“BÊNÇÃO” ou “SER ABENÇOADO"

 
Malaquias 3.1-12


"para se conseguir as bênçãos de Deus, precisamos nos relacionar direito com Deus, retirar o pecado do nosso meio e cumprir com a vontade do Senhor, do jeito dele, e não do nosso".

7 ¶ Vocês são como os seus antepassados: abandonam as minhas leis e não as cumprem. Voltem para mim, e eu voltarei para vocês. Mas vocês perguntam: “Como é que vamos voltar?”

8 Eu pergunto: “Será que alguém pode roubar a Deus?” Mas vocês têm roubado e ainda me perguntam: “Como é que estamos te roubando?” Vocês me roubam nos dízimos e nas ofertas.

9 Todos vocês estão me roubando, e por isso eu amaldiçôo a nação toda.

10 Eu, o SENHOR Todo-Poderoso, ordeno que tragam todos os seus dízimos aos depósitos do Templo, para que haja bastante comida na minha casa. Ponham-me à prova e verão que eu abrirei as janelas do céu e farei cair sobre vocês as mais ricas bênçãos.

11 Não deixarei que os gafanhotos destruam as suas plantações, e as suas parreiras darão muitas uvas.

12 Todos os povos dirão que vocês são felizes, pois vocês vivem numa terra boa e rica. Eu, o SENHOR Todo-Poderoso, estou falando.


Introdução:
Quando o assunto é “bênção” ou a possibilidade de “ser abençoado”, todos estão presentes. Se fizermos uma propaganda volante pelas ruas anunciando que estaremos curando enfermos, fazendo milagres, arrumando emprego, e outras sortes, com certeza teríamos um templo cheio hoje.

Mas o que pouca gente quer saber mesmo é que para se alcançar as bênçãos de Deus é preciso cumprir a sua vontade.

O texto em questão nos traz algumas considerações importantes que devemos fazer para entendermos este processo de sermos abençoados.

A história registra que Israel havia voltado do cativeiro babilônico, após os 70 anos preso. Agora, o povo já havia reconstruído o templo e o culto. Já se plantava e se colhia. Mas começaram a perceber que haviam dificuldades constantes nas coisas que faziam, de modo que começaram a duvidar do poder e amor de Deus por eles. Parecia que eram os incrédulos que estavam progredindo. Eles não confiavam em Deus, confiavam apenas em si mesmos e ainda tinham e faziam coisas melhores.

Malaquias como profeta de Deus se levanta e traz à luz o que realmente acontecia. Havia pecado na vida do povo. O culto estava avacalhado, eles pecavam e traziam ofertas ruins para pedir o perdão de Deus. Alguns recebiam determinado valor e retinham uma parte do dízimo para si, não entregando tudo. Como se esperar que Deus abençoe um povo tão distanciado dele? Que diz ser o seu povo, mas que não faz nada para agradá-lo?

Ao considerarmos estes versículos, extraímos para nós lições valiosas para que saibamos ir em busca das bênçãos de Deus, então vejamos:

Para ir em busca das bênçãos de Deus é preciso:

1. Manter um relacionamento saudável com o Senhor.
“voltem para mim e eu voltarei para vós”.

O distanciamento que o povo tinha de Deus era imenso. O fato de haver tanto pecado no meio do povo tinha como causa, sem sombras de dúvida, o fato de haverem se distanciado do Senhor.

A acusação feita por Deus no versículo 7 é que o povo não tinha mais contato com sua palavra (abandonam a minha lei); não tinha mais envolvimento religioso, de culto (não as cumprem); e ainda eram hipócritas (Mas vocês perguntam: “Como é que vamos voltar?”)

Nestas últimas palavras, o povo finge que estão religiosamente em paz com Deus. É como se as palavras que Deus havia dito, não fossem realidade. Somos boas pessoas, (diziam) como é que estas coisas foram acontecer conosco.

Malaquias deixa registrado nestas palavras de Deus, que um relacionamento com Ele se dará pelo conhecimento da Palavra e pela prática da mesma.

Haverá sempre a idéia de conhecer e praticar a palavra para que se possa afirmar que se está junto de Deus. Relacionamento envolve leitura da Bíblia e obediência a ela. Nas palavras de Jesus em João 15:14 “Vocês são meus amigos se fazem o que eu mando”.

Mas no texto há uma condição seguida de uma promessa. Voltem para mim – voltarei para vós. Deus nunca deixa seus filhos sem resposta ou sem atenção. Sempre que você o buscar do modo bíblico, Deus estará disposto a atendê-lo e a ser seu divino protetor e amigo fiel, sempre presente nas horas da angústia.

Esta dimensão de relacionamento é tão importante para nossa sobrevivência, que a cada vez que abandonamos a Bíblia, vamos nos afastando de Deus, pois perdemos a noção de sua presença.

Mas é interessante como a nossa tendência pecaminosa nos engana e nos conduz ao afastamento de Deus. “Em que havemos de tornar” ou seja, “não reconheço que me afastei de Deus”. É então preciso que Deus levante alguém para me dar esta informação.

Relacionar-se com Deus será não ir tão longe dele que a volta seja tão dura e penosa. Se você achava que estava sozinho, lembre-se: Volte para Deus hoje e ele voltará para você também.

2. Retirar de nosso meio o que traz a maldição.
9 Todos vocês estão me roubando, e por isso eu amaldiçôo a nação toda.

Se há algo que merece ser destacado no texto é que o pecado da nação estava trazendo a maldição do Senhor como conseqüência. A maldição eram as dificuldades que vinham sobre eles. Plantavam, mas as colheitas davam doenças e por fim, o rendimento era péssimo. Tudo o que produziam não dava lucro, senão prejuízo.
Ao que parece, por causa do pecado de roubar o dízimo de Deus; Deus, que não precisa de dinheiro, feria a plantação com doenças e insetos e fazia com que o lucro fosse menor do que o que o povo esperava.

É uma questão lógica! O dízimo (décima parte de toda a nossa renda) foi criado por Deus para que o homem aprendesse a reconhecer que tudo o que tem vem do Senhor. A idéia é encontrada em Deuteronômio 14:23 “E, perante o SENHOR, teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu cereal, do teu vinho, do teu azeite e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer o SENHOR, teu Deus, todos os dias”. E também no Salmo 24:1 que afirma: “Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam”.

Deixar de entregar o dízimo é o mesmo que desvalorizar a obra de Deus e ser ingrato às bênçãos que Ele tem derramado sobre sua vida. Quando a ingratidão reina em nosso coração, Deus não se vê compromissado a nos abençoar. E, às vezes, se utiliza de meios (dificuldades e problemas diversos) para nos fazer refletir sobre nossa postura e nos levar a assumir um novo comportamento diante dele, arrependido de nossos erros.

Enfim, se você deseja alcançar bênçãos de Deus, deve retirar do seu meio todo comportamento, idéias e palavras que atraiam a maldição, e cumprir a vontade de Deus.

3. Cumprir a vontade de Deus com honestidade.
“Trazei todos os dízimos”

O objetivo dos dízimos era haver “bastante comida” na casa de Deus. Os obreiros sacerdotes e levitas, eram sustentados pelas ofertas e dízimos. Também as despesas de manutenção e construção do templo eram feitas com aquele dinheiro. Deus queria que as coisas relacionadas com o templo e o culto fossem mantidos por aqueles que o tinham como o seu Deus, e que diziam crer e temer a Ele.

Duas interpretações podem surgir das palavras iniciais do versículo 10 “trazei todos os dízimos”. Alguns acreditam que tais palavras se referiam ao fato de que muitos crentes não entregavam seus dízimos. Mas, o texto no hebraico, também pode ser traduzido como “trazei o dízimo todo”, isso daria a idéia de algumas pessoas estavam retendo para si, parte do dízimo que era de Deus.

Essa prática de ficar com aquilo que se propôs entregar a Deus, é entendida por Deus como uma tentativa de mentir sobre sua fé e santidade.

Em Atos 5:1-12 vemos a história de Ananias e sua esposa Safira. Ambos venderam um terreno por determinado valor, e foram entregar o dízimo pela metade e não todo. Pensavam que enganaria a igreja e se mostrariam como bons crentes, mas Deus os viu, e na sua sabedoria, decidiu matá-los ali mesmo no templo pela sua impiedade.

Certo homem deixou de entregar o dízimo e o pastor foi visitá-lo. Ele disse que havia comprado uma bicicleta com o dízimo em 12 prestações, mas que quando a conta terminasse ele começaria a dizimar novamente. O pastor o orientou do perigo de roubar a Deus, mas ele não esboçou qualquer mudança ou arrependimento. Os meses se passaram, e o irmão entregou o primeiro dízimo depois de pagar a bicicleta. Passou na casa do pastor e disse: “aí pastor, pode olhar que entreguei o meu dízimo como havia dito. Depois saiu e foi na casa de outro irmão, umas 4 casas à frente. Deixou a bicicleta no portão e entrou chamando o amigo. Até que uma garotinha entrou gritando que haviam roubado a bicicleta. Ela dizia: “foi o titio sem dentes que levou”.

O pastor disse, o diabo veio tomar aquilo que era dele.

Seja honesto com Deus e Deus será honesto com você. Torne-se para ele e ele tornará para você. Deus o ama, quer lhe abençoar. Mas você precisa fazer a parte que lhe cabe.

Conclusão:
Diante do exposto, somos levados a concluir que para se conseguir as bênçãos de Deus, precisamos nos relacionar direito com Deus, retirar o pecado do nosso meio e cumprir com a vontade do Senhor, do jeito dele, e não do nosso. Deus nos abençoe. Amém.
 
POSTADO POR.HIPOLITO CESAR

Comments