pequenos gestos de timing valem o seu esforço de paciência.

Grande abraço!

Rogério Goulart.


Boi: mercado físico e futuro indo em direções opostas

postado em 6 de jun de 2018 11:57 por Carta Pecuária

Caro leitor,

Tem vezes em que o mercado físico diz a direção nos preços.

Em outras ocasiões é o mercado futuro quem dita as regras.

Observe a figura abaixo.




Há alguns meses quem manda na coisa é o físico.

Ele tem caminhado cada vez mais baixo e o mercado futuro tem acompanhado.

Não mais.

Repare que o físico continua na mesma "toada"... só que os futuros desde o final de abril tem se recusado a ir junto para baixo.

Ao contrário, estão é subindo!

Daí, vem a pergunta. Quem está certo na direção dos preços?

O mercado físico, que continua na sua toada de baixa.

Ou o mercado futuro, que enxerga alta há mais de trinta dias?

Saberemos.

De um jeito ou de outro.

Abraços,

Rogério

Dólar rompe resistência de longo prazo

postado em 6 de jun de 2018 11:25 por Carta Pecuária   [ 6 de jun de 2018 11:27 atualizado‎(s)‎ ]

Prezado leitor,

Na mais recente edição da Carta Pecuária comentamos sobre o dólar e sobre a resistência ao redor de R$ 3,80 e a importância desse valor no longo prazo.

Pois bem, hoje o dólar rompeu isso daí.

Observe o gráfico abaixo do dólar negociando acima de R$ 3,82 agora enquanto escrevo.






Vai continuar?

Vai voltar?

Não sei.

Mas alguma coisa está acontecendo.

O impacto disso é para o futuro.

A semente está sendo plantada.

As consequências do barateamento da arroba em dólares não deve ser ignorada, penso.

Abraços,

Rogério

Carta Pecuária nº 681

postado em 6 de jun de 2018 11:23 por Carta Pecuária


Prezado leitor,
A Carta Pecuária nº 691 está disponível para leitura!



Resumo da edição atual:


Boi em dólares

Há tempos a gente não via o boi gordo valendo onde está hoje. Pegando pela última década a arroba está barata em dólares.

Exportações

O interessante dessa arroba em dólares do jeito que está é o efeito que isso gera nas exportações. Já vimos esse filme antes, mas vai depender de mais coisas para firmar.

Milho?

Milho desde 2016 vive em montanha russa. Sobe, depois cai, depois sobe. Mas será que cai?

Isso e muito mais na edição atual!

Carta Pecuária nº 689

postado em 8 de mai de 2018 08:44 por Carta Pecuária


Carta Pecuária nº 689


Resumo:

Há escassez agora?

Não é o que parece, mas também hoje já está um pouco diferente de dias atrás. O que leva o produto faltar na gôndola?


Viradas de Mercado

Existe uma relação entre o boi e o bezerro que é surpreendentemente estável ao longo dos anos.


Cunha de baixa

Mercado futuro dando sinais conflitantes, ao mesmo tempo de alta e baixa. Para onde vai esse mercado?

Isso e muito mais!


Carta Pecuária nº 682

postado em 22 de jan de 2018 12:25 por Carta Pecuária


https://drive.google.com/file/d/1HD2TEX8swZS64Ry02xM-9ybs5luRSnfq/view?usp=sharing

Carta Pecuária nº 682


Resumo:

* Rompimento importante

Estamos passando por uma junção importante ao redor dos preços atuais da arroba. É hora de definir para onde ela quer ir.

* Três extremos de baixa

Parte da resposta, acredite se quiser, está na ligação dos preços de 2017 com o que ocorreu em 2005 e em 1995.

* Teste no atacado

Atacado também trabalha para se segurar acima de R$ 10/Kg de carcaça. Conseguirá?

Isso e muito mais!


Carta Pecuária nº 681

postado em 2 de jan de 2018 18:24 por Carta Pecuária

https://drive.google.com/file/d/146ohcHGdQLidel59NQOGD9GFJ4bMlUSG/view?usp=sharing

Carta Pecuária nº 681


Resumo:

* Semanas de alta/baixa

O mercado inspira e expira. Ele sobe por algumas semanas consecutivas. Cai por outra semanas. Onde estamos agora?

* SNG.

O Sistema de Negociação de Gado nos diz que ainda dá para aproveitar a mesma onda de dezembro agora no início do ano.

* Atacado.

Vamos abrir o capô do atacado. Como andam as vendas e como estão o fôlego para a venda de carne?

Isso e muito mais!


Carta Pecuária nº 680

postado em 12 de dez de 2017 10:02 por Carta Pecuária


Carta Pecuária nº 680


Resumo:

* Onde está o mercado?

Segundo os nossos sistemas de monitoramento dos preços, o mercado ainda está em ambiente de alta. Não só isso, o timming da coisa está perfeito.

* Sugestão de negócio.

Está bom para fazer uma operação específica na bolsa para proteger seus custos de engorda.

* Físico Vs Futuro.

Tem épocas que a bolsa puxa o físico. Já tem outros momentos que o contrário ocorre. O que temos hoje?

Isso e muito mais!


Carta Pecuária nº 679

postado em 26 de nov de 2017 17:01 por Carta Pecuária

https://drive.google.com/file/d/16WwbuIJxehZp85DKILMBHItJikN5kcAt/view?usp=sharing
​​​

Prezado leitor,


A Carta Pecuária nº 679 está disponível para leitura!

Para acesso clique aqui.




Resumo da edição atual:


Sobre mestres.

Sem a gente se dar conta conscientemente, aprendemos muito com os nossos mestres. Listo os meus que me ajudaram muito no mercado financeiro.


Sobre exportações bovinas.

Uma olhar sobre o movimento de exportações de carne e animais vivos nos últimos vinte anos.



Sobre mai/18 e out/18.

O cavalo passou arreado em junho. Será que estamos em mais uma oportunidade?  


Isso e muito mais na edição atual! 

Clique aqui para abrir (assinantes).


Não assinantes: Clique aqui para conhecer a Carta Pecuária!

Arroba cara ou barata?

postado em 17 de nov de 2017 12:41 por Carta Pecuária   [ 17 de nov de 2017 12:57 atualizado‎(s)‎ ]

Vamos fazer uma brincadeira.

Eu coloco os gráficos.

Pare um segundo em cada um deles.

Daí você responde a pergunta:

"A arroba nesse gráfico aparenta estar alta ou baixa?"

Simples assim.

Pode ser?

Vamos lá.

Seguem os gráficos.



90 dias.






120 dias.






9 meses.






3 anos.






5 anos.











22 anos.





Fica meio confuso, não?

Uma hora um gráfico parece que está em alta.

Em outro parece que o mercado está sem direção.

Já tem gráfico que aparenta preços em queda.

Aí te pergunto.

Qual é o horizonte do seu negócio?

Curto, médio ou longo prazo?

Você compra gado, investe em trator, reforma cerca, aduba pastos, insemina, dá ração.

Em quais tempos esses negócios maturam?

Para decidir se os preços estão caros ou baratos, se vão subir ou cair, no que você se baseia?

Qual é o seu ponto de apoio para a partir daí traçar a sua estratégia?

Sendo assim, qual a sua estratégia para comprar e vender gado?

Qual sua estratégia para aumentar ou diminuir o plantel de vaca?

Qual sua estratégia para investir no seu negócio?

Ela é clara?

Você consegue colocar ela no papel?

Baseando-se nessa sua estratégia, quais seriam os limites de preços de boi, vaca, bezerro, touro, milho, para cima ou para baixo que fariam você reavaliar a sua decisão?

Você tem respostas para esse tipo de pergunta?

Se não tem respostas, que tal neste final de semana pensar sobre isso?

Grande abraço,

Rogério.

1-10 of 107

Comments