O cachimbo na arte 1

Das origens ao século 17 

A mais antiga representação artística de um cachimbo é um baixo-relevo de um templo Maya de Palenque (México), datado ao ano 631 de nossa era. Nesta obra um velho sacerdote maya fuma um cachimbo de tipo tubular, provavelmente para enviar, com a fumaça, mensagens aos deuses.

O significado espiritual do uso cerimonial  do cachimbo é parecido nas culturas nativas da America do Norte, do Centro e do Sul.

 

 

A mais antiga obra européia representando um cachimbo è uma gravura de Theodore de Bry (1528-1598) de 1590,.mas elaborada a partir dos desenhos originais de John White feitos em 1585 quando era governador da Virginia e do relatório de Thomas Harriot Brief and true Report. Na gravura é representado um casal de índios comendo: no chão ao lado do homem é representado um cachimbo e uma bolsa de tabaco. O contexto indica o uso  prazeroso do tabaco por parte dos índios em contraste com a afirmação de uns pesquisadores que sustentam somente um uso ritual do tabaco.

 

Os cachimbos de barro, do tipo representado na gravura de Theodore de Bry, começaram a ser imitados e fabricados primeiro na Inglaterra e depois na Holanda onde o habito de fumar cachimbo tornou-se popular e os fabricantes de cachimbo de barro branco eram tão numerosos que formaram uma corporação (Guild). Os pintores holandeses do século 17 não perderam a oportunidade de representar a si mesmos e outros cidadãos fumando cachimbo., geralmente em momentos de descontração e lazer.

 

Um quadro de Willem Buytewech (1591ou 1592 - 1624), datado entre 1615 e  1620. Numa pousada dois galã com belas roupas, bebem e fumam cachimbo sendo distraídos por um musico malandro cúmplice da mulher que está tentando rouba-los.

 

 

 Outro quadro de Buytewech: um grupo de alegres companheiros numa taberna, bebendo e fumando cachimbo.

Um jovem soldado, com a espada apoiada ao ombro, acende seu cachimbo com uma vela.

Quadro de Hendrick Terbrugghen (1588-1629), datado a 1617; o pintor inspirava-se a Caravaggio pelo uso da luz.



 

Gerrit (ou Gerard) Dou (1613-1675) foi discípulo do grande Rembrandt e pegou do mestre o amor aos detalhes, aos contrastes entre claro e escuro e ao estudo da perspectiva, como no quadro ao lado que poderia ser um auto retrato do pintor lendo um livro e curtindo um cachimbo de barro.

Frans Van Mieris O Velho (1635 - 1671), discípulo de Gerrit Dou, nos deixou este maravilhoso retrato de um velho soldado, sentado na mesa com um caneco de cerveja ao lado e um elegante cachimbo em barro branco na mão.

 Jan Davidsz. de Heem (1606 - 1683 ou 1684) é o autor deste quadro que monstra como uma boa cachimbada podia estar associada a uma suculenta refeição.

Repare no comprimento do cachimbo.