DESTAQUES‎ > ‎

Política Nacional

 Notícias atuais da política nacional.

Arquivo Cabedelo Notícia
Campos e Marina querem Joaquim Barbosa no PSB
Campos e Marina querem Joaquim Barbosa no PSB; Legislação abre brecha para filiar juízes
 Campos e Marina querem Joaquim Barbosa no PSB
 
Emissários de Eduardo Campos e Marina Silva vão procurar o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, para saber se ele tem disposição de se filiar ao PSB para disputar o governo do Rio de Janeiro ou do Distrito Federal.

A motivação para a consulta foi a declaração de Barbosa na semana passada de que não descarta trocar o Judiciário pela política.

Como magistrado, ele pode entrar em um partido até o início de abril, seis meses antes do pleito.

Considerado um herói nacional após a condenação de políticos corruptos no STF, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, tem dito que poderá avaliar a possibilidade de ingressar na vida pública após deixar a magistratura. Segundo o ministro, somente depois de se aposentar ele irá pensar sobre seu futuro profissional pós-Judiciário.

"Quando sair do Supremo, posso refletir sobre isso [eventual carreira política]", destacou Barbosa durante conferência da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), no Rio. A declaração do ministro foi dada após ele ter sido questionado diversas vezes, durante o evento, sobre se considerava a hipótese de disputar um cargo eletivo".

Joaquim Barbosa apareceu bem posicionado em recentes pesquisas eleitorais que sondaram as intenções de voto para a eleição presidencial do ano que vem. Nesta segunda, indagado por um dos mediadores do painel sobre se tinha "simpatia" por algum dos potenciais candidatos à Presidência da República, o presidente do STF criticou o atual cenário político. "O atual quadro político partidário não me agrada nem um pouco”, enfatizou.

Para Padilha, assim que sair a sanção, ministério começa a emitir registros.
Ministro afirmou que o programa fez 360 mil consultas no primeiro mês.
 

 
 

 

Presidente disse que considera programa 'dos mais importantes' do governo
Ela pediu desculpas a médico cubano que foi hostilizado em Fortaleza.

A presidente Dilma Rousseff cumprimenta médicos antes da sanção da lei que institui o Programa Mais Médicos, em cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)
A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta terça-feira (22) a medida provisória que institui o Mais Médicos, programa do governo federal que tem o objetivo de levar profissionais brasileiros e estrangeiros para atender a população em áreas carentes das periferias de grandes cidades e no interior do país. O texto foi aprovado por Câmara e Senado no início do mês.

"É um programa que eu considero dos mais importantes do meu governo. E eu quero manifestar aqui publicamente o meu agradecimento à Câmara e ao Senado que, mais uma vez, demonstraram sua sensibilidade aos grandes problemas nacionais e também uma capacidade de compartilhar decisões que são cruciais e que são importantes para o país com o Executivo", afirmou.

 

Comments