Resumos de P - Z

PAIM, Péterson Gustavo

A História da Borracha na Amazônia e a Química Orgânica: Produção de um vídeo didáticoeducativo para o Ensino Médio. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - ENSINO DE CIÊNCIAS. 2006. 128p. Profissionalizante. (Orientador: Gerson de Souza Mól).

RESUMO: O freqüente uso do vídeo em sala de aula tem exigido, além de mais qualidade quanto à produção do material, maior cautela em sua aplicação. Dentre os vídeos voltados ao ensino de Química, pode-se notar que, na área de Orgânica, há valorização da memorização e pouco é explorado em relação a reações como a de polimerização. O principal objetivo desse trabalho foi produzir um vídeo didático e educativo que enfoque a Química Orgânica, sem priorizar a memorização de fórmulas, destacando a formação de substâncias orgânicas por meio de reações de polimerização. Além disso, foi feita uma revisão de conceitos gerais da Química para servir como introdução ao estudo da Química Orgânica. Dessa maneira, o vídeo "A história da borracha na Amazônia e a Química Orgânica", que atende aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), visa colaborar com o combate à carência de vídeos dessa área, apresentando um trabalho que mostra a realidade da borracha na Amazônia, no Brasil e no mundo, em interdisciplinaridade, principalmente, com História, Geografia, Biologia e Sociologia. Para melhor fundamentar o trabalho, foi realizado um estudo de vídeos produzidos pela Sociedade Brasileira de Química (SBQ), pela coleção Globo Ciência, pelo Telecurso 2000 e por programas governamentais como a TV Escola, com o intuito de verificar deficiências quanto aos aspectos didáticos e educativos, sobretudo quanto à ótica da Química. Também foi realizada pesquisa bibliográfica referente à metodologia de utilização do vídeo em sala de aula, às reações orgânicas de polimerização, aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), à Lei de Direitos Autorais da Constituição Brasileira, ao histórico de documentários destinados ao ensino e à influência da TV na educação. Assim, foram obtidos subsídios para a confecção do roteiro do vídeo didático que introduz a Química Orgânica a partir da polimerização do isopreno na formação da borracha natural via látex, por meio de imagens gravadas na floresta amazônica. Embora haja manual para utilização do vídeo em sala de aula, sua aplicação não é enfoque do trabalho. Apesar de ainda não termos avaliado o vídeo sistematicamente, sua utilização tem apresentado bons resultados, especialmente em relação à motivação dos alunos.


PARENTE, Andrela Garibaldi Loureiro

Interações Sociais e o Discurso sobre o visível e o invisível em aulas de química. Belém, Educação em Ciências e Matemáticas, UFPA, 2004, 105p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: José Moysés Alves).

RESUMO: Nosso estudo procurou compreender, a partir da interação e do diálogo, a elaboração de explicações em aulas de química, tendo em vista aspectos teóricos e empíricos desse conhecimento. Participaram da pesquisa uma professora e sua turma de 26 alunos, do 1º ano do ensino médio, de uma escola pública do município de Belém-Pa. Foi planejada uma aula envolvendo a realização de um experimento sobre a formação da ferrugem. Foram formados quatro grupos de alunos para realizar o experimento. Após observarem o experimento, os quatro grupos de alunos discutiram entre si, em seguida, em conjunto com a professora e, posteriormente, a professora discutiu com a turma toda. Os diálogos ocorridos nos grupos e na turma toda foram filmados e transcritos integralmente. Recorremos à análise microgenética para analisarmos o diálogo de um dos grupos sem a presença da professora, do mesmo grupo com a presença da professora e da turma toda. Identificamos nos diálogos as seqüências das quais emergiram as explicações. Nessas seqüências, utilizamos as categorias propostas por Mortimer e Scott (2002) para analisar as intenções, o conteúdo, a abordagem comunicativa, os padrões de interação e as intervenções da professora. As análises nos possibilitaram compreender e discutir como os alunos elaboram explicações em aulas e, em cada uma delas a participação dos aspectos teóricos e empíricos do conhecimento químico. Assim, observamos que as explicações elaboradas pelos alunos levaram em conta conhecimentos de diferentes origens: a observação empírica do experimento, as aprendizagens escolares prévias, conceitos cotidianos e os conhecimentos teóricos compartilhados pela professora. Predominou uma abordagem comunicativa dialógica, mas quando foi necessário para a elaboração da explicação relacionar o conhecimento empírico com o teórico, a abordagem comunicativa foi, predominantemente, de autoridade.


PARENTE, Letícia Tarquínio de Souza

A ciência Química - ensino e pesquisa na universidade brasileira. Rio de Janeiro, Instituto de Estudos Avançados em Educação, FGV, 1985. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Zilah Xavier de Almeida).

RESUMO: Procede a uma caracterização crítica da prática do ensino e da pesquisa em Química na universidade brasileira, a partir dos conceitos de base extraídos da obra de Gaston Bachelard. Analisa o discurso da lei que criou a associação indissolúvel entre o ensino e a pesquisa na pessoa do professor universitário, conferindo-lhe um caráter obrigatório. Comenta o texto da Lei nº 5.540 de 28 de novembro de 1968 e o relatório do grupo de trabalho que a elaborou. Propõe uma interpretação da epistemologia de Gaston Bachelard, fundada na exploração de alguns conceitos pertinentes aos problemas visados. Apresenta propostas de atuação que passam por uma etapa obrigatória de pesquisa, preferencialmente de cunho interdisciplinar, abrangendo a colaboração, quando possível, do epistemólogo, do psicólogo, do pedagogo, do professor e pesquisador químico. A parte final do estudo é desdobrada em três itens: o primeiro, repõe a fundamentação do ensino e da pesquisa em bases epistemológicas; o segundo, visa a atuação do sentido de se alcançar a socialização mais efetiva e ampla da Química, com a análise de suas conseqüências; o terceiro, trata da localização, caracterização e avaliação da cidade dos cientistas químicos. A validade das idéias de Bachelard permite a colocação de propostas de pesquisas pedagógicas e epistemológicas, que possivelmente abrirão novos caminhos de encontro e enriquecimento mútuo entre o ensino e a pesquisa no campo de Química.


PASCHOAL, Jonas Augusto Rizzato

Resíduos de antimicrobianos em peixe: depleção residual e desenvolvimento de métodos analíticos. Campinas, Química, UNICAMP, 2007. 137p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Susanne Rath).

RESUMO: Este trabalho apresenta um conjunto piloto de oito aulas eletrônicas, elaboradas com o uso do aplicativo Flash e direcionadas para o ensino médio. As aulas focalizam os tópicos ácidos, bases e sais e foram aplicadas tanto em escolas públicas quanto privadas. O resultado de sua eficiência foi avaliado por meio de questionários respondidos por professores e alunos. Na opinião dos alunos, uma das vantagens do material é que ele pode ser utilizado em qualquer lugar, a qualquer momento bem como possui um apelo visual bastante esclarecedor e estimulante. Na opinião dos professores, a utilização desses recursos, além de despertar a atenção e o interesse dos alunos, facilita o aprendizado mesmo daqueles que, normalmente, apresentam mais dificuldade de assimilação. Segundo eles, a grande maioria dos professores que atuam tanto no ensino público quanto no privado estaria preparada para utilizar o material. Estes resultados indicam que a aplicação desse recurso pode contribuir para a formação e melhoria da qualidade de vida das pessoas, diminuindo os contrastes entre o ensino público e o privado.


PAULI, Nivia Aparecida Friollo de

A Química em instituições secundárias e superiores: Araraquara nas primeiras décadas do século xx. São Paulo, Centro Simão Mathias de Estudos em História da Ciência, PUC-SP, 2003. 88p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Márcia Helena Mendes Ferraz).

RESUMO - Nas primeiras décadas do século XX, tivemos modificações significativas relacionadas com a política socioeconômica que o país vivenciava. A expansão cafeeira, principalmente no Estado de São Paulo, desempenhava papel importante no desenvolvimento do Brasil, diversificando as atividades econômicas e criando condições para que os serviços, o comércio, os bancos, os primeiros artesanatos e fábricas refletissem as novas relações de produção. Com toda essa transformação se gestando, a Química demarcava seu espaço junto à agricultura, criando a Estação Central de Química Agrícola em 1915, e um Centro de Pesquisas Científicas de Química Agrícola em 1918. Situamos para nossa pesquisa três instituições de ensino secundário: Associação da Escola Mackenzie de Araraquara, Colégio Progresso de Araraquara e Escola Nacional de Comércio de Araraquara e no ensino superior a Escola de Farmácia e Odontologia de Araraquara. A investigação do ensino da Química nas instituições secundaria e superior são importantes para se tomar conhecimento da contribuição desta ciência no processo de modernização pelo qual passava o país, e tentar compreender como Araraquara se inseria no cenário nacional.


PEIXOTO, Hebe Ribeiro da Cruz

Natureza da ciência e formação de professores de química uma experiência de sala de aula. São Paulo, Instituto de Química, USP, 2003. 146p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Eunice Ribeiro Marcondes).

RESUMO: Nesta pesquisa em ação analisadas e discutidas mudanças conceituais envolvendo idéias sobre Natureza da Ciência de 16 licenciando em Química. O termo "Natureza da Ciência"engloba idéias e questões com raízes nos campos da História, da Sociologia, da Psicologia e da Filosofia, que tentam investigar, descrever e explicar como se faz Ciência e cmo se produz conhecimento (McComas et all, 2000; Vazquez Alonso e Massanero Mas, 1999; Ledermann, Wade e Bell 2000). Acredita-se que conhecimentos e reflexões sobre Natureza da Ciência podem permitir que aprendizes internalizem aspectos do pensamento científico, e que desenvolvam atitudes mais consistentes com estes em suas vidas diárias. Embora não haja consenso a respeito de como o conhecimento científico é obtido, optou-se por discutir com os alunos-professores alumas visões recomendadas por oito instrumentos normativos internacionais (McComas, 2000), tais como a da não existência de um único método científico, a de se que modelos científicos são criações humanas, a de que observações são influenciadas pela ecologia conceitual dos indivíduos (Thulmin, 1977), e a de que Ciência e Tecnologia se influenciam mutuamente. Para tal foram realizadas várias atividades: estudo de caso histórico, atividades lúdicas, atividades químicas experimentais, análises de situações do ensino de Química, leituras de textos sobre métodos científicos, análise de concepções filosóficas de como conhecimento científico é obtido, e exercícios de matacognição. As atividades foram escolhidas com a intenção de detectar e explicar as concepções de Ciência que os alunos já possuíam, de promover insatisfação com estas idéias, de apresentar novas idéias mais plausíveis e profícuas, de promover metacognição. As atividades foram selecionadas levandose em conta sua inteligibilidade com a intenção de incentivar o envolvimento e a participação ativa dos alunos-professores, e de permitir mudanças conceituais profundas. (Posner et all 1982). A maior parte dos licenciados apresentou algumas mudanças conceituais profundas em suas concepções de Ciência. Não se pode garantir porém que estas mudanças irão influir em suas ações docentes.


PEIXOTO, Marco Aurélio Nicolato

Os laboratórios de ensino nas escolas estaduais de nível médio de Belo Horizonte. Tecnologia, CEFET-MG, 2003, 149p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Fabio Wellington Orlando da Silva)

RESUMO: O presente trabalho procura analisar qual influência têm exercido na educação os Laboratórios de Ensino, abrangendo estes os Laboratórios de Química, Física e Biologia e também os de Informática, recurso tecnológico tão importante para a vida moderna. A pesquisa visa responder a questões relacionadas com a instalação e o uso dos computadores nas escolas, à metodologia utilizada, à influência do uso dessa ferramenta na aprendizagem e na retenção de conhecimentos, do ponto de vista dos alunos e das escolas. O mesmo se buscou em relação aos Laboratórios de Ciências, pretendendo-se ainda detectar uma possível interferência dos fatores socioeconômicos na aprendizagem. Usou-se uma metodologia "híbrida", mesclando-se os modelos qualitativo e quantitativo. Como estratégias foram utilizadas cinco frentes distintas: a análise de documentos fornecidos por Órgãos do Governo do Estado de Minas Gerais, a observação direta nas escolas, questionários dirigidos aos alunos e professores, aliados a entrevista com esses últimos e por fim, entrevista semi-estruturada com os diretores. Foram envolvidos no trabalho cerca de 1600 alunos, em mais de 25% das Instituições dentre as acima especificadas. A pesquisa indica que os computadores foram instalados em ambientes adequados e se encontravam em condições de serem operados, mas eram pouco ou nada utilizados, e nesse caso, sem integração com os laboratórios de ensino, servindo mais como ferramentas gráficas na formatação de pesquisas, com pouco acesso a Internet. Da mesma forma os Laboratórios de Ciências eram adequados e bem equipados, mas pouco utilizados, muitos deles inativos, tornados sala de aula convencional, ou sala de despensa. Observou-se que o nível de aprendizagem e a retenção de conhecimentos podem ser influenciados favoravelmente pelo uso do computador e que o nível sócio econômico das famílias é determinante, não sendo esses resultados totalmente conclusivos. Concluiu-se que equipamentos caros devem ser introduzidos nas escolas como parte de um projeto educacional amplo e bem estruturado. Concluiu-se que um equipamento tão caro só deve ser introduzido nas escolas, quando inserido em um projeto educacional amplo e bem estruturado.


PELEGRINI, Ronaldo Teixeira

A mediação semiótica no desenvolvimento do conhecimento químico. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1995. 117p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Silvio Sanches Gamboa).

RESUMO: Os homens, por meio da linguagem, criam relação com o ausente e com o tempo, educando-se e transformando-se em seres culturais. Estas interações que ocorrem no âmbito das relações sociais e com o mundo são relações estritamente humanas que são possibilitadas pelos signos. São portanto mediações semióticas. Graças a essa mediação semiótica é possível a comunicação, como também o conhecimento e o desenvolvimento da consciência. As fórmulas e as equações químicas são mediadoras do conhecimento químico, e o sucesso do ensino-aprendizado da Química depende da maneira como o professor trabalha essa simbologia. A pesquisa verifica como a maneira de ensinar as fórmulas químicas isoladas do universo e por meio de uma tradução mecânica de um signo para outro limita a mediação semiótica e, por conseguinte, afeta a qualidade do ensino e da aprendizagem da Química.


PENHA, Abraão Felix da

Valência: Adjetivo ou substantivo? Uma visão de professores, de livros didáticos e de estudantes do curso de licenciatura em Química da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Instituto de Física, UFBA, 2005. 84p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Adelaide Maria Vieira Viveiros).

RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo compreender a abordagem do conceito de valência na visão dos professores, dos livros didáticos e dos estudantes do curso de Licenciatura em Química da Universidade Federal da Bahia, em Salvador-BA. O percurso metodológico utilizado foi uma construção, através da literatura, de um breve histórico do conceito; uma coleta da visão dos professores da disciplina Química Geral I e estudantes da disciplina Metodologia e Prática de Ensino de Química II sobre o conceito, através de questionários e a visão dos livros didáticos da disciplina Química Geral I, através da análise do livro, utilizando alguns critérios comuns aos utilizados nos questionários. O que se pode concluir é que a visão dos pesquisados não difere muito uma da outra e que no final do curso o estudante tem uma idéia do conceito de valência muito parecida com a do ensino médio e que, mesmo na universidade, se trabalha com o conceito como um adjetivo: elétrons de valência ou teoria da ligação de valência e não como um substantivo, ou seja, que houve um contexto de produção desse conceito e que ele se articula com outros conceitos, formando uma teia de relações.


PEREIRA, Carlos Alberto

A visão de profissionais de educação sobre o funcionamento do trabalho laboratorial em nível fundamental (5ª a 8ª séries). Educação para a Ciência, Bauru, UNESP, 2004, 206p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Aguinaldo Robinson de Souza).

RESUMO: O objetivo de investigação deste estudo foi entender a visão dos profissionais da educação sobre o funcionamento do Trabalho Laboratorial no Ensino Fundamental (5a a 8a séries). A metodologia utilizada foi a Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdos. Para isto foram entrevistados Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores de Ciências em seis unidades escolares estaduais do Ensino Fundamental das cidades periféricas da Diretoria Regional de Ensino de Araraquara (SP). Houve necessidade também de entrevistar profissionais que oferecem apoio externo às unidades escolares como o Assistente Técnico Pedagógico de Ciências da Oficina Pedagógica, um funcionário do Centro de Ciências de Araraquara e um Professor Universitário do Instituto de Química de Araraquara. As visões obtidas destes profissionais foram centradas na reconstrução dos diálogos das entrevistas de áudio relacionadas com os fatores que norteiam a prática docente e os fatores externos onde os professores de Ciências buscam apoio pedagógico para o Trabalho Laboratorial. Todos os dados foram selecionados, sistematizados e confrontados com a bibliografia gerando interpretações e análises apresentadas na unidade ?Identificando os Resultados? e ?Considerações Finais?. Algumas destas considerações apontam para um redimensionamento do papel do Trabalho Laboratorial no Ensino de Ciências e indicam que a maioria dos profissionais entrevistados não tem claro como o trabalho de laboratório deve ser explorado na disciplina de Ciências no Ensino Fundamental e não consegue superar as dificuldades de funcionamento que o trabalho laboratorial exige dentro da rotina da unidade escolar.


PEREIRA, Cláudio Luiz Nóbrega

A História da Ciência e a Experimentação no Ensino de Química Orgânica. Brasília, Ensino de Ciências, UnB, 2008, 125p. Profissionalizante. (Orientador: Roberto Ribeiro da Silva).

RESUMO: A motivação para este trabalho partiu da percepção de que os alunos não demonstram muito interesse pelo estudo do conteúdo relativo à Química Orgânica. A literatura tem enfatizado que este é um caso particular de um problema mais amplo: o ensino de ciências passa por uma crise. Segundo vários estudos, esta situação se deve a abordagem pela qual o conhecimento científico é apresentado. Tal abordagem caracteriza-se por ser focada na transmissão de conteúdos que se distanciam da realidade dos alunos, tendo como objetivo a formação de futuros profissionais para carreiras ligadas a ciência. Além do mais, esta abordagem apresenta o conhecimento científico como uma verdade inquestionável, já que, em termos epistemológicos, apóia-se em um modelo empírico indutivista da ciência, cujos fundamentos têm sido duramente criticados pela moderna Filosofia da Ciência. Com intuito de superar tais dificuldades, produzimos um módulo de ensino que aborda o tema corantes, segundo uma perspectiva histórica aliada à experimentação. Este módulo foi avaliado por sete professores de Química. A avaliação de cada um deles foi coletada por meio de entrevistas semi-estruturadas. Como resultado os professores destacaram a potencialidade do material em permitir uma abordagem que rompa com a fragmentação do conhecimento químico, aproxime o conteúdo da realidade do aluno, e apresente as inter-relações entre ciência tecnologia e sociedade. Os professores indicaram, ainda, que os experimentos sugeridos podem contribuir para articular o nível macroscópico com os níveis teórico e representacional do conhecimento químico. Também realizamos uma análise sobre a forma como foram inseridas a História da Ciência e a Experimentação nos livros didáticos de Química, que irão fazer parte do Programa Nacional do Livro Didático de 2008. O resultado de tal avaliação mostra que, em geral, estes livros fazem uso da história da ciência, porém de forma inconsistente, e que a experimentação ainda é tomada segundo a lógica da confirmação.



PEREIRA, Vania Nunes Meirelles

Transformando a cola em consulta nas Avaliações do Processo de Ensino-Aprendizagem da Química. Educação, UFMT, 2000, 86p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: José Adolfo Rodríguez).

RESUMO: Esta pesquisa teve por propósito criar alternativas de métodos de avaliação onde o aluno não sentisse a necessidade de lançar mão da prática da cola, propondo assim critérios de progressão mais justos. Verificou-se ainda, a importância e validade de se utilizar a ocasião da prova também como um momento de aprendizagem contínua de química. Para tal, recorremos às Teorias do Construtivismo de Piaget e das Inteligências Múltiplas de Gardner, além de outros teóricos como, principalmente, Krause quando aborda a problemática da cola. Utizamos de uma metodologia quali-quantitativa que nos levou a concluir que o uso da consulta livre, durante as avaliações de química, torna-se uma opção de metodologia que tanto coíbe a utilização da cola, quanto também proporciona mais um recurso de facilitação da aprendizagem do conteúdo pelo aluno.



PESSOA, Adriano Bomtempo

A informática como instrumento mediador do ensino de química aplicada na formação inicial dos professores. Brasília, Ensino de Ciências, UnB, 2007. 97p. Profissionalizante. (Orientador: Gerson de Souza Mól).

RESUMO: Com o surgimento das Tecnologias da Informação e Comunicação – TIC, presencia-se uma nova postura da sociedade contemporânea que, em plena fase da cultura eletrônica, vem transformando suas relações comerciais, informacionais e interpessoais. Este trabalho trata da abordagem dessas tecnologias na formação dos educadores químicos, tendo em vista a inserção delas no ambiente escolar, por tratar de suas potencialidades quando aplicadas ao Ensino de Química. Diversas instituições de ensino superior que possuem cursos de Licenciatura em Química apresentam, em sua grade curricular, disciplinas que desenvolvem o conhecimento em informática e de suas capacidades, porém observa-se com maior freqüência a preocupação em explorar as características básicas do computador e da microinformática, em detrimento do conhecimento a respeito de sua aplicação como parte integrante do processo de ensino-aprendizagem. O foco dessa dissertação é a formação inicial de professores de Química, por meio da elaboração de uma disciplina – Informática no Ensino de Química – a ser integrada ao currículo do curso de graduação em Química da Universidade de Brasília - UnB. Disciplina que tem como característica a abordagem das TIC e das suas particularidades nas relações educativas, a fim de oferecer aos futuros docentes em Química provenientes da UnB condições para o uso criativo e contextualizado da informática, de modo a facilitar a aprendizagem em suas práticas pedagógicas. Permeia por todo o trabalho a busca de dados que propiciem uma reflexão sobre a forma em que a disciplina criada.


PIAI, Débora

Hipóteses sobre a combustão entre os alunos do ensino médio: a epistemologia de Gaston Bachelard. Maringá, Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática, EUM, 2007, 136p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Eliane Sebeika Rapchan).

RESUMO: A descoberta do oxigênio integra um dos maiores debates encontrados na história da Química e está vinculada à teoria lavoiseriana (MAAR, 1999). Até que essa teoria fosse proposta por Lavoisier muitas outras estiveram atreladas a uma série de noções, inclusive àquelas que ficaram conhecidas por associação aos flogistonistas, algumas delas carregadas de dogmatismo e misticismo, constituíram-se naquilo que Bachelard denominou como obstáculo epistemológico. Para Bachelard, num sentido amplo, obstáculo é algo que impede um indivíduo de progredir na esfera intelectual (BACHELARD, 1996). Neste trabalho, foram levantadas as idéias de alunos da 1ª série do Ensino Médio, sobre o processo da queima, por meio de uma série de experimentos envolvendo combustão. Os dados levantados foram analisados a partir do confronto com a epistemologia de Bachelard e debates históricos que circundaram a teoria do flogístico até o surgimento da teoria de Lavoisier. Daí resultaram algumas categorias de caráter epistemológico histórico e educacional, que foram desdobradas em subcategorias entre elas: a da experiência primeira, generalização, erro como tentativa de construção do conhecimento científico, o fogo como agente de transformação, os princípios responsáveis pela queima e considerações sobre a conservação da matéria. O erro, quando manifesto em sala de aula, é algo que não condiz com o conhecimento cientifico estabelecido. No entanto, para Bachelard, a reflexão sobre o novo, que leva sempre ao ato de conhecer e à postura adotada pelo sujeito conhecedor nesse ato de conhecer, pode ser determinante no que diz respeito ao erro e ao obstáculo epistemológico. O erro em Bachelard difere de maneira significativa do erro na forma em que estamos habituados a pensar a partir do senso comum. Para nós, o erro é visto como algo “impuro” e não premeditado e que nem deve ser considerado. A ciência em geral descarta o erro, assim como os professores, principalmente aqueles erros conceituais ou formais que são cometidos em sala de aula. Os resultados obtidos revelam que, em contato com os experimentos e sob estímulo de questões, os alunos conseguiram levantar hipóteses sobre o que acontece no processo de combustão. No entanto, quando esses alunos expressaram concepções espontâneas que mostraram-se errôneas, isso foi valorizado pois, sob a ótica bachelardiana, significa a existência do pensamento racional. O professor, como o responsável pela mediação entre o conhecimento e o aluno, pode fazer com que os estudantes superem tais dificuldades propondo situações de aprendizagem nas quais as representações falsas destes sejam colocadas em xeque, valorizando o erro com vistas à sua superação. Este processo de reflexão tem o potencial de possibilitar aos alunos uma aproximação mais eficaz do conhecimento científico.


PINHEIRO, Luiz

O ensino de Química nos cursos de Ciências Biológicas nas IES do estado de Mato Grosso em relação às questões ambientais. Cuiabá, Instituto de Educação, UFMT, 1999. 98p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Miguel Pedro Lorena de Moraes).

RESUMO: Este trabalho tem como proposta fazer um resgate das realidades existentes no processo educativo envolvendo o ensino de Química que é desenvolvido nos cursos de Ciências Biológicas nas instituições de ensino superior no estado de Mato Grosso em relação às questões ambientais. Foram pesquisadas três instituições no estado de Mato Grosso: UFMT, UNEMAT e UNIC. Em relação ao universo da pesquisa, estão professores de Biologia, professores de Química e alunos dos cursos de Ciências Biológicas destas instituições. Procurou-se aqui verificar se a disciplina de Química trabalhada nestes cursos contempla as necessidades e expectativas de alunos e professores, se há um direcionamento da disciplina no sentido de abordar temas ambientais, uma contextualização do ensino que permita uma melhor compreensão sobre questões relacionadas à influência da Química no cotidiano das vidas das pessoas, integração do conteúdo Químico propriamente dito com o contexto social, e ainda se está sendo possível através deste ensino, contribuir para a formação de um profissional de Biologia com um certo discernimento de ética, moral, respeito aos problemas ambientais, e principalmente de seu papel de cidadão dentro da nossa sociedade. Entretanto, constatou-se ao longo deste trabalho que existe uma certa ansiedade de conhecimentos envolvendo questões ambientais e sociais por parte dos alunos desses cursos pesquisados, bem como da importância do papel da disciplina Química. Também verificamos que algumas mudanças se fazem necessárias, de forma que os paradigmas já estabelecidos venham a enfraquecer-se ao longo do tempo para que possamos implementar propostas objetivando uma nova visão e perspectivas para o ensino de Química.


PINHEIRO, Paulo Cesar

A interação de uma sala de aula de química de nível médio com o Hipermídia Etnográfico sobre o sabão de cinzas vista através de uma abordagem sócio (trans) cultural de pesquisa. São Paulo, Educação, USP, 2007, 859p. Tese de Doutorado. (Orientador: Marcelo Giordan).

RESUMO: Os conhecimentos culturais ao redor do sabão de cinzas foram escolhidos como tema de um instrumento hipermídia visando inseri-los em uma sala de aula de Química de nível médio. A inspiração na etnografia foi a via considerada nessa direção, partindo da hipótese de trabalho para a etnociência proposta por D’Olne Campos (2000) com ênfase em um guia êmico e de acordo com a “teia de relações” presente no discurso das produtoras do sabão de cinzas (FOUCAULT, 1986). O instrumento criado reuniu textos, fotografias, vídeos, vozes e perguntas/atividades para a interpretação dos alunos. A investigação em sala de aula buscou perceber a natureza da instrução baseada na inserção de um modo de conhecer distinto nas aulas e seus diálogos com outros conhecimentos. A base teórica da pesquisa procurou integrar a abordagem sociocultural da ação mediada (WERTSCH, 1997) com algumas perspectivas dos estudos (trans) culturais no ensino de ciências, como a noção de travessias de fronteiras culturais (AIKENHEAD, 1996), o modelo genérico para a compreensão holística do aluno de ciências (COSTA, 1995) e a teoria das visões de mundo aplicada na pesquisa no ensino de ciências (COBERN, 1991, 2000a). Os alunos interagiram com o Hipermídia inicialmente em grupos durante quatro aulas, respondendo ao mesmo com receptividade, curiosidade, interesse, exibindo diferentes trânsitos pela narrativa etnográfica e integrando os seus recursos. Os movimentos interpretativos dos alunos se pasearam nos diálogos com os colegas de grupo, em pesquisas usando a internet e livros e mediante entrevistas envolvendo a comunidade, havendo evidências de respostas mais produtivas aos processos de significação por pares simétricos. Os alunos manifestaram duas tendências principais de respostas para as perguntas propostas no Hipermídia: o conhecimento químico e os modos de explicar das produtoras do sabão. Essas tendências foram associadas às visões de mundo de ciência escolar dos alunos, levando-os a se inclinarem na direção da ciência que explica (tendência dos alunos do tipo “Cientista em Potencial”) ou em direções consideradas como sendo mais fáceis de compreender (caso dos “Outros Alunos Espertos”). Alunos com pressuposições emocionais, religiosas e utilitárias mostraram trânsitos mais engajados na direção da ciência popular e menor interesse pelas explicações da ciência escolar. Existiram barreiras na direção dos dois conhecimentos envolvidos destacando-se as de linguagem, mas essas foram sendo vencidas pela maioria dos alunos com o desenvolvimento das aulas, através do trabalho colaborativo e do suporte oferecido. A professora desenvolveu 14 aulas a partir da exploração do Hipermídia pelos alunos e foi necessário oferecer um suporte teórico e material para o trabalho da mesma: um texto sobre o construtivismo contextual e o hipermídia das ‘Visões de Mundo’, um segundo instrumento criado para promover a interanimação com as vozes dos alunos. Tal suporte implicou em uma mudança do paradigma normal das aulas de Química, sugerindo uma direção contrária à assimilação dos conteúdos pelos alunos e apontando para a compreensão como práxis vinculada à explicitação dos contextos culturais de significação dos conhecimentos envolvidos. Isso conduziu a uma comparação entre conhecimentos, sugerindo que a tarefa da demarcação é difícil e delicada. A comparação entre linguagens e algumas crenças específicas das produtoras do sabão de cinzas, no entanto, pareceram facilitar essa tarefa.


PIZZATO, Michelle Camara

Temas ambientais na Química do ensino médio: visões de professores, licenciandos e livros. São Paulo, Instituto de Física, USP, 2002. 157p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Eunice Ribeiro Marcondes).

RESUMO: A presente pesquisa buscou conhecer, se e como, os temas ambientais são abordados na disciplina de Química, através de análise dos livros didáticos e da visão de professores do ensino médio e de licenciandos em Química. Foram realizadas entrevistas com professores de química do ensino médio de escolas de Porto Alegre (RS) e alunos dos cursos de Licenciatura em Química de duas Universidades com sede também em Porto Alegre, com o intuito de perceber nos entrevistados qual a visão que têm a respeito de abordar temas ambientais na disciplina de Química para o ensino médio, quais temas ambientais são considerados mais importantes, se e como é feita essa abordagem, quais os materiais utilizados para apoio pedagógico, entre outras questões. Além disso, considerou-se importante fazer um levantamento dos assuntos ambientais tratados nos livros didáticos de Química e avaliar como eles são abordados. Foram selecionadas as três coleções didáticas de química mais utilizadas recentemente em Porto Alegre. As análises das entrevistas e dos livros didáticos tiveram como um dos referenciais as visões da relação homem-ambiente, procurando perceber quais as concepções apresentadas tanto por professores quanto por coleções didáticas. Os resultados principais mostraram um caráter egocêntrico nas coleções didáticas analisadas, além da ausência de propostas que desenvolvessem atitudes e comportamento proambientais ou visão individual da relação homem-ambiente. Os professores, por sua vez, relataram abordagens e concepções bastante semelhantes às encontradas nas coleções didáticas, indicando uma forte influência do livro didático na prática docente. Ainda, os relatos dos alunos dos cursos de Licenciatura apresentaram poucas diferenças em relação aos professores, atestando a dificuldade de abordar temas ambientais na disciplina de Química. Além desses resultados, a pesquisa sugere que haja uma modificação conjunta nos materiais didáticos e na formação inicial e continuada dos professores a fim de integrar a abordagem da temática ambiental na Química do ensino médio.


PRADO JR., Antonio Baraçal

O ensino superior de Química e a sua relação com o mercado de trabalho. PUC-Camp – Educação. 1999. 90 p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Eugênia de Lima e Montes Castanho).

RESUMO: O presente trabalho, inserido na linha de pesquisa Docência em Instituições de Ensino Superior, foi desenvolvido em 1999 e buscou realizar um estudo junto às Instituições de Ensino Superior de Química e as Indústrias Químicas da região de Campinas, sobre a relação entre o ensino praticado nestas Instituições e o Mercado de Trabalho. Utilizando como metodologia de pesquisa a análise qualitativa, o estudo foi realizado por meio de entrevistas e da análise de documentos junto aos Coordenadores dos Cursos de Química e Profissionais Químicos do setor industrial com funções de chefia em sua empresas. O estudo permitiu verificar certo descompasso entre a realidade profissional trabalhada nas universidades e o que ocorre no mundo do trabalho. Pode-se também identificar um movimento no sentido da formação de um novo perfil profissional do Químico a ser desenvolvido pelos Estabelecimentos de Ensino Superior, tendo em vista melhores condições de inserção dos alunos no mercado de trabalho. Neste sentido, percebe-se uma orientação pedagógica de valorização de conteúdos profissionais, complementares e extra-classe, com vistas ao desenvolvimento de outras capacidades e habilidades pessoais importantes à formação de um profissional-cidadão. Em suma, verificam-se vários níveis de descompasso na relação que se estabelece entre o ensino e o mercado de trabalho, assim como fica evidente a necessidade da intensificação do debate sobre esta problemática.


QUADROS, Ana Luiza de

A Química na formação do técnico agrícola: potencialidades inexploradas. Ijuí, Departamento de Pedagogia, UNIJUÍ, 1999. 174p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Otávio Aloísio Maldaner).

RESUMO: A presente pesquisa foi motivada pela minha insatisfação, enquanto professora de Química, bem como pelas preocupações que esta atividade me causava. A rejeição pela disciplina por parte dos alunos e a visão que eles e toda a sociedade têm do que seja Química e produtos químicos, são alguns fatores que geraram o tema em questão. Ao analisar o conhecimento químico desenvolvido em escolas agrícolas de nível médio na disciplina de Química, fica evidente uma prática corrente de ensino mais voltado à transmissão de conceitos, de forma linear, hierarquizada, fragmentada e descontextualizada. Tratam-se de programas tradicionais mesmo sendo dirigidos a alunos de escola que propõe uma formação bem específica: a profissionalização do técnico agrícola. Através de uma sondagem junto aos alunos que ingressaram no curso em 1998, foi possível analisar as expectativas que tinham em relação à escola. Como filhos de produtores rurais ou de outros trabalhadores do campo, esperam que a escola capacite-os a voltarem para suas propriedades e desenvolverem uma agricultura melhor em relação àquela que vinham praticando. No que se refere aos produtos químicos usuais na agricultura - agrotóxicos, venenos, defensivos - os alunos manifestaram grande preocupação. Isso exige da escola, especialmente da disciplina de Química, práticas diferentes. Ao confrontar as expectativas dos alunos quanto ao curso com o conhecimento químico desenvolvido nas escolas agrícolas de ensino médio, novas práticas pedagógicas precisam ser pensadas. Para isso, aponto possíveis caminhos para o desenvolvimento do conhecimento químico, através de eixos temáticos significativos para esses alunos. No entendimento do mundo material as temáticas água e controle de pragas na agricultura são muito pertinentes. Tento mostrar que alguns conceitos químicos podem ser introduzidos dessa forma, podendo se tornarem muito significativos na postura do futuro profissional, diante dos grandes problemas ambientais que afetam a produção no meio agrícola.


RAMOS, Maria Rosangela Silveira

As interações estabelecidas no ensino da química em ambientes pedagógicos diversificados. Ijuí, Departamento de Pedagogia, UNIJUÍ, 2005. 196p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Otavio Aloísio Maldaner).

RESUMO: A dissertação tem como foco aulas de Química no Ensino Médio, ministradas em ambientes pedagógicos diversificados por uma professora que busca tornar-se pesquisadora de sua própria prática pedagógica. Para isso propôs que suas aulas fossem videogravadas. A própria professora fez as transcrições dessas aulas com vistas à produção de dados de pesquisa. O olhar de pesquisadora centrou-se nos processos interativos produzidos em cada ambiente. Com base em Vigotski, partiu do pressuposto de que é nas interações sociais produzidas que as pessoas produzem sentidos sobre os instrumentos culturais, como são os conceitos da Química, e se constituem singulares em determinada cultura. A escola é concebida como instituição social em que as relações sociais, os entrelaçamentos de saberes e os conhecimentos socialmente constituídos têm um significado muito especial na singularização das pessoas. Dessa forma, o foco de análise são os movimentos discursivos na (re)significação de conceitos Químicos pelas mediações e interações estabelecidas nas aulas. A análise interativa adotada na pesquisa foi proposta por Mortimer e Scott e mostrou-se instrumento adequado para compreender os contextos práticos em que se desenvolveu a ‘estória científica’ - laboratório de informática, laboratório de ciências, sala de aula e de jogos químicos - nos quais foi desenvolvido o componente curricular de Química para o primeiro ano do Ensino Médio. Verificou-se que a natureza das interações varia bastante, de acordo com o ambiente em que se desenvolve a aula, tanto por iniciativa da professora, dos alunos ou da participação de outro professor. O trabalho realizado produz importantes implicações na compreensão da própria ação pedagógica da professora nesses ambientes diversificados, mostrando limites e potencialidades. O trabalho mostrou, ainda, a importância da pesquisa na formação continuada da professora que se tornou pesquisadora de sua prática.


RAMOS, Tácita Ansanello

Culturas escolares: o lugar da química e os consumos de propostas curriculares para o ensino médio. Campinas, Educação, UNICAMP, 2008, 163p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Inês de F. Petrucci dos Santos Rosa).

RESUMO: A pesquisa desenvolvida teve por finalidade, através do estudo da cultura escolar feito numa perspectiva etnográfica e das narrativas de professores, investigar que discursos vêm sendo produzidos no cotidiano a respeito de um possível lugar (CERTEAU, 1994) para a disciplina química. Dentro desse contexto, procurou-se entender como esses discursos estão relacionados aos diversos consumos das propostas curriculares nacionais iniciadas após os anos 90, mais especificamente os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio de 1999/2000 e as Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio de 2004/2006.


REED, ELAINE

A disciplina química orgânica no curso de farmácia: proposta de objetivos de ensino. Brasília, Química, UnB, 1993, 197p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Roberto Ribeiro da Silva).

RESUMO: A falta de vinculação do conteúdo apresentado aos alunos com a prática profissional constitui-se num indicador de problema de ensino na disciplina química orgânica, no curso de farmácia. Este indicador, aliado a outros motivou o empreendimento do presente trabalho com o objetivo de se propor uma sequência para a aprendizagem, levando em conta a pratica profissional. O procedimento utilizado para coleta de dados envolveu a aplicação de questionários e entrevistas a farmacêuticos de diversas áreas de atuação profissional, bem como a análise de livros textos de bioquímica, química farmacêutica e química orgânica. A analise dos dados referida disciplina. Buscou-se relacionar os objetivos com situações de desempenho profissional, nas quais o individuo deve realizar a tarefa com autonomia. As contribuições do trabalho estão relacionadas a possibilidades de questionamentos referentes ao papel do ensino farmacêutico na formação deste profissional e a contribuição que um curso de química orgânica mais voltado as reais necessidades da categoria e da sociedade seja capaz de oferecer. Permite reavivar a questão concernente objetivo de ensino a partir de um novo enfoque.


REED, ELAINE

Contribuições do ensino de química farmacêutica para a formação do profissional farmacêutico. Brasília, Química, UnB, 2000, 1p. Tese de Doutorado. (Orientador: Roberto Ribeiro da Silva).

RESUMO: A deficiência na interpretação das informações químicas contidas em bulas de medicamentos por estagiários do curso de Farmácia foi um indicador de problema que motivou a elaboração desse trabalho. Buscou-se verificar mais detalhadamente sobre o assunto (bulas), e procurou-se fornecer subsídios para possibilitar o preenchimento de lacunas na formação do acadêmico no aspecto técnico aliado intimamente ao aspecto ético envolvido na orientação do consumidor quanto ao uso racional de medicamentos. O delineamento experimental, tendo em vista a coleta inicial de dados, compreendeu duas etapas: uma, no início do ano letivo e outra, no final do referido ano. Foram aplicados questionários específicos a grupos de alunos de Química Farmacêutica do 4o ano do curso de Farmácia de duas instituições de ensino superior em Goiânia, em ambas as etapas. Ao grupo pertencente a uma das instituições, foi ministrado o curso de Química Farmacêutica da maneira habitual e, para o outro grupo, foi desenvolvido o que foi denominado tratamento. Este, por sua vez, consistiu na elaboração e aplicação de procedimentos de ensino para a disciplina em questão (acoplados ao estágio supervisionado em drogaria), com a utilização de textos de periódicos, debates e role-playings, enfocando o aspecto técnico sempre vinculado ao aspecto ético como essência do fazer farmacêutico. O objetivo implícito era privilegiar o ensino-aprendizagem do por que e para que fazer e, não simplesmente, do como fazer, contemplando o desenvolvimento da capacidade crítica e do pensamento inovador. Visava-se ainda, através do tratamento, contribuir para que o futuro profissional viesse perceber e assumir a responsabilidade e a dimensão social, econômica, política e cultural de sua prática profissional. Como foi um experimento, não seria de bom alvitre, generalizar os resultados para a população de acadêmicos de Farmácia, mesmo porque não era esse o intuito do trabalho. O que se pretendeu demonstrar é que sempre é possível fazer algo num sentido micro que possa contribuir, de algum modo, para a melhoria, num sentido macro. O questionamento relativo à atuação profissional adequada e o aprimoramento contínuo foram e deverão ser sempre enfatizados e valorizados. O trabalho não se esgota em si. Pelo contrário, espera-se que seja um ponto de partida para todos que se disponham à árdua tarefa de transpor o discurso e investir na ação, para todos que ainda acreditam que a excelência da técnica e a integridade ética constituem componentes indissociáveis e indispensáveis a uma prática profissional de boa qualidade.


REIS, Adriano de Souza

Ligações hidrogênio no cotidiano: Uma contribuição para o Ensino de Química. Campinas, Química, UNICAMP, 2008, 182p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Pedro Faria dos Santos Filho).

RESUMO: Esta dissertação possui um enfoque voltado para o ensino de química, abordando situações cotidianas de pessoas comuns, visando a interpretação destas situações do ponto de vista químico. O objetivo maior do trabalho é a produção de um material que seja útil para professores e alunos, particularmente os professores de química que atuam no nível médio e nível superior. Todas as discussões enfocam interações químicas, especialmente, ligações hidrogênio. Vários contextos são utilizados, tais como química ácido-base, capilaridade, formação do DNA e mutações genéticas, água líquida e sua participação em diversos fenômenos, química da sensação dos sabores doce e amargo, além de outras situações corriqueiras. Todas as situações abordadas são utilizadas não como objetos de estudo, mas sim como meio para se discutir alguns aspectos, propriedades e características das ligações hidrogênio. Além de discutirmos sobre o melhor modelo para entender ligações hidrogênio, e como abordá-lo em diferentes níveis, o texto possui uma seqüência em que as principais propriedades das ligações hidrogênio vão sendo colocadas, gradativamente, em diferentes contextos. O modelo puramente eletrostático para a ligação hidrogênio é utilizado para explicar algumas situações interessantes, como por exemplo, por que depois de cortar fatias de um queijo, elas se unem após algum tempo no interior de uma geladeira? Queremos mostrar que o modelo eletrostático, por apresentar apenas essa componente, não é conveniente para tentar explicar alguns fenômenos. Este modelo “tradicional” é questionado e repensado por não satisfazer, completamente, o entendimento do fenômeno. Desta maneira, passamos a outra situação em que o modelo utilizado é o eletrostático com contribuição covalente. Assim, novos argumentos são utilizados para explicar a ligação hidrogênio, tornando o modelo mais complexo e, principalmente, apresentando outras idéias, além dos “pontinhos” (X – H ......... X), normalmente utilizados para representar a contribuição puramente eletrostática desta interação. Ao longo do texto, as várias propriedades das ligações hidrogênio são apresentadas e discutidas, em função desse modelo eletrostático com caráter covalente. As principais propriedades são: linearidade, ângulo, comprimento da ligação, geometria, cooperatividade de ligações hidrogênio, força da interação, fenômeno intramolecular, ligação di-hidrogênio, participação de metais nas interações, transferência de informação e mecanismo de Grotthus e ressonância de ligações hidrogênio. A intenção é que o texto seja formador de conhecimento, e ressalte a necessidade de aprender ligações hidrogênio. Almejamos que ele seja organizador e norteador, que instigue a curiosidade, com a função de ensinar química, mas que também gere dúvidas e questionamentos sobre o tema.


REJANE, Maria Ghisolfi da Silva

A possível contribuição da aprendizagem escolar sobre conceitos de Química no desenvolvimento intelectual das crianças nas Séries Iniciais. Ijuí, Faculdade de Educação, UNIJUÍ, 1997. 141p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Otávio Aloísio Maldaner).

RESUMO: Este estudo tem como tema central de interesse as contribuições dos conhecimentos químicos, no ensino de Ciências, para o desenvolvimento intelectual das crianças de séries iniciais, apóia-se nos pressupostos teóricos vygotskyanos, bem como no de seus seguidores, e baseia-se em estudo de campo, realizado com uma turma de 3ª série do Ensino Fundamental da rede municipal de ensino. Foram analisadas as manifestações orais e escritas das crianças e da professora, na dinâmica interativa de interlocuções em sala de aula, focalizando situações em que as crianças estavam se apossando da linguagem própria da Química, procurando revelar como o uso dessa linguagem organiza o pensamento da criança. Este estudo pretende contribuir para as reflexões das práticas pedagógicas em Ciências e com vistas à melhoria do ensino de Ciências nas séries iniciais.


RETONDO, Carolina Godinho

Química das sensações: desenvolvimento de um material didático interdisciplinar para o ensino superior. Campinas, Química, UNICAMP, 2004. 280p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Pedro Faria Dos Santos Filho).

RESUMO: As Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Química enfatizam que o modelo atual para o ensino de química é inviável e ineficaz e que para melhorá-lo deve-se torná-lo interdisciplinar. Atualmente, espera-se que os professores, de todas as áreas, tenham uma atitude interdisciplinar frente ao conhecimento, apesar de existir uma grande carência de materiais didáticos com estas características, dificultando o desenvolvimento de tal atitude. Neste trabalho elaboramos um material didático interdisciplinar que pode ser utilizado tanto no ensino de química, quanto no de áreas afins, utilizando o tema ?Química das Sensações? e interligando conceitos de diversas áreas do conhecimento tais como: química, física, biologia, farmacologia, geografia, alimentos e neurologia. Assim, conceitos como deslocalização e transição eletrônica são interligados aos de outras áreas como física e biologia, em ?Visão, Luz e Cores? e ?Moléculas e Sensações de Cor?. Da mesma forma, conceitos como vibração e rotação molecular, absorção de energia do infravermelho, reações radicalares são interligados a conceitos da geografia e a fisiologia, no texto ?Ambiente, Vida e Sensações de Temperatura?. Por outro lado, os conceitos de ligação de hidrogênio e geometria molecular, bem como os de solubilidade e volatilidade são norteadores para os textos ?Sensações de Sabor? e ?Sensações de Odor e Aroma?, respectivamente. Nos textos ?Neuroquímica e Sensações?, ?Dor: Sensação Boa ou Ruim?? e ?Sensações Emocionais e Drogas? conteúdos de química orgânica são interligados aos de eletroquímica e bioquímica. O material é, principalmente, voltado para o ensino superior, mas se for feita uma transposição didática adequada, poderá também ser utilizado no ensino médio. Nele não serão apresentados conceitos novos, mas sim uma nova forma de abordar os discutidos no ensino superior de química. Concluímos que é possível elaborar um material didático interdisciplinar onde os conceitos fundamentais de química são utilizados para explicar as sensações, que estão presentes na vida de qualquer indivíduo. Desta forma, os assuntos debatidos neste material estão presentes no cotidiano de qualquer aluno e são apresentados de forma contextualizada, tal como é requerido nas Diretrizes Curriculares.


REZENDE, Flávio Silva

Concepções a respeito da construção do conhecimento científico: uma análise a partir de textos produzidos por alunos de graduação em Química. São Carlos, Instituto de Química, USP, 2005. 114p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Salete Linhares Queiroz).

RESUMO: O presente trabalho foi realizado em duas etapas: (a) produção de um Guia de Estudos no qual a história do desenvolvimento da química estrutural foi usada como base para a discussão de aspectos importantes a respeito da produção do conhecimento científico; (b) desenvolvimento de uma experiência pedagógica em que o Guia de Estudos foi aplicado em um curso de graduação em química. O impacto da experiência pedagógica nas concepções dos estudantes a respeito da natureza da ciência e a viabilidade do uso da história da química no ensino de química foram investigados. Técnicas de pesquisa qualitativa foram utilizadas nesta investigação. Em particular, solicitou-se aos estudantes a produção de um texto sobre suas idéias a respeito da natureza do trabalho científico. As idéias por eles expressas foram categorizadas qualitativamente com relação ao entendimento sobre as características essenciais do trabalho científico e as visões deformadas da ciência, segundo Pérez e colaboradores. Os resultados demonstraram evidências da possibilidade do uso do Guia de Estudos como um eficiente instrumento para auxiliar os estudantes no desenvolvimento de um entendimento adequado acerca da natureza da ciência. Ou seja, a experiência pedagógica ajudou-os a compreender que o conhecimento científico é uma atividade que resulta da atuação, imaginação e criatividade humana. Ela também foi útil para ajudá-los a entender que não existe um único método a ser seguido nas investigações científicas.


RIBEIRO, Aknaton Luís Torres

O uso de uma unidade de aprendizagem como superação da aula tradicional no ensino de reações químicas. Educação em Ciências e Matemática, PUC-RS, 2005, 178p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Nara Regina de Souza Basso).

RESUMO: Este trabalho de pesquisa tem por objetivo investigar de que maneira uma unidade de aprendizagem pode superar as aulas tradicionais no ensino de reações químicas. A fundamentação teórica é baseada em autores que vêem as unidades de aprendizagem como oportunidade de desenvolvimento de pesquisa, envolvendo questionamento, argumentação e validação e contribuindo para a consolidação de um conhecimento profissional mais enriquecido e fundamentado em cada um dos participantes. A pesquisa é feita por meio dos depoimentos e de textos elaborados por alunos da primeira série do Ensino Médio de uma escola particular, durante o desenvolvimento de uma unidade de aprendizagem sobre reações químicas. A metodologia empregada para verificar os dados obtidos foi a análise de conteúdo, o que oportunizou subsídios para a reflexão a partir das concepções dos alunos envolvidos na pesquisa. Os relatos nos permitem concluir que através da aplicação de uma unidade de aprendizagem que utiliza a informática e de atividades no laboratório de química, que promove a interdisciplinaridade e a pesquisa aliada à produção textual, consegue-se superar a aula tradicional no ensino de reações químicas. Este trabalho de pesquisa constata que o uso da informática acelera a velocidade das pesquisas da comunicação, já as atividades interdisciplinares enriquecem os conhecimentos associando conceitos teóricos com o cotidiano. As atividades experimentais levam os alunos a solucionar problemas através do diálogo, e o trabalho que alia pesquisa com produção textual, que por sua vez desenvolve responsabilidade bem como proporciona reflexão e reelaboração de conceitos.


RIBEIRO, Alcione Torres

Histórias de Vida e Formação de Professores de Química. Salvador, Ensino, Filosofia e História das Ciências, UFBA, 2007. 120p. Dissertação de Mestrado. (Orientadores: Elizeu Clementino de Souza Souza; Nelson Rui Ribas Bejarano).

RESUMO: O presente trabalho reconstitui e analisa a história de vida e profissional de três professores de Química, em processo de formação inicial em serviço no curso de Licenciatura Especial em Química da Universidade Federal da Bahia, identificando as experiências determinantes em suas formações e como se deu a apropriação dessas experiências, tornando-se aprendizagens da docência e influenciando diretamente no desenvolvimento destes professores. Também foram analisadas as contribuições do curso de licenciatura para o desenvolvimento de novas formas de ensinar Química e de novas concepções desses professores sobre a docência. A pesquisa desenvolvida inscreve-se num amplo movimento de investigação-formação que adota a abordagem biográfica como perspectiva epistemológica sobre a aprendizagem dos sujeitos a partir de suas próprias experiências. Essa abordagem proporciona ao professor as condições para confrontar-se com a construção de sua identidade e esta é uma maneira de aprofundar as reflexões sobre sua formação docente. Pesquisas com enfoque nessa abordagem ainda são escassas na área de Ensino de Química e o delineamento de propostas de melhoria na área nem sempre considera as necessidades reais dos professores. A dissertação conclui que é necessário saber mais sobre as vidas dos professores, suas aspirações, suas necessidades para que se possa contribuir efetivamente com suas formações. As narrativas autobiográficas cumprem esse papel, na medida em que permitem evidenciar o modo como cada professor mobiliza seus conhecimentos, seus valores suas energias para dar forma à sua identidade num diálogo com seus contextos.


RIBEIRO, Antonio Carlos Chaves

Elaboração e análise do uso de um website de apoio à disciplina de laboratório de química analítica quantitativa. São Carlos, Química (Química Analítica), USP, 2006. 185p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Salete Linhares Queiroz).

RESUMO: Embora seja considerável a quantidade de materiais educacionais disponíveis na Internet, poucos são os estudos reportados na literatura que tratam de investigar a efetividade dos mesmos como ferramenta de ensino. Neste trabalho descrevemos a elaboração, uso e avaliação de um sítio produzido como material de apoio para a disciplina de Química Analítica. As facilidades disponíveis no sítio são: páginas de conteúdo com descrições textuais dos tópicos discutidos na disciplina, hiperlinks para sítio da Web que oferecem conteúdo relevante ao curso, um fórum eletrônico que permite aos estudantes postarem questões e aos instrutores responde-las, um glossário, uma sala de bate-papo e uma ferramenta para escrita e envio de relatórios. Participaram, voluntariamente, como sujeitos da pesquisa dois professores de química, um estagiário do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da Universidade de São Paulo e 32 alunos de graduação em química. A navegação de cada um deles no sítio foi monitorada. Dados foram também coletados a partir da realização de entrevistas semi-estruturadas com os professores e da aplicação de questionários aos alunos. Durante o semestre em que foi utilizado pelos alunos da disciplina de Química Analítica, o sítio foi acessado 560 vezes. O sítio foi usado, principalmente, para a escrita e envio de relatório e para consulta às páginas de conteúdo. Poucos alunos fizeram uso do fórum para entrar em contato com os instrutores ou para apresentar questionamentos. O uso que os estudantes fizeram do sítio sugere que são capazes de utilizar o material suplementar para sanar dúvidas sobre conteúdos específicos. As entrevistas com os professores mostraram que nenhum deles havia utilizado anteriormente a Web como ferramenta de apoio na disciplina de Química Analítica. Os questionários aplicados aos estudantes apontaram para a percepção de que o acesso a materiais educacionais disponibilizados via Web é útil e pode contribuir para o aprendizado dos mesmos.


RIBEIRO, Evandro Luiz da Luz

Um olhar sobre as concepções de ciência e ensino de ciências entre alunos-concluintes de Química. Belém, Núcleo Pedagógico de Apoio ao Desenvolvimento Científico, UFPA, 2005. 102p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Terezinha Valim Oliver Gonçalves).

RESUMO: O objetivo deste trabalho foi investigar as concepções de Ciência e de Ensino de Ciências entre alunos-concluintes de licenciatura Plena em ciências com habilitação em química, turma de concluintes do segundo semestre de 2004 na UFPA, contando com um total de 12 sujeitos de pesquisa. Para a identificação das concepções de ciência e ensino de ciências, foi elaborado um questionário, previamente testado com 15 alunos-concluintes do curso de licenciatura plena em biologia, objetivando a validação do instrumento de investigação e posterior reformulação. A versão final do questionário apresentou 12 questões, cujas respostas possibilitaram a construção de quadros, gráficos e tabelas contendo as respostas dos sujeitos da pesquisa. A análise dessas respostas orientou a construção de categorias de respostas com a identificação de concepções de ciência e ensino de ciências. A categorização foi feita a partir de uma aproximação ao pensamento epistemológico de Bacon, Comte, popper e Khun. Esses autores e outros me permitiram analisar as unidades de registros dos sujeitos, e identificar as concepções de ciência e ensino de ciências.


RICCHI JR., Reinaldo Alberto

As idéias científicas de John Dalton e sua influência nos trabalhos de Gay-lussac, Avogadro e Cannizzaro. Campinas, Química, UNICAMP, 2004, 100p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Matthieu Tubino).

RESUMO: Para o desenvolvimento desta dissertação, fizemos uma ?visita? ao trabalho desenvolvido por John Dalton, com a intenção de tentar entender, certamente apenas em parte, as circunstâncias que o estimularam à observação, ao estudo, à divagação, à inovação. Não há duvida de que as pessoas não possuem as mesmas qualidades. Indivíduos diferentes submetidos à condições idênticas reagirão de modos diferentes. Educação musical refinada pode até despertar o gosto pela música, mas não fará de todos os educandos instrumentistas, cantores ou compositores. Em se tratando de Ciência a situação é a mesma. Por melhor e estimulante que seja o ensino nesta área do conhecimento humano não formaremos, necessariamente, cientistas talentosos. É imprescindível a presença dos indivíduos certos. É como se dentro de certas pessoas houvesse a ?semente? da atitude científica. Quais as causas disto? Não sabemos e nem é pretensão desta modesta dissertação encontrar resposta para tão profunda pergunta. Sabemos, porém, que se a pessoa com potencial, aquela ?semeada? não for estimulada, não brotará nela a semente da Ciência, ficando adormecida, em prejuízo de toda a sociedade. Nesta dissertação, o que fizemos foi tentar entender o pensamento de Dalton, e como trabalhou, numa época em que tudo estava por fazer na Ciência (comparando com o atual estado), para então propor atividades de ensino que possam fazer brotar naqueles que possuem a ?semente? da Ciência em seu interior, aquele impulso que leva ao desejo de descobrir. Ao analisarmos o trabalho de Dalton, dentro dos aspectos pessoal e histórico, vimos que ele foi muito estimulado pelos interesses da época, tendo havido uma associação deste estímulo ao seu inquietante desejo de saber. Com poucos instrumentos ele foi capaz de realizar progressos incríveis. Os seus trabalhos em Meteorologia eram de grande interesse para a Inglaterra colonialista. As suas pesquisas com gases, com reações químicas, respondiam à questões do seu íntimo, que pode ser entendido como sendo o seu interesse ?filosófico? pela ?ordem das coisas no universo?. A sua capacidade de ligar a observação macroscópica com a ?visão? da intimidade da matéria foi imprescindível para a realização do seu trabalho. Além disso, parece que tinha uma péssima (ou boa?) qualidade, a teimosia (ou será persistência?). Por outro lado, por ser uma pessoa que aprendeu o gosto pela leitura, adquiriu conhecimentos que formaram uma base sólida para a sua futura construção científica. Não se pode criar conhecimento novo se não tivermos embasamento. Também, o que pode parecer contraditório, não pode surgir nova idéia se não houver rompimento de preconceitos, se não houver espírito crítico. Dalton fez tudo isso, assim como outros cientistas verdadeiros.


RICHETTI, Graziela Piccoli

A automedicação como tema social no ensino de química para o desenvolvimento da alfabetização científica e tecnológica. Florianópolis, Educação Cientifica e Tecnológica, UFSC, 2008, 190p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Jose de Pinho Alves Filho).

RESUMO: A presente pesquisa pretende apontar a importância da automedicação no Ensino de Química, como tema contextualizador dos conteúdos disciplinares, para alfabetizar científica e tecnologicamente os alunos do Ensino Médio. Buscamos auxílio nas pesquisas em Saúde Pública, que revelaram dados significativos, que podem ser aproveitados sob um enfoque educacional. Na mesma direção, os documentos curriculares brasileiros são favoráveis à abordagem da automedicação na educação básica, em particular no Ensino Fundamental. Dada a importância do tema, buscamos um suporte teórico e metodológico para a contextualização no Ensino de Química por meio da abordagem de temas sociais. A perspectiva da Alfabetização Científica e Tecnológica (ACT) propõe que os conhecimentos científicos sejam trabalhados através de metodologias interdisciplinares, como as Ilhas Interdisciplinares de Racionalidade (IIRs). Para investigar se os temas sociais fazem parte das aulas de Química, em particular a automedicação, foram consultados professores de Química do Ensino Médio. Como forma de verificar o interesse dos alunos sobre o tema, um questionário foi aplicado para estudantes do Ensino Médio. As informações obtidas conduziram à proposição de três IIR em torno da noção de automedicação. Nessa perspectiva, queremos mostrar que a automedicação é um tema que pode ser trabalhado com um enfoque educacional para o desenvolvimento de atributos fundamentais à formação da cidadania.


ROCHA, Aldeir Antônio Neto

Metáforas-andaime: as analogias como recurso argumentativo no ensino de química. Universidade Federal de Juiz de Fora – Educação. 2007. 78p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Marcio Silveira Lamgruber).

RESUMO: Com o olhar atravessado pelas teorias de enunciação e linguagem propostas por Bakhtin, pela dialogicidade de Paulo Freire, e, especialmente, pela teoria da argumentação de Chaïm Perelman o Olbrechts-Tyteca, este trabalho buscou discutir elementos para uma prática dialógica no Ensino de Química. O objeto principal da investigação foi a utilização de analogias como recurso argumentativo e ferramenta para o processo de aprendizagem-ensino de Química, em salas de aula do Ensino Médio. Diversos aspectos permearam a discussão, dentro os quais, destaquei: o papel da linguagem dentro da sala de aula; a importância das condições prévias dos alunos; a construção do conhecimento científico, a importância do auditório na construção dos discursos, a significação e importância do meio social e cultural no desenvolvimento do conhecimento científico e na formação dos estudantes, e, como foco central, o potencial do uso de analogias como ferramenta para o estudo Química. Com a análise de algumas coleções de livros didáticos de Química, busquei perceber a freqüência e a natureza das analogias utilizadas pelos autores. Outro procedimento foram entrevistas com professores a respeito da maneira como trabalham tais recursos argumentativos.


ROCHA, Ibiraci Maria Fernandes

Condições atuais e perspectivas do ensino de Química no segundo grau : um estudo em escolas de Natal/RN. Natal, UFRN, 1988. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Merion Campos Bordas).

RESUMO: Objetiva identificar diferentes aspectos que interferem nos sentimentos de alunos em relação ao ensino de Química nas 3as séries do 2o grau de três escolas, sendo duas públicas e uma particular, da cidade de Natal/RN. Apresenta os dados, coletados por meio de entrevistas e observações em sala de aula, os quais evidenciam o predomínio da atitude desfavorável dos alunos em relação à disciplina, descrita como complexa, difícil e desvinculada da realidade cotidiana. Constata que tais resultados confirmam, mais uma vez, a urgente necessidade de transformar radicalmente o ensino da Química tanto no 2o grau quanto em nível de formação de professores, buscando torná-lo um elemento efetivo de uma educação crítica e emancipadora.


RODRIGUES JR., Edmundo

Efeitos biológicos das radiações não-ionizantes: uma temática para o ensino médio. Ensino, PUC-MG, 2008, 143p. Profissionalizante. (Orientadora: Adriana Gomes Dickman).

RESUMO: Este trabalho consiste na construção de uma cartilha multidisciplinar, para reduzir o ensino fragmentado, vigente em muitas escolas do ensino médio brasileiro. As disciplinas de Física, Química, Biologia e Matemática, são relacionadas através de textos e questões multidisciplinares. Para promover a integração entre essas disciplinas foi necessária a colaboração de professores e alunos desse nível da educação básica. A participação dos docentes e discentes aconteceu através de questionários de sondagens, elaborado a partir de um tema gerador: Possíveis Efeitos Biológicos das Radiações Não Ionizantes. A análise dessas sondagens apontou a necessidade de aprofundarem-se os estudos das radiações emitidas pelo telefone celular e a radiação ultravioleta, temas fortemente relacionado ao cotidiano do aluno. O referencial teórico utilizado nessa dissertação é procedente do enfoque CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade), na qual se discute os impactos do desenvolvimento da ciência e da tecnologia na sociedade. Especificamente nesse trabalho estudaram-se os efeitos biológicos do telefone celular e da radiação ultravioleta no ser humano, mostrando malefícios e benefícios dessas ondas eletromagnéticas. Além disso, procurou-se divulgar mecanismos de proteção contra essas radiações, incentivando atitudes extra classe nos estudantes.


RODRIGUES, Eglie

Emoção e razão: os sentimentos de professoras de ciências e química captados por seus alunos, através da técnica do Desenho Do Professor (DDP). Ensino de Ciências (Modalidades Física, Química e Biologia), USP, 2006, 61p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Adelaide Faljoni Alario).

RESUMO: O objetivo deste trabalho foi verificar através do método do desenho do professor (DDP) qual a imagem subjetiva que os alunos de 6ª., 7ª e 8ª, séries de ciências e 1º. Médio de química tem de suas professoras de Ciências e Química respectivamente. Foram coletados 93 desenhos de crianças e adolescentes de uma escola pública de São Paulo, onde eles retraram suas professoras de Ciências e Química, mostrando que o humor, disposição, afetividade, delicadeza, enfim os sentimentos delas em relação aos alunos, á sua profissão, á sua prática pedagógica e sua posição na sociedade são captadas pelos alunos. Os desenhos foram avaliados por parâmetros determinados pelo método do desenho do professor (DDP), proposto inicialmente por Klepsch (1979) e modificado por Fonseca (1995) e mostrou-se significativo na percepção do "clima" da sala de aula e suas implicações para o aprendizado de Ciências.


ROGADO, James

O lugar da história da ciência em investigações sobre educação química no Brasil: refazendo o caminho apontando alternativas. Universidade Metodista de Piracicaba – Educação. 2007. 126p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Celia Margutti do Amaral Gurgel).

RESUMO: O objetivo desta pesquisa foi investigar os diferentes olhares dos pesquisadores da área de Química detêm sobre a inserção da abordagem da História da Ciência no processo da Educação Química. O trabalho tem como fontes as produções catalogadas no banco de dados dos cinco Encontros Nacionais de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC) ocorridos no Brasil no período de 1997-2005. As indagações que norteiam a pesquisa são: como se caracteriza a inserção da História da Ciência nos trabalhos brasileiros de pesquisa em Educação Química apresentados nos ENPEC? Em relação aos trabalhos brasileiros de pesquisa em Educação Química apresentados nos ENPEC que utilizam a História da Ciência quais as proposições para a Didática das Ciências? Quais as contribuições para uma educação científica e tecnológica complexa e crítica para a sociedade contemporânea? O Banco de Dados resultantes dos cinco Encontros Nacionais de Pesquisa em Educação em Ciências (1997-2005) se revelou um acervo significativo das produções atualmente existentes no Brasil sobre as pesquisas em Educação em Ciências, em especial a Educação Química, na medida que traduziu, no tempo e no espaço, as tendências temáticas predominantes dessas áreas bem como os fundamentos teórico-práticos que alicerçam seus diferentes objetivos. Tendo por premissa que a epistemologia da ciência é de natureza histórica, a investigação procurou identificar, em um universo de 1877 trabalhos encaminhados aos ENPEC durante o período de 1997-2005, de diferentes áreas de saber, quais os que efetivamente traziam este enfoque investigativo, sobretudo, para a área de Educação Química. Apenas 10 (dez) contemplaram os objetivos da investigação e foram analisados. As categorias construídas para a análise final levaram em conta o valor intrínseco das pesquisas, a questão da mutabilidade e instabilidade do pensamento científico e a visão integrada e interdisciplinar das propostas. Em relação aos resultados, o critério contribuição para uma educação científica e tecnológica complexa e crítica para a sociedade contemporânea, em particular para a Didática das Ciências se configurou em uma parcela pequena dos trabalhos analisados. A principal tendência da inserção da História da Ciência nos estudos foi como metodologia de ensino. As implicações que as produções analisadas apontam para a renovação da Didática das Ciências, em especial da Ciência Química, referem-se, sobretudo, à necessidade e importância da contextualização social do ensino de Química no âmbito dos conteúdos, metodologias, organização do processo de ensino-aprendizagem e métodos de avaliação. Para tanto, parece ser necessário que o trabalho docente seja repensado com uma concepção de prática que traga os elementos de rompimento e superação necessários para a construção de uma epistemologia de ciência e tecnologia na dimensão da complexidade.




ROITMAN, Riva

Adoção e implementação de um programa inovador em escola da rede pública do Estado do Rio de Janeiro : uma experiência e muitas lições. São Paulo, Faculdade de Educação, USP, 1989. 245p. Tese de Doutorado. (Orientador: Nélio Parra).

RESUMO: Consiste na introdução e implementação do microcomputador no ensino de 2o grau, que está sendo concretizado no experimento-piloto do EDUCOM/UFRJ para uma escola pública do Estado do Rio de Janeiro, em 1985 e 1988. Acompanhando as aulas no laboratório de micros, reuniões de professores e reuniões para elaboração do material didático específico, faz observações sistemáticas e participantes, com também entrevistas informais com os professores. As entrevistas foram direcionadas para observar a aceitação do programa, percepção das mudanças ocorridas no CESA, alunos e professores e, percepção de problemas. Apresenta as transformações que o microcomputador provoca na educação, assim como as vantagens e limitações do computador na escola. Descreve as circunstâncias em que o experimento-piloto foi criado e seus postulados básicos. Mostra como foi a implementação do programa no colégio selecionado e as adaptações que foram feitas mediante as sugestões da literatura.


ROMANELLI, Lilavate Izapovitz.

Concepções do professor sobre seu papel mediador na construção do conhecimento do conceito ÁTOMO. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1992. 286p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Maria Cecília Rafael de Góes).

RESUMO: Investiga a forma pela qual o professor concebe o seu papel de mediação no processo de conhecimento que se desenvolve na apropriação pelo aluno do conceito átomo. Coleta dados por meio de transcrição de aulas sobre o átomo, de três professores de escolas públicas, questionário e entrevistas aplicados aos alunos após o ensino sobre o átomo e entrevistas com cada professor. Nestas entrevistas, apresenta ao professor os dados já coletados sobre o ensino e a aprendizagem relativamente à unidade focalizada. Efetua análise proposicional tanto das aulas quanto das respostas dos alunos e análise de conteúdo das falas do professor nos encontros. Procura, então, diagnosticar a percepção dos professores sobre seu papel no processo, através da investigação de suas concepções de ensino, de aprendizagem e do conceito átomo. Na consideração dos dados de aprendizagem, os professores apresentam baixa reflexividade quanto aos aspectos afeitos ao processo ensino-aprendizagem, tendendo a justificar as concepções dos alunos a causas externas à sua própria ação pedagógica. Os professores não apresentam evidências de que compreendem como se estabelecem as relações entre os elementos professor, aluno e objeto de conhecimento, enquanto processo de co-construção. Observa, ainda, uma tendência do professor a tratar o átomo em termos factuais, negligenciando seu caráter de modelo e sua natureza de alta generalidade.


ROSA, Dalva Eterna Gonçalves

Investigação-ação colaboração sobre práticas docentes na formação continuada de formadores. Educação, UNIMEP, 2003, 201p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Roseli Pacheco Schnetzler).

RESUMO: Esta tese consiste em uma investigação-ação colaborativa sobre práticas docentes na formação continuada de formadores. Tem como objetivo investigar se e como a parceria colaborativa promove mudanças nas concepções dos docentes sobre suas práticas e os introduz na pesquisa no/do ensino. O contexto é a Universidade Federal de Goiás e os sujeitos partícipes, professores dos cursos de Física, Química e Biologia. A pesquisa tem como referencial os trabalhos de Zeichner, que inspirou os pesquisadores brasileiros no que se refere à investigação colaborativa; Stenhouse, que concebeu a idéia do professor como "investigador em aula"; Elliott, que interpretou a docência como uma atividade indubitavelmente teórica e a investigação-ação como um processo espiral de reflexão; Jean McNiff, que assegura ser a investigação-ação um dos meios de desenvolvimento político, profissional e pessoal dos professores; Carr e Kemmis, para quem melhorar a educação é promover mudanças nos processos sociais que a condicionam, tarefa coletiva a ser desempenhada por comunidades críticas, que pode contribuir para a emancipação destas comunidades. Para concretização do trabalho foi formado um grupo de discussão, que se configurou como uma estratégia de formação continuada de professores universitários. Por meio da investigação-ação colaborativa, os saberes advindos da experiência dos professores e suas práticas foram tomados como fonte formativa.Os dados foram descritos, desde dentro, combinando a forma de ensinar e investigar do pesquisador, que advém do campo das ciências humanas, mais especificamente da Educação, com a dos professores colaboradores, oriunda do campo das ciências naturais. Verificou-se que, para criar uma cultura de formação colaborativa na universidade, são necessários o desejo e o comprometimento dos professores com novas formas de trabalho; a legitimação de investigações no/do ensino; a cooperação entre os envolvidos no processo; a estruturação de espaços e tempo, que possibilitem realizar trabalhos colaborativos.Pesquisas desta natureza promovem o desenvolvimento político, profissional e pessoal dos partícipes; podem favorecer a (trans)formação do professor em investigador da própria prática, ampliar sua capacidade para o exercício da docência universitária e configurar um espaço ainda quase inexistente nas Instituições de Ensino Superior: o da pesquisa que produz o ensino e do ensino que produz a pesquisa.


ROSA, Elisa Aguayo da

Transformação Química e intermediária de reação: um estudo das concepções de estudantes em uma disciplina de Química Orgânica Básica. São Paulo, Instituto de Física, USP, 2002. 182p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Liliana Marzorati).

RESUMO: As disciplinas de química orgânica, muitas vezes, têm má reputação entre os estudantes, ou ainda, são consideradas disciplinas de memorização. Este fato pode ser indicativo de falhas no ensino, bem como de dificuldades de aprendizagem pelos alunos que cursam a disciplina. Assim, um estudo qualitativo sobre concepções prévias e sobre o ensino de Química Orgânica Básica foi realizado em um curso de Farmácia da Universidade de São Paulo, fundamentado na teoria da mudança conceitual. Os conceitos selecionados para o desenvolvimento da pesquisa foram; a transformação química e as espécies intermediárias, uma vez que o conhecimento da estrutura, da formação e da transformação dessas espécies é de grande importância para explicar resultados experimentais, prever e controlar os produtos de uma reação. Nesse contexto, conhecemos como os alunos concebiam e como explicavam a formação dos intermediários, antes e após o ensino da química orgânica. Os dados foram coletados por meio de questionários, entrevistas e observações de aula.


ROSA, Maria Inês de Freitas Petrucci dos Santos

A evolução de idéias de alunos de 1º ano do ensino médio sobre transformação química em um processo de ensino construtivista. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1996. 128p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Roseli Pacheco Schnetzler).

RESUMO: Investiga um processo de ensino aprendizagem de Transformação Química (TQ) desenvolvido junto a 37 alunos de 1o ano do ensino médio, onde a professora atuou como pesquisadora. Analisa a evolução das idéias dos alunos sobre TQ à luz de influências do processo de ensino, desenvolvido segundo pressupostos construtivistas. Procura promover, nas atividades de ensino, a evolução das concepções alternativas dos alunos em direção a concepções cientificamente aceitas, mediante intercâmbios de idéias, negociação de significados e de exposições por parte da professora, como representante do conhecimento científico. Coleta dados de transcrições das gravações das aulas e dos textos escritos pelos alunos. Elabora um sistema de categorias relativo a concepções de TQ a partir das próprias idéias dos alunos. Analisa a evolução das mesmas, a qual se caracteriza pelo movimento de concepções de simples mistura e modificação de aspectos visuais para idéias mais sofisticadas como formação de novos materiais e noções envolvendo partículas. Tal movimento apresenta-se como um “vai-e-vem” de concepções, na medida em que a exposição de elementos perturbadores e de contra - exemplos no processo de ensino provoca, também, o fortalecimento de concepções prévias dos alunos. Aponta que a construção de novas idéias não significa a negação ou a substituição de idéias anteriores. Neste sentido, contribuições teóricas de modelos de mudanças conceitual, baseados na instauração e superação de conflitos cognitivos cedem lugar à noção de perfil conceitual, conforme Mortimer, configurando a existência de vários níveis de conceitualização, que se mostram dependentes do contexto. Nesta perspectiva, são essenciais as negociações de significados em sala de aula, o papel mediador do professor como representante do conhecimento científico e a função da linguagem na formação de conceitos.


ROVEDO, Ângela Denardi Boabayd

O papel do sistema educacional e do desempenho dos professores na determinação de problemas no ensino médio de Química. Cuiabá, Instituto de Educação, UFMT, 1999. 182p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Miguel Pedro Lorena de Moraes).

RESUMO: Este trabalho é um diagnóstico sobre o sistema educacional e o desempenho dos professores de Química no ensino médio, bem como a abordagem dos problemas detectados nesse nível de ensino e a forma de como esses são explicados. Apresenta-se neste trabalho, meios de resolver esses problemas através dos estudos realizados por educadores brasileiros, na área do ensino de Química e Educação em geral. Em seu desenvolvimento, partiu-se da necessidade de entender o contexto educacional, pois, atualmente, considera-se que a escola sofre influências externas. Procurou-se detectar quais os reflexos que trazem as mudanças no sistema escolar e qual a reação dos educadores diante dessas mudanças. Outra razão para o estudo do sistema é acreditar que o conhecimento do seu funcionamento é importante para que os professores participem criticamente das mudanças. Para isso, dividiu-se o trabalho em quatro etapas, a saber: na primeira, fez-se um diagnóstico sobre as mudanças no sistema educacional e seus reflexos sobre a escola, através de entrevistas a órgãos governamentais e não governamentais, diretores e professores, a fim de compreender o contexto em que se insere a problemática educacional e quais as relações do professor como agente capaz de promover mudanças. Na segunda fase, ao enfocar o ensino em Química, fizemos um diagnóstico sobre o discurso do professor, sobre a sua prática pedagógica, considerando conteúdos relacionados ao meio ambiente, tendo em vista os problemas ambientais regionais e a necessidade de reconhecer e aperfeiçoar metodologia de ensino em Química a partir de tema social, baseando-se em experiências de educadores químicos brasileiros do movimento Ciência Tecnologia e Sociedade (CTS) e refletindo as orientações de Saviani para interpretar e atuar no contexto. Na terceira etapa, foram selecionadas duas escolas: uma no centro de Cuiabá, e outra na periferia. Fez-se uma análise metodológica, utilizando o sistema de Flanders, com a finalidade de detectar a interação professor-aluno e a influência daquele nas concepções destes sobre o ensino e o tema em questão. Na quarta etapa, desenvolveram-se atividades com alunos dessas respectivas escolas, a fim de detectar que conceitos possuem sobre o tema ambiental, se esses conceitos apresentam alguma hierarquia ou se tratam de concepções do senso comum, ou possuem alguma influência dos conceitos de caráter científicos. Através dessas etapas, pôde-se ter uma visão integrada da situação e dos problemas existentes na educação. Os estudos que fundamentam esta pesquisa, embora limitados pela complexidade dos assuntos, deixam questionamentos, mas oferecem importantes subsídios para a reflexão e o desenvolvimento de métodos que visam o preparo do aluno para formação da cidadania.


RUBEGA, Cristina Cimarelli Caballero

A Reforma da Educação Profissional de nível médio e a formação do técnico em química: retrospectivas e perspectivas de uma profissão. UNICAMP, Campinas, SP, 2000. Tese de Doutorado. (Orientador: Décio Pacheco).

RESUMO: Esta tese pretende contribuir com a discussão sobre a Educação Profissional de nível médio e a relação dialética educação-trabalho. A temática deste estudo se origina na dicotonomia criada pelas modificações introduzidas nesse sistema educacional por meio da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96, regulamentadas pelo Decreto Lei nº 2.208/97, que separou a Educação Básica da Educação Profissional. O trabalho propõe a análise das perspectivas do homem trabalhador, tomando como referencial o Técnico em Química, perante uma ordem social e um mercado de trabalho em constante mutação, que desqualifica o saber, o fazer e o ser desse trabalhor, em face às mudanças provocadas pela polarização criada pelo governo, entre a educação básica e a preparação para o trabalho. O estudo teve como referencial a retrospectiva da evolução sócio-histórica do Técnico em Química e da sua praxis produtiva, à luz da leitura dos documentos oficiais que determinaram as novas diretrizes da Educação Técnica e da análise das entrevistas junto aos setor produtivo, sindicato da classe, conselho regional da categoria, professores, ex-alunos e alunos da escola técnica tomada como referência para a formação de Técnicos em Química. As conclusões levantadas apontam para o fato de que uma concepção de educação técnica que não possibilite a formação dos ser do homem trabalhador para que este se perceba como elemento da contradição e sujeito da ação política transformadora, corresponderá a uma visão ideológica e imediatista de formação profissional, que continuará mantendo a escola técnica como reprodutora das relações sociais determinadas pelas classes dominantes a apêndice do sistema empresarial.


SÁ, Luciana Passos

A argumentação no ensino superior de química: investigando uma atividade fundamentada em estudo de casos. São Carlos, Química (Química Analítica), USP, 2006. 152p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Salete Linhares Queiroz).

RESUMO: Estudos têm demonstrado a importância da argumentação na Educação em Ciências, sendo que particular atenção tem sido dedicada à argumentação em torno de questões sócio-científicas. No entanto, as evidências indicam que a argumentação ocorre somente em situações nas quais as interações aluno-aluno são permitidas e encorajadas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial do método Estudo de Caso para promover a argumentação em salas de aulas de ciências. O método Estudo de Caso é amplamente utilizado como ferramenta de ensino em cursos de administração, medicina e direito. No formato adotado neste estudo os alunos trabalharam em grupo e sozinhos, tanto em sala de aula, quanto em casa. Após terem recebido os casos, estudantes de graduação em química solucionaram uma série de questões que foram elaboradas com o intuito de guiá-los sobre questões relevantes relacionadas a questões ambientais, econômicas e da área de química. O processo culminou nas apresentações orais de cada um dos grupos sobre as possíveis soluções para os casos. As apresentações dos grupos ajudaram os alunos no desenvolvimento de habilidades de comunicação oral. A qualidade dos argumentos por eles produzidos foi avaliada com base no Padrão de Argumento Proposto por Toulmin (TAP). O TAP trata da natureza de um argumento em termo de componentes como: conclusão, dado, garantia, backing e refutação. As conclusões extraídas a partir da realização deste trabalho indicam a utilização de casos investigativos como um método capaz de promover a aperfeiçoar a habilidade de argumentação dos alunos.


SÁ, Marilde Beatriz Zorzi

O enfoque ciência, tecnologia e sociedade nos textos sobre radioatividade e energia nuclear nos livros didáticos de química. Universidade Estadual De Maringá - Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática. 2006. 146p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: FILHO, Ourides Santin).

Resumo: O presente trabalho objetivou a análise do tema Radioatividade em livros didáticos de Química, com o intuito de verificar se estes contemplam em sua abordagem as relações Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), uma tendência forte na educação atual. Para tal, foram contatados professores de escolas públicas de Maringá, para a verificação dos livros mais utilizados por eles em sua prática docente. Cinco das obras mais citadas, perfazendo cerca de noventa e cinco por cento de citações, foram analisadas dentro de quesitos estabelecidos. Tais quesitos foram elaborados com base nas recomendações do Programa Nacional do Livro Didático e do Programa Nacional do Livro do Ensino Médio, além das orientações contidas nos Parâmetros Curriculares Nacionais. Os quesitos de análise foram divididos em dois grandes grupos, um que se refere à estrutura geral da obra e outro, que se refere às relações CTS. Estes dois grupos receberam uma subdivisão que contempla a análise dos textos, das atividades e das ilustrações. Pôde-se perceber que normalmente os textos que aparecem nos livros utilizam uma linguagem clara e adequada à faixa etária a que se propõem e que apresentam uma forma seqüencial relativamente boa. As informações referentes ao assunto, no que diz respeito a aspectos técnicos, estão em quantidade suficiente porém, no que se refere aos aspectos de uso cotidiano, de aplicabilidade, de curiosidades, bem como as questões ambientais, as informações acabam sendo insuficientes. Quanto às relações CTS, em todos os livros não se encontrou uma preocupação em se trabalhá-las. Os livros não procuram despertar no aluno uma postura de respeito ao meio ambiente e às pessoas. Não são debatidos os riscos ambientais nem os acidentes já ocorridos. Não se convida ao debate acerca das reais necessidades de implantação de usina s nucleares no Brasil. A ausência de todas essas discussões limita a possibilidade de se desenvolver uma consciência critica por parte do aluno acerca do uso da energia nuclear. Leituras complementares e atividades em equipe não são sugeridas, o que permite concluir que realmente as relações CTS não estão dos nas obras de um modo geral. No que se refere às ilustrações, em sua maioria estão de acordo com os textos que acompanham, salvo algumas poucas exceções. Ao final da análise as obras didáticas, são feitas sugestões de reestruturação de forma e conteúdo, com a intenção de deixá-las mais adequadas para uso do aluno, mesmo quando o professor não se faz presente sociedade.


SACILOTTO, José Vitório

A indústria Química e a qualificação da força de trabalho - a formação do técnico químico pelo COTICAP (1965-1980). Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1992. 261p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Ediógenes Aragão Santos).

RESUMO: Investiga a qualificação da força de trabalho para a indústria química. No Brasil, o ensino das profissões esteve inicialmente reservado aos marginalizados. Enquanto no exercício do ofício, o artífice era um trabalhador completo, o preconceito contra o trabalho manual o excluía da sociedade política. Com o avanço do capitalismo no país, a expansão das forças produtivas provoca alterações na organização do trabalho especialmente quanto ao parcelamento das tarefas e à qualificação da força de trabalho. Das pequenas fábricas, no início do século, a indústria química se desenvolve, a partir da década de 50, através de grandes unidades produtivas, com uso intensivo de capital e tecnologia estrangeiros, no processo de internacionalização da economia brasileira. O Estado é pressionado pelo capital a financiar a preparação de mão-de-obra, através de escolas técnicas como o Colégio Técnico Industrial "Conselheiro Antônio Prado” - COTICAP, sediado em Campinas - SP. Nesta escola "conveniada", financiada com recursos públicos e administrada por representantes do empresariado, o currículo deveria ser organizado em "função das características do trabalho industrial". O COTICAP, entre 1965 e 1980, atendeu a estas exigências na formação do técnico, cujo perfil fora determinado pela indústria.


SAITOW, Maria Emiko.

O ensino de Bioquímica na PUCCAMP: em busca de uma nova práxis. Campinas, Faculdade de Educação, PUC-CAMP, 1995. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Newton César Balzan).

Resumo: Desenvolve estudo referente à Bioquímica no ensino superior, na área de Ciências da Saúde, tendo como núcleo de investigações o ensino dessa ciência na PUCCAMP, Inicialmente destaca a origem da Bioquímica como ciência, reportando-se à alquimia da antiguidade, traçando sua trajetória do final do século XIX aos dias atuais, com destaque à Química Fisiológica até o nível celular. Enfoca o ensino da Bioquímica no contexto do curso de Ciências Biológicas e dos cursos de Ciências da Saúde da PUCCAMP, nos quais é disciplina básica. Analisa o papel da Bioquímica entre as demais ciências e o seu ensino em âmbito geral, utilizando-se de entrevistas, questionários aplicados a alunos e ex-alunos dos cursos da PUCCAMP, entrevistas com seus docentes e de outras IES: UNICAMP, Fundação Pinhalense de Ensino (Pinhal) e Fund. Hermínio Ometto (Araras). Ressalta que para compreender o ensino da ciência Bioquímica em nível mundial vale-se de bibliografia específica. Essa preocupação revela o papel fundamental da Bioquímica nos estudos avançados da ciência moderna. Apresenta análise comparativa entre o ensino da Bioquímica na PUCCAMP e em outras universidades.


SALOMÃO, Maria Rejane

Método laboratorial para o estudo de radiações eletromagnéticas. Porto Alegre, Instituto de Física, UFRGS, 1977. 98p. Dissertação de Mestrado. (Orientadores: Moacir Indio da Costa Jr.; Wido H. Schreiner).

Resumo: Aplica um método de ensino laboratorial para o estudo da radiação eletromagnética, usando a “instrução pela descoberta”, à disciplina FIS 127 do Departamento de Física da UFRGS. O Método foi composto de aulas de laboratório seguidas de aulas teórico-práticas visando apresentar um tratamento unificado dos fenômenos de radiações eletromagnéticas a estudantes de Física, Química e Matemática. Faz uma avaliação crítica mediante o uso de um questionário, para obter a opinião dos estudantes sobre as dificuldades e problemas de ensino-aprendizagem relacionados com o método. Os resultados obtidos da análise do questionário mostram que os estudantes foram favoráveis a este sistema de ensino. Esses resultados também dão indicações para muitas conclusões que podem contribuir para a escolha de procedimentos e sistemas de instrução e, ao mesmo tempo, levantam outras questões que podem merecer investigações futuras.


SALVADEGO, Wanda Naves Coco

A atividade experimental no ensino de Química: uma relação com o saber profissional do professor da escola média. Londrina, Ensino de Ciências e Educação Matemática, UEL, 2007. 157p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Carlos Eduardo Laburú).

Resumo: Partindo do pressuposto de que as atividades experimentais em Química são importantes para o ensino desta disciplina, do ponto de vista dos autores pesquisados, dos professores entrevistados e da pesquisadora, busca-se compreender, essencialmente, as razões para “o uso ou não de atividade experimental”. Mesmo sendo considerada importante, essa prática de ensino é pouco usada, constatável pela ausência praticamente generalizada de atividades empíricas no ensino de Química nos colégios. Propomo-nos a refletir acerca do discurso do professor de Química do Ensino Médio, com referência às atividades experimentais, com respeito ao uso ou não destas atividades como mecanismo instrucional. Tomamos como referencial para essa discussão, a teoria da relação com o saber de Charlot, que nos permite desviar o enfoque de uma leitura negativa da falta ou da carência para uma leitura positiva da relação do professor com o seu saber profissional, ou seja, a relação com o Eu, com o Outro e com o Mundo que possibilita ou não o uso dessas atividades como prática de sala de aula.


SAMRSLA, Vander Edier Ebling

A construção cooperativa de noções fundamentais e química. Porto Alegre, Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, UFRGS, 2007, 1p. Dissertação de Mestrado.(Orientador: José Claudio Del Pino).

Resumo: A investigação sobre as concepções alternativas dos estudantes para os conhecimentos científicos é uma das principais ênfases das pesquisas realizadas no âmbito da didática das ciências. Neste contexto de pesquisa, em relação aos conceitos da química, diversos autores têm abordado esse assunto nos últimos anos. Estas pesquisas indicam que os estudantes começam a estudar química trazendo algumas concepções a respeito da natureza particulada da matéria, e continuam a utilizá-las em conjunto com algumas concepções científicas, para explicar os fenômenos relacionados a este tema. Esta dissertação apresenta um estudo de caso sobre a elaboração conceitual, em realidade escolar, de noções sobre a natureza particulada da matéria. Os resultados vêm da análise qualitativa de seqüências de atividades realizadas por um grupo prototípico de quatro alunas, envolvendo a participação do professor, que foram gravadas em vídeo e transcritas na forma de protocolos. O material para análise foi obtido durante a aplicação de uma proposta curricular que utiliza a mineralogia e os estudos dos minerais, como articuladores e desencadeadores dos estudos previstos para o primeiro ano do ensino médio. Esta proposta pedagógica foi aplicada em quatro turmas do Colégio Estadual Paula Soares de Porto Alegre. O primeiro artigo desta dissertação intitulado “Da mineralogia à química: uma proposta curricular para o primeiro ano do ensino médio” descreve esta proposta pedagógica. Os estudos sobre a natureza particulada da matéria, que é o foco da nossa análise, foram realizados em cinco atividades orientadas segundo proposições didáticas construtivistas e interacionistas, ambas inspiradas na epistemologia genética: Dissolução e diluição do permanganato de potássio em água; expansão do ar mediante aquecimento; Evaporação e condensação do éter em sistema fechado; Sublimação e ressublimação do iodo; e Mistura de água e álcool. A análise do material produzido nestas atividades resultou em quatro temas de investigação. No primeiro se investiga a atribuição da idéia de partículas ao explicar os fenômenos. O segundo investiga como ocorre a elaboração conceitual da noção de vazio no modelo particulado de matéria. O terceiro investiga a noção da conservação da matéria. O quarto estuda o papel do professor na construção cooperativa destas noções. Em função dos resultados desta pesquisa é possível afirmar que houve evolução dos estudantes em relação à compreensão dos fundamentos da organização da matéria a nível submicroscópico. Há melhora na proposição de modelos mais complexos para a explicação dos fenômenos estudados em sala de aula. Eles conseguem compreender a constituição da matéria por partículas, que estas determinam suas características identificadas por sua composição química e as propriedades físico-químicas. Embora os estudantes tenham mostrado sua compreensão dos fenômenos estudados em sala de aula é importante salientar que eles conservam alguma dificuldade de mobilizar o conhecimento construído para novas situações de aprendizagem. O papel mediador do professor na construção de conceitos pelo aluno se constitui elemento fundamental para a aprendizagem dos estudantes num contexto específico, a escola, onde se produz conhecimento individual e coletivamente, por ações propositivas do professor. É importante ressaltar a valorização do tempo que o professor dispensa para seu planejamento das atividades de sala de aula, ressaltando a gradualidade no desenvolvimento dos conteúdos pela utilização de estratégias metodológicas que consideram os estudantes sujeitos ativos no processo de sua aprendizagem, permitindo sua compreensão dos fenômenos em estudo. Se evidencia nos longos diálogos em sala de aula a proposta do professor de auxiliar os alunos a compreenderem o que estavam estudando.


SANTANA, Anderson de Sousa

Trabalho docente nos tempos atuais: representações sociais de alunos das licenciaturas em Ciências Exatas do campus cuiabano da UFMT. Educação, UFMT, 2008, 182p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Eugenia Coelho Paredes).

Resumo: Quais as Representações Sociais (RS) dos estudantes dos cursos de licenciatura em Ciências Exatas da UFMT, campus de Cuiabá, sobre o trabalho docente? O estudo objetivou compreender a docência, bem como seus principais atores. Para tanto, analisou-se as respostas das questões: Nos dias atuais, do que depende o trabalho do professor?, Quais as razões para ser professor? e Quais as razões para não ser professor?. Fundamentou-se na Teoria das RS, de Moscovici (1978; 2005), na Teoria do Núcleo Central, de Abric (1998; 2003), e em autores que auxiliam nas discussões sobre a docência, tais como Tardif e Lessard (2005) e Soratto e Olivier-Heckler (2002). Para a coleta de dados utilizou-se a técnica de Associação Livre de Palavras, por meio da qual solicitou aos licenciandos que evocassem cinco palavras soltas, em seguida as hierarquizassem e, por último, elaborassem uma frase com o atributo que elegessem como o mais importante. Os dados encontrados foram processados no software EVOC e os dados censitários dos depoentes, no programa computacional SPSS. De um universo de 2.699 alunos, utilizou-se uma amostra de 1.574 sujeitos, distribuídos em 12 cursos, constituindo o Grupo Geral. Deste, recortou-se três cursos: Física, Matemática e Química, correspondendo a 350 depoentes, para uma análise mais detalhada, constituindo o Grupo Específico. Posteriormente, procedeu-se à verificação de comparecimentos dos atributos e categorias em ambos os blocos amostrais. Os dados encontrados nesse estudo parecem apontar para um discurso em que os depoentes tentam manter uma identificação com o trabalho docente e estabelecer um nível de realização desse ofício. No entanto, esse discurso parece vir sustentado por uma rede de significados na qual sobressaem suas queixas em relação à profissão. No Núcleo Central (NC) aparece mais idealizada e no sistema periférico, mais real, concreta, que não se caracteriza por meio de elementos auxiliares à sua concretização e sim por elementos que obstaculizam as projeções positivas do NC. É como se existisse uma tensão que ora puxa em favor da realização, ora para a impossibilidade de execução, como se esta fosse uma atividade que se realiza no discurso e não concretamente, constituindo-se em uma profissão impraticável, embora os depoentes apresentem opiniões mais conceituais acerca do trabalho docente. Percebe-se, também, a existência de um conflito entre saber o que precisa ser feito e não conseguir fazê-lo, reforçado pelo discurso encontrado em todas as questões acerca da ausência de condições de trabalho. Por que esse ofício se apresenta nessas RS como irrealizável? Os licenciandos parecem enxergar essa impraticabilidade como dependente mais do poder público e do aluno do que do professor. Este, se retirado de cena, inviabiliza o processo de ensino, tendo em vista o fato do poder público estar distante e o discente não ter poder de decisão. Os depoentes parecem acreditar que os educadores sabem o que necessita ser feito, mas não encontram condições favoráveis, e precisam gerenciar esse problema. Isso parece revelar um professor indisposto a enfrentar e administrar as adversidades, reforçando a hipótese de um trabalho docente conceitualmente representado na idealização e não da realidade. Assim, as representações sociais dos encontradas acerca do trabalho docente ancoram-se nas condições de trabalho, nos agentes sociais e nas características pessoais, em que se atribui a responsabilidade de proporcionar os elementos que favoreçam o bem-estar e a continuidade da profissão docente. E, objetivam-se nas carências de Condições de trabalho, na Qualificação e nas Características pessoais, necessárias à plena execução das atividades de ensino.


SANTOS, Anamelea de Campos Pinto Luiz dos

A Formação de Professores para a Modalidade de Educação a Distancia: Por uma Criação e Autoria Coletiva. Educação, UFSC, 2004, 304p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Maria Luiza Belloni).

Resumo: No atual momento da história da modalidade de educação a distância (EAD) convivem dois paradigmas, o industrial e o pós-industrial. Diferentes modos para a concepção, o desenvolvimento e a implementação de ações nesta modalidade se justapõem, reivindicando a participação de muitos atores no processo educacional. Nesse contexto, os papéis a serem exercidos pelo professor se multiplicam e se complementam. Novas competências e habilidades são requeridas, sobretudo aquelas relacionadas à criação e autoria de materiais didático-pedagógicos. Neste sentido, esta tese, a partir de um eixo central de fundamentação teórica na inter-relação dos campos de Educação e Comunicação, e das pesquisas qualitativa e quantitativa, procura identificar quais são essas competências e quais as categorias que estão no cerne para o desenvolvimento das ações de formação (inicial e continuada) de professores, mais especificamente para os professores atuarem na modalidade de EAD. As pesquisas qualitativas foram realizadas em dois países (França e Brasil no período de 2001 a 2003) a partir de entrevistas com pessoas em postos-chave em instituições na área de EAD. O método de entrevista utilizado foi o "entretetien compréhensif" (conversa compreensiva) apresentado pelo sociólogo francês Jean-Claude Kaufmann. A pesquisa quantitativa foi feita, no ano de 2003, com os professores da Universidade Federal de Santa Catarina envolvidos no programa de parceria entre esta universidade e a Secretaria de Educação do Estado da Bahia, para a implementação do Programa de Formação Continuada a Distância de Complementação para a Licenciatura em Física, Química, Matemática e Biologia. Para a análise dos dados das pesquisas foi empregado o referencial teórico da Análise de Conteúdo. A partir do resultado dessas pesquisas e das análises teóricas efetuadas, duas noções foram evidenciadas: a de mensagem educacional e a de autoria. Neste sentido, este estudo defende que a compreensão dessas noções por parte daqueles que concebem e implementam ações de formação (tanto presencial, como a distância) é importante para que se possa promover a necessária mudança paradigmática da lógica da transmissão para a lógica da comunicação nas diferentes esferas educacionais.


SANTOS, Edilson Duarte dos

A experimentação no ensino de Ciências de 5ª a 8ª séries do ensino fundamental: tendências da pesquisa acadêmica entre 1972 e 1995. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 2001. 100p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Jorge Megid Neto).

Resumo: Identifica algumas tendências de teses e dissertações defendidas entre 1972 e 1995 que tratam da experimentação no ensino de Ciências de 5ª a 8ª séries do ensino fundamental. De um conjunto de 572 teses e dissertações sobre o ensino de Ciências nos diversos níveis escolares, defendidas no Brasil até 1995, seleciona 53 trabalhos que tratam de experimentação. Deste subconjunto, identifica 12 pesquisas voltadas especificamente para o ensino de 5ª a 8ª séries do nível fundamental. Apresenta uma descrição geral destas pesquisas e suas principais tendências, tomando por referência descritores como: instituição acadêmica; ano de defesa do trabalho; área de conteúdo do currículo escolar, temas e conteúdos específicos abordados; nível e séries escolares; tipo de atividade experimental; participação do pesquisador, do professor e dos alunos nas atividades; enfoque ao método científico; principais resultados e conclusões dos trabalhos; entre outros. Desse modo, discute o significado que estas pesquisas acadêmicas atribuem à experimentação no ensino escolar de Ciências.


SANTOS, Gelson Ribeiro dos

O artigo científico no ensino superior de química: desenvolvendo habilidades de leitura e interpretação. Universidade de São Paulo/São Carlos - Química (Química Analítica). 2006. 123p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Salete Linhares Queiroz).

Resumo: Artigos científicos constituem-se em uma rica fonte de material para trabalho no ensino superior. Atividades cuidadosamente planejadas com base em informações nele contidas oferecem aos estudantes a oportunidade de desenvolvimento de habilidades necessárias à carreira profissional, assim como o aperfeiçoamento do conhecimento em química. Este trabalho descreve uma proposta de ensino aplicada no primeiro ano de um curso de graduação em química. A atividade, baseada na utilização de artigos científicos, proporcionou aos estudantes o contato com a literatura primária da área de química tendo como principal objetivo o desenvolvimento de habilidades de leitura e interpretação deste tipo de texto. Artigos científicos extraídos das revistas Química Nova e Eclética Química foram selecionados. Foram oferecidas aos estudantes orientações para a leitura e discussão dos artigos científicos e, em seguida, foi solicitada a produção de um texto (gênero livre) sobre o conteúdo do mesmo, que deveria ser direcionado a um leitor com as características de um calouro do curso de química. Os textos produzidos pelos estudantes foram analisados segundo a Análise de Discurso, linha francesa, como vem sendo divulgada por Eni Orlandi. Verificou-se que a estratégia adotada permitiu que a maioria dos estudantes manifestasse o seu entendimento sobre o conteúdo do artigo científico, apresentando em seu texto elementos com uma abordagem própria e desvinculada da forma e organização do artigo original.


SANTOS, Márcio Evangelista dos

O ensino por projetos em química. Goiânia, Química, UFG, 2006, 94p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Wilson Botter Jr.).

Resumo: Este estudo tem como objetivo principal investigar como os professores de Ensino Médio, licenciados em quimica, do quadro efetivo, das escolas da rede pública estadual de Goias encaram e praticam a educação por projetos e qual a relação dessa com o processo de ensino e aprendizagem, bem como se suas concepções são coerentes com as suas praticas. A pesquisa foi realizada nas escolas da rede publica estadual de Goiania, no período de nov 2003 a jun 2004. Neste período havia 21 professores de Quimica licenciados em Quimica do Ensino Médio. Estes professores foram tomados como o universo da pesquisa. Os resultados obtidos indicaram que os professores, apesar de estarem preocupados com a questão da contextualização, não conseguem aplicar na pratica esta intenção. A fundamentação teórica que embasa o trabalho é a pedagigia tradicional. Para este professores os projetos são acontecimentos como as feiras culturais ou de ciencias e que, embora digam trabalhar com projetos de ensino, não fazem a distinção entre ensino por projetos de trabalho, ou situação problema, e aulas extraclasse, ilustrativa ou complementar da teoria exposta em horário regular de aula.







SANTOS, Maria José dos

O contexto ambiental nos livros didáticos de química: o ciclo da água como tema estruturador. Centro Universitário Moura Lacerda – Educação. 2007. 133p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Natalina Aparecida Laguna Sicca).

Resumo: Este trabalho investiga o currículo planejado para o professor de química do ensino médio a partir da análise de livros didáticos de química, avaliados pela SEB/MEC, em 2006. Busca identificar como tem sido tratado o contexto ambiental, a partir da temática da água. Verifica se a água é assumida como tema estruturador para desenvolver conteúdos pertinentes ao ensino de Química. Mais especificamente foram tomadas como objeto de análise as unidades temáticas: ciclo da água na natureza e perturbações na hidrosfera produzidas pela ação humana. Procedeu-se a análise documental de seis coleções de livros didáticos selecionados pelo MEC, por meio de uma análise de conteúdo. Constatou-se com este estudo que os autores e as respectivas editoras estão procurando inovar tais coleções tendo em vista o discurso oficial dos PCNEM, introduzindo o contexto ambiental, porém com diferentes abordagens. Dois livros analisados apresentam a água como tema estruturador, aproximandose do discurso presente no PCN+ do ensino médio. O estudo possibilitou flagrar a diversidade dos livros no tocante a temática da água sendo que nem todos tratam do ciclo da água na natureza, menos ainda apresentando uma perspectiva sistêmica. Todos introduzem a unidade temática Perturbações na Hidrosfera Produzidas pela Ação Humana, sendo a mesma enfatizada pela maioria dos autores o que de certa forma indica um alinhamento à perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade.


SANTOS, Miriam Stassun dos.

A interação Ciência, Tecnologia e Sociedade e seus reflexos nos encontros sobre a Educação Química. Belo Horizonte, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – CEFET-MG, 1999. 300p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Lilavate Izapovitz Romanelli).

Resumo: A preocupação da autora, como docente, com o desenvolvimento e aplicação de abordagens de ensino que contemplassem uma educação voltada para a transformação social, para a formação do cidadão crítico e integral, capaz de utilizar os conhecimentos de Química aplicá-los na comunidade onde vive, garantindo a busca de uma melhoria da Qualidade de Vida, motivou esse trabalho. Considerando o perfil do educador e do aluno que se queira formar para o século XXI, e também o atual contexto sócio-econômico brasileiro, decidiu-se, através de pesquisas, procurar identificar uma metodologia inovadora que proporcionasse o desenvolvimento de algumas dessas características no professor e no aluno. Acompanhou-se os estudos de Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS) que trazia em sua fundamentação várias características das procuradas, e através dos projetos inovadores apresentados e referendados pela comunidade científica, pesquisou-se sua influência sobre o Ensino de Ciências/Química no mundo. Depois, buscou-se pesquisar o que foi abordado na reunião de maior alcance dos pesquisadores em Educação Química Internacional, ou seja, a Conferência Internacional de Educação Química, tentando perceber como o tema CTS era desenvolvido no ensino de Ciências dos vários países. Finalmente, analisou-se os estudos em CTS no Brasil, através do estudo dos anais dos Encontros Nacionais em Ensino de Química, e dos regionais, os Encontros de Debates sobre o Ensino de Química; e ainda, a influência e implantação nos países ibero-americanos desses estudos. Através desse trabalho foi possível reconhecer a apropriação pelos professores do movimento CTS no Brasil trazendo características comuns aos dos outros países, e uma produção de livros e textos que revelaram o desenvolvimento e aplicação dessa metodologia. Além disso, ficou evidente que os trabalhos divulgados e desenvolvidos pelos participantes e responsáveis desses encontros trouxeram contribuições efetivas para uma formação mais ampla e contextualizada socialmente do professor de Química.


SANTOS, Pedro Roberto Pontes

As concepções de ciência dos estudantes da UFPB e suas implicações para o ensino e aprendizagem de bioquímica. São Paulo, Ciências Biológicas (Bioquímica), USP, 2003, 182p. Tese de Doutorado. Orientador: Bayardo Baptista Torres).

Resumo: Este trabalho foi desenvolvido na UFPB, com estudantes que apresentam disciplinas de bioquímica na grade curricular. Nosso trabalho teve como objetivo principal verificar conceitos prévios a respeito de Química, referentes à estrutura e transformação da matéria, dos estudantes iniciantes na graduação, estabelecendo padrões sobre esses conceitos. Bem como avaliar as noções de Ciência dos estudantes, objetivando obter explicações sobre a origem de conceitos científicos dos mesmos. A partir desse estágio, propor aplicações que teriam por objetivo compensar as deficiências observadas. Inicialmente, foram aplicados 10 testes (dois deles com duas variações). Ao todo, foram aplicadas 2.237 cópias dos testes; destes, 1.918 foram respondidos e 861 tiveram comentários dos alunos. Em 98.1, foi aplicado teste sobre Teoria Atômica a 386 alunos individualmente. Em 98.2, foram 113 estudantes. sendo aplicação em grupo e foram feitas gravações em fita cassete e em vídeo. As gravações foram transcritas e analisadas objetivando avaliar a linguagem usada pelo pesquisador/professor e pelos alunos. Os resultados foram analisados de acordo com os autores originais das referências quanto ao conteúdo, e também quanto às estruturas de linguagem.


SANTOS, Sandra Maria de Oliveira.

Critérios para Avaliação de Livros didáticos de Química para o Ensino Médio. Universidade de Brasília - Ensino de Ciências. 2006. 234p. Profissionalizante. (Orientador: Gerson de Souza Mól).

Resumo: O livro didático, por sua grande influência no processo de ensino-aprendizagem, apresenta importante papel no ensino formal. Sua escolha deve ser feita de forma criteriosa, considerando diferentes aspectos relacionados a sua abordagem didática e ao contexto de seus alunos e escola. Todavia, os professores normalmente não se sentem bem preparados e orientados para o exercício dessa função. Assim sendo, este trabalho tem como objetivo propor um instrumento que auxilie o professor a analisar e a avaliar o Livro Didático de Química – LDQ – para o Ensino Médio, por meio de critérios apresentados na literatura. Para tal, são apresentadas discussões sobre o livro didático que versam sobre sua evolução histórica e suas diversas funções. Desta forma, justifica-se a real necessidade de se apresentar um instrumento de avaliação de LDQ. Inicialmente, foi realizado um levantamento das concepções dos professores de Química do Ensino Médio do Distrito Federal sobre os critérios aplicados por eles na escolha dos livros a serem adotados. A análise dos resultados dessa avaliação indicou que os educadores não utilizam critérios fundamentados em pesquisas na área de ensino de Ciências para escolha do LDQ, prevalecendo fatores subjetivos, tais como conteúdo, exercícios e preço. A partir da análise da realidade dos professores e da pesquisa na literatura, em ensino de Química e sobre livros didáticos, para avaliação de LDQs destinados ao Ensino Médio, estabeleceu-se um conjunto de critérios relacionados aos seguintes aspectos: imagens,aspectos gráfico-editoriais e textuais, linguagem, livro do professor, atividades experimentais, aspectos históricos relacionados à construção do conhecimento, abordagem de aspectos sociais, contextualização dos conceitos e conteúdos da Química e abordagem metodológica do conteúdo químico.Tais critérios de avaliação foram organizados na Planilha para Avaliação de Livros Didáticos de Química – PLANLDQ – desenvolvida no Windows Excell, também compatível com plataforma Linux, gerando um instrumento auto-explicativo. Buscou-se, com a PLANLDQ, desenvolver um instrumento simples que facilite a manipulação e a compilação dos dados pelo avaliador. Por meio da PLANLDQ, espera-se que os professores de Ensino Médio obtenham um conjunto de informações significativas e concretas, que possibilite uma análise criteriosa e consciente dos LDs disponíveis. Além disso, esse instrumento tem, também, a função de exercitar o professor a olhar de forma mais crítica para o LDQ. Pretende-se, assim, que o manual didático escolhido dessa avaliação seja coerente com os objetivos educacionais e que propicie condições para formação de cidadãos autônomos, críticos e participativos.


SANTOS, Solange Capaverde.

Uso de microcomputadores no ensino de Ciências: uma proposta de ensino-aprendizagem na área de Química. Santa Maria, UFSM, 1994. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Eduardo Adolfo Terrazan).

Resumo: Apresenta uma proposta de ensino-aprendizagem na área de Química, especialmente na utilização de computadores como ferramenta de apoio. O referencial teórico foi desenvolvido com base na literatura específica das áreas de Educação, Informática na Educação, História das Ciências e a partir da experiência docente da autora. Desenvolve um trabalho de investigação quanto às expectativas do uso da Informática na Educação, em três níveis de ensino: graduação, pós-graduação e 2o grau. Realiza atividades de ensino, com o uso de microcomputadores, com alunos e professores de 2o e 3o graus. Elabora, a partir dos dados coletados mediante questionários e análise de documentos, uma proposta para o ensino de Química com o uso de microcomputadores.


SANTOS, Solange Capaverde

Modelagem de cenários telemáticos como estratégia cognitiva para trabalhar conceitos físico-químicos: indicadores de aprendizagem. Porto Alegre, Informática na Educação, UFRGS, 2002, 315p. Tese de Doutorado. (Orientadores: Liane M. Rockenbach Tarouco; Maria Suzana Marc Amoretti).

Resumo: Neste estudo investigam-se as possibilidades de Cenários Educacionais Informatizados como alternativas estratégicas de uso de produtos da tecnologia informática para o desenvolvimento de processos cognitivos. São propostos indicadores de aprendizagem na forma de Pegadas Cognitivas. Tais Pegadas são o resultado gráfico de uma distribuição espacial de pontos correspondentes aos indicadores de aprendizagem e suas dimensões nos cenários pesquisados. Em cada caso, a "pegada" resulta da ligação entre tais pontos, formando um diagrama onde a disposição dos indicadores, comparando-se as situações ideal e real, permitiu avaliar o desvio em que se encontra a situação real, comparativamente à situação ideal. Sua construção permitiu simbolizar a provisoriedade de cada situação de aprendizagem e inspirar ações para as correções que se fizerem necessárias. Utilizaram-se: software de modelagem computacional - Modellus; espaços virtuais de comunicação - chat, e-mail, listas de discussão, whiteboard, forms, entre outros; Mapas Conceituais/Mentais; imagens e representações; ações ligadas às atividades endógenas permanentes dos aprendizes em função de seu imaginário e dos espaços virtuais e recursos da telemática em atividades de aprendizagem, na área de físico-química, visando ao estudo de como ocorrem as reações químicas. A partir dos resultados obtidos realizou-se o confronto entre as possibilidades reais do ambiente com o imaginado, sobre o tema, por alunos do ensino médio que integram o grupo denominado Grupo Imagem. O caminho que representa a linha mestra deste referencial teórico encontra-se nas Ciências Cognitivas no que se refere às questões relativas às formas de representação, às estratégias cognitivas utilizadas pelo sistema humano de processamento de informação e às aplicações de modelagem computacional em situações de aprendizagem. Considerou-se uma abordagem que leva em conta arquiteturas cognitivas e influências do meio ambiente sobre a capacidade humana de aprender. Aprender no sentido de assimilar novas informações, armazená-las e, ao acessá-las, desenvolver estratégias cognitivas que promovam a evolução das estruturas do conhecimento, numa dinâmica caracterizada pela inovação, pela capacidade humana de estar constantemente em mudança, através de ações situadas, contextualizadas, na Sociaedade da Informação, geradora da Sociedade do Conhecoimento. Tal sociedade impõe desafios a ser enfrentados com estratégias que permitam a todos, independente de sua situação na escala social, a acessibilidade e a mobilidade informacional e de tecnologias cada vez mais especializadas em todas as átreas, sejam acadêmicas, econômicas ou bem-estar pessoal que produzam não apenas a mundialização de recursos materiais e físicos, mas que incluam as diferenças de pensamentos e ações que permitem aos seres humanos serem individuais e únicos em sua essência. A Aprendizagem à Distância - AAD - utilizada neste fazer investigatório evidenciou competência para solucionar as dificuldades relativas à flexibilidade dos programas disponíveis para compor cenários educacionais que prilegiem a aprendizagem significativa, em escolas de ensino médio, por exigirem novos posicionamentos e novas habilidades de educandos e de educadores. Entre as habilidades de aprendizagem individual e coletiva que os aprendizes devem possuir ou desenvolver para cooperar com o grupo em AAD, destacam-se: autonomia, responsabilidade, liderança, capacidade para negociação e decisão, capacidade de inferência, dedução, possibilidade de realização de análise e síntese, regras de conduta que permitam a convivência e as trocas de conhecimento.


SANTOS, Verônica Tavares

Uma abordagem sobre o desenvolvimento de competências com professores(as) de química do ensino médio. Ensino das Ciências, UFRPE, 2003, 108p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Angela Vasconcelos de Almeida).

Resumo: Este trabalho investigou como os (as) professores(as) de química concebem a abordagem por competências na escola e a noção de situação-problema. Participaram da pesquisa um grupo de professores(as) de química do ensino médio da rede pública e privada do estado de Pernambuco. A metodologia envolveu seis etapas: levantamento das concepções dos(as) professores(as) sobre o tema competência, utilizando como instrumento de pesquisa um questionário; categorização e validação das respostas desses(as) professores(as) ao questionário; discussão sobre a categoria competência na escola, usando como instrumentos um texto e uma fita de vídeo do autor Perrenoud; idéias prévias dos(as) docentes sobre situação-problema; discussão sobre noção de situação-problema e elaboração de uma situaçãoproblema piloto pelos(as) participantes. Os resultados mostraram que não háuma mobilização dos(as) professores(as) e escolas a fim de viabilizar a abordagem por competências. Ainda, a implementação dessa abordagem na escola será possível se o sistema educacional investir em melhores salários, recursos e tempo disponível. Além de uma formação continuada inserida no projeto pedagógico escolar, que propicie a cooperação entre professores(as) e a universidade e favoreça a discussão dos conteúdos de química, a metodologia e a avaliação. E, ao mesmo tempo, a construção de novas competências profissionais inerentes ao ofício docente.


SANTOS, Victor João da Rocha Maia.

O meio ambiente e o ensino de química no nível médio: verificação das formas desta difícil relação. Porto Alegre, Faculdade de Física, PUC-RS, 2005. 150p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Marçal José Rodrigues Pires).

Resumo: As questões ambientais não podem ser tratadas a partir de uma educação dicotômica. Elas não podem ser monopolizadas por somente duas áreas do conhecimento acadêmico, como as ciên-cias biológicas e a geografia. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi investigar a relação entre o atual ensino de Química e meio ambiente. O principal ponto que norteou a presente dissertação foi a verificação de questões ambientais nos conteúdos de Química do ensino médio, em cinco livros didáticos utilizados na minha prática docente, nas provas de Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) de 2000 a 2004 e no atual currículo de Química . A fim de dar sustentação a minha argumentação, foi realizado um questionário ou um teste de sondagem, formulado em três partes distintas. A primeira parte objetivava verifi-car a ordem de prioridade que os alunos atribuíam para oito problemáticas ambientais propos-tas: agrotóxicos, alimentos transgênicos, chuva ácida, destruição da camada de ozônio, efeito estufa, escassez de água, lixo, e poluição das águas. A segunda parte era formada por doze questões objetivas do tipo verdadeiro (V) ou falso (F) que estavam correlacionadas com a primeira parte. A terceira e última parte do questionário era discursiva. O aluno deveria esco-lher entre quatro tipos de meios de transportes (bicicleta, carro (gasolina ou álcool), ônibus ou camionete a diesel)) para se locomover pela cidade de Porto Alegre, justificando sua resposta. Participaram desta pesquisa 312 alunos do ensino médio de uma escola da rede particular de ensino da cidade de Porto Alegre (RS) entre os meses de outubro e novembro de 2003. Os dados referentes à primeira e segunda parte do questionário foram tratados por dois aplicati-vos estatísticos: SPSS 8.0 for Windows e o Excel 2002 da Microsoft. Em relação à parte dis-cursiva, foi realizada uma análise das respostas de 56 alunos, sendo que os demais tiveram sua transcrição digitalizada para CDROM a fim de servir como fonte de dados para análises futu-ras. Foi realizada ainda uma entrevista com três alunos como forma de verificar a relação dos mesmos com o seu meio ambiente. Os resultados obtidos indicaram a escassez de água como a problemática ambiental de maior prioridade.


SANTOS, Wildson Luiz Pereira dos.

O ensino de Química para formar o cidadão: principais características e condições para a sua implantação na escola secundária brasileira. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1992. 243p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Roseli Pacheco Schnetzler).

Resumo: Caracteriza o ensino de Química para formar o cidadão e estabelece as condições necessárias para a sua implantação na escola secundária brasileira. Para isto, analisa proposições de educadores químicos brasileiros obtidas mediante entrevistas semi-estruturadas, aplicação de questionários e análise de conteúdo de seus significados. Faz também revisão de literatura sobre o ensino de Ciência-Tecnologia-Sociedade em oito periódicos internacionais. O ensino em questão foi caracterizado pela contextualização social do seu conteúdo, por meio da adoção de temas químicos sociais e pelo objetivo de desenvolvimento de atitudes próprias do cidadão, como a capacidade de tomada de decisão. Como principais condições para a sua implantação foram estabelecidas a necessidade da elaboração de materiais de ensino e da preparação de professores. Nas considerações finais delineia os princípios gerais do citado ensino, discute a pertinência de adaptações de projetos estrangeiros de Ciência-Tecnolgia-Sociedade para o contexto nacional, compara aquele ensino com as propostas socializantes dos pedagogos brasileiros e demonstra ser este ensino um novo paradigma educacional em construção.


SANTOS, Wildson Luiz Pereira Dos

Aspectos sócio-científicos em aulas de química. Belo Horizonte, Educação, UFMG, 2002, 336p. Tese de Doutorado. (Orientador: Eduardo Fleury Mortimer).

Resumo: Esta tese consiste em quatro estudos de caso em que professores de química do ensino médio abordaram questões ambientais, políticas, econômicas, éticas, sociais e culturais relativas à ciência e tecnologia, denominadas aspectos sócio-científicos, ASC, fazendo uso do livro didático Química na Sociedade. O objetivo da investigação é analisar o processo pedagógico da abordagem de ASC, visando identificar avanços, limitações e implicações para o currículo e para o processo de formação de professores em relação aos objetivos de formação para a cidadania. No capítulo um, é apresentada revisão bibliográfica sobre: o letramento científico e tecnológico; a proposta de educação humanística de Paulo Freire; a abordagem de ASC em currículos de ciências; e processos interativos e dialógicos em sala de aula. No capítulo dois, é analisado o livro Química na Sociedade. No capítulo três, são apresentados os procedimentos metodológicos. A coleta de dados consistiu em entrevistas com os professores e alunos, aplicação de questionário socioeconômico-cultural, gravação em vídeo de aulas e uso de diário de campo. No capítulo quatro, é apresentada a análise qualitativa do estudo de caso um, no qual os ASC foram abordados sistematicamente. No capítulo cinco, são apresentadas as principais contribuições obtidas dos três demais casos. A análise evidenciou que o uso do livro Química na Sociedade, bem como a experiência no magistério foram determinantes nas diferenças observadas entre os professores na abordagem dos ASC. Apesar de todos os professores desenvolverem um processo pedagógico aquém de uma proposta de educação científica humanística, foram identificadas várias contribuições para o letramento científico dos alunos. Em conclusão, os estudos mostraram que os ASC potencializam interações dialógicas, possibilitam a introdução de atitudes e valores e podem ser configurados como elementos constitutivos dos currículos.


SARETTA, Mauro.

Dificuldades na resolução de problemas de Química. Florianópolis, Centro de Ciências da Educação, UFSC, 1991. 164p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: André Valdir Zunino).

Resumo: Investiga três turmas da Escola Técnica Federal de Santa Catarina (uma em cada turno) na disciplina Eletroquímica do Curso de Eletrotécnica, nos dois semestres letivos de 1989. Aplica 13 problemas, 10 numéricos e 3 não-numéricos. Alunos com quatro ou menos resoluções adequadas foram denominados Resolutores Mal Sucedidos (RMS) e, aqueles com dez ou mais, Resolutores Bem Sucedidos (RBS). Identifica peculiaridades destes dois grupos, vislumbrando medidas educacionais pertinentes para promover estudantes RMS a RBS. Realiza quatro estudos, acompanhados de entrevistas: 1) "mapeamento" da Estrutura Cognitiva relativa aos conteúdos e quatro habilidades intelectuais hierarquizadas segundo Gagne; 2) determinação do grau de confiança dos estudantes (mal e bem sucedidos) na sua capacidade de desenvolver resoluções adequadas para problemas propostos, utilizando uma escala Likert; 3) levantamento de características sócio-econômicas e familiares dos alunos com dois extensos questionários; 4) relacionamento e categorização das falhas ou desvios improdutivos mais freqüentes entre os alunos pesquisados. Por fim, procede à enumeração de ações educacionais recomendáveis para superação das dificuldades dos RMS, alçando-os aos níveis de proficiência dos RBS.



SCHEFFER, Elizabeth Weinhardt de Oliveira

Química: ciência e disciplina curricular, uma abordagem histórica. Universidade Federal do Paraná – Educação. 1997. 160p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: José Alberto Pedra).

Resumo: no presente trabalho realizou-se uma análise hermenêutica de textos documentados e dados obtidos através de pesquisa bibliográfica sobre a história da química delineando os horizontes da construção desse conhecimento no contexto mundial e buscando seu desenvolvimento no Brasil como ciência e como disciplina curricular do ensino médio. Partindo-se da reflexão sobre os caminhos históricos da ciência química desenvolveu-se o estudo sobre a disciplina de química no currículo escolar brasileiro, verificando-se os objetivos desse ensino, as condições encontradas para sua efetivação, as alterações referentes à carga horária e programas observadas ao longo dos anos, desde sua existência como cadeira de química no período imperial até a presente data. Através do resgate histórico e do levantamento dos diferentes fatores que interferiam ou mesmo definiram o currículo escolar ao longo dos anos, pretende-se contribuir para o debate e para reflexão sobre o ensino de química no ensino médio.


SCHEIDE, Tereza de Jesus Ferreira

Uma experiência sobre a utilização de estratégias de ensino de Ciências em estudos de recuperação de alunos da escola de 1º grau. São Carlos, Centro de Educação e Ciências Humanas, UFSCar, 1981. 174p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Maria Cecília de Oliveira Micotti).

Resumo: Verifica se as causas do insucesso do aluno nos estudos de Ciências deve-se a fatores de ordem pessoal ou a procedimentos de ensino utilizados em sala de aula. Também verifica os efeitos da utilização de estratégias, baseadas na participação do aluno, em atividades de investigação, orientadas de acordo com os pressupostos teóricos apresentados por Hilda Taba. Investiga alunos de 6ª série do 1º grau, encaminhados para recuperação em Ciências. Desenvolve dois estudos: um exploratório, destinado a caracterizar a situação de recuperação, averiguando-se as dificuldades dos alunos e as estratégias utilizadas em sala de aula; outro, que se refere à validade de estratégias de ensino de Ciências, mediante a comparação de seus efeitos num grupo experimental em confronto com um grupo controle. A recuperação do grupo controle foi desenvolvida pelo professor da classe, que utilizou procedimentos de ensino baseados em exposição oral e leituras já realizadas, versando sobre a matéria. A recuperação do grupo experimental foi realizada por estagiários do Curso de Licenciatura em Ciências, devidamente treinados para desenvolver atividades práticas, com ênfase na investigação orientada para a compreensão da matéria. Conclui que há maior adequação na abordagem do ensino de Ciências como um processo de investigação (grupo experimental), em confronto com a abordagem do ensino de Ciências como produto do trabalho científico (grupo controle). Devido a sua flexibilidade a diferentes conteúdos, os dados obtidos sugerem a possibilidade da utilização desta estratégia em situação normal de sala de aula, possibilitando organizar sua programação de acordo com as dificuldades dos alunos e materiais disponíveis.



SCHNETZLER, Roseli Pacheco

O tratamento do conhecimento químico em livros didáticos brasileiros para o ensino secundário de Química de 1875-1978: análise do capítulo de reações químicas. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1980. 191p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: não consta).

Resumo: Analisa o tratamento do conhecimento químico veiculado por livros didáticos de Química - 2º grau, exclusivamente brasileiros, no período de 1875 a 1978. Busca a compreensão da atual situação do ensino, levando em consideração a dependência do mesmo com a função social e política exercida pela escola e por todo o sistema educacional na nossa sociedade. A análise dos livros, delimitada ao capítulo de Reações Químicas, compreende, fundamentalmente, as seguintes questões: a) a ausência de experimentação tem sido uma característica dos livros didáticos brasileiros?; b) a ausência de relação do conhecimento químico com assuntos da vida cotidiana tem caracterizado os livros didáticos brasileiros?; c) em termos gerais, os livros didáticos têm tratado o conhecimento químico de forma a enfatizar sua memorização?; d) na medida que tais aspectos realmente caracterizarem o tratamento do conhecimento químico veiculado pelos livros, eles se apresentarão com a mesma ênfase tanto nos livros antigos quanto nos modernos? A amostra compreende 28 livros didáticos destinados ao 1º ano do 2º grau. Aponta que, além dos livros analisados não se caracterizarem pela ênfase na experimentação e no relacionamento da Química com a vida cotidiana, a insignificante presença de tais parâmetros associada à ênfase de propiciar a ocorrência de aprendizagem significativa decrescem com o passar dos anos. Constata ainda a significativa defasagem entre as proposições legais dirigidas ao ensino secundário de Química ao longo desses anos e sua "prática", segundo as proposições dos livros analisados.


SCHWAHN, Maria Cristina Aguirre

O Uso do Laboratório de Ensino de Química como Ferramenta: Investigando as Concepções de Licenciandos de Química sobre o POE. Ensino de Ciências e Matemática, ULBRA, 2008, 125p. Dissertação de Mestrado. (Orientadores: Edson Roberto Oaigen; Tales Leandro Costa Martins).

Resumo: Este trabalho investigou as percepções com que futuros professores de Química analisam a importância do uso do Laboratório de Química (LQ) no ensino e aprendizagem na Educação Básica, relacionando indicadores que apontem a evolução de suas concepções sobre o uso da experimentação utilizando como estratégia didática a abordagem POE. (Predizer, Observar, Explicar), aqui adaptada para realização e experimentos. Refere-se a uma pesquisa qualitativa, que compara indicadores obtidos nas respostas através de uma matriz comparativa. A coleta de dados foi realizada em cinco encontros consecutivos realizados no mês de outubro de 2007 com uma turma de Estágio Supervisionado II de um curso de Licenciatura em Química. Os resultados encontrados apontam que os professores em formação inicial (re) conceituam o papel do LQ, criando possibilidades de relações que podem ser estabelecidas entra a prática e a teoria.


SEBATA, Claudio Ernesto

Aprendendo a Imaginar Moléculas: Uma Proposta de Ensino de Geometria Molecular. Brasília, Ensino de Ciências, UnB, 2006, 134p. Profissionalizante. (Orientador: Wildson Luiz Pereira dos Santos).

Resumo: O presente trabalho teve como objetivo elaborar uma proposta de ensino de geometria molecular do componente curricular Química do ensino médio associada à utilização de imagens. Essa proposta foi baseada em estudos geometria molecular e de teorias e/ou conceitos sobre imagens propostas por Carneiro, Cassiano, Duchastel e Waller e Moles. Os estudos sobre imagens no ensino de ciências indicam a inexistência de uma gramaticalidade da linguagem visual única, além de apontarem a necessidade de o professor explicar as imagens utilizadas em sala de aula. Além do desenvolvimento e aplicação da proposta de ensino de geometria molecular foram conduzidos dois estudos investigatórios. O primeiro consistiu na aplicação de um teste em uma turma de segundo ano do turno noturno de uma escola pública do DF que já havia estudado o conteúdo geometria molecular e de um pré-teste em uma turma de segundo ano dessa mesma escola que não havia estudado o referido conteúdo. Esse estudo teve como objetivo identificar dificuldades na compreensão desse conteúdo de Química e apontar possíveis conteúdos de outros componentes curriculares como matemática e artes que são necessários para sua compreensão. As análises desses testes indicaram que os alunos não foram capazes de identificar formas geométricas das moléculas e que não dominavam noções básicas de geometria espacial. A segunda investigação consistiu na avaliação da proposta desenvolvida, por meio da aplicação de um pósteste. A proposta foi desenvolvida em cinco aulas e foi ministrada na turma onde se aplicou o pré-teste. As estratégias de ensino utilizadas visaram desenvolver a capacidade do aluno em compreender conceitos básicos de geometria molecular. Os resultados do pós-teste indicaram que os alunos foram capazes de compreender grande parte das imagens utilizadas e do conteúdo de geometria molecular. Os resultados desses estudos demonstram o quanto é importante que se dê mais atenção às explicações das imagens utilizadas no ensino de Ciências principalmente quando essas possuem um nível maior de abstração. No caso de ensino de geometria molecular é fundamental que inicialmente o professor trabalhe com objetos de forma geométrica definida para que os alunos possam visualizar imagens tridimensionais em planos bidimensionais. Para isso, é importante que o professor trabalhe com conceitos de outros componentes curriculares como os de Matemática e Artes relativos à geometria, profundidade e sombra. Com base nos estudos realizados, apresentam-se, ao final, sugestões de procedimentos metodológicos para o ensino de geometria molecular no ensino médio. Não se trata de uma receita padronizada de passos, mas de um roteiro de princípios norteadores. Os estudos sobre imagens e linguagem visual foram fundamentais para a compreensão dessas constatações. Além disso, aponta-se nas considerações finais, a necessidade de desenvolvimento de outras investigações relativas ao ensino de geometria molecular.


SELLES, Jairo Paes

Modelos moleculares no ensino de Química. Niterói, Faculdade de Educação, UFF, 1984. 87p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Teresinha de Jesus G. Lankenau).

Resumo: Visa a criação e testagem de um Modelo Molecular do tipo "ball and spoke", contendo aperfeiçoamentos em relação aos já existentes. Trabalha com uma amostra de alunos do 3º ano do 2º grau, do turno da manhã do Colégio Estadual "Henrique Lage". Para isso aplica Teste em Grupo de Figuras Encaixadas (Group Embedded Figures Test - GEFT) para identificar o estilo cognitivo de cada aluno e realiza um curso sobre ligações químicas com duas turmas: grupo experimental (utilizou o modelo molecular criado) e grupo de controle (não utilizou o modelo molecular criado). Aplica pré e pós-teste ao curso. Aponta que em ambos os grupos ocorre ganho em termos de aprendizagem no curso sobre ligações químicas, assim como não encontra interação significativa entre o Modelo Molecular criado, o estilo cognitivo do aluno e a situação de testagem. Conclui que existe uma lacuna, em relação aos modelos moleculares como recursos didáticos, no tocante à precisão, versatilidade de conteúdos, níveis de ensino e conjugação com outros recursos audiovisuais; o Modelo Molecular criado possui os requisitos para preencher essa lacuna. Considera que a razão de não ter havido interação significativa entre o Modelo Molecular criado, o estilo cognitivo do aluno e a situação de testagem se deve ao fato de o experimento não ter sido realizado em condições ideais.


SERAFIN JR., Irineu Modes

O Envolvimento do Aluno no Processo de Ensino-Aprendizagem Durante a Realização de Atividades Experimentais. São Carlos, Química, UFSCar, 2005, 87p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Luiz Henrique Ferreira).

Resumo: Este trabalho teve por objetivo identificar o grau de motivação dos alunos pertencentes a três escolas públicas de São Carlos com diferentes realidades sócio-econômicas, para o aprendizado de química. Atividades experimentais foram desenvolvidas com o principal objetivo de promover a interação dos alunos com seus colegas e professores. Durante a realização destas atividades, procurou-se também levantar as concepções alternativas dos alunos que participaram da pesquisa, uma vez que este tipo de aula é bastante propício para discussões e manifestações espontâneas que têm por base o conhecimento prévio a respeito do fenômeno em observação. Ao final dos minicursos oferecidos, os alunos foram convidados a atuar como monitores voluntários das aulas de química na própria escola. Observou-se que o número de monitores que participaram do projeto, em relação ao número total de alunos, foi muito pequeno tanto na escola periférica como nas escolas de localização central. Quando comparados por turno, o menor número de participantes foi o de estudantes do período noturno, provavelmente devido ao fato de serem estudantes trabalhadores, em sua maioria. Estabelecendo uma comparação entre os alunos das diferentes escolas, observou-se um maior percentual de participação dos estudantes das escolas centrais, uma vez que estes alunos parecem estar mais motivados para a aprendizagem. Nas três escolas, a atividade de monitoria mostrou-se ser um fator de motivação para o aprendizado. Todos os monitores se envolveram com o projeto e realmente ajudaram o professor nas aulas de laboratório, desempenhando um papel ativo no processo de ensino-aprendizagem. Também foram constatadas diferenças no perfil dos alunos das três escolas públicas, o que sinaliza para a importância de realizar estudos mais consistentes sobre o perfil das escolas antes da definição de políticas públicas para o ensino.


SICCA, Natalina Aparecida Laguna

A experimentação no ensino de Química – 2º grau. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1990. 174p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Décio Pacheco).

Resumo: Identifica como foram sendo formadas as concepções a respeito da experimentação e sua relação com a metodologia de ensino de Química, nas escolas oficiais de 2o grau, no Estado de São Paulo. Estabelece comparações entre as intenções, representadas pelas propostas oficiais e sua tradução no âmbito escolar, pelos agentes do ensino. Identifica os elementos que de alguma forma dificultaram ou dificultam a experimentação no ensino de Química, nessa escola. Para isto, analisa, nas diferentes épocas, documentos e relatórios oficiais, legislações estaduais e federais, material didático fornecido pela Secretaria da Estado de Educação de São Paulo, livros didáticos, anais de congressos, bem como entrevista alguns professores. Recupera e analisa a trajetória da experimentação no ensino de Química, nas escolas secundárias oficiais do Estado de São Paulo, destacando três períodos: a) 1930 a 1945, período introdutório da experimentação no ensino de Química; b) 1945 a 1964, caracterizado pela inculcação do método científico como processo indutivo na experimentação no ensino de Química; c) 1964 a 1984, caracterizado pela mesmice da experimentação nas propostas para o ensino de Química. Aponta para o descompasso entre as intenções dos legisladores e a prática docente, em relação à experimentação no ensino de Química na escola secundária e para a necessidade de mudanças nas condições para este ensino no Estado de São Paulo, visando sua melhoria.


SICCA, Natalina Aparecida Laguna

A memória da formação de professores de Química: buscando meu enredo. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1996. 312p. Tese de Doutorado. (Orientador: Décio Pacheco).

Resumo: Trata da memória dos programas oficiais de capacitação de professores de Química, da rede oficial de ensino de 1o e 2o grau do Estado de São Paulo no período compreendido entre 1972 e 1987. A análise é apoiada na dimensão pessoal da autora e nas ações governamentais voltadas para a formação de professores. Inicialmente, apresenta a memória da formação da autora, a partir do trabalho em uma escola pública de 2o grau, entre os anos de 1972 e 1979. Situa o estabelecimento de ensino no contexto da época e detecta as influências da Secretaria de Educação sobre a organização da escola, sobre o currículo e sobre o trabalho do professor. Em seguida, focaliza o programa de Capacitação de Professores de Química, coordenado pela CENP e DRHU, nos anos de 1979 e 1980. Detecta a formação da autora no ambiente da monitoria e estabelece uma análise do referido programa de capacitação tendo em vista a racionalidade em que foi concebido e as estratégias utilizadas no mesmo. Prossegue focalizando o projeto “Implementação de uma ação pedagógica na área de Ciências do ensino de 2o grau”, que ocorre na Divisão Regional de Ensino de Ribeirão Preto, inserido nos programas de capacitação gestados pela SE, no período 1981-1983. Na última parte, reflete sobre sua participação no processo de elaboração da Proposta Curricular para o Ensino de Química - 2o grau, de 1983 a 1987, do qual participaram professores da rede oficial de 1o e 2o graus, professores da Universidade e de Instituições voltadas para o ensino de Ciências e membros da equipe técnica da CENP. Compara, por fim, os diversos programas nos diferentes contextos políticos, percebendo as continuidades e descontinuidades do movimento estabelecido.


SILVA, Adalberto Freire da

A formação do professor de Ciências interagindo com sua prática curricular: a Química no ensino de Ciências na 5ª série do ensino fundamental. Ijuí, Departamento de Pedagogia, UNIJUI, 2001. 93p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Otavio Aloísio Maldaner).

Resumo: Este estudo traz uma série de questões sobre as práticas pedagógicas e possíveis mudanças conceituais, que aconteceram a partir da interação com educadores e educandos de uma escola da rede pública municipal de Ijuí. Tem como eixo principal de análise e discussão o Ensino de Ciências e a formação e auto-formação dos professores, bem como a importância dos conceitos químicos envolvidos no currículo do ensino fundamental, especificamente na quinta série. Neste estudo, apontam-se possibilidades de tornar as aulas de Ciências mais participativas e mais significativas para a vida das pessoas. Portanto, o ensino de Ciências discutido aqui não se fecha em si mesmo, mas aponta caminhos de construção coletiva de conceitos e saberes, envolvendo todos os agentes desse processo, buscando a socialização desses saberes de maneira que todos possam internalizar conhecimentos, visando à melhoria da qualidade de vida.


SILVA, Alceu Junior Paz da

A Química na Eja: Ciência e Ideologia. Educação, UFSM, 2007, 146p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Valeska Maria Fortes de Oliveira).

Resumo: O cenário contemporâneo de desemprego massivo e de intensificação da precarização do trabalho tem levado para o interior dos cursos de Educação de Jovens e Adultos o imaginário de que a escolarização média é fundamental para a qualificação profissional e a conquista de (melhores) empregos. O objetivo deste trabalho é problematizar o currículo da disciplina de Química frente ao interesse destes jovens e adultos em se qualificarem para o mundo do trabalho. Para isso utilizamos a teoria do currículo de Michael Apple e as contribuições da Teoria Social Marxiana de Gramsci como instrumentos teórico-metodológicos a fim de investigarmos os aspectos hegemônicos nos quais o currículo está imerso. Tomando o currículo como espaço de disputa pela hegemonia social, concluímos que é promissor explorar a abordagem histórica do conhecimento químico como elemento mediador de práticas educativas contra-hegemônicas. Palavras-chave: Currículo de Química; Educação de Jovens e Adultos; Ideologia.


SILVA, Ânderson Jésus da

Aprendizagem Cooperativa no Ensino de Química: uma proposta de abordagem em sala de aula. Universidade de Brasília - Ensino de Ciências. 2007. 264p. Profissionalizante. (Orientador: Ricardo Gauche).

Resumo: O presente trabalho insere-se no contexto do Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade de Brasília, especificamente na linha de pesquisa Ensino de Química: Concepções e Processo Ensino-Aprendizagem. Teve como objetivo desenvolver uma estratégia de ensino-aprendizagem baseada nos pressupostos teórico-metodológicos da Aprendizagem Cooperativa (AC), visando proporcionar condições de melhor aprendizagem de conteúdos químicos, contribuir na formação para o exercício da cidadania e estimular atitudes cooperativas nos contextos escolar e social. Foram utilizados os princípios norteadores da investigação-ação. A análise desenvolveu-se a partir dos registros das ações dos estudantes, organizados em Grupos Cooperativos, no período de agosto a setembro de 2007, feitos em diário de campo durante as aulas programadas em um Plano de Unidade de Química. Aulas foram gravadas em filmagem digital e analisadas em grade criada em consonância com os pressupostos da AC. Todas as informações coletadas durante o processo foram comparadas com os dados do QSC e com as informações adquiridas sobre o contexto escolar. A pesquisa foi desenvolvida em uma escola de Ensino Médio do Distrito Federal – DF, na qual foram detectados o baixo desempenho, a desmotivação e o alto índice de reprovação em Química, creditando-se parcela desse problema à abordagem dita convencional de ensino de Química. Abordagem vinculada às relações e experiências da vida acadêmica dos professores, ratificada na Graduação, formação inicial na qual as ferramentas necessárias para lidar com o dinâmico processo ensino-aprendizagem não são desenvolvidas a contento. Na abordagem da Aprendizagem Cooperativa, proporcionam-se aos estudantes oportunidades de trabalhar e interagir com seus colegas, de aprender ao fazer, de ser agentes no processo ensino-aprendizagem, preenchendo uma lacuna deixada pela falta de participação discente na abordagem convencional. Para realizar a presente pesquisa, estruturou-se, com base na abordagem proposta na AC, um Plano de Unidade no qual se destacou o compromisso de negociação de significados envolvendo os objetos de conhecimento da Química, prezando-se pela formação integral dos alunos, estando aí inseridas as questões éticas que envolvem a cidadania. Como fruto dessa pesquisa, foi elaborado, como proposição esperada de um Mestrado Profissional, um texto de apoio a professores, com a explicitação teórico-metodológica do método da AC. Em contraposição ao trabalho como organização dos estudantes em sala de aula denominada “grupo tradicional”, apresenta-se uma experiência de trabalho no âmbito de grupos cooperativos.


SILVA, Andreia Pires da

O Projeto Integrado de Prática Educativa (PIPE) nas licenciaturas em ciências biológicas, física e química: desafios e possibilidades para a formação docente. Educação, UFU, 2008, 125p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Ana Maria de Oliveira Cunha).

Resumo: As Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica instituíram uma Reforma Curricular para as Licenciaturas, em resposta aos inúmeros problemas apresentados no campo da formação de professores. Como parte desta proposta, a introdução das 400 h/a destinadas à Pesquisa e Prática Pedagógica, desde o início do curso, com o objetivo de trabalhar de forma interdisciplinar, articular teoria e prática, articular conhecimentos específicos e pedagógicos, causou certa resistência nos professores, tanto dos conteúdos específicos quanto dos pedagógicos. A Universidade Federal de Uberlândia sob a coordenação da Pró-Reitoria de Graduação/Diretoria de Ensino, após inúmeras discussões, envolvendo todas as Licenciaturas, interpretou a lei e produziu o seu Projeto Institucional, no qual inseriu o Projeto Integrado de Prática Educativa (PIPE), que se constitui neste momento, no nosso objeto de estudo. Focamos nos cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas, Física e Química, com o objetivo de investigar como estes cursos organizaram seus currículos, para cumprir a legislação vigente e como está sendo a implementação dos PIPEs. A abordagem utilizada na pesquisa foi à qualitativa e a coleta dos dados se deu por meio da pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Os dados obtidos revelaram que o PIPE representa um desafio para as Licenciaturas, e várias estratégias estão sendo utilizadas nos cursos analisados, para cumprir a carga horária determinada, sem prejuízo para os conteúdos específicos. Assim, em virtude dos mais variados obstáculos - epistemológicos, institucionais, metodológicos e da própria cultura acadêmica, o PIPE carece de maiores esclarecimentos. Frente às dificuldades enfrentadas para a sua implementação, as iniciativas dos cursos investigados são louváveis, mais ainda se encontram distante de atender o objetivo destinado aos PIPEs.


SILVA, Carla Santos da

Estudo da unidade de aprendizagem no ensino de química para aprendizagem significativa das leis ponderais. PUC-RS - Educação em Ciências e Matemática. 2006. 133p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Maurivan Güntzel Ramos).

Resumo: Este estudo, desenvolvido em uma sala de aula de Química, tem por objetivo compreender como a construção de uma Unidade de Aprendizagem sobre leis Ponderais pode contribuir para conhecimentos significativos desse componente curricular. Para tanto, a Unidade de Aprendizagem é realizada por meio de atividades diversificadas, buscando atender às necessidades dos alunos. A partir daí, procura-se explorar as possibilidades metodológicas que uma Unidade de Aprendizagem propicia, dando ênfase ao "aprender e aprender". Os dados discutidos neste trabalho foram colhidos em uma turma de primeira série do Ensino Médio, com trinta e cinco alunos, de uma Escola Técnica Estadual de Porto Alegre, ao longo do primeiro trimestre do ano letivo de 2004. O processo envolve observações, registros diários e questionários. O trabalho é elaborado levando em consideração uma abordagem qualitativa, sendo a fenomenologia a opção metodológica adotada. Sobre a análise dos dados resultantes emergem três essências: a complexificação do conhecimento pelo sujeito, o aluno frente ao processo ensino-aprendizagem e o aluno frente aos conteúdos selecionados. Mostra ainda que as Unidades de Aprendizagens servem como um caminho possível para os professores superarem as práticas metodológicas tradicionais e avançarem na compreensão de sua própria ação docente. O processo de pesquisa viabiliza uma reflexão sobre a concepção de aprendizagem significativa. As considerações finais apontam para a validade de utilizar-se essa proposta metodológica, em sala de aula, a fim de possibilitar a aprendizagem significativa em Química.


SILVA, Clarete Calcagnotto da

Química aplicada ao cotidiano do aluno: o ensino de química para a formação do cidadão. PUC-RS - Educação em Ciências e Matemática. 2006. 106p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Nara Regina de Souza Basso).

Resumo: A presente pesquisa é o relato da análise sobre que contribuições a proposta de trabalho – unidades de aprendizagem – pode trazer ao processo de construção da cidadania na disciplina de química. Por meio da análise de depoimentos e de situações em sala de aula, são apresentadas neste trabalho as diversas atividades que auxiliaram na construção da aprendizagem em química e que levam o aluno à aplicação do conteúdo no seu cotidiano. O estudo foi aplicado a dezoito alunos do Ensino Médio de uma Escola Pública de Porto Alegre e foi desenvolvido com a proposta do educar pela pesquisa, no qual os alunos conciliaram o (pré)conhecimento com o novo conhecimento químico, desenvolvendo a pesquisa e o diálogo em sala de aula, tendo o professor como mediador do processo de aprendizagem. Os estudos teóricos discorrem sobre a pesquisa em sala de aula, unidade de aprendizagem, autonomia, construção da cidadania e professor como agente transformador. A análise dos dados me fez verificar que é possível criar condições em aula para a construção da cidadania em um conteúdo da área científica. O desenvolvimento da unidade de aprendizagem permitiu que as idéias prévias dos alunos fossem contempladas, associadas ao conteúdo estudado e aplicadas no cotidiano. Assim, foi possível identificar fatores que levam o aluno no caminho da construção da cidadania.


SILVA, Elton Lima da

Educação ambiental em aulas de química em uma escola pública: sugestões de atividades para o professor a partir da análise da experiência vivenciada durante um ano letivo. Universidade de Brasília - Ensino de Ciências. 2007. 210p. Profissionalizante. (Orientador: Wildson Luiz Pereira dos Santos).

Resumo: A presente dissertação se refere a um trabalho desenvolvido com alunos da 1ª série do Ensino Médio, visando incorporar uma abordagem ambiental ao ensino de Química. Em tal abordagem procurou-se trabalhar elementos que favorecem uma percepção sobre meio ambiente que incluíssem aspectos sociais, culturais, econômicos, políticos, éticos etc. O trabalho foi desenvolvido em 2006 em uma escola pública situada numa cidade do Distrito Federal, a qual convive com diversos problemas ambientais. Nesse sentido, o objetivo da presente dissertação se constituiu na elaboração e aplicação de um projeto de educação ambiental e realização de u estudo exploratório do mesmo, visando à proposição de sugestões de atividades para professores de como trabalhar abordagem ambiental em aulas de Química. Para isso, analisaram-se percepções de alunos a respeito das influências do projeto e suas concepções sobre meio ambiente. A investigação foi feita por meio da aplicação de questionários e entrevistas a alunos ao final do referido ano. Pôde-se verificar que trabalhar educação ambiental no ensino de Química é um desafio. Apesar das respostas dos alunos fornecerem indicadores positivos, muito há o que fazer. Todavia, erros e acertos possibilitaram esboçar uma nova proposta para auxiliar a reflexão que favorecesse uma educação ambiental em aulas de Química. Nela, as conclusões apontaram para necessidade de mudanças nas concepções acerca do ensino por meio de uma constante reflexão sobre a ação pedagógica promovendo, assim, um novo estilo de vida na comunidade escolar. Tal proposta é apresentada ao final desta dissertação.


SILVA, Erivanildo Lopes da

Contextualização no Ensino de Química: Idéias e Preposições de um Grupo de Professores. Universidade de São Paulo - Ensino de Ciências (Modalidade Física, Química e Biologia). 2007. 143p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Eunice Ribeiro Marcondes).

Resumo: Esta pesquisa teve o objetivo investigar as idéias e proposições de um grupo de professores a respeito da contextualização no ensino de química. Especificamente, procuramos conhecer que significados atribuem ao se referirem a práticas de ensino nas quais os conteúdos são socialmente contextualizados, como refletem sobre essa temática frente a novos conhecimentos e como tais reflexões se manifestam nos materiais institucionais por eles elaborados. Tais idéias foram investigadas a partir de um curso de formação continuada, que procurou promover discussões e reflexões sobre a temática da pesquisa e a construção de materiais institucionais pelos próprios professores (unidades didáticas). Foram discutidas e analisadas quatro perspectivas de contextualização no ensino, nos trabalhos de . Lutfi, D. Auler e G. Aikenhead. Os materiais institucionais foram analisados de modo a verificar quais concepções sobre a contextualização se refletiram nas unidades didáticas elaboradas pelos professores. A investigação foi realizada por meio de questionários abertos, atividades, relatos de professores gravados em áudio e vídeo, análise de documentos e entrevistas semi-estruturadas. Os resultados desta pesquisa mostraram uma ampliação das concepções dos professores, que caracterizavam, inicialmente, o ensino de Química contextualizado como simples exemplificação e descrição de fatos ou situações do cotidiano com o intuito de ensinar química e passaram a compreender idéias de contextualização como abordagem de questões sociais, com vistas a desenvolver atitudes e valores e à transformação da realidade social. Os dados também mostraram que as unidades didáticas foram elaboradas com diferentes perspectivas, que nem sempre refletiam as idéias dos professores. Três grupos foram observados: as unidades didáticas que refletiam as idéias manifestadas pelos professores que ampliaram seus entendimentos, as que representavam idéias se contextualização menos elaboradas do que as manifestadas inicialmente. O nível pouco elaborado de contextualização foi justificado pelo número elevado das aulas que os professores ministram, o que os impossibilita de preparar materiais com esse perfil e a dificuldade de realizarem aulas dialogadas. Levantamos também, a questão da falta de entendimento, por parte de alguns professores, de como desenvolver materiais instrucionais com enfoque na contextualização social dos conteúdos. Percebemos dois fatores subjacentes 'as suas justificativas um de cunho epistemológico, que diz respeito 'a formação tradicional do professor fundada no conhecimento específico da Química, e outro de natureza prático-profissional, que diz respeito ao seu preparo pessoal e de suas aulas, o que exigiria maior demanda de trabalho, de maneira a resguardar o papel de professor como soberano absoluto da sala de aula.


SILVA, Geraldo Jose da

Epistemologia em uso: imagem de ciência em livros didáticos de Química. Educação, UFMG, 2007, 289p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Carmen Maria de Caro Martins)

Resumo: Nessa dissertação, apresentamos a pesquisa desenvolvida para analisar a imagem da ciência presente em livros didáticos de química, particularmente pela importância da ciência e da tecnologia na dimensão formativa do currículo visando à cidadania. Nosso objetivo era identificar a imagem da ciência presente em um livro didático de química. Desenvolvemos um desenho metodológico, no qual buscamos identificar “marcas textuais”, isto é, indícios que configurem um determinado perfil epistemológico subjacente ao livro texto. A partir dos referenciais teóricos apresentados por Campos e Cachapuz (1997), duas categorias de perfil epistemológico Empirista/Positivista e Racionalista/Dedutivista foram identificadas, nos capítulos analisados, a partir de marcas textuais. Para análise, os capítulos foram fragmentados semanticamente. Os fragmentos semânticos foram categorizados através de um livro-de-códigos construído e refinado por validação recursiva (concordância intercodificadores) e validação por especialista visando à confiabilidade e à auditabilidade dos procedimentos metodológicos. Para coleta de dados, foram selecionados três livros de química que tiveram três capítulos fragmentados (dois escolhidos pelo pesquisador: Introdução e Pilhas e um sorteado: Radioatividade). Seus fragmentos semânticos foram categorizados, e as marcas textuais identificadas foram registradas. As marcas identificadas serviram para análise e definição dos respectivos perfis epistemológicos caracterizando a natureza da ciência, a utilização da história da ciência, a relação ciência, tecnologia e sociedade. Para análise das possíveis decorrências pedagógicas, foram utilizados os referenciais teóricos do Conhecimento Tácito (Polanyi), Teorias-de-ação (Argyris e Schön) e Campos Conceituais (Vergnaud) nos quais se analisam as possíveis decorrências pedagógicas da epistemologia-em-uso, particularmente nas marcas textuais do tipo exercícios existentes no livro didático. Conclui-se que a ferramenta metodológica apresenta significativa acuidade (em 98,6% dos 1006 fragmentos coletados foram identificadas marcas textuais). Isso possibilitou a identificação dos perfis característicos dos livros analisados, destacando suas particularidades quanto à imagem da ciência apresentada, bem como a existência de uma epistemologia explícita nos parágrafos que nem sempre é coincidente com a epistemologia-em-uso (tácita) nas demais categorias de marcas textuais (exercícios, experimentos e marcas iconográficas).


SILVA, Izabel Cristina Goudart da.

O reverso da Química: o espaço para a autonomia e criação no ensino secundário desta ciência. Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Educação. 1998. 159 p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Lilian de Aragão Bastos do Valle).

Resumo: Este estudo objetivou refletir sobre o sentido do ensino secundário - Química no Brasil, analisado a partir de artigos publicados na revista Química, seção Educação, durante o período que compreende 1990 a 1997. A análise do objeto foi realizada a partir de uma perspectiva sócio-histórico e filosófica, fundamentada na teoria de Cornelius Castoriadis sobre o imaginário e autonomia. As discussões sobre educação, ciência e conhecimento científico foram baseadas, principalmente, nas contribuições de Lilian do Valle, Hanna Arendt, Bruno Latoria, Ilya Prigogine e Isabelle Stenger. Concluiu-se que a ciência e a técnica permanecem como valor central, tanto no ensino tradicional como nas propostas alternativas. A validade do conhecimento científico não é questionada e seu ensino visa, principalmente, ao desenvolvimento da cognição. A crise da razão e da ciência moderna não é abordada nas questões levantadas, para este nível de ensino. As propostas alternativas questionaram o dogmatismo do ensino tradicional, propondo reformulações no sentido de aproximar este ensino de uma visão da ciência contemporânea e, assim, estabelecer uma nova concepção de mundo centrada em uma ciência aberta. Esta visão não se encontra explicitamente elaborada, mas contém o desejo de mudança e inquietação - gérmens do projeto de autonomia, o que articula esse estudo ao eixo temático do Curso Mestrado em Educação da UERJ - Educação, Exclusão e Cidadania, e, segundo a perspectiva da linha de pesquisa Produção Social do Conhecimento.


SILVA, Jackson Gois da

Desenvolvimento de um ambiente virtual para estudo sobre representação estrutural em química. Universidade de São Paulo - Ensino de Ciências (Modalidade Física, Química e Biologia). 2007. 172p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: estrado. (Orientador(esMarcelo Giordan).

Resumo: Neste trabalho descrevemos as etapas de desenvolvimento do aplicativo computacional Construtor, a partir do qual estudantes de Ensino Médio podem construir objetos moleculares virtuais tridimensionais a partir unicamente da fórmula estrutural condensada de espécies químicas. este aplicativo computacional foi adaptado em uma sequencia de ensino acessível pela internet através de navegadores hipertexto, o que resultou em um ambiente virtual de ensino de química. Também neste trabalho descrevemos a avaliação do uso do ambiente virtual descrito. Esta avaliação de uso foi feita por intermédio de dados obtidos com um sistema de captura sincronizada de vídeo, através do qual é possível gravar em arquivos de vídeo, de forma simultânea, a tela em uso pelo estudante e suas ações diante do computador, sendo os arquivos gravados no próprio computador em uso pelo estudante. Desta forma foi possível minimizar a introdução de equipamentos estranhos à aula durante o teste de avaliação de uso do sistema. Iniciamos nossa discussão a partir do conceito comumente aceito sobre o conhecimento químico ser composto por três dimensões, fazemos uma breve revisão sobre representações químicas, seus aspectos espaciais, a utilização de tecnologias da informação e comunicação e, mais especificamente, o uso de animações e simulaçõesem ambientes de ensino de química, assim como uma revisão da bibliografia sobre os ambientes virtuais de ensino de química a partir de 1994. Neste trabalho, também fazemos uma discussão sobre a contribuição da teoria semiótica de Charles Sanders Peirce, com o objetivo de trazer uma compreensão mais aprofundada a respeito dos processos de significado de representações químicas, dos níveis macroscópico, submicroscópico e simbólico, na sala de aula.




SILVA, Janaina Rodrigues da

A utilização das analogias e metáforas como recurso didático na compreensão do conteúdo ligações químicas. Ensino das Ciências, UFRPE, 2008, 134p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Suely Alves da Silva).

Resumo: Analogias e metáforas, que etimologicamente significam relações de semelhança entre coisas e transposição do sentido próprio ao figurado, têm sido utilizadas no cotidiano, na evolução da Ciência e como ferramentas didáticas, com o intuito de facilitar na comunicação. Diante do presente pressuposto, o objetivo deste trabalho foi analisar a utilização de analogias e metáforas na construção do conhecimento sobre o conceito científico de ligações químicas. Para tanto, foram considerados três professores de Química da rede pública estadual, que tiveram suas aulas observadas, responderam a um questionário e a uma entrevista. Os resultados mostraram que dos professores investigados, um fez uso das analogias, enquanto que dois aplicaram as mesmas e as metáforas. Dessa forma, os professores empregaram as analogias e metáforas de modo espontâneo sem que houvesse planejamento definido. Vimos ser ainda pouco freqüente o uso das mesmas como ferramentas didáticas, talvez pela ausência de planejamento e de discussões que possam permeá-las como recurso didático de modo a subsidiar no processo de ensino-aprendizagem.


SILVA, Jose Guilherme da

Teste empírico da eficácia de um novo método de ensino de química, numa escola estadual da zona norte do município do Rio de Janeiro. Educação, Rio de Janeiro, UFRJ, 1993, 109p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Lilia da Rocha Bastos).

Resumo: O presente estudo teve por objetivo investigar o efeito de uma inovação metodológica sobre (a) o desempenho acadêmico, em química, de alunos do 2º grau; e (b) as atitudes desses alunos em relação à construção dos conceitos básicos da química. A pesquisa foi realizada com 59 alunos de 2ª serie do 2º grau, pertencentes a uma escola de município do Rio de Janeiro situada na zona norte, dos quais 30 formaram o grupo experimental e 29 o de controle. Os instrumentos de avaliação foram: (a) fichas de registro individuais, usadas pelos alunos no acompanhamento dos experimentos; (b) dados obtidos pelo professor através de observação das dos conceitos básicos da química, aumentando seu rendimento na matéria. (b) desenvolveu o espírito critico dos alunos em relação aos experimentos realizados; (c) aumentou a capacidade dos próprios alunos elaborarem leis ou enunciados de química a partir dos experimentos; e (d) desenvolveu atitudes positivas em relação à química.


SILVA, José Luiz De Paula Barros

Um Estudo Facilitador da Aprendizagem Significativa em Termodinâmica Básica. Universidade Federal da Bahia – Física. 1999. 261 p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Yukimi Horigoshi Pregnolatto).

Resumo: A aprendizagem da termodinâmica, nos diversos níveis de ensino, é um problema que tem sido objeto de estudo em todo o mundo. Embora a aprendizagem seja uma atividade própria dos alunos, o professor pode facilitar-lhes a captação dos significados a aprender através do ensino que pratica. Com o propósito de reduzir as dificuldades de aprendizagem de alunos universitários nos cursos de formação de profissionais da Química, formulamos uma proposta de ensino da termodinâmica básica, fundamentada na teoria da aprendizagem significativa e no modelo de ensino de Gowin. A proposta foi experimentada em condições reais de sala de aula. Os resultados obtidos demonstram que o ensino facilitou a aprendizagem significativa da termodinâmica. Especificamente, os alunos manifestaram mudanças em relação à compreensão da energia, considerando-a como o conceito mais geral da termodinâmica, possuindo características de armazenagem, transferência e multiformidade. Estabeleceram os conceitos de energia interna, calor e trabalho como formas de energia, diferenciando-os progressivamente em energia armazenada nos sistemas (energia interna) e em formas de transferir energia (calor e trabalho). Os alunos desenvolveram a capacidade de discutir os processos termodinâmicos tanto de maneira qualitativa, quanto matemática. Desse modo, aprenderam a resolver problemas explicando claramente o raciocínio empregado.


SILVA, Laércio Evandro Ferracioli

Concepções espontâneas em termodinâmica: um estudo utilizando entrevistas clínicas em um curso universitário básico. Porto Alegre, Instituto de Física, UFRGS, 1986. 247p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Marco Antônio Moreira).

Resumo: Investiga, através de entrevista clínica, as concepções espontâneas de temperatura, calor e energia interna, manifestadas por alunos universitários antes e depois de instrução recebida. Os sujeitos são alunos dos cursos de Física e Química matriculados em uma disciplina de Física Básica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 1984. Analisa qualitativamente os dados da primeira entrevista e estabelece categorias que traduzem as concepções dos alunos. Aponta ser possível detectar e organizar em categorias as concepções de temperatura e de calor, mas não de energia interna. O mesmo procedimento foi adotado com a segunda entrevista, chegando-se a resultados semelhantes, o que evidenciou que as concepções se mostraram resistentes a alterações frente à instrução recebida. Discute possíveis implicações para o processo de ensino-aprendizagem.


SILVA, Lucicléia Pereira da

Prática Docente em Química: Saberes construídos na ação. Educação em Ciências e Matemáticas, UFPA, 2005, 99p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Luiz Acácio Centeno Cordeiro).

Resumo: Esta investigação consiste em uma pesquisa-ação, desenvolvida durante o período de prática de ensino de alunos em formação inicial do Curso de Licenciatura em Química da UFPA. Ela teve como finalidade estabelecer durante o estágio referente às disciplinas Prática Docente em Química II, III uma relação de unidade entre teoria e prática com vistas a desenvolver atitudes reflexivas nos professores envolvidos na pesquisa e buscar uma ruptura com a concepção de professor como técnico-reprodutora, que ora sustenta o curso, para a de pesquisador-reflexivo. A princípio diagnosticamos o nível de articulação entre teoria e prática proporcionada durante o curso de Licenciatura em Química por meio da observação participante na disciplina de Prática Docente em Química I e em seguida investigamos, a partir de uma entrevista semi-estruturada, as concepções dos alunos selecionados acerca dessa relação. Além de professores em formação inicial selecionamos também a professora de Química em exercício no ensino médio de uma escola pública no município de Belém-PA, e antes de iniciarmos as atividades na escola analisamos as concepções da professora sobre sua própria prática e o interesse da mesma em participar dessa investigação, utilizando novamente a entrevista semi-estruturada. Com o início das atividades diante de uma turma de 2º ano do ensino médio. Os alunos em formação inicial e a professora em exercício fizeram leituras, planejamentos, ministraram aulas e desenvolveram em colaboração um projeto de investigação com a finalidade de melhorar o processo de ensino e aprendizagem dos alunos da turma. Durante todo o período de estágio os professores registraram em seus diários de campo as aulas que foram desenvolvidas, os quais foram analisados para identificar possíveis atitudes reflexivas durante a experiência vivida na escola a partir do referencial teórico adotado. Mediante a análise dos diários, evidenciamos, por parte dos sujeitos investigados, o desenvolvimento das atitudes reflexivas abertura de espírito, responsabilidade e entusiasmo, bem como das formas de reflexão introspecção, exame, indagação e espontaneidade. Por meio, dessa pesquisa destituímos a concepção de estágio como mera aplicação/aquisição de modelos, pois possibilitamos a (re) construção de práticas pedagógicas a partir da concepção de professor como pesquisador-reflexivo.


SILVA, Luiz Ernani Aguiar

Concepções Epistemológicas de Professores Atuantes em Atividades Experimentais no Curso de Licenciatura Plena em Química da PUC-RS. Porto Alegre, Educação, PUC-RS, 1999, 130p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Roque Moraes).

Resumo: O objetivo central da pesquisa foi compreender as concepções epistemológicas de professores do curso de licenciatura plena em química da PUCRS, que trabalham no ensino experimental. Participaram deste estudo doze professores, entrevistados individualmente, e foram selecionados vinte e quatro roteiros de experimentos usados na parte experimental de disciplinas ministradas por esses professores. A análise de conteúdo dos dados obtidos a partir das entrevistas e dos roteiros, evidenciou a predominância de uma concepção empírico-positivista, principalmente quando retrata a transmissão do conhecimento pelo professor que é o condutor do processo de aprendizagem dos alunos. Outro indicativo desta epistemologia, emerge a partir da análise dos roteiros com introduções, teórico- ilustrativas, procedimentos experimentais inflexiveis e questionamentos diretos sobre os fenömenos observados, caracterizando que a prática serve apenas para comprovar a teoria. Surgiram também algumas concepções interacionistas, quando os professores se colocam como mediadores da aprendizagem, entendendo o conhecimento como conservação que leva em consideração os conhecimentos prévios dos alunos. A superação da concepção empírico-positivista, é fundamental para que se amplie o desenvolvimento de propostas interacionistas, que produzam mudanças significativas no processo ensino-aprendizagem na área experimental da química.


SILVA, Márcia Gorette Lima da

Repensando a tecnologia no ensino de química do ensino médio: Um olhar em direção aos saberes docentes na formação inicial. Natal, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, UFRGN, 2003. 263p. Tese de Doutorado. (Orientador: Isauro Beltran Nuñez).

Resumo: A reforma educacional brasileira sugere mudanças nos distintos níveis de ensino. Estas, por sua vez, incluem, de forma explícita, a Tecnologia no Ensino Médio nas três áreas do conhecimento. Apontar a necessidade da Tecnologia nas escolas do Ensino Médio, como parte da educação do cidadão do amanhã em uma sociedade que vive a era tecnológica, tornou-se um argumento demasiado óbvio. Trabalhar a Tecnologia como dimensão educativa, que perpassa todas as áreas do conhecimento requer não somente uma simples mudança mas uma ruptura de posturas hegemônicas e tradicionais, que reduzem a Tecnologia à mera aplicação da Ciência. Este trabalho apóia, com reservas, a proposta de trabalhar as produções químicas industriais na disciplina de Química, uma proposta defendida pelos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Constata-se, nesse sentido, que trabalhar a Tecnologia por meio das produções químicas exige dos professores e professoras uma formação acadêmica e material didático apropriado para enfrentar as novas exigências do Ensino Médio. Também se discutem os distintos significados de Tecnologia e o quanto estes refletem no ensino. A pesquisa foi realizada na UFRN em duas etapas, sendo a primeira de familiarização com o objeto de estudo, da qual participaram 51 estudantes de cursos distintos como Bacharelado e Licenciatura em Química, Engenharia Química e Farmácia. Em outra etapa participaram 23 alunos concluintes do curso de Licenciatura em Química. Para essa pesquisa foi elaborado um plano baseado nas questões de estudo, sendo utilizados como instrumentos de investigação: questionários de perguntas abertas e fechadas, elaboração de texto e planejamento de uma disciplina. Como aprofundamento da pesquisa, foram realizadas entrevistas com uma parte dos participantes, tanto na primeira como na segunda etapa. Os dados obtidos foram tabelados e categorizados para conhecer as idéias dos participantes. Tais resultados empíricos sinalizam para o fato de que a maior parte dos participantes considera a Tecnologia subordinada à Ciência, identificam-na com equipamentos para melhorar o bem-estar das pessoas e remetem a um distanciamento de saberes disciplinares relacionados aos processos químicos industriais e de saberes didáticos que orientem aos participantes no sentido de como trabalhar tal temática com alunos e alunas no Ensino Médio. Tais constatações acenam para a necessidade de promover mudanças também na agência formadora. Assim, considerando o contexto do Ensino Médio e o da formação inicial dos professores e professoras de Química do Rio Grande do Norte, caracterizado por visões clássicas sobre a Tecnologia, defende-se uma proposta alternativa para trabalhar esse componente no Ensino Médio e, conseqüentemente, repensar a formação de professores, no intuito de ultrapassar a superficialidade de como vem sendo tratado tal tema.





SILVA, Marcolina Aparecida Eugênio da

As representações sociais de queima e combustão. São Paulo, Instituto de Química, USP, 2003. 146p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Luiz Roberto de Moraes Pitombo).

Resumo: Com as alterações ocorridas ultimamente no sistema educacional brasileiro, o ensino médio passou a fazer parte da educação básica. Desta forma, busca-se agora significado ao conhecimento escolar através da contextualização, interdisciplinaridade e incentivo ao raciocínio e a capacidade de aprender. Neste contexto, o ensino de química é um instrumento educativo valioso para atingir estes objetivos. No entanto, não se pode esquecer que os alunos no ambiente escolar podem socializar idéias, opiniões e imagens, tornando-as estruturadas em um 'saber prático' que está em contínua elaboração nessas trocas de informação, experiências e relações do cotidiano. Este 'saber prático' é denominado representações socíaís. Este tipo de saber pode ser válido dependendo da relação que estabelece com o contexto no qual foi produzido. Assim, este estudo investigou as representações sociais de queima e combustão de 176 alunos das séries finais dos ensinos fundamental e médio de escolas pública e particular, além de analisar se o ensino de química foi capaz de modificá-las. Como instrumentos de pesquisa foram utilizados a associação livre de palavras, a desenho e a questão aberta, feitos a partir dos termos indutores queima e combustão. As informações obtidas, após a pré-análise flutuante, foram fragmentadas, categorizadas e contabilizadas. Através da análise de conteúdo pode-se sugerir as possíveis representações sociais de queima e combustão dos alunos pesquisados. Os resultados indicam que a queima está intimamente relacionada à destruição, mas em decorrência do ensino de química esta relação diminuiu.


SILVA, Nilma Soares da

O repertório de conhecimento de um grupo de professores de Ciências, específico ao ensino de Química, no nível fundamental. Belo Horizonte, Faculdade de Educação, UFMG, 2003. 254p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Arnaldo de Moura Vaz).

Resumo: Temos assistido, nas duas ultimas décadas, a um intenso movimento de inovações curriculares na educação em geral e, no ensino de ciências, de um modo particularmente acentuado. Em vários países do mundo, com realidades e economias muito diferentes, constata-se o mesmo descompasso entre as necessidades de uma formação geral para todos e a ineficiência do sistema escolar em garantir um conhecimento público das ciências. Vários autores (claxton, 1991; Fensham, 1991; Millar, 1996), ao comparar as reformas atuais e aquelas ocorridas nas décadas de 60 e 70, têm indicado um deslocamento da atenção do currículo, antes destinados à formação básica introdutória para aqueles que vão prosseguir seus estudos a nível universitário, e agora majoritariamente destinado a uma maioria para quem a escolaridade básica deve promover uma compreensão ampla e geral dos processos científicos e tecnológicos. Dessa constatação, resultam mudanças profundas na forma de conceder a escola e o processo de escolarização básica, seus conteúdos, abordagens e metodologias de ensino.


SILVA, Orisvaldo Santana da

A interdisciplinaridade na visão de professores de Química do Ensino Médio: concepções e práticas. Maringá, Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática, UEM, 2008, 136p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Aparecida Rodrigues).

Resumo: O tema interdisciplinaridade vem sendo amplamente debatido nos meios acadêmicos, especialmente no âmbito educacional. Vários educadores ressaltam a importância da interdisciplinaridade no ensino de ciências e enfatizam a necessidade de os professores saberem buscar relações com as diversas áreas do conhecimento, no sentido de propiciar aos alunos uma compreensão mais integrada do mundo e da realidade. Nesse sentido, a interdisciplinaridade se constitui como uma ferramenta indispensável na construção de saberes para atender às mudanças paradigmáticas e ao exercício da cidadania. Esta pesquisa tem por objetivo investigar como um grupo de professores de Química compreende a questão da interdisciplinaridade e se adotam ações interdisciplinares em suas práticas pedagógicas. Para a investigação, elegemos a água como tema gerador e elaboramos um roteiro contendo nove perguntas, o qual foi respondido por onze professores de Química do Ensino Médio, vinculados a sete escolas estaduais, por meio de entrevistas semi-estruturadas. O roteiro de questões contemplou formas de abordagens, recursos didáticos e atividades desenvolvidas, de forma a instigar os professores a falar de suas práticas, deixando transparecer como eles compreendem a questão da interdisciplinaridade e se realizam práticas interdisciplinares no processo ensino-aprendizagem. As entrevistas foram transcritas e as respostas dos entrevistados foram categorizadas, de acordo com os pressupostos teóricos e metodológicos da análise de conteúdo. Da análise dos resultados, emergiram as seguintes categorias: A prática pedagógica do professor de Química, Obstáculos para o exercício da interdisciplinaridade, Características interdisciplinares na prática docente e Visão dos professores sobre interdisciplinaridade. Apesar de alguns professores ainda não terem se distanciado do ensino tradicional, mostrando dependência em relação ao livro didático, outros já demonstraram ter superado o problema da fragmentação e reprodução do conhecimento com uma abordagem das implicações sociais dos conhecimentos químicos. Pode-se perceber que os professores entrevistados apresentam algumas características interdisciplinares na sua prática pedagógica, entre as quais a abordagem de outros aspectos além do químico, a abordagem contextualizada, a interação com professores de outras disciplinas e a percepção da importância de um tema gerador. Quanto à introdução de práticas interdisciplinares, os participantes da pesquisa apontaram os seguintes obstáculos: a dificuldade na abordagem de alguns temas específicos, falta de interação dos professores durante o planejamento pedagógico, problemas de recursos e disponibilidade de tempo. Com relação à compreensão desses professores sobre a interdisciplinaridade, alguns percebem o caráter interdisciplinar da Química, pois, no desenvolvimento de vários temas, conseguem estabelecer relações com outros aspectos, que podem ser históricos, sociais, políticos e econômicos. Outros compreendem a interdisciplinaridade como o desenvolvimento de conhecimentos de uma área específica, relacionando-os com outras disciplinas, tais como: Biologia, Física, Geografia e História.


SILVA, Rejane Maria Ghisolfi da

A possível contribuição da aprendizagem escolar sobre conceitos de Química no desenvolvimento intelectual das crianças nas Séries Iniciais. Ijuí, Educação nas Ciências, UNIJUÍ, 1997, 141p. Dissertação de Mestrado. Orientador: Otavio Aloísio Maldaner).

Resumo: Este estudo tem como tema central de interesse as contribuições dos conhecimentos químicos, no ensino de Ciências, para o desenvolvimento intelectual das crianças de séries iniciais, apóia-se nos pressupostos teóricos vygotskyanos, bem como no de seus seguidores, e baseia-se em estudo de campo, realizado com uma turma de 3ª série do Ensino Fundamental da rede municipal de ensino. Foram analisadas as manifestações orais e escritas das crianças e da professora, na dinâmica interativa de interlocuções em sala de aula, focalizando situações em que as crianças estavam se apossando da linguagem própria da Química, procurando revelar como o uso dessa linguagem organiza o pensamento da criança. Este estudo pretende contribuir para as reflexões das práticas pedagógicas em Ciências e com vistas à melhoria do ensino de Ciências nas séries iniciais.




SILVA, Rejane Maria Ghisolfi da.

Constituição de professores universitários de disciplinas sobre ensino de Química. Piracicaba, Faculdade de Ciências Humanas, UNIMEP, 2003. 245p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Roseli Pacheco Schnetzler).

Resumo: Este estudo teve como objetivo analisar um grupo de formadores de professores de Química do Brasil e de Portugal sobre sua história de formação e atuação, buscando indícios que configurem o percurso de suas ações e significações sobre o ensinar a ensinar. E, com base nessas significações, refletir sobre a prática de formação docente em Química. A problemática deste estudo situou-se no âmbito da formação docente e explicitou-se na investigação de como se constituem os formadores de professores de disciplinas sobre ensino de Química? A fim de buscar elementos que permitissem responder a essa questão, foram postas em pauta as seguintes indagações: como alguém se torna professor/formador? Como se dá essa escolha, essa decisão? O que fazem, como e porque fazem o que fazem? Quais significações e ações sobre o ensinar a ensinar podem sinalizar novas alternativas de formação? A investigação foi do tipo qualitativo, tendo como fonte principal de dados a entrevista, cuja técnica utilizada foi a do depoimento. Os depoimentos foram gravados em áudio e, posteriormente, transcritos. Os formadores selecionados para a investigação são professores que atuam ou atuaram em disciplinas do ensino de Química, mais especificamente, nas disciplinas de Prática de Ensino, Instrumentação para o Ensino e Didática ou Metodologia de Ensino de Química (Brasil e Portugal) e orientadores de estágio da universidade e da escola secundária (Portugal). A construção dos resultados deu-se por meio de análise realizada à luz do referencial sócio-histórico (contribuições de Vygotsky e seus seguidores) e de pressupostos dos modelos da racionalidade técnica e da racionalidade prática. O estudo não se pretendeu conclusivo. Entretanto, espera-se que reflexões que dele emergem possam servir de fonte geradora de processos críticos e reflexivos sobre a formação docente e particularmente para a formação do formador de disciplinas no ensino de Química e, conseqüentemente, na melhoria das mesmas no âmbito da formação docente inicial.


SILVA, Renato Amaro Pereira da.

Utilizando a pesquisa - ação para ensinar química nuclear no ensino médio. Universidade Cruzeiro do Sul - Ensino de Ciências e Matemática. 2006. Profissionalizante. (Orientador: Rúbens Cesar Lopes Figueira).

Resumo: O presente trabalho partiu da nossa preocupação em relação ao desinteresse dos alunos pela disciplina de Química. O método de trabalho que nos era proposto a ser desenvolvido de forma tradicional/conteudista e considerando os resultados negativos, obtidos ao longo dos anos de experiência como professor resultou nesta pesquisa. Desta forma, buscamos comprovar a ineficácia de um trabalho desenvolvido de uma forma tradicional de abordagem de conteúdos e apresentar uma metodologia de ensino diferenciada através da pesquisa-ação, no qual professor e aluno participam de modo investigativo podendo facilitar a compreensão dos conteúdos. Apresentando dados atualizados da crise educacional, nos quais estão incluídos: despreparo do educador; desinteresse dos alunos; desestrutura escolar, a pesquisa-ação presta-se como guia de ensino-aprendizagem, propondo a interação entre aluno e professor, independentes das condições que lhes são proposta. Buscamos com este trabalho demonstrar que a metodologia da pesquisa-ação estabelecida na interação aluno e professor, na valorização do conhecimento prévio, e criatividade dos alunos contribuiu com resultados positivos no ensino e aprendizagem. Enfatizando uma melhor compreensão e atitude dos alunos frente aos conteúdos abordados e a utilização dos mesmos em seu cotidiano.


SILVA, Sandra Elisabete

Desenvolvimento de instrumentação para estudo cinético de reações químicas usando a técnica Stopped-Flow. Porto Alegre, Química, UFRGS, 1993, 103p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Dimitrios Samios).

Resumo: No presente trabalho esta descrita a construção de um equipamento para o emprego da técnica de fluxo interrompido, "stopped-flow", com objetivos da aplicação no estudo cinético de reações químicas rápidas, e no ensino de graduação. O equipamento e constituído de: sistema de injeção, célula ótica adaptada a um espectrofotômetro tipo micronal b 342 ii,sistema de medida constituído de uma interface (ad-555-on line) acoplada ao computador msx-hotbit 8000. A aplicação deste sistema esta demonstrada com o estudo cinético da reação entre o íon ferroso e 1,10-fenanatrolina.


SILVEIRA, Helder Eterno da

A produção do conhecimento químico em salas de aula: o ensino de modelo atômico. Universidade Federal de Uberlândia – Educação. 2003. 95 p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Graça Aparecida Cicillini).

Resumo: A Química contribui significantemente para a formação de cidadãos, por meio de um ensino que contemple as dimensões epistemológicas desta ciência, contextualizada e estruturalmente organizada. Este saber é tratato em sala de aula nos níveis: fenomenológico, teórico e representacional. Na explicação das situações fenomênicas, utilizam-se modelos, que são representações da realidade, possuindo suas limitações e provisoriedades. O objetivo deste trabalho é analisar a produção do conhecimento escolar, visando os Modelos Atômicos, por serem ordenadores do saber químico. Para coleta dos dados foram realizadas observações de aula de dois professores do ensino médio, seguida de entrevistas com estes docentes. Verificamos um certo despreparo dos docentes em lidar com os Modelos nas aulas de Química. Estes, são tratados pelos professores como realidades, desconsiderando aspectos referentes à limitação, provisoriedade e historicidade de suas elaborações. Os docentes abordam a Química dado ênfase às simbologias desta ciência que são distantes da realidade dos aprendizes. Neste sentido, é questionável a produção do saber químico, que se pauta numa proposta tradicional, inadequada a situação escolar presente. É necessário, repensar as práticas docentes e o processo de formação inicial e continuada dos professores.


SILVEIRA, Marcelo Pimentel da

Uma análise epistemológica do conceito de substância em livros didáticos de 5ª e 8ª séries do ensino fundamental. São Paulo, Instituto de Química, USP, 2003, 144p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: João Zanetic).

Resumo: Este trabalho consiste em uma análise epistemológica do conceito de substância apresentado, direta ou indiretamente, nos livros didáticos de 5ª e 8ª séries do ensino fundamental. O trabalho foi alicerçado na epistemologia de Gaston Bachelard utilizando, principalmente, as noções de obstáculo epistemológico e perfil epistemológico para estabelecer os critérios de análise. A partir destas considerações, procuramos identificar a presença de obstáculos epistemológicos e a existência, ou não, de uma preocupação dos autores com os diferentes momentos epistemológicos relacionados ao conceito de substância ao longo da história da evolução deste conceito. Foram analisados os livros de 5ª e 8ª séries, das seis coleções aprovadas pelo PNLD/2002, entendendo que estas refletem o ensino de ciências desenvolvido pela maioria dos professores das escolas públicas brasileiras, já que estes são distribuídos gratuitamente pelo governo federal. Pudemos detectar que, na maioria das coleções analisadas, prevalece a presença de obstáculos substancialistas e realistas, não havendo, também, uma preocupação com os diferentes momentos epistemológicos relacionados à evolução do conceito de substância. Enfim, a análise dos resultados indica que as coleções, em sua maioria, não apresentam uma preocupação maior com a construção do conceito de substância e, tão pouco, com as questões epistemológicas relacionadas a este conceito.


SIMÃO, Nelson Avila

Combustão, Flogístico e Oxigenação: História e Mudança Conceitual em Alunos do Ensino Médio. Londrina, Ensino de Ciências e Educação Matemática, UEL, 2003, 136p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Francisco Assis de Queiroz).

Resumo: É através da História e suas múltiplas dimensões temporais, bem como através de heranças legadas pelas gerações que se pode compreender a realidade na sua diversidade, destacando-se os compromissos e as atitudes dos indivíduos e de povos em geral, para a construção e reconstrução das sociedades. Sendo assim, verifica-se uma idéia da Química antiga contemplando as questões do fogo, chegando-se até o flogístico, combustão e oxigenação. A construção deste período significativo é que culminou para muitos autores na pedra angular da Revolução Química. Neste sentido, evidenciam-se as figuras de Stahl (1660-1774) e Lavoisier (1743-1794). Na questão do ensino, através da pesquisa qualitativa, destaca-se a análise da mudança conceitual dos alunos do 3º ano do Ensino Médio, através de aula prática e leituras de texto histórico que contempla o problema de pesquisa. Foi possível discutir idéias que foram objeto de estudiosos do século XVIII, onde Stahl e Lavoisier propuseram explicações diferentes para o fenômeno da Combustão. Conclui-se que tais conceitos básicos da Química evidenciaram sua relação com a estrutura conceitual da ciência, seu desenvolvimento histórico e as principais dificuldades e alternativas para o ensino, bem como a mudança conceitual dos alunos no que tange à aprendizagem significativa.


SIQUEIRA, Fabio

Manual de experimentos em Química Ambiental: ferramenta de apoio ao ensino técnico-científico. São Paulo, Tecnologia Ambiental, Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, 2008, 112p. Profissionalizante. (Orientadora: Vilma Alves Campanha).

Resumo: Nos últimos anos, a Educação Ambiental tem tido um lugar de destaque na mídia, em diversos meios de comunicação. Porém, nas mais diversas instituições de ensino, ela tem sido tratada de forma superficial, sem um envolvimento maior com conteúdos específicos das disciplinas diretamente envolvidas com as questões ambientais, como a Química e a Biologia. Nesse sentido, este trabalho propõe uma abordagem do assunto, principalmente relacionado à Química Ambiental, partindo-se de atividades práticas experimentais, que estão reunidas e direcionadas por meio de temas específicos. Desse modo, são apresentadas propostas de aulas que sirvam como ferramentas na introdução da Química Ambiental, nas escolas de nível fundamental e médio.


SIQUEIRA, Lilian

O enfoque interdisciplinar dos problemas ambientais contemporâneos e o ensino de Química: um quadro a partir de livros didáticos do Ensino Médio. Educação, Administração e Comunicação, UNIMARCO, 2008, 118p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: João Luiz Pegoraro).

Resumo: O presente trabalho discute os problemas ambientais, especialmente os referentes à poluição atmosférica gerada por diversos combustíveis, à contaminação de rios e lagos, à chuva ácida, ao efeito estufa e à destruição da camada de ozônio, sob o enfoque da educação ambiental. Os Parâmetros Curriculares Nacionais trabalham com essas possibilidades e sugerem a integração das diversas área envolvidas, em regime de interdisciplinaridade. A análise partiu do exame dos livros didáticos de Química, para o Ensino Médio, abrindo caminhos para trabalhos de ordem interdisciplinar, com integração de conhecimentos de outras áreas. A análise revelou ainda um direcionamento em torno dos programas e questões de vestibulares, ficando patente a influência que as instituições de cursos superiores podem ter na determinação do quadro conceitual e modelos de atividades desenvolvidos no Ensino Médio. Quanto à Educação Ambiental, é preciso produzir propostas capazes de gerar interligação entre as disciplinas, com concepções integradoras nas ações educativas voltadas ao quadro conceitual, revelando que os potenciais indícios ainda parecem ser bastante limitados.


SITANAKA, Mário Hirochi.

Pesquisas recentes sobre ensino de Química: implicações para o ensino do conceito de equilíbrio químico. Bauru, Faculdade de Ciências, UNESP, 2001. 120p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Aguinaldo Robinson Souza).

Resumo: O trabalho busca verificar as modificações ocorridas nas ações didáticas de um professor angustiado, rotulado como meramente tradicional, na busca de novos procedimentos ou reflexões que apontem para um ensino mais efetivo. A teoria da aprendizagem significativa de Ausubel, dentro deste contexto, segundo a minha "miopia" sempre pareceu-me muito razoável, principalmente se for associado a outros recursos didáticos articulados dentro de uma visão construtivista. Enfim, esse trabalho tenta resgatar transformações ocorridas durante o processo ensino-aprendizagem na disciplina química analítica teórica I (qualitativa), que é considerada uma das mais complexas pelos alunos de graduação nos cursos de química e farmácia de uma universidade particular (Universidade do Sagrado Coração - Bauru/SP). A análise inicial é de um ensino meramente tradicional (muito comum em cursos das ciências chamadas de "exatas") e seus resultados catastróficos evidenciam a necessidade de uma busca de um ensino mais efetivo. Nesta procura, tentou-se avaliar a influência da utilização de um mapa conceitual associado a diversos recursos didáticos dentro de um ambiente de sala de aula. Os resultados foram parcialmente satisfatórios do ponto de vista estatístico, mas do ponto de vista pessoal está muito aquém daquilo que podemos considerar razoável. A convicção que possuo é que, a existência de dificuldades que parecem quase que intransponíveis, poderão ser suplantadas à medida que os docentes tenham em mente a visão do pesquisador, otimista e perseverante, de que é possível mudar com a adoção de atitudes que elevem - positivamente - todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem.


SITHOLE, Gerre Zebedias S.

Resgate dos Materiais e das Culturas Locais para o Ensino na Química. Educação, PUC-SP, 2004. 250 p. Tese de Doutorado. (Orientador: Fernando José de Almeida).

Resumo: O presente trabalho pretende introduzir nas práticas curriculares do ensino da Química, experiências com material alternativo localmente disponível e experiências da cultura para construção de conhecimentos sólidos e significativos e, consequentemente, apontar uma nova maneira de aprender a Química na escola, na sala de aula e fora dela. Esta intenção emerge da constatação do fato da Química estar sendo apenas ensinada de forma muito teórica sem nenhum vínculo com experiências químicas vitais e dos conhecimentos oriundos da vida do aluno a partir dos fenômenos com os quais convive. Além disso, a natureza e a cultura como campos fecundos de ocorrência de transformações de materiais a serem valiosa e racionalmente aproveitadas para problematizar e significar o ensino e aprendizagem. Diante de tal fato, esbocei idéias com relação ao tema, apropriando-me do saber veiculado nas obras de Mansur Lufti "os ferrados e os cromados: produção social e apropriação do conhecimento químico"; Paulo Freire "Pedagogia do Oprimido", "Pedagogia da Autonomia", "Educação como Prática da Liberdade"; Roque Moraes "Construtivismo e ensino de ciências: Reflexões epistemológicas e metodológicas". Todo o esforço na empreitada foi movido na tentativa de buscar o aporte teórico para subsidiar o uso de material alternativo, visto não existir uma teoria postulada que explica a funcionalidade do material. Além disso, constitui minha grande preocupação resgatar o material alternativo localmente disponível e vinculá-lo ao ensino para determinar um método de exploração que olhe criticamente o ensino da Química enfatizando, sobretudo, a experiência química feita pelo professor e quanto possível pelos alunos, para aguçar a capacidade de observar, registrar, comparar, relacionar e concluir de forma motivadora, sistemática e inteligente. Procedi uma pesquisa empírica de "estudo de caso" em duas escolas localizadas, uma na periferia e outra no centro da cidade de Beira. Para o efeito, foram escolhidos como grupo alvo de pesquisa alunos e professores em exercício nas escolas secundárias. Os resultados da pesquisa permitem inferir que o material alternativo usado é eficaz para problematizar e desenvolver o ensino da Química. É urgente, além do mais, introduzir no currículo de formação de professores da UP, o método experimental que os habilite a saber explorá-lo como premissa para uso do método experimental no ensino.


SOARES, Cristina Cheib

A prática de ensino de química em uma instituição pública de ensino médio: inovação x tradição. Belo Horizonte, Educação, PUC-MG, 2007, 100p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Inez Salgado de Souza).

Resumo: Esta dissertação realizou um estudo de caso em uma escola pública considerada referência para o ensino médio de Belo Horizonte. Seu objetivo foi analisar a influência que os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) vêm trazendo (ou não) aos Professores de Química no planejamento de sua prática pedagógica. Para a coleta de dados deste estudo de caso foram realizados: uma observação em sala de aula com duração de um semestre letivo, questionário estruturado dirigido aos alunos e entrevistas semi-estruturadas para o professor e para os alunos. A pesquisa investigou como a escola tem adequado o seu currículo em função das orientações presentes nos Parâmetros Curriculares Nacionais e das necessidades dos seus alunos. Os resultados mostram a dificuldade em aplicar todas as sugestões trazidas pelos PCN. Mas, pode-se perceber que há uma preocupação para com os alunos e com o seu processo de ensino-aprendizagem, uma vez que o professor passa a buscar sua atualização profissional e a refletir sobre a sua ação pedagógica.



SOARES, Maria Aparecida do Carmo Padulla.

A grandeza "quantidade de matéria" e sua unidade "mol": uma proposta de abordagem histórica no processo de ensino – aprendizagem. Universidade Estadual De Maringá - Educação Para A Ciência e o Ensino de Matemática. 2006. 152p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Ourides Santin Filho).

Resumo: Pesquisas conduzidas em diversos países mostram que as concepções de “quantidade de matéria” e de sua unidade, o “mol”, não são corretamente compreendidas por professores do Ensino Médio. Como conseqüência, não são corretamente introduzidas e debatidas com os alunos em sala de aula. Compreender o conceito de mol se faz necessário porque permite a transposição de um mundo invisível para a realidade cotidiana, possibilitando o entendimento das relações quantitativas existentes em termos microscópicos, entre as substâncias envolvidas numa transformação química. No presente trabalho se analisa a evolução histórica da estequiometria, desde suas origens com a introdução do conceito de peso equivalente no final do século XVIII até a introdução da grandeza fundamental “quantidade de matéria” em meados do século XX. Ambos os conceitos resolvem um antigo problema das proporções em massa com que se combinam as substâncias desde paradigmas distintos: o equivalentista e o atomista, respectivamente. Nesta análise se incluem as leis de Richter, Proust e Gay-Lussac, as hipóteses de Dalton e Avogadro e a invenção por Ostwald, em 1900, do termo “mol” como uma unidade de massa característica de cada substância de acordo com a sua visão equivalentista. Posteriormente, a comunidade científica alterou o seu significado adequando-o ao marco atomista e considerando o mol como a unidade de uma nova grandeza, a “quantidade de matéria”, em 1961. Neste trabalho colocamos a hipótese de que as noções de “quantidade de matéria” e “mol” só poderão ser bem compreendidas, se os professores do ensino médio compreenderem bem o próprio processo histórico envolvido na passagem das concepções equivalentistas (partes por massa ou volume, portanto contínua) para concepção das reações proporcionais em número de partículas (logo, descontínua), e assim, percorremos as principais etapas históricas que conduziram a esta mudança.


SOARES, Marlon Herbert Flora Barbosa.

Obtenção e aplicação didática e analítica de pigmentos de origem vegetal: equilíbrio químico e análise instrumental. São Carlos, Departamento de Química, UFSCar, 2001. 88p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Eder Tadeu Gomes Cavalheiro).

Resumo: Neste trabalho foi proposta a utilização de antocianinas, substâncias extraídas de espécies vegetais facilmente encontradas no Brasil, para aproveitamento didático no ensino de Química em diferentes níveis, além de aplicações analíticas desses mesmos pigmentos, utilizando-se principalmente das variações de cores apresentadas por essas substâncias em diferentes situações. As espécies utilizadas foram flores de quaresmeira (Tibouchina granulosa), azaléia (Rododhendrom simsii), unha de vaca (Bahuinia variegata) e beijinho (Impatiens waleriana) da região de São Carlos e a casca do feijão preto. O estabelecimento do procedimento de extração é fundamental para o desenvolvimento do trabalho, no que tange às aplicações analíticas e suas aplicações didáticas. Uma vez que alguns extratos apresentam variação de absorbância em presença de íons Ca(II) e Mg(II), utilizou-se este fenômeno em estudos da determinação espectrofotométrica destes íons com os pigmentos contidos no extrato bruto, através de técnicas em batelada e em fluxo. Estes pigmentos também reagem com o sulfito, para formar um composto de antocianina sulfonado, o que permitiu o desenvolvimento de um método para determinação do sulfito em vinho branco, em procedimentos em batelada (r=0,994, n=7, LOD=0,90 mg L-1) e em fluxo (r=0,996, n=5, LOD=3,5 mg L-1). Esta proposta busca também a aplicação de algo disponível e visualmente agradável, para despertar a atenção de alunos de nível médio e nível universitário para a presença de substâncias úteis na natureza, sem a necessidade absoluta da aquisição de produtos sintéticos para determinados fins, bem como sua aplicação em diversos tópicos fundamentais no ensino de Química, tais como conceitos básicos de equilíbrio ácido-base, viragem e ponto final de titulação, pH, pK, etc.. Conceitos sobre a interação da radiação eletromagnética com a matéria e suas aplicações, bem como fundamentos de métodos óticos de análise, aplicações de análise em fluxo e técnicas de separação, podem ser facilmente apresentados aos alunos aproveitando o estímulo gerado pelo uso dos pigmentos naturais e o aumento da motivação pelo uso dos pigmentos naturais.


SOARES, Marlon Herbert Flora Barbosa.

O Lúdico em Química: Jogos e Atividades Aplicadas ao Ensino de Química. Universidade Federal De São Carlos – Química. 2004. 190p. Tese de Doutorado. (Orientador: Eder Tadeu Gomes Cavalheiro).

Resumo: Este trabalho trata de jogos e atividades lúdicas aplicados ao ensino de química. Uma discussão teórica é realizada acerca de teorias construtivistas e das teorias que envolvem o jogo e as atividades lúdicas em seus aspectos pedagógicos, filosóficos e sociais. Descrevem-se também, 4 tipos de interação entre o jogo e o jogador, adaptados para os jogos e atividades lúdicas apresentados. Para o primeiro nível de interação são apresentados jogos que funcionem como simuladores de uma realidade aparente. No segundo nível de interação, apresentam-se jogos e atividades que se baseiam em competição entre jogadores ou grupos de jogadores. No caso presente, o jogo proposto está na forma de jogo de tabuleiro. No terceiro nível de interação, concebe-se o manuseio do jogo pelo aprendiz, na criação de novos jogos, novos brinquedos e novas regras de utilização dos jogos propostos. O quarto nível de interação trata da utilização de histórias em quadrinhos em ensino de química. Regras, vantagens e desvantagens da aplicação de cada um dos jogos aqui propostos são apresentados e posteriormente discutidos. No capítulo destinado à avaliação, apresentam-se as impressões de professores e alunos sobre os jogos apresentados, colhidos em entrevistas e questionários. Os jogos mostram-se uma excelente alternativa no que se refere a despertar o interesse, o que gera motivação no aluno, além de ser excelente no quesito disciplina. Quase 100% dos alunos se envolvem na atividade, o que se reflete na própria avaliação em sala de aula. Os jogos também trazem a interação entre alunos e professores e aumenta a sociabilidade e cooperação entre os participantes. Finalmente, conclui-se que o jogo é também causa do desenvolvimento cognitivo e não só conseqüência deste.


SOUTO, Sônia Maria Guedes do.

A química orgânica no ensino médio através da análise do livro didático após os PCNEM. São Paulo, Instituto de Física, USP, 2005. 117p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Bayardo Baptista Torres).

Resumo: Este estudo tem como principal objetivo verificar em que medida os princípios estruturadores das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, como a contextualização e a interdisciplinaridade, estão presentes nos livros didáticos de Química e. também como podem contribuir para que o ensino de Química se torne mais significativo e voltado para a realidade do aluno. A fim de que essas questões sejam respondidas, o caminho escolhido foi a realização de uma análise documental de livros didáticos que indicam estarem de acordo com as propostas atuais. Para tanto, os assuntos escolhidos para análise referem-se à Química Orgânica, pois são substâncias presentes no dia a dia do cidadão comum, e que normalmente são tratados em livros didáticos priorizando a memorização de regras para a nomenclatura. Os livros selecionados para a análise foram classificados como tradicionais ou alternativose, posteriormente à análise foi realizada uma comparação entre os mesmos. Os critérios para análise foram construídos de acordo com as indicações presentes em documentos oficiais como os Parâmetros Curriculares Nacionais e as Diretrizes Curriculares Nacionais, sendo, portanto, o referencial para análise supondo que esses documentos indicam como deve se realizar o ensino para se atingir uma aprendizagem significativa. Os resultados obtidos revelam que, apesar de se encontrar várias exemplificações de substâncias utilizadas no cotidiano, nem sempre são abordados dentro de um contexto, porém os livros didáticos alternativos apresentam maior preocupação em passar uma visão interdisciplinar dentro de um contexto relevante para a realidade do aluno.


SOUZA, Cleonilson Protásio de

LABNET- Laboratório de Acesso Remoto: um ambiente tecnológico para ensino orientado a experimentos. São Luiz, Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, UFMA, 2001. Dissertação de Mestrado. (Orientador: José Tarcísio Costa Filho).

Resumo: Este trabalho propõe um laboratório de acesso remoto para realizar experimentos via internet, possibilitando a disseminação de informações técnicas e científicas, de modo a fornecer um novo recurso ao ensino a distância ou no apoio ao ensino tradicional. Neste contexto, desenvolveu-se uma nova ferramenta tecnológica, chamada LabNet, com o intuito de disponibilizar ao aluno a possibilidade de manipular e visualizar respostas "on-line" de experimentos monitorados e controlados por uma estação de aquisição de dados e que poderá ser utilizada em diversas áreas, tais como: Engenharia, Química, Física, Biologia, Metrologia, enfim, onde é possível ativar processos e coletar dados.


SOUZA, Dalva Inês de

Implantação de programa de produção mais limpa e prevenção à poluição em análise química. Porto Alegre, Engenharia, UFRGS, 2002, 147p. Profissionalizante. (Orientadora: Andrea Moura Bernardes).

Resumo: Este trabalho tem como objetivo geral implantar um programa de produção mais limpa e prevenção à poluição na disciplina de análise química do curso técnico de química de escola de nível médio. O foco do estudo foi análise química quantitativa por métodos clássicos de volumetria e gravimetria, desenvolvido com 3 turmas de alunos. Para isto, a literatura foi revisada, buscando-se os conceitos de Produção mais Limpa (PML), good housekeeping, Prevenção à Poluição (P2), Planos Curriculares Nacionais (PCNs), Constituição Federal e Estadual e implicações de assuntos ambientais e de segurança no ensino da química. A seguir efetuou-se um plano de trabalho e realizou-se a implementação de medidas. Foram estabelecidas como medidas a minimização de reagentes, insumos e resíduos, a reutilização e reciclagem dos mesmos e a conscientização dos alunos sobre sua responsabilidade ambiental em 2 turmas de alunos, mantendo-se a outra como turma controle. Para avaliação de resultados foram usados indicadores quantitativos e qualitativos como quantidades de reagentes, insumos (água potável, detergente e papel toalha) e resíduos, análise estatística dos resultados analíticos através teste Q, teste F, teste de t student e coeficiente de variação, análise de custos e postura dos estudantes frente a assuntos ambientais medidos através de suas atitudes. Os resultados mostraram que houve redução de 50% de reagentes, 55% de insumos, 50% de compostos químicos nos resíduos destinados para a estação de tratamento de efluentes em um volume 31% menor, superando as expectativas. Não houve diferença significativa nos resultados analíticos encontrados. A postura dos estudantes mostrou o nível de conscientização esperado. Verificou-se que, com as devidas adaptações, é possível aplicar um programa de produção mais limpa e prevenção à poluição em análise química e também em outras disciplinas.


SOUZA, Demetrio de Abreu

Desenvolvimento e Discussões Ocorridas em um Grupo de Estudo de Professores de Química em Barra do Garças (MT): Uma Investigação-Ação. Química, UFG, 2008, 87p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Wilson Botter Jr.).

Resumo: Esse trabalho apresenta, sob perspectiva da investigação-ação, a formação de um grupo de estudo, de professores de química, no município de Barra do Garças (MT). O grupo foi formado, inicialmente, por seis professores, da rede pública e do sistema privado, sob a orientação de um professor-pesquisador, aluno do Curso de Mestrado em Química da UFG. O desenvolvimento do trabalho apresenta quatro etapas distintas: (1) o convite aos professores para participarem do grupo e de uma entrevista individual semi-estruturada; (2) o desenvolvimento do estudo em grupo, a partir de estudo de textos; (3) o planejamento e execução de uma aula nos moldes da investigação-ação e (4) a análise feita pelos professores participantes, e pelo pesquisador, das atividades desenvolvidas pelo grupo no segundo semestre de 2006. Apresentamos, também, analisando transcrições feitas a partir de gravações em vídeo dos encontros, as reflexões e interações comunicativas que ocorrem entre os integrantes do grupo. Fica evidente a necessidade de uma pessoa que oriente as reflexões do grupo visto que os professores apresentam erros conceituais, provenientes da formação inicial, e dificuldade em apropriação de novos conceitos.



SOUZA, Fabio Luis de

Interações verbais e cognitivas: uma análise de aulas contextualizadas de química. Ensino de Ciências (Modalidades Física, Química e Biologia), USP, 2008, 145p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Eunice Ribeiro Marcondes)

Resumo: A contextualização dos conhecimentos científicos e a necessidade da participação ativa dos estudantes na construção coletiva dos discursos em sala de aula são dois importantes referenciais teóricos e metodológicos assumidos de forma quase consensual por professores de Ciências e pesquisadores da área, além de encontrar forte respaldo nas propostas oficiais do Ministério da Educação. Acredita-se que a contextualização leve os estudantes a uma maior participação durante as aulas e, assim, à aprendizagem dos conteúdos científicos. Sendo assim, buscou-se nesta investigação conhecer a natureza e a dinâmica das interações discursivas construídas por professor e alunos em aulas de Química em que o conhecimento científico é contextualizado. Partiu-se da hipótese de que a inserção de conteúdos ligados ao cotidiano dos estudantes ou que envolvam as relações CTSA (Ciência-Tecnologia-Sociedade-Ambiente) pode não promover interações discursivas que evidenciem um alto grau de envolvimento cognitivo por parte dos estudantes. Foram gravadas, transcritas e analisadas três aulas de duas professoras de escolas públicas diferentes, situadas próximo ao município de São Paulo. Essas aulas foram analisadas por apresentarem alguma forma de contextualização. As interações discursivas foram categorizadas nas dimensões verbal e cognitiva, ou seja, cada fala das professoras ou dos alunos foi enquadrada em uma categoria da dimensão verbal e em uma categoria da dimensão cognitiva. A análise dos resultados mostrou um acréscimo das interações cognitivas mais elaboradas (Interações Cognitivas de Ordem Alta), principalmente no discurso das professoras, quando a aula era contextualizada. Apesar disso, as falas dos alunos se mantiveram curtas e pouco elaboradas, mostrando pouca relação com a qualidade das interações cognitivas apresentadas pelas professoras e com a contextualização dos conteúdos. A freqüência da participação dos alunos também não foi afetada pela contextualização, permanecendo elevada e constante.



SOUZA, Karina Aparecida de Freitas Dias de

O ensino universitário de Química em descompasso: dificuldades de futuros professores na construção do pensamento químico. Araraquara, Química, UNESP, 2007, 128p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Arnaldo Alves Cardoso,).

RESUMO: Com base na convicção de que a essência do conhecimento químico está na manipulação de entidades microscópicas e de que, por esse motivo, é fundamental que aqueles que se propõem a aprofundar-se nos domínios dessa ciência tenham acesso à sua peculiar forma de trabalho e raciocínio, o presente trabalho teve por objetivo investigar qual o papel atribuído por licenciandos em Química às discussões acerca da natureza dessa disciplina, com especial atenção à exploração dos fenômenos em nível microscópico. A coleta de dados deu-se a partir de duas atividades com objetivos complementares, e que serviram de base para entrevistas. Na primeira atividade, então discorreram os estudantes, dentre outros aspectos, sobre a importância da presença de discussões acerca da natureza da Química e das discussões dos fenômenos em nível teórico-conceitual em situações de ensino-aprendizagem. Já na segunda atividade situações-problema eram apresentadas e passava-se a um momento onde aos aplicar estudantes era dada a oportunidade de suas estratégias de raciocínio e interpretação de fenômenos. Desenvolveu-se uma análise de conteúdo à luz da compreensão epistemológica da Química tanto dos dados emergidos das atividades quanto das entrevistas. Num primeiro momento, os resultados vêm corroborar com a já alarmada ausência de reflexões epistemológicas nos cursos de formação inicial, responsável pela insistente ocorrência de concepções distorcidas de ciência e conhecimento científico identificadas ao longo da pesquisa. Uma análise mais cuidadosa, porém, traz à tona a contradição entre a concepção de ciência Química “vendida” nas universidades, depreendida da dificuldade apresentada pelos estudantes na construção do raciocínio abstrato e na discussão de sua importância, e as expectativas não correspondidas desses licenciandos. Assim, apesar de não conseguirem, de forma geral, estabelecer discussões aprofundadas acerca da epistemologia da Química, a maioria dos estudantes busca nas proposições em nível teórico-conceitual as bases para a melhor fundamentação (ou mesmo entendimento) dos fenômenos discutidos.



SOUZA, Rafael Machado de

Pesquisa participante na educação de jovens e adultos: uma investigação dos processos de significação conceitual na disciplina de química. Goiânia, Química, UFG, 2008, 101p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Agustina Rosa Echeverría).

RESUMO: Este trabalho teve como objetivo central investigar os processos de significação conceitual na disciplina de Química num curso técnico integrado em serviços de alimentação para jovens e adultos. Os dados desta investigação foram construídos a partir da análise das transcrições dos registros audiovisuais das aulas, dos mapas de atividades elaborados para identificação dos Episódios de Ensino e de anotações em diário de campo. As análises deste conjunto de dados apontaram a preponderância dos aspectos descritivos na apreensão dos conteúdos por parte dos alunos assim como as dificuldades dos mesmos em elaborar generalizações conceituais. No que se refere ao professor, na tentativa de valorizar os conhecimentos do cotidiano dos alunos, teve dificuldades em conduzir o raciocínio dos alunos para níveis abstratos do pensamento. A pesquisa mostrou a necessidade de uma elaboração curricular específica para este público (jovens e adultos) que por sua importância social - são mais de sessenta e cinco milhões no país – merece atenção política e pedagógica. É necessário também, considerando a necessidade de alfabetizar cientificamente este grupo social, que possui características específicas de aprendizagem, que os cursos de formação de professores abordem a educação de jovens e adultos. Tendo em conta que o curso investigado está em fase de consolidação, este trabalho apontou questões importantes do processo de ensino aprendizagem que poderão contribuir para futuras ações políticopedagógicas.


SOUZA, Vinícius Catão de Assis.

Os desafios da energia no contexto da termoquímica: modelando uma nova idéia para aquecer o ensino de química. Universidade Federal de Minas Gerais – Educação. 2007. 265p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Rosária da Silva Justi).

Resumo: Atualmente, o ensino de ciências te focado sua atenção na compreensão sobre a natureza e os processos através dos quais o conhecimentos científico se desenvolve. Diversas pesquisas tem efantizado a importância de os processos de ensino e aprendizagem serem conduzidos a partir de uma perspectiva fundamental na construção de modelos. Nesses contextos, o envolvimento dos alunos em atividades de modelagem emerge como uma parte essencial de uma abordagem de ensino mais dinâmica e significativa para os alunos. Nesta perspectiva, uma perspectiva, uma proposta para o ensino do tema energia envolvida nas transformações químicas foi elaborada a partir do diagrama Modelo de Modelagem. Para subsidiar a proposição da estratégia, aspectos relacionados à evolução histórica das idéias sobre calor e energia ao longo dos tempos foram considerados. Esta pesquisa apresenta a estratégia de ensino elaborada e analisa sua aplicação a uma situação regular de ensino, discutindo suas contribuições para que alunos do ensino médio aprendam os principais aspectos conceituais relativos ao tema energia envolvida nas transformações químicas. O estudo foi conduzido em uma turma do segundo ano do ensino médio de uma escola pública federal (alunos com idades entre 16-19 anos). Os dados foram coletados a partir de matérias escritos produzidos pelos alunos durante todo o processo, gravações em vídeo de todas as aulas e notas de campo. A partir da análise dos dados escritos e da participação dos alunos nas discussões, um estudo de caso foi redigido para cada grupo. A análise desses estudos de caso permitiu discutir a contribuição de atividades de modelagem na aprendizagem. Além disso, os modelos elaborados pelos alunos também foram discutidas à luz de aspectos históricos referentes ao desenvolvimento do conhecimento acerca da energia. Os resultados dessa pesquisa permitem concluir que o desevolivimento de todo o processo foi significativo para os alunos, permitindo a eles construir, testar e reconstruir novas idéias. A stratégia também permitiu que os alunos atuassem como construtores do seu próprio conhecimento, desenvolvendo uma visão crítica e reflexiva sabre o fazer ciência.


SUART, Rita de Cassia

Habilidades cognitivas manifestadas por alunos do ensino médio de química em atividades experimentais investigativas. Ensino de Ciências (Modalidades Física, Química e Biologia), USP, 2008, 215p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Maria Eunice Ribeiro Marcondes).

Resumo: Algumas pesquisas em ensino de Química têm destacado a importância do uso de atividades experimentais investigativas para o desenvolvimento de habilidades cognitivas nos alunos e para sua maior participação no processo de aprendizagem. Os experimentos investigativos são uma das estratégias sugeridas para alcançar esses objetivos. Assim, se os alunos participarem de etapas como: coleta de dados, análise e discussão; poderão formular hipóteses e propor soluções para o problema proposto, desenvolvendo seu raciocínio lógico e habilidades cognitivas importantes para a construção do conhecimento químico e para a sua formação cidadã. Desta forma, a presente pesquisa investigou as habilidades cognitivas manifestadas por alunos do ensino médio de química em atividades experimentais investigativas. Foram gravadas, em áudio e vídeo, quatro seqüências de aulas desta natureza em duas escolas localizadas na cidade de São Paulo. Três seqüências de aulas foram realizadas em uma mesma escola e conduzidas pela mesma professora. Os conceitos abordados foram: densidade e temperatura de ebulição. O conceito de densidade foi desenvolvido em duas turmas, e o conceito de temperatura de ebulição em somente uma delas. O conceito desenvolvido na outra escola foi o de temperatura de fusão. Respostas escritas e os relatórios elaborados pelos alunos também foram coletados e analisados. As aulas foram transcritas e analisadas qualitativamente utilizando categorias de análise criadas pela pesquisadora, baseadas nas habilidades cognitivas manifestadas pelos alunos. Para a elaboração das categorias de análises, utilizou-se as idéias de Zoller, que classifica as habilidades cognitivas de acordo com o baixo ou alto nível de demanda cognitiva requerida para a solução de um problema, denominadas LOCS (Lower Order Cognitive Skills – Habilidades Cognitivas de Baixa Ordem); ou HOCS (Higher Order Cognitive Skills – Habilidades Cognitivas de Alta Ordem). Verificou-se, grande participação dos alunos nas atividades e manifestação de habilidades cognitivas de alta ordem, como elaboração de hipóteses e análise de variáveis, porém, grande parte das respostas foi classificada como habilidades cognitivas de baixa ordem. Entretanto, o nível de habilidades cognitivas manifestadas pelos alunos está relacionado com o nível cognitivo das questões propostas pelo professor. A análise das respostas escritas dos alunos também evidencia habilidades cognitivas de alta ordem, porém, os alunos apresentam certa dificuldade em sintetizar suas idéias e as expressarem por escrito. Os resultados também mostram que o papel do professor é de suma importância ao questionar e propor desafios aos alunos para que estes possam levantar suas próprias hipóteses e propor possíveis soluções para o problema.


TACOSHI, Marina Miyuki Akutagawa

Avaliação da Aprendizagem em Química: concepções de ensino-aprendizagem que fundamentam esta prática. Ensino de Ciências (Modalidades Física, Química e Biologia), USP, 2008, 216p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Carmen Fernandez).

Resumo: A avaliação possui um papel importante no processo de ensino-aprendizagem e sua prática deveria estar de acordo com os objetivos educacionais, contribuindo assim na sua obtenção. A avaliação das aprendizagens tem reconhecida capacidade de modificar o currículo, daí a importância do seu estudo. A forma como a avaliação se organiza e se desenvolve não é independente das concepções de ensino-aprendizagem apresentadas pelo professor e pode ter influência na representação que os alunos fazem da ciência e na aprendizagem da ciência. Neste trabalho, apresentamos o resultado de um estudo de caso realizado com dez professores de Química em exercício, atuantes em escolas públicas e particulares e também participantes do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências da Universidade de São Paulo. Nossos dados estão baseados em entrevistas semi-estruturadas realizadas com estes professores e análises de documentos desenvolvidos pelos professores e suas respectivas escolas, a saber: planejamento de ensino anual, projeto político pedagógico e avaliações. As respostas às entrevistas foram categorizadas e relacionadas a modelos didáticos conforme descritos na literatura por: transmissão/assimilação, descobrimento e construtivista. Os projetos políticos pedagógicos e os planejamentos foram categorizados de acordo com a literatura em ênfase em Educação Geral e em Química e, dentre estas, ainda em sub-categorias. As provas elaboradas pelos professores foram categorizadas em produtivas e reprodutivas, utilizando características descritas na literatura. As concepções de ensino-aprendizagem inferidas dos discursos dos professores, bem como as concepções expressas nos documentos que definem suas práticas (planejamentos de ensino e projetos políticos pedagógicos) mostram-se bastante coerentes com as direções sugeridas pelas reformas curriculares, expressando modelos de ensino centrados no aluno, e enfatizando aspectos relacionados à valorização do desenvolvimento dos estudantes e do processo de aprendizagem. Nosso estudo revela, entretanto, que as ações em sala de aula, ao menos no que se refere ao processo de avaliação, contrastam com tais idéias. A análise sistemática dos objetivos e da metodologia do processo avaliativo utilizada pelos professores investigados revela-se coerente com uma prática de ensino centrada no conteúdo químico e voltada principalmente à transmissão/assimilação e sugerem que a avaliação praticada pelos professores tem um papel predominantemente certificativo. Tal contradição pode comprometer a representação de ciência e como se aprende ciência, uma vez que, por este modelo de transmissão, a nota da prova e o que se solicita nela servem de referencial para o aluno. A compreensão das funções que a avaliação pode assumir não ocorre espontaneamente sendo necessário a intervenção através de formação contínua, onde se faça a correlação entre a concepção de ensino-aprendizagem, o modelo didático a ser empregado e a avaliação da aprendizagem mais adequada.


TADDEI, Luciana

Uma experiência de ensino de Ciências discutindo ferrugem na pré-escola. São Paulo, Instituto de Química, USP, 2003, 136p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Maria Eunice Ribeiro Marcondes).

Resumo: O principal objetivo deste trabalho foi verificar a possibilidade de crianças da pré-escola aprenderem Ciências, quando atividades experimentais lhes são propostas. Apoiando-se das idéias de Piaget, foi elaborado um conjunto de atividades sobre a ferrugem. Essas atividades foram aplicadas em quatro encontros, os dois primeiros, objeto de análise deste trabalho, baseados em atividades de conhecimento físico. Foi possível constatar que para elaborar as próprias idéias as crianças se nutrem mais das experiências vivenciadas do que as teóricas, chamando-nos a atenção da importância do lúdico como um fator colaborador para a ocorrência da aprendizagem em Ciências. No primeiro encontro com as crianças, no qual foram abordados seus conhecimentos prévios sobre a ferrugem e os fatores causadores da mesma, a participação das crianças foi intensa. Esse resultado certamente está vinculado à adequação da metodologia usada. O segundo encontro constou de relatos das crianças com relação à experiência dos pregos, feita em casa, que envolveu os pais na atividade. Os dois últimos encontros envolveram uma aula no laboratório e a análise dos resultados experimentais, elaboradas para que as crianças pudessem responder a um desafio a elas apresentado sobre a proteção contra a ferrugem de navios. Esse desafio constou de uma situação problema real e cotidiana, que conseguiu ter sentido para as crianças. Tais encontros permitiram a ampliação do conhecimento a respeito da ferrugem. Os resultados confirmam que crianças desta idade mantêm pouca interação dialógica entre si. Já, a interação com o professor aconteceu de forma surpreendente, devido, provavelmente, à curiosidade manifestada. A parceria estabelecida entre a professora da pré-escola e a "especialista" (professora de Química/investigadora) contribuiu para os bons resultados obtidos, sugerindo que este tipo de interação pode contribuir para o ensino de Ciências nessa fase da escolaridade.


TANCREDI, Regina Maria Simões Puccinelli.

A formação do professor nos cursos de licenciatura da área de Ciências na UFSCar: uma análise da questão sob a ótica dos licenciandos. São Carlos, Centro de Educação e Ciências Humanas, UFSCar, 1995. 2v. 700p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Myrtes Alonso).

Resumo: Descreve um processo avaliativo desenvolvido em quatro cursos de formação de professores oferecidos pela Universidade Federal da São Carlos: Ciências Biológicas, Química, Matemática e Física. O processo inclui a coleta da opinião dos estudantes, através de um questionário de respostas abertas, sobre seu processo de formação, a organização curricular, a contribuição das disciplinas específicas e pedagógicas, as experiências vividas e a atuação dos professores. Analisa os dados sob um ponto de vista qualitativo. Coleta outras informações para completar a conhecimento sobre as licenciaturas, tais como a procura e a movimentação dos alunos e a opinião dos Coordenadores. Estuda também a história dos cursos de licenciatura no Brasil. Apresenta informações sobre o processo de ensino das disciplinas da área científica, sobre a situação das licenciaturas no interior das universidades e, mais especificamente, da Universidade Federal de São Carlos. As conclusões não foram animadoras. Os estudantes se referem a importantes e ricas experiências mas, por outro lado, explicitam a inflexibilidade curricular, o pensamento dos professores sobre as licenciaturas e sobre os licenciandos. Emitem também opiniões críticas sobre as disciplinas e a organização curricular. Ao lado das críticas, os estudantes sugerem modificações para melhorar os programas de formação de professores.


TASCA, Rodolfo Aureo.

Estrutura da matéria e tabela periódica no ensino de ciências para a 8ª série- caminhos alternativos no ensino de Química. Universidade Estadual De Campinas – Química. 2006. 173p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Jose de Alencar Simoni).

Resumo: A dissertação é uma proposta para o ensino da constituição da matéria, utilizando artefatos como modelos mecânicos, interpretação e criação de modelos para o átomo, familiarização com a Tabela Periódica e jogos educativos que auxiliem a memorização de algumas ferramentas fundamentais no ensino de química. Este trabalho propõe a aplicação de atividades como sugestões de alternativas de ensino a serem aplicadas nas oitavas séries do ensino fundamental. Trata-se de um projeto que visa fundamentar, principalmente, as bases sobre o conhecimento da estrutura da matéria, sem aprofundá-las, mas dando ênfase aos aspectos mais importantes que serão utilizados no ensino médio. Alguns aspectos de interesse nesse trabalho são: - Conhecimento sobre o átomo e suas partículas fundamentais (prótons, nêutrons e elétrons). - Simbologia e Representação (linguagem química). - Formação e formulação de alguns compostos. ( ex: água, amônia, metano,etc...). - Leitura e utilização da Tabela Periódica em seus aspectos mais simples.


TAVARES, Sued Teixeira

Uma experiência no estágio supervisionado das Licenciaturas de Matemática, Física e Química da Universidade Federal do Maranhão. Campinas, Instituto de Matemática, Estatística e Ciência da Computação, UNICAMP, 1982. 154p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Henry G. Wetzler).

Resumo: Descreve o desenvolvimento e aplicação de uma proposta para a Formação de Professores de Química, Física e Matemática na Universidade Federal do Maranhão, restrito à Prática de Ensino de Ciências Exatas. O Estágio Supervisionado em escolas de 2o grau caracteriza-se pelo treinamento de Habilidades Técnicas específicas, através do Microensino, com aulas previstas para dez minutos, destacando-se, do conjunto, capacidade de: organizar o contexto; variar o estímulo; ilustrar com exemplos; propiciar "feed-back"; empregar reforços; estimular perguntas; preparar o ambiente; concluir o fechamento e desenvolvimento do senso crítico-reflexivo relativamente ao próprio desempenho. Os resultados de aproveitamento indicam que as estratégias utilizadas foram acentuadamente positivas, embora a televisão, que permitiria ao estagiário observar a si mesmo numa situação pedagógica (autoscopia), tivesse sido substituída por processo especialmente estruturado,

controlado com o uso de recursos e técnicas de observação sistemática. Sugere, em conseqüência, a extensão do Microensino a todos os estagiários de Licenciatura, bem como a implantação de um Circuito Fechado de Televisão para o desenvolvimento da auto-análise dos alunos-mestres em seus desempenhos.


TEIXEIRA JÚNIOR, José Gonçalves

Formação docente: conhecimento do conteúdo específico Se eu não entendo, como posso explicar? Universidade Federal de Uberlândia – Química. 2007. 132p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Rejane Maria Ghisolfi da Silva).

Resumo: Este estudo propõe investigar e analisar as aprendizagens dos futuros professores de Química sobre Equilíbrio Químico, identificando suas dificuldades e condicionantes em uma universidade pública do estado de Minas Gerais. Para subsidiar este trabalho, recorreu-se à pesquisa qualitativa, que se consolidou em um estudo de caso, que envolveu a análise de questionários, entrevistas semiestruturadas e planos de aula elaborados pelos alunos. Foram investigados 47 licenciandos matriculados em disciplinas sobre ensino de Química, mais especificamente, nas disciplinas de Prática de Ensino, Instrumentação para o Ensino de Química e metodologia de Ensino de Química. A análise dos dados revelou que o ensino do tópico sobre Equilíbrio Químico na formação inicial de professores é orientado (por grande parte dos formadores) por uma concepção que privilegia o modo mecânico, reprodutivo, enfatizando muito mais o caráter repetitivo do que seu potencial para favorecer a construção de conceitos. Ficou evidenciado que os alunos detêm dificuldades com a conceituação de Equilíbrio Químico, com a aplicação das regras de Le Chatelier e em relação ao equilíbrio em meio aquoso, o que possibilita a proposição de situações de ensino que favorecem abordagens superficiais sobre o tema no Ensino Médio.


TEIXEIRA, Francimar Martins.

O falado e o entendido: um estudo da linguagem química na sala de aula da percepção dos professores de sua importância para a aprendizagem dos alunos. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Ensino das Ciências. 2002. 153 p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Rejane Martins Novais Barbosa).

Resumo: A presente dissertação tem como foco principal à análise de discurso (AO) do professor de química investigando como ele percebe a importância da linguagem na sala de aula na construção de conceitos científicos. Procura também estudar um tipo específico de discurso, o discurso pedagógico (OP) utilizado pelo professor para ensinar conceitos químicos, verificando se existe coerência entre o seu discurso e a sua prática. Toma como referencial teórico básico a Escola Francesa de Análise de Discurso (AO) nas perspectivas apontadas por Focault (1996) e Pêcheux (1988 e 1991); os princípios e procedimentos propostos por Orlandi (2001), que se filia diretamente à linha fundadora da análise de discurso; e os pressupostos teóricos da Escola Lingüística Russa apresentados por Bakhtin (1988, 2000) e Vygotsky (1962, 1998, 1999), fechando assim as três regiões em que está inserida a análise de discurso (AO) - psicanálise, lingüística e marxismo. A análise dos protocolos verbais, que constituíram o corpus deste trabalho, propiciou a identificação e caracterização dos diversos tipos de linguagem e de discurso e a identificação dos obstáculos didáticos elou epistemológicos presentes nos dois momentos discursivos dos professores (entrevistas e observações de aulas). Nessas análises verificou-se que os professores, de forma geral, utilizaram os tipos de linguagem característicos de um discurso pedagógico, como apontados por Orlandi (1987). Finalmente, os dados apontam para a importância da criação de situações didáticas que favoreçam o surgimento de momentos polissêmicos na comunicação em sala de aula, conforme Bakhtin e Orlandi.


TEIXEIRA, Francisco M. Barbosa.

Desenvolvimento e avaliação de filmes didáticos no processo de ensino-aprendizagem de Química no ensino médio. Universidade Federal de São Carlos – Química. 2006. 104p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Luiz Henrique Ferreira).

Resumo: Neste trabalho, foi explorada a utilização indireta do computador no processo de ensino-aprendizagem de Química no ensino médio. Foram produzidos dois filmes didáticos de curta metragem (FDCM) utilizando imagens capturadas por câmera digital e imagens produzidas por animação gráfica; utilizou-se também a captura de áudio que foi adicionada aos filmes, como narração, durante a etapa de edição. A utilização dos filmes foi executada através de mini-curso a dois grupos distintos de alunos. No primeiro grupo havia duas turmas, o período do mini-curso foi de uma semana somando um total de vinte horas. O segundo grupo foi dividido em três turmas de acordo com as séries do ensino médio, o período foi de três semanas somando um total de quatro horas e meia de mini-curso para cada turma. Na aplicação dos filmes produzidos, foram adotadas as etapas apresentadas, de forma simplificada, a seguir: (1) Aplicação de um questionário inicial sobre o tema a ser abordado, neste caso: estados físicos da matéria, reações químicas e equilíbrio químico; (2) apresentação do conteúdo através de aula ministrada em conjunto com experimentos relacionados ao tema; (3) aplicação do primeiro filme; (4) continuação da apresentação do conteúdo; (5) aplicação do segundo filme; (6) aplicação de um questionário final. Comparando o primeiro e o segundo questionário foi possível verificar a aprendizagem do conteúdo por parte dos alunos. O primeiro grupo de alunos ao qual o mini-curso foi aplicado obteve melhor resultado de aprendizagem. Para o segundo grupo, os resultados foram menos satisfatórios, possivelmente em função do tempo reduzido da etapa de aplicação. Por fim obteve-se uma seqüência de trabalho para produzir FDCM semelhantes aos utilizados neste trabalho.


TERCI, Daniela Brotto Lopes

Aplicações analíticas e didáticas de antocianinas extraídas de frutas. Campinas, Química, UNICAMP, 2004. 99p. Tese de Doutorado. (Orientador: Adriana Vitorino Rossi).

Resumo: As antocianinas são os principais pigmentos naturais responsáveis pela coloração vermelha e roxa de flores e frutos. Estes compostos apresentam a propriedade de indicador ácido-base e são facilmente extraídos com solventes polares. Além disso, as antocianinas podem ser oxidadas e descoloridas na presença de agentes oxidantes, como bissulfito de sódio e hipoclorito de sódio. Neste trabalho, foram exploradas diversas frutas vermelhas, fontes naturais destes indicadores. Considerando-se aspectos como disponibilidade em praticamente todas as regiões do Brasil e sazonalidade de frutificação, as espécies selecionadas foram: Morus nigra (amora), Syzygium cuminii (jambolão), Myrciaria caulilflora (jabuticaba) e Vitis vinífera (uva). Do ponto de vista analítico, os estudos realizados envolveram a otimização de procedimentos de extração, purificação, identificação, quantificação e avaliação da estabilidade das antocianinas presentes nas espécies selecionadas. Também foi feita a caracterização das diferentes espécies coloridas das antocianinas extraídas em função do pH, avaliação do uso destes extratos como indicador em titulações ácido-base e avaliação dos papéis de filtro impregnados com os extratos como papel indicador de pH. Foram estudados dois importantes comportamentos das antocianinas: equilíbrio químico ácido-base e a reação de óxido-redução, que foi empregada para o desenvolvimento de uma proposta analítica simplificada para a determinação de cloro livre em amostras de produtos higienizadores. Com relação à parte didática deste trabalho, os resultados obtidos levaram ao desenvolvimento e aplicação de atividades experimentais didática que foram testadas com alunos e professores do Ensino Médio e Técnico em Química de escolas públicas de Campinas-SP e estudantes de graduação em Química da Universidade Estadual de Campinas.


TITONI, Milena

Um estudo de caso sobre o uso de atividades experimentais na Escola Agrotécnica Federal de Sombrio. Educação em Ciências Química da Vida e Saúde, UFRGS, 2008, 118p. Dissertação de Mestrado. (UFSM - FURG) (Orientador: José Claúdio Del Pino).

Resumo: Este trabalho relata uma proposta metodológica fundamentada na perspectiva construtivista, que teve como objetivo investigar a contribuição da utilização de atividades experimentais realizadas com materiais alternativos e de baixo custo no aprendizado de conteúdos de química. A pesquisa foi realizada com alunos da 2ª série do Ensino Médio da Escola Agrotécnica Federal de Sombrio/SC. As atividades experimentais foram desenvolvidas com o intuito de promover a interação dos alunos com seus colegas e professor. Durante a realização destas atividades procurou-se levantar as concepções espontâneas dos alunos, que têm por base o conhecimento prévio a respeito dos fenômenos em estudo. A investigação se delineou como um estudo qualitativo, de caráter descritivo das análises das respostas coletadas nos dados de pré e pós-testes realizados com os alunos, embora também se tenha quantificado com números algumas respostas dos mesmos. Os resultados dessa intervenção didática indicaram que a contextualização de atividades experimentais, valorizando os conhecimentos prévios, as interações entre aluno-aluno e aluno-professor pode ser uma boa forma de contribuir para a melhoria do ensino de química, assim como, para ampliar o nível de aprendizagem dos alunos, dos conteúdos fundamentais de química.




TORRES, Técla Dias.

Contribuições da Química Analítica à Educação Ambiental. Teresina, Centro de Ciências da Educação, UFPI, 1997. 225p. Dissertação de Mestrado. (Orientadores: José Luís Lopes Araújo; Luíz Botelho Albuquerque).

Resumo: O presente trabalho visa contribuir para o desenvolvimento da Química Analítica aplicada na formação dos licenciados em Química e áreas afins, através das disciplinas Química Analítica Teórica e Experimental associada à Educação Ambiental, sob a forma de material didático instrucional e assim, complementar os conteúdos programáticos desta disciplina. Nesta, pauta-se a discussão das articulações entre Educação Ambiental e a Química Analítica, abordando a integração dos conteúdos programáticos de forma interdisciplinar, sua importância e a relação desses conteúdos curriculares entre si e, ainda, suas aplicações. Trata-se de um estudo que ressalta as causas e justificativas pelas quais a Educação Ambiental deve ser integrada à Química Analítica, como também, abrange a necessidade da pesquisa e do delinear do objeto de estudo na possibilidade de transformarmos a realidade em que atuamos, colocando as partes do contexto em relação com os seu significado no todo, através da vivência educacional e profissional para melhor desenvolvimento da educação. Em resumo, este trabalho propõe alternativas que integram o estudo do conteúdo programático da Química Analítica à Educação Ambiental, uma vez que esta, sendo multidisciplinar, propaga uma formação de educadores em química em nível de 2º grau produzindo, portanto, um efeito educativo multiplicador.


TOURINHO E SILVA, Adjane da Costa

Contribuições da Experimentação para o processo da evolução conceitual no ensino de química. Educação, UFS, 2000, 184p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Ilka Dias Bichara).

Resumo: Este trabalho analisa as contribuições da experimentação para evolução de conceitos químicos no processo de ensino-aprendizagem, desenvolvido de acordo com o paradigma de aprendizagem por Evolução Conceitual. Na investigação desenvolvida, enfoca-se a evolução das concepções sobre reação química em uma turma de 31 estudantes da 8ª série do ensino fundamental, onde a professora atuou como pesquisadora. Os dados foram extraídos de pré e pós-testes, questionários aplicados ao longo do processo e transcrições das gravações das aulas. Tomando-se como sistemas de análise a noção do perfil conceitual, ao inicio do processo de ensino, construiu-se o perfil de reação química e elaborou-se um sistema de categorias referentes as pré-concepções dos alunos, as quais encontravam-se inseridas na zona pré-científica do perfil. No decorrer do processo, observou-se o movimento das concepções dos alunos em direção áquelas cientificamente aceitas, de modo que as reações químicas passaram a ser explicadas em função da descrição da alteração das propriedades das substâncias envolvidas e, posteriomente, levando-se em conta uma abordagem atômico-molecular. Todavia, pôde-se verificar em vários momentos, a tendência dos alunos em associarem aspectos sensorialistas dos fenômenos a noções microscópicas, construindo explicações próprias, diferentes das científicas. A análise do processo de ensino evidenciou a contribuição dos experimentos para a construção de idéias nas zonas mais elaboradas do perfil. A abordagem pela qual a experimentação foi desenvolvida nesse estudo, favoreceu a exposição das concepções dos alunos acerca dos fenômenos e a instauração de debates por meio dos quais se estabeleceu tanto o processo de negociação de significados, como as relações entre os níveis fenomenológico e atômico-molecular da química.



TOURINHO E SILVA, Adjane da Costa

As estratégias enunciativas de professores de química. Belo Horizonte, Educação, UFMG, 2008, 315p. Tese de Doutorado. (Orientadores: Eduardo Fleury Mortimer; Orlando Gomes de Aguiar Jr).

Resumo: Nesta pesquisa são analisadas e caracterizadas, numa perspectiva contrastiva, as estratégias eunciativas articuladas por dois professores de Química, em duas salas de aula do 2o ano do ensino médio de diferentes escolas, ao longo da seqüência temática Termoquímica. A análise dessas estratégias configurou o estilo de ensinar de cada professor investigado, considerando que elas expressam concepções relacionadas à Ciência e ao seu ensino, as quais orientam as práticas desses professores em suas salas de aula. A análise considerou ainda, como as estratégias empregadas pelos professores geravam oportunidades para que os alunos se envolvessem nas atividades propostas e compartilhassem do discurso da sala de aula. Para análise das estratégias enunciativas, foi utilizado um sistema analítico de categorias proposto por Mortimer, Massicame, Tiberghien e Buty, o qual se ancora nas concepções de Vygotsky e Bakhtin. O sistema passou por algumas alterações ao longo da pesquisa, tendo as suas categorias ordenadas em duas principais dimensões: uma que focaliza os padrões de interação em relação com as diferentes funções e tipos de discurso e uma outra que considera como o conteúdo é articulado ao longo das interações, compreendendo o que foi denominado “categorias epistêmicas”. Nessa perspectiva, as estratégias enunciativas compreendem os movimentos interativos e epistêmicos que os professores articulam, em interação ou não com os alunos, para que os enunciados surjam em suas salas de aula. Para verificar como tais estratégias geravam oportunidades de aprendizagem para os alunos, foi considerado o conceito de Engajamento Disciplinar Produtivo proposto por Engle e Conant. Ainda nessa perspectiva, foi tomado o conceito de Práticas Epistêmicas proposto por Kelly, numa discussão que focalizou como as estratégias enunciativas favoreciam o envolvimento dos alunos com aspectos fundamentais do discurso da Ciência. Os dados foram coletados por meio de registros em vídeo, anotações de campo, análise das produções escritas de alunos e materiais didáticos dos professores e, ainda, entrevistas com professores e alunos. A metodologia envolveu a análise dos dados registrados em vídeo, em tempo real, por meio de um software, o Videograph®. A categorização utilizando o Videograph® resultou nos percentuais de tempo para cada categoria, tanto de cada aula em particular quanto de cada seqüência de aulas como um todo. Esses dados gerais serviram de referência para uma microanálise, por meio da qual foi possível perceber como eram articuladas as estratégias enunciativas em cada sala de aula. Os resultados obtidos mostraram que os professores assemelharam-se com relação ao nível de interação que estabeleciam com os alunos, mas distanciaram-se, até certo ponto, quanto à abertura para às interações dialógicas. Tais interações se pronunciaram de forma consistente nas aulas de laboratório da Escola A. Com relação a articulação das categorias epistêmicas, foi percebido que a professora da Escola A priorizava um movimento pelo qual a discussão considerava inicialmente fenômenos particulares para, posteriormente, alcançar as generalizações. Esse movimento epistêmico, desenvolvido ao longo de atividades investigativas em aulas de laboratório, era retomado pela professora ao conduzir as discussões em sala de aula regular, para construir novos conceitos. O professor da Escola B, por sua vez, priorizava um movimento pelo qual os conceitos ou generalizações eram inicialmente trabalhados, para depois serem aplicados na análise de situações específicas. De acordo com tal movimento, na aula de laboratório os experimentos foram abordados de modo a consolidar os conceitos previamente trabalhados. Os resultados obtidos apontam para diferentes estratégias enunciativas, as quais se constituem em exemplares relevantes para discussão em cursos de formação inicial e continuada de professores de Ciências.





TREVISAN, Tatiana Santini.

A prática pedagógica do professor de química: aproximações e distanciamentos entre o discurso e a ação docente. Curitiba, Centro de Teologia e Ciências Humanas, PUC-PR, 2005. 124p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Neuza Bertoni Pinto).

Resumo: A presente pesquisa tem como objeto de estudo a(s) prática(s) pedagógica(s) adotada(s) pelos professores de Química de Ensino Médio, com o objetivo de explicitar as aproximações e distanciamentos entre o discurso e a ação docente. A pesquisa buscou respostas para os seguintes questionamentos: a) Estariam os professores de Química do Ensino Médio desenvolvendo uma prática, na perspectiva de articulação do conteúdo do conhecimento prévio do aluno com o conteúdo do conhecimento de Química? b) Em caso afirmativo, de que maneira é feita essa articulação. Para tanto, a orientação da pesquisa seguiu uma abordagem qualitativa, modalidade estudo de caso comparativo em duas escolas de Curitiba, sendo uma da rede estadual de ensino e outra da rede particular. Os sujeitos da pesquisa foram quatro professores de Química do Ensino Médio, sendo dois de cada escola. O estudo incluiu observação direta dos professores em sala de aula e entrevistas semi-estruturadas. A base teórica desse estudo encontra-se em Chassot, Maldaner e Mizukami. As análises indicam que há uma preocupação por parte dos professores em articular o que o aluno traz vivido no cotidiano com os conteúdos da área de química. Contudo, há um descompasso entre o que eles falam e o que eles fazem na prática pedagógica. A fala dos professores contempla um discurso mais avançado, denotando conhecimentos de abordagens mais progressistas, mas na prática desenvolvem um ensino com características tradicionais, centrado no eixo de transmissão-assimilação dos conteúdos.


TRINDADE, Laís dos Santos Pinto

Alquimia dos processos de ensino-aprendizagem em química: um itinerário interdisciplinar e transformação das matrizes pedagógicas. UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO – EDUCAÇÃO. 2004. 152p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Ecleide Cunico Furlanetto).

Resumo: Minha vivência profissional como professora de Química no curso de Formação de Professores de Química e no Ensino Médio colocou-me em contato com o desinteresse e o baixo aproveitamento dos alunos na disciplina de Química. Apesar de todas as modificações na própria ciência, seu estudo não passa de um conjunto de regras prontas e de verdades definitivas. Ao iniciar o mestrado, optei por realizar uma pesquisa que me possibilitasse repensar sobre os processos de ensino-aprendizagem dessa ciência. Essa investigação assumiu como objetivo principal contribuir com novos elementos para que professores e alunos pudessem encontrar sentido no seu estudo Decidi desenvolver uma pesquisa qualitativa, pautada nos referenciais teórico-metodológicos da Interdisciplinaridade. Ao resgatar o movimento da Química me deparei com os processos da Alquimia Ocidental. Suas principais fases para a elaboração da "Grande Obra" tornaram-se caminhos a serem percorridos, e me forneceram as metáforas que possibilitaram explicitar a trajetória realizada e as possíveis transformações nos processos de ensino-aprendizagem da Química. A abordagem interdisciplinar possibilitou-me compreender a sala de aula como um "vaso alquímico", ou seja, uma espaço que, transcendendo o domínio disciplinar, além de contéudos e experimentos, caiba também a experiência do encontro, a criatividade e as emoções. onde as verdades absolutas e os caminhos únicos puderam ceder lugar para a dúvida, para a descoberta, para a possibilidade de contruir novas maneiras de aprender e para uma nova forma de relação com esse conhecimento, embasada nas noções de complexidade e complementaridade, que aceite o afloramento de outras potencialidades resultantes de uma ação refletida e vivenciada, permitindo a cada estudante viver uma grande aventura: a de encontrar sua "pedra filosofal".


TRIVELATO, Gilmar da Cunha.

Conservação e modelo corpuscular - um estudo transversal das explicações dos estudantes para transformações da matéria. São Paulo, Faculdade de Educação, USP, 1989. 171p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Anna Maria Pessoa de Carvalho).

Resumo: Estuda a evolução das noções do modelo corpuscular da matéria e como elas se relacionam com o desenvolvimento das noções de conservação das quantidades físicas, a partir de explicações dadas por estudantes a transformações da matéria. Inclui uma revisão dos trabalhos piagetianos sobre a assunto e de outros relevantes na área de ensino de Ciências sobre o mesmo tema. Identifica as explicações dadas por estudantes a duas transformações que envolvem variações na concentração de matéria, entrevistando clinicamente 44 estudantes entre a 5a série do 1o grau e os primeiros períodos da universidade. Expõe os dados na forma de categorias representativas de diferentes tipos de explicações levantadas e analisadas principalmente em função da idade e escolaridade dos estudantes. Propõe as etapas sucessivas do processo de construção de uma visão corpuscular da matéria.


UEHARA, Fábia Maria Gomes.

Refletindo Dificuldades de Aprendizagem de alunos no Ensino médio no Estudo do Equilíbrio Químico. Universidade Federal Do Rio Grande Do Norte - Ensino De Ciências Naturais E Matemática. 2005. 98p. Profissionalizante. (Orientadora: Márcia Gorette Lima da Silva).

Resumo: A pesquisa aqui apresentada biusca identificar os principais erros conceituais cometidos por alunos deo Ensino Médio ao estudar o tema Equilíbrio Químico e como os livros didáticos podem influenciar na formação desses. Para o levantamento desses dador foram aplicados 150 questionários, contendo 11 questões abertas e quatro fechadas. Foram utilizados como sujeitos da pesquisa alunos de três escolas particulares da Cidade do Natal-RN. O questionário para a análise do livro procurou conhecer como o tema estava sendo abordade, funcionando como facilitador ou não na formação do conhecimento. os livros foram escolhidos por serem os mais adotados pelas escolas da mesma cidade. na análise do livro didático foram avaliados 12 itens, que procuravam identificar: a clareza com que o livro aboardava os conteúdos, contextualização dos exercícios, analogias utilizadas, quantidades de exercícios quantitativos e qualitativos, a conexão entre os conteúdos e a retomada de conceitos relativos ao tema Eqyulíbrio Químico e os principais equívocos encontrados foram: definição do estado de equilíbrio em uma reação química, da constante, dupla seta, confusão entre massa e concentração, representação microscópia de uma reação em equilíbrio, pressão parcial e pressãototaç, função de catyalisadpores. os resultados demonstraram muita insegurança ou falta de conhecimentos sobre o tema ao verificcarmos o grande número de questões em branco e uma significante percentagem de questões que apresentavam erros conceituais. Concluímos que esses erros poderiam ser amenizados, ou até mesmo evitados, se o livro didático e professor abordassem o conteúdo de forma mais conceitual, com a aplicação de maior número de exercícios qualitativos, observando a construção das definições pelos alunos, evitando assim, se possíovel, a formação de conceitos errôneos.


UNTAR, Saad

A Química no ensino fundamental e os conhecimentos dos professores das escola municipais da cidade de Várzea Grande-MT. Educação, UFMT, 2008, 145p. Dissertação de Mestrado.(Orientadora: Irene Cristina de Mello).

Resumo: Este trabalho tem por finalidade pesquisar os conhecimentos do conteúdo pedagógico e curricular dos professores que lecionam Ciências Naturais na oitava série das escolas públicas municipais de Várzea Grande-MT. Ele parte da problematização que circunda a profissão docente, num panorama em que as dificuldades da profissão ‘podem’ estar também relacionadas aos conhecimentos docentes dos professores de Ciências das Escolas Municipais de Várzea Grande. Nesse sentido, a questão fundamental norteadora da pesquisa é investigar: Que conhecimentos possuem os professores que lecionam Ciências Naturais na oitava série nas escolas municipais de Várzea Grande, em Mato Grosso? A pesquisa é referenciada a partir dos pressupostos teóricos propostos por Lee Shulman. Optamos em trabalhar com os conceitos de Shulman por compactuarmos com este autor no que tange aos conhecimentos necessários aos professores, a saber: conhecimento do conteúdo, conhecimento pedagógico e conhecimento curricular. Para analisar a problemática mencionada acima, optamos em escolher como cenário da pesquisa, dentre as setenta e duas escolas existentes no município de Várzea Grande, as dez escolas que, segundo dados da Secretaria Municipal de Educação, são as mais críticas em relação ao baixo rendimento dos alunos na disciplina enfocada. Os sujeitos da pesquisa foram dez professores que lecionam Ciências Naturais na oitava série, independentemente de suas formações. Este trabalho inscreve-se em uma pesquisa de natureza qualitativa, do tipo exploratória, que privilegia a análise dos discursos dos entrevistados. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram dois questionários distintos e uma entrevista semi-estruturada. Primeiramente, foram aplicados os questionários: um com o objetivo de caracterizar e contextualizar as escolas e outro com o objetivo de traçar um perfil dos professores sujeitos da pesquisa. O passo seguinte consituiu-se na aplicação das entrevistas semi-estruturadas, que foram organizadas e categorizadas à luz dos pressupostos teóricos propostos por Shulman. Dentre outros, os resultados da pesquisa mostram que a maioria dos professores de Ciências Naturais das escolas pesquisadas enfatiza o currículo das instituições de ensino que lecionam, prioriza o conteúdo, utiliza com muita fidelidade o livro didático, por este fornecer-lhes segurança, por conseguinte, indicando que não possuem domínio do conteúdo lecionado, sendo que, ainda, classificam o seu conhecimento dos conteúdos químicos, no máximo, como regular. Vale considerar que dos dez professores entrevistados somente um professor possui Licenciatura Plena em Química; os demais, em sua maioria, são formados em Ciências Biológicas pela rede particular de ensino superior de Mato Grosso. Essa realidade mato-grossense pode ser entendida, em certa medida, pela alta demanda dos professores de Química pelo ensino médio no Estado, bem como pela prioridade dada nas escolas aos professores de Biologia, os quais complementam suas aulas com as disciplinas de Ciências Naturais, que englobam a Química na oitava série.


URQUIETA, Evelyn Soares.

O ensino da Química e sua adequação metodológica. São Carlos, Centro de Educação e Ciências Humanas, UFSCar, 1991. 229p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Carlos Alberto Andreucci).

Resumo: Fundamenta um diagnóstico da realidade escolar do ensino de Química, ministrado no 2o grau, a partir de pesquisa feita em escolas oficiais e privadas da cidade de São Carlos-SP. Utiliza o “exame de campo” como abordagem metodológica, o qual possibilitou a configuração dos fundamentos que se encontram, implícita ou explicitamente, inseridos no cotidiano escolar. Apresenta os dados peculiares a cada classe, assim como os pontos contrastivos entre elas e o seu significado global. A resultante do esforço de penetrar e definir a natureza dos procedimentos presentes no dia-a-dia da sala de aula é o oferecimento de alguns subsídios para a compreensão dos principais aspectos manifestos no ensino de Química ministrado no 2o grau, e a apresentação de alternativa de fundamentação para as mudanças metodológicas nesse ensino.


VAITEKA, Sandra.

Idéias curriculares em movimento: o processo de construção do currículo de química para o ensino médio na concepção de alguns licenciados do IQUSP. Universidade de São Paulo - Ensino de Ciências (Modalidade Física, Química e Biologia). 2007. 168p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Carmen Fernandez).

Resumo: Esta pesquisa refere-se a um estudo que avaliou a concepcao de curriculo de Química para o Ensino Médio de dois grupos de alunos da Licenciatura em Química da Universidade de São Paulo. Estes grupos de licenciandos foram observados durante um semestre, na disciplina Instrumentação para o Ensino de Química, uma "disciplina de intersecção", que relaciona conhecimentos químicos e conhecimentos pedagógicos. Este trabalho focou a compreensão da construção do ideal de currículo desses licenciandos, os fatores que influenciam tal construção e a contribuição da disciplina investigada nos conceitos de currículo ideal para estes estudantes. Entrevistas, atividades e planejamentos desenvolvidos pelos licenciados durante a disciplina foram estudados. As entrevistas foram analisadas por meio da interpretação de unidades de significado com a intenção de encontrar elementos que participam da construção dos conceitos curriculares destes estudantes. Atividades foram produzidas no início e no final da disciplina e foram analisadas para a observação do processo de construção do ideal de currículo. Os planejamentos de Química foram agrupados segundo duas categorias: Educação Geral e Currículo de Química. A primeira categoria é composta por seis ênfases: Carreira, Disciplina, Produto, Pedagogia, Democracia e Processo. A segunda categoria é composta por três ênfases: Quimica Fundamental, Química, Tecnologia e Sociedade e Desenvolvimento do Conhecimento em Química. Os resultados obtidos com aproximadamente cinquenta alunos indicaram que a legislação educacional brasileira exerce uma influência significativa em suas concepções de currículo de Química, como pôde ser observado pela unanimidade da categoria Pedagogia para os dois grupos. Entretanto, os grupos diferem quanto à concepção de um ideal de currículo na abordagem específica da Química. O primeiro grupo valoriza tanto os conceitos de Química Fundamental como os de Química, Tecnologia e Sociedade. O segundo grupo vê como prioridade o ensino de Química relacionado à Tecnologia e à Sociedade. Para este grupo, a ênfase no Desenvolvimento do Conhecimento em Química é comparável à ênfase em Quimica Fundamental. Quando analisamos as respostas dos estudantes que enfatiaram tanto a Quimica Fundamental quanto a Quimica, Tecnologia e Sociedade, verificamos que eles mantêm o foco do ideal de currículo de Química em ambas as orientações: focada no conteúdo e centrada na aprendizagem. Todas as atividades produzidas pelos alunos e que foram analisadas indicaram que a disciplina Instrumentação para o Ensino de Quimica influencia a concepção de currículo de Quimica dos licenciados. No inicio da disciplina observa-se para ambos os grupos ideias de planejamento que enfatizam a organização de conteúdos. Ao final da disciplina os dois grupos mudaram a idéia de planejamento relacionada estritamente à organização e acrescentaram características como flexibilidade e reflexão. Os futuros professores têm uma história que influencia suas concepções curriculares, mas nem todas são condizentes com as mudanças que necessitam serem feitas na educação. Apesar disso, nosso estudo mostrou que, atrtavés de atividades planejadas com intencionalidade nas disciplinas integradoras é possível minimizar as diferentes interpretações dos textos legais realizando na prática um trabalho significativo com os alunos da licenciatura.


VALLEJOS, Nora Jacqueline Faúndes.

Concepções de professores sobre a implementação do programa oficial de Química na escola secundária chilena. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1993. 145p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Roseli Pacheco Schnetzler).

Resumo: Desde 1990, vem sendo implementado nas escolas chilenas, o programa oficial para o ensino de Química, elaborado por professores universitários, por solicitação do Ministério da Educação daquele país. Alijados de tal elaboração, cabe aos professores secundários de Química aplicarem tal proposta em seus cursos. Para tal, têm em mãos o documento oficial, que se limita à apresentação de objetivos e conteúdos a serem desenvolvidos nos quatro anos de educação secundária. Neste contexto, investiga as concepções de professores de Química chilenos sobre a implementação da referida proposta, como a utilizam em sala de aula e quais suas críticas e sugestões. Aplica um questionário a 34 professores, dos quais 18 foram também entrevistados. Procede a uma análise da proposta curricular e dos dados obtidos com os professores, tomando por base referencial teórico estabelecido mediante revisão da literatura internacional sobre as tendências curriculares em Educação Química nos últimos anos. Constata que os professores alteram significativamente a proposta curricular para torná-la mais congruente com as suas concepções sobre o processo de ensino-aprendizagem de Química e com o contexto escolar no qual atuam. Apresenta sugestões que priorizam a participação de professores na elaboração de propostas curriculares para que estas possam ser efetivamente implementadas.


VALLEJOS, Nora Jacqueline Faúndez.

Em busca de uma fundamentação para a formação didática de professores de Química. Campinas, Faculdade de Educação, UNICAMP, 1997. 128p. Tese de Doutorado. (Orientador: Mansur Lutfi).

Resumo: Pesquisa as idéias sobre a formação dos professores de Química para refletir junto a eles sobre sua formação. Analisa sua prática docente com o objetivo de atuar para melhorá-la. Proporciona uma fundamentação, que lhe permite entender sua formação orientando-a na construção social e difusão do conhecimento. Nesse contexto, apresenta alguns aspectos da Filosofia da Ciência, estabelecendo uma relação com o processo de ensino-aprendizagem, o que permite fundamentar a didática do ensino de Ciências. Discute a formação dos professores de Química no que se refere a seus conhecimentos do conteúdo da disciplina e sobre os aspectos profissional, prático e acadêmico.





VARJÃO, Tatiana do Amaral

A Licenciatura em Química da UNEB: Aspectos do Currículo que Facilitam ou Dificultam o Percurso Discente. Ensino, Filosofia e História Das Ciências, UFBA, 2008, 146p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Soraia Freaza Lôbo).

Resumo: Este trabalho constitui-se em um estudo analítico-descritivo sobre o curso de Licenciatura em Química da Universidade do Estado da Bahia, com o foco no processo de instituição do atual currículo e nos fatores que lhe dão identidade. Os dados foram coletados através de entrevistas semi-estruturadas com o corpo discente, depoimentos de docentes e de análise documental. Neste processo, foi resgatada a historia do curso, desde a sua criação, em 1971, do que denominamos seu núcleo gerador – habilitação Química Aplicada do Curso de Graduação de Professores da Parte de Formação Especial do Currículo do Ensino de 2o Grau – até o currículo atual, resultado da reformulação curricular do curso criado em 1998. A pesquisa mostrou que o principal alicerce dessa reformulação encontra-se nos componentes curriculares que compõem a dimensão prática e no componente Evolução das Ciências e Pressupostos Filosóficos para o Ensino de Química. No processo investigativo, identificamos que o aspecto apontado como o mais positivo do curso, tanto pelos docentes, quanto pelos discentes, é a qualidade das relações inter-pessoais, com destaque para a relação docente-discente, e o ambiente acadêmico que se estabelece em conseqüência dessas relações. As dificuldades apontadas como as que mais interferem negativamente no percurso do corpo discente são o impacto das disciplinas dos primeiros semestres, principalmente as de conteúdo específico de Química, e o processo de avaliação de aprendizagem. Estes aspectos foram discutidos, reconhecendo-se a importância das questões epistemológicas e pedagógicas no ensino de Química e na formação do professor de Química. Apesar de nosso trabalho apontar para a necessidade de continuidade do estudo aqui iniciado, alguns elementos curriculares foram sugeridos para implementação, a curto prazo, visando a superação de alguns obstáculos presentes no atual currículo.


VASCONCELLOS, Erlete Sathler de

Abordagem de questões socioambientais por meio de tema CTS: análise de prática pedagógica no ensino médio de química e proposição de atividades. Brasília, Ensino de Ciências, UnB, 2008, 156p. Profissionalizante. (Orientador: Wildson Luiz Pereira dos Santos).

Resumo: O propósito central deste trabalho foi planejar, aplicar e analisar atividades pedagógicas que incorporem questões socioambientais a partir da abordagem de um tema relacionado à ciência-tecnologia-sociedade (CTS) em aulas de Química do Ensino Médio. A introdução de questões socioambientais no ensino de Química foi feita a partir da abordagem do tema CTS “Indústria, Química e Ambiente”. Os resultados obtidos indicam que a tentativa de introduzir o tema CTS foi positiva. A discussão temática possibilitou uma reflexão sobre inter-relações CTS e a compreensão e sensibilização dos alunos em relação ao MA, dentro de uma perspectiva ampliada que incorpora fatores sociais. Além disso, os alunos manifestaram identificar que as aulas tornaram-se mais prazerosas e passaram a participar mais ativamente das atividades. Ao final, foram levantadas reflexões sobre possíveis mudanças no processo desenvolvido para ampliar o alcance do trabalho e a partir daí são sugeridas atividades para abordar questões socioambientais por meio de tema CTS em aulas de Química.


VAZ, Wesley Fernandes

O ensino de química para adolescentes em conflito com a lei: possibilidades e desafios. Goiânia, Química, UFG, 2007. 89p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Márlon Herbert Flora Barbosa Soares).

Resumo: A complexa realidade social do Brasil encontra-se marcada por diversas problemáticas, que influenciam toda a estrutura da sociedade do país. O aumento constante das infrações cometidas por adolescentes e jovens reflete a situação em que o país se encontra em relação a este tema. A dura realidade experimentada pelos adolescentes em conflito com a lei encontra-se marcada por uma série de características comuns. A falta de perspectivas gera uma intensa relação com o presente, e o recurso mais utilizado para lidar com problemas e fracassos passa pela violência. Portanto, é necessário propor alternativas que possam minimizar estas problemáticas com o intuito de inserir o adolescente na sociedade por meio da educação, ainda mais quando se sabe que para esse adolescente o ensino de Química não tem relação com a sociedade nem desperta o interesse pelo conhecimento. Para isso, esse trabalho propõe o uso de jogos e de experimentação como forma de motivação para o ensino de Química e para despertar o interesse para a Ciência no adolescente em conflito com a lei, avaliando sua importância e o impacto dessas práticas nessa clientela, além de discutir os problemas e desafios de se ensinar Química nesse tipo de instituição. Como método utilizou-se a fenomenologia e como instrumento de coleta de dados o questionário, a entrevista e a observação participante. O ambiente foi o CAJE e o CIAGO, em Brasília, com aproximadamente 300 alunos. Os resultados mostraram a eficiência dos jogos e da experimentação em despertar o interesse e aumentar a motivação dos internos. A experimentação teve efeitos maiores nos adolescentes, considerando-se que os mesmos tinham que manipular os vários experimentos, além do forte caráter lúdico presente, uma maneira de distração dos adolescentes dos problemas que enfrentam em seu cotidiano e privados de liberdade. O trabalho também mostra o despreparo das instituições quanto a esse tipo de aluno. Finalmente é feito um debate sobre os problemas e desafios que se encontram na educação de adolescentes em conflito com a lei, apresentando-se propostas como a de treinamento adequado para professores que trabalham nessas situações especiais.


VERZOTO, José Carlos

Contexto histórico e reflexões didáticas do processo de ensino/aprendizagem do conceito de equilíbrio químico. Campinas, Química, UNICAMP, 2008, 120p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Adriana Vitorino Rossi).

Resumo: Neste trabalho, o tema equilíbrio químico foi objeto de estudo sob perspectiva didática, considerando-se sua relevância em termos conceituais bem como aspectos relacionados ao processo de ensino/aprendizagem, como dificuldades apresentadas na linguagem e interpretação desse conceito apontadas na literatura e por professores do ensino médio. Neste contexto, buscou-se investigar aspectos de desenvolvimento histórico desse conceito, resgatando informações relevantes para subsidiar interpretações críticas de material didático comercial e aprimorar situações propícias ao processo de ensino/aprendizagem em sala de aula. Paralelamente, foram elaboradas 2 propostas didáticas incluindo material de apoio para o ensino de equilíbrio químico. A primeira proposta que envolveu aulas contextualizadas, demonstrações experimentais e abordagem histórica (A) foi trabalhada junto a 3 turmas de estudantes (81 participantes) da 3ª série em 2007, enquanto a outra proposta (B) limitou-se a aspectos teóricos tradicionais e foi aplicada a 9 turmas (236 estudantes) da 2ª e 3ª série em 2006 e 1 (33 estudantes) da 3ª série, em 2007, todas do ensino médio. Utilizando-se de questionários e entrevistas, foram investigadas impressões prévias e pós-aulas desses estudantes sobre questões envolvendo o conceito de equilíbrio químico. Os resultados desta investigação indicaram vantagens no processo de ensino/aprendizagem na aplicação da proposta A, que incluiu situações que oportunizaram o professor problematizar teorias empiristas através da demonstração experimental e da discussão de construção do conhecimento científico sob um olhar histórico, viabilizando desta forma, assim uma abordagem dinâmica da Ciência. Apesar dessa proposta demandar alguns esforços adicionais por parte do professor, principalmente no que diz respeito à realização das demonstrações experimentais e discussão de aspectos históricos, os resultados alcançados são compensadores.


VIANA, Hélio Elael Bonini.

A construção da teoria atômica de Dalton como estudo de caso: e algumas reflexões para o ensino de química. Universidade de São Paulo - Ensino de Ciências (Modalidade Física, Química e Biologia). 2007. 98p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Paulo Alves Porto).

Resumo: Apresentamos urn estudo de caso, abordando como Dalton - motivado por seu interesse pelos fenômenos atmosféricos e empregando uma peculiar interpretação do corpuscularismo newtoniano - construiu uma teoria atômica quantitativa mediante a utilização de dados provenientes de estudos sobre transformações químicas. Apesar de não ser possível reconstituir com exatidão a trajetória que levou Dalton a determinação das massas atômicas relativas (devido a insuficiência de documentos, bem como à inconsistência dos relatos deixados por Dalton e seus contemporâneos), o processo construtivo da teoria atômica daltoniana revela-se como caso exemplar da complexidade da atividade científica. Alguns pontos são destacados, como a importância da questão da composição da atmosfera no desenvolvimento das teorias com que Dalton procurou explicar o comportamento das misturas gasosas. A partir dessas investigações, Dalton recorreu à chamada "regra da máxima simplicidade" para estabelecer uma conexão entre os dados quantitativos de composição química e os átomos, postulando fórmulas para os compostos considerados. Muitas críticas foram tecidas as idéias de Dalton, que devem ser entendidas no contexto dos debates científicos da época. Dalton viu aumentar o número de adeptos a sua teoria à medida que foram surgindo observações experimentais que podiam ser explicadas aplicando-se o modelo por ele desenvolvido. Assim, considerando-se a riqueza de possibilidades didáticas desse estudo de caso, procedemos também a uma breve análise de como a teoria atômica de Dalton e abordada em livros didáticos utilizados no ensino superior. Concluimos que o estudo, com alguma profundidade, desse episódio da história da ciência, poderia propiciar aos estudantes de química não apenas uma aprendizagem mais significativa dos conceitos envolvidos, mas também reflexões valiosas a respeito da própria natureza do conhecimento científico.




VIANNA, Heloisa Helena de Jesus

O ensino de tecnologia química dos cursos técnicos de química. Tecnologia, CEFET-MG, 1993, 210p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Lilavate Izapovitz Romanelli).

Resumo: O objetivo deste trabalho é conhecer e discutir alguns problemas existentes no ensino das tecnologias químicas nos cursos técnicos de química das escolas federais do país. Tal estudo foi suscitado em função dos atuais problemas encontrados no ensino de tecnologia química e das implicações desses problemas na qualidade do referido ensino. Tendo em vista respondermos a questões em torno desses problemas, procuramos tr atar a questão da historia do ensino técnico buscando evidenciar o momento histórico da necessidade da criação dos cursos técnicos de química e, ainda, a importância do ensino de tecnologia química na formação transformação para o técnico de nível médio. Construímos dados para esta pesquisa a partir da observação de aulas, de questionários e entrevista a professores que trabalham com tais conteúdos em outras escolas técnicas federais do país. De posse desse material, procuramos diagnosticar, segundo a percepção do professor, o seu papel, o da escola e o das industrias na formação do técnico. Pretendemos apresentar alguns aspectos relativos ao ensino de tecnologia química de forma sistematizada.


VIEIRA, Antonio

Estudo das Concepções dos Alunos sobre a ocorrência de determinados fenômenos que envolvem as reações de oxi-redução no Ensino de Química. Educação, UFMT, 2000, 100p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Mauricéa Nunes).

Resumo: O presente trabalho procurou investigar as concepções prévias dos estudantes sobre a ocorrência de fenômenos, envolvendo o conceito de reações de oxi-redução, tendo como sustentação teórica, elementos da Epistemologia de Bachelard, com destaque para os obstáculos epistemológicos e os níveis de formação conceitual, entendidos como fornecedores de elementos para identificar os entraves inerentes ao conhecimento científico, que bloqueiam a compreensão e o processo de aprendizagem nas ciências. A pesquisa foi realizada em uma sala de aula com um grupo de 34 alunos da terceira série do ensino médio noturno, de uma escola pública de Cuiabá MT, compreendendo uma faixa etária entre 17 a 23 anos de idade. Utilizou-se como critério de seleção, dentre as quatro turmas existentes, aquela que espontaneamente os tópicos dos conteúdos já estudados, mais relacionados com o assunto. A coleta dos dados, foi efetuada mediante as realizações de três modalidades de experimentos envolvendo as reações de oxidações de metais ao fogo, reações dos metais em meio ácido e reações que produzem energia elétrica por meio de uma pilha comum de lanterna. Na escolha destes experimentos, buscou-se entre mecanismos mesclar três momentos de evolução para compreensão desse conceito observando-o no mesmo sentido do desenvolvimento da Química. Para isso, foram propiciadas condições tais que os estudantes pudessem vivenciar as atividades, expressando por escrito as suas representações. Os resultados, mostraram que a maioria dos estudantes nesta amostra, não considera, em seus relatos, o "elétron" como agente responsável pelas transformações materiais. Eles utilizaram modelos de explicações do senso comum, em geral, muito distanciado com as concepções científicas. Espera-se, que trabalho possa contribuir para o surgimento de implicações importantes visando a melhoria das aulas de química, e que sirva também, para repensar a estruturação dos conteúdos mais a nível fenomenológico, onde teorias e fatos possam estabelecer correspondências.



VIEIRA, Lúcio Olímpio de Carvalho

Da Escola ao Trabalho: Competência e Inserção Profissional, na Visão dos Estudantes de Química da Escola Técnica da UFRGS. Porto Alegre, Educação, UFRGS, 2006, 160p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Jorge Alberto Rosa Ribeiro).

RESUMO: O debate sobre a relação entre educação e trabalho volta com força a partir da reforma da educação técnica-profissional de 1997. A relação entre essa modalidade de ensino com os demais níveis e, em especial, sua relação com o mundo do trabalho passa a desafiar diferentes atores: governo, empresários, professores, alunos, trabalhadores, intelectuais, na busca de definições e procedimentos capazes de dar conta às novas necessidades oriundas da reconfiguração dos processos produtivos. A presente dissertação procura contribuir para o debate sobre a inserção profissional dos jovens a partir da educação técnica-profissional. Para tanto propõe a discussão sobre as relações entre escolaridade e emprego, as noções de competência como organizadora da educação técnica como contraponto às visões herdadas do mercado do trabalho e da função das escolas, tanto no desenvolvimento dessas competências quanto como rede de relacionamento capaz de patrocinar o acesso ao emprego desses jovens. Neste trabalho são apresentados os resultados das mais recentes pesquisas que relacionam o nível de escolaridade e emprego e as diferentes interpretações sobre competência e seu papel na organização da educação técnica. Também é feito um breve histórico da educação profissional, incluindo a Escola Técnica da UFRGS e do Curso Técnico em Química, local onde foi realizada a pesquisa. O estudo de caso envolve alunos formandos do Curso Técnico em Química da Escola Técnica da UFRGS, cujo objetivo principal é o de apresentar um olhar distinto daquele que vem sendo sistematicamente norteador das políticas públicas. Pretende-se compreender os fatores que levam os jovens a buscar essa modalidade de ensino: suas motivações, o entendimento que possuem sobre competência como organizadora dos currículos escolares e estruturadora dos postos de trabalho. O resultado leva ao sonho de que seja possível, de alguma forma, construir uma idéia de educação técnica-profissional que não fique refém dos interesses mercadológicos ou como política pública compensatória, mas como parte do processo de construção de cidadania que tenha o trabalho como princípio educativo. Observa-se que os estudantes que buscam essa modalidade de ensino são parte integrante dos grupos sociais mais vulneráveis às conseqüências da retração do mercado de trabalho. A escola profissional técnica de nível médio é reconhecida tanto como espaço de aprendizagem quanto de rede de relacionamento, facilitadores da inserção profissional.


VIEIRA, Sérgio Lontra.

Contribuições e limitações da informática para a Educação Química. Guarapuava, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes/Faculdade de Educação, UNICENTRO/UNICAMP, 1997. 171p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Roseli Pacheco Schnetzler).

Resumo: Representa uma contribuição à ampla questão da informática e educação e, mais especificamente, o seu impacto na Educação por intermédio de programas de computador dirigidos ao ensino médio e superior de Química. Consulta o Journal of Chemical Education - JCE, no período de 1977 a 1994 listando 488 programas, classificados de acordo com doze categorias. Faz levantamento de 1978 a 1994, na revista Química Nova, obtendo 51 programas para ensino de Química. Relaciona o tipo e o número do programa com o grau d4e ensino e o período de publicação no JCE, dos conteúdos químicos abordados. Os vários programas podem ser usados de maneiras diferentes no processo de ensino-parendizagem: do simples exercício e prática de problemas numéricos e tutoriais de conceitos, que avançam sob o controle do aluno, aos complexos sistemas especialistas baseados em inteligência artificial e softwares de realidade virtual, que permitem uma nova relação do aluno com o conhecimento químico. Evidencia algumas mudanças dos programas ao longo do tempo: de simples cálculo computacional e tutorias, ou seja, programas pouco interativos, às simulações e bases de dados/modelagem e/ou simulação com previsão. Os conteúdos mais trabalhados são: química quântica/teoria quântica; análises qualitativa, quantitativa, gravimétrica, volumétrica, titulométrica; espectrofotometria, espectroscopia; termodinâmica; estruturas. Estes conteúdos totalizam cerca de 49% dos programas, sendo o tipo de maior freqüência o cálculo computacional, seguido muito de longe por simulação e tutoriais. Salienta que o computador não resolve os problemas da baixa qualidade do ensino, nem tão pouco substitui o professor, a não ser que este se resuma a um mero instrutor de comandos. Entretanto, pode ser usado para apresentar conteúdos considerados mais difíceis, de uma maneira dinâmica, que motive alunos e professores nas atividades normais de sala de aula e de laboratório. Considera o computador como um recurso pedagógico alternativo, ao qual professor pode lançar mão para, aproveitando suas potencialidades, trabalhar no sentido de promover uma aprendizagem significativa.


VILLA, Solange Meneses Souza.

O ensino de Química no nível médio: entraves que obstacularizaram a construção de conceitos fundamentais. Salvador, UFBA, 2003. 156p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Stella Rodrigues dos Santos).

Resumo: Este trabalho procura compreender as possíveis conexões entre esquemas mentais e a aprendizagem dos conteúdos nucleares de química, no âmbito da escola, com estudantes da 3a série do ensino médio, turno noturno, mostrando a estreita relação entre funções cognitivas e aprendizagem. O que se pretende é elaborar um constructo teórico para esclarecer questões ainda obscuras no âmbito do ensino de ciência, em especial no ensino de química. O estudo de caso apresenta-se como método adequado para a realização de pesquisa dessa natureza. Os instrumentos de apreensão dos dados consistiram, inicialmente, na análise dos históricos escolares dos estudantes selecionados por critérios qualitativos, considerando aqueles que mais dificuldade apresentavam, seguida por aplicação de entrevista semi-estruturada, realizada individualmente e aplicação de instrumentos com questões abertas, visando apreender o modo como os estudantes operam com os conceitos fundamentais da química. Também foram realizados observações e registros de cinco aulas e foi aplicada uma entrevista ao professor de química. Teoricamente, a pesquisa fundamenta-se no conceito de "aprendizagem significativa" de Ausubel; no "esquema cognitivo" de Jean Piaget e na noção de "obstáculo epistemológico" de Gaston Bachelard. Os resultados mostram que, ao término do ensino médio, os conceitos fundamentais da química não são apreendidos significativamente devido à dissociação entre forma e conteúdo; ou seja, os estudantes mostraram-se prejudicados no que se refere à resolução de problemas que lhes exigiam abstração e estabelecimento de relações. Tais resultados abrem a discussão sobre metodologias de ensino de ciência que enfatizam o conteúdo em detrimento da forma de conhecer e teimam em ensinar conceitos sob a orientação epistemológica de base empiricista.


VIVEIROS, Edval Rodrigues de

Relação sujeito-conhecimento em alunos de licenciatura em Química: uma investigação a partir da Teoria dos Campos Conceituais. Bauru, Educação para a Ciência, UNESP, 2007, 259p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Renato Eugenio da Silva Diniz).

Resumo: Através dos referenciais teóricos da Teoria dos Modelos Mentais de Johnson-Laird e da Teoria dos Campos Conceituais de Gérard Vergnaud, procuramos obter os modelos mentais e campos conceituais do processo de formação inicial de professores. Para tanto analisamos diários de classe redigidos por alunos do último ano de Licenciatura em Química da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) de Bauru.


WALVY, Ophelio W. de Castro.

A Matemática e a Química em parceria: uma proposta de interação entre a Matemática, a Físico-Química e a Química Geral. Universidade Santa Úrsula - Educação Matemática. 1998. 149 p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Estela Kaufman Fainguelernt).

Resumo: com o propósito de desenvolver e otimizar o conhecimento matemático visando a melhoria profissional dos alunos da Escola Técnica Federal de Química do Rio de Janeiro, esta pesquisa procurou atender a questões onde, principalmente, se buscava alternativas de trabalho interativo do professor de Matemática com os professores de Química e os alunos desta escola. Outra questão relaciona-se à descoberta dos conteúdos matemáticos necessários a fim de que os alunos desenvolvam seus estudos em Química em particular com a Físico-Química, mas que resultou no desenvolvimento de um trabalho, onde foi necessário o envolvimento da Química Geral, como veículo, para responder, às perguntas levantadas nesta pesquisa. Através das interações entre os professores das áreas de Matemática e Química entre estes professores e os seus alunos e entre os alunos que participaram desta investigação, procurou-se estabelecer um ambiente escolar criativo, exploratório e de aplicação da Matemática às disciplinas acima indicadas. Dessa forma os objetivos deste estudo que procuravam atender às questões nele levantadas puderam se concretizar. Foram indicadas, dificuldades apresentadas pelos alunos em Matemática, as idéias matemáticas utilizadas na Química, maneiras eficazes de trabalhar e resgatar conteúdos matemáticos que serviam de ferramenta para se construir os conceitos em Química. Esta pesquisa se desenvolveu em dois momentos o primeiro foi destacado pelas entrevistas semi-estruturadas e informais realizadas com os professores de Físico-Química a fim de identificar os conteúdos matemáticos, que são pré-requisitos para formação de conceitos em Físico-Química. O pesquisador observou aulas de Físico-Química ministradas pelos professores que participaram desta pesquisa e selecionou algumas avaliações elaboradas por estes mesmos profissionais e aplicadas aos alunos desta escola. O segundo momento destacou-se a partir da análise realizada de todo o trabalho desenvolvido no momento anterior de onde foram retirados alguns indicadores para o mapeamento dos conteúdos matemáticos necessários a Físico-Química. Uma das ferramentas utilizadas, para auxiliar os alunos na transferência de conhecimentos da matemática para a físico-química foram os testes-diagnóstico. Foram utilizadas diferentes abordagens nas aulas de Matemática para construção das principais idéias desta disciplina, a fim de facilitar a aplicação de tais idéias à Físico-Química. Concluiu-se: A construção e reconstrução de conceitos devem ser trabalhadas cuidadosamente; é importante de se estabelecer relações significativas entre as diferentes linguagens utilizadas neste estudo; é necessário que os professores das disciplinas e os alunos envolvidos nesta pesquisa reflitam juntos. A potencialidade da Matemática deve ser utilizada em outra área de conhecimento.


WALVY, Ophelio W. de Castro

Construindo saber docente interdisciplinar: a termogravimetria em um laboratório didático. Educação, UFF, 2008, 231p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Glória R. P. Campello Queiroz).

Resumo: O foco principal da presente pesquisa foi mostrar como se desenvolveu a relação entre professores-pesquisadores de Matemática e Física para a construção de saber docente interdisciplinar. Esses professores-pesquisadores foram os principais personagens deste estudo em um mesmo ambiente escolar (Cefet Química). Características dos saberes prévios desses professores foram evidenciadas durante a construção desse saber interdisciplinar. O laboratório didático foi um facilitador para estabelecer as relações interativas interdisciplinares na escola e também para se construir com os alunos conceitos das disciplinas Física, Química e Matemática de uma forma integrada, contextualizada e significativa. A metodologia usada neste estudo foi a pesquisa-ação, que resgatou uma técnica conhecida como Termogravimetria a fim de ser aplicada como atividade experimental em uma aula laboratorial didática, onde os professores-pesquisadores e os alunos de uma turma comum do ensino médio participaram. Evidenciou-se nesta pesquisa o rompimento de barreiras epistemológicas e pedagógicas durante a construção compartilhada de saber docente interdisciplinar pelos professores-pesquisadores, e a necessidade de mudanças que esse saber requer, com o objetivo de buscar o aprimoramento dos docentes para obtenção dos resultados esperados. Pontos enriquecedores foram alcançados para o desenvolvimento profissional de ambos os professores-pesquisadores, tanto para o professor de Matemática (autor desta tese) como para o professor de Física, seu parceiro desde o início da pesquisa. Entre esses pontos, destacamos a possibilidade de se construir na escola, novos caminhos para um trabalho diferenciado com professores e alunos de ensino médio de diferentes disciplinas atuando em comum acordo. O resgate de uma técnica antiga, mas ainda utilizada nos dias de hoje em estudos científicos, foi adaptada para ser aplicada em ambiente escolar, como forma de contextualizar e dar significado aos conteúdos da Física, Matemática e Química, cuja incorporação se deu no transcorrer da pesquisa. A análise do discurso registrado em áudio nos encontros dos professores envolvidos mostrou que o processo de construção dos saberes interdisciplinares desses professores-pesquisadores foi marcado por especificidades práticas da cultura profissional prévia e atual de cada um.


WARTHA, Edson José.

O ensino médio numa dimensão político pedagógico: os Parâmetros Curriculares Nacionais, o ensino de Química e o livro didático. São Paulo, Instituto de Física, USP, 2002. 145p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Adelaide Faljoni Alario).

Resumo: Este trabalho tem como objeto de estudo, uma análise de como as mudanças propostas pelos PCNEM são implementadas na prática escolar. O tema central de interesse de nosso estudo é identificar como a contextualização é efetivada nos livros didáticos de química para o ensino médio. Neste estudo, procuramos buscar maneiras de compreender as intenções dos modelos educacionais no país, procurando identificar as razões e discursos nos quais se baseiam. Compreender o porquê, o que são os PCNEM, as reformas em curso no ensino de Química e o modo como são implementadas em salas de aula. Neste estudo, tomamos por base a literatura revisada, os documentos oficiais e, como instrumento, para verificarmos como as novas propostas de ensino, expressa nos PCNEM chegam às salas de aula, realizamos uma análise de como a contextualização é tratada nos atuais livros didáticos de química. Acreditamos que em curto prazo, o livro didático, será um dos principais elos de ligação entre os professores e os PCNEM, devido ao importante papel que exercem, tradicionalmente, na determinação dos conteúdos a serem abordados e na metodologia a ser empregada em sala de aula. O uso do termo contextualização tem sido usado com diferentes significados e diferentes concepções tanto nos livros didáticos como nos PCNEM. Verificamos nos livros didáticos uma maior tendência na relação do termo contextualização como desenvolvimento de atitudes e valores para a formação de um cidadão crítico.


WENZEL, Judite Scherer.

A prática do ensinar e do aprender a fazer pesquisa em componentes curriculares de um curso de licenciatura em química. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - Educação nas Ciências. 2007. 247p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Lenir Basso Zanon).

Resumo: O presente trabalho insere-se nas discussões, no âmbito educacional, quanto à problemática da formação inicial docente, especificamente, da formação inicial de professores de Química. A discussão traz o aprender a fazer pesquisa como uma possibilidade para a superação do modelo de formação docente calcado na racionalidade técnica. Parte-se do pressuposto de que para a melhoria da formação inicial docente é necessário uma (re)construção histórica e cultural das concepções com base nas quais são organizados os currículos e as práticas formativas, criando novos espaços interativos pautados na inovação quanto a modelos de formação que ampliem a visão do ser professor e do ensinar química. Nessa perspectiva, o referencial teórico tem como base, além do apoio teórico da literatura que trata da pesquisa educacional do professor em formação, a perspectiva histórico-cultural, cujo precursor é o psicólogo russo L. S. Vigotski, cujo princípio central consiste na visão de que o desenvolvimento do individuo é resultado de um processo mediado histórica e culturalmente, nas interações sociais, enfatizando o papel da linguagem e da aprendizagem no desenvolvimento humano. Conta-se com apoio teórico de autores que defendem o educar pela pesquisa na formação do professor, como Demo, Lüdke, André, Maldaner, Galiazzi, Moraes, Ramos, Schnetzler, entre outros. São analisados espaços curriculares que, ao longo da formação docente inicial, propiciam o aprender a fazer pesquisa. A hipótese de investigação acredita na importância da inserção destes espaços, e vê a participação do licenciando em cada etapa do fazer pesquisa como participante na sua constituição como um professor que se torne pesquisador de sua prática. Para isso foram realizadas análises documentais do Projeto do Curso de Química Licenciatura, das Ementas Curriculares, dos Planos de Ensino dos Componentes Curriculares acompanhados. Foram aplicados questionários e realizadas entrevistas semiestruturadas, gravadas em áudio e posteriormente degravadas, com licenciandos que vivenciaram na sua formação inicial processos do aprender a fazer pesquisa. Também foram analisados alguns relatórios finais de pesquisa elaborados pelos mesmos, com o objetivo de qualificar a pesquisa por eles vivenciada. Os relatórios analisados constituem-se no primeiro ensaio de pesquisa, na primeira prática do fazer pesquisa vivenciada pelos licenciandos, em sua formação. Com o objetivo de verificar a prática do aprender a fazer pesquisa em sala de aula foram acompanhadas aulas, com registros em caderno de campo, para posterior análise. Inicialmente discute-se com o referencial teórico as limitações do modelo de formação baseado na racionalidade técnica, que acredita ser o professor um transmissor de verdades prontas, desconsiderando a complexidade da prática escolar, partindo dessa problemática defende-se a inserção de espaços do fazer pesquisa como propiciadores de um outro caminho de formação. Discute-se diferentes concepções de professor pesquisador, bem como, de entendimentos sobre o que é pesquisa e sobre os diferentes níveis de pesquisa, numa visão que supera entendimentos simplistas de tais práticas. Os resultados denotam uma multiplicidade de fatores envolvidos na prática do ensinar e aprender a fazer pesquisa no âmbito da formação inicial, evidenciando a importância da significação da linguagem específica, de instrumentos culturais, como a linguagem (pela fala ou pela escrita) e a leitura, necessários de ser significados no fazer pesquisa. Essa significação ocorre mediante necessárias mediações do professor orientador, que já é um pesquisador. São apontados e discutidos, também, limites e potencialidades da prática no contexto acompanhado.


WISNIEWSKI, Gerônimo

Utilização de materiais de baixo custo no ensino de Química conjugados aos recursos locais disponíveis. Florianópolis, Centro de Ciências da Educação, UFSC, 1990. 209p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: André Valdir Zunino).

Resumo: Em pesquisa do tipo participante/ação em sala de aula, 18 professores de Química do 2o grau operacionalizam Princípios de Procedimentos de Ação Docente (PPADs), associados com o emprego de Materiais de Baixo Custo (MBCS) e conjugado com os Recursos Locais Disponíveis (RLDs), durante um ano. Avalia a inovação no ensino-aprendizagem por meio do paradigma sócio-antropológico da Avaliação Iluminativa. Fundamenta-se em idéias/teorias sobre desenvolvimento curricular e em uma visão de educação problematizadora. Aponta o valor educacional do emprego de MBC/RLDs e conclui que o processo ensino-aprendizagem de Química no 2o grau torna-se mais Heurístico e Problematizador, enfatizando assim o educando como um ser social.


XAVIER, Eduardo da Silva

Abordagem da Reação Ciência/Tecnologia/Sociedade nos livros Didáticos de Química do Ensino Médio. São Paulo, Ensino de Ciências e Matemática, UNICSUL, 2008, 1p. Profissionalizante. (Orientadora: Carmem Lúcia Costa Amaral).

Resumo: Ñ Consta


ZAMBOM, Denilse Morais.

Energia térmica envolvida nas transformações químicas endotérmicas e exotérmicas: idéias de um grupo de estudantes de ensino médio. Universidade de São Paulo - Ensino de Ciências (Modalidades Física, Química E Biologia). 2005. 133p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Maria Eunice Ribeiro Marcondes).

Resumo: Este trabalho tem como objetivo compreender como um grupo de estudantes de ensino médio entende a energia envolvida nas transformações químicas exotérmicas e endotérmicas e também avaliar em que medida algumas concepções são reestruturadas após a aplicação de atividades planejadas que levam em conta as idéias dos estudantes. Participaram da fase inicial de diagnóstico das idéias prévias, 205 alunos das 2a. e 3a. séries de ensino médio. Cento e dez desses alunos das 2a. séries fizeram parte da fase seguinte de aplicação de atividades de ensino planejadas. Os dados foram coletados através de questionários realizados durante e após as aulas e de entrevistas individuais com eventos, aplicadas em 7 alunos. A análise realizada mostrou que algumas concepções alternativas aparecem em maior número no entendimento das transformações exotérmicas. Para as transformações endotérmicas, o aprendizado envolveu maior tempo, as explicações dos alunos, durante as atividades, passam por vários níveis explicativos até a compreensão considerada adequada. Muitas concepções não apresentadas no questionário prévio, importantes para a compreensão da origem da mudança de temperatura observada nas diversas transformações, passam a incorporar-se às idéias dos alunos e mantêm-se em muitos deles.



ZANON, Dulcimeire Aparecida Volante.

O ensino de Química na habilitação específica para o magistério: como isso ocorre? São Carlos, Centro de Educação e Ciências Humanas, UFSCar, 1996. 139p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Regina Maria Simões Puccinelli Tancredi).

Resumo: Esse trabalho tem por objetivo analisar a situação do ensino de Química na Habilitação Específica para o Magistério (H.E.M.) enquanto disciplina formadora para a atuação dos futuros professores no Componente Curricular Ciências das séries iniciais do primeiro grau. A pesquisa realizou-se numa escola estadual de segundo grau que oferece a H.E.M., da cidade de São Carlos, estado de São Paulo, durante o ano letivo de 1995. Optou-se por conhecer a opinião de todos os professores de Química e de todos os alunos da H.E.M. de primeira a quarta série desta escola; para tanto, os recursos metodológicos adotados foram entrevista e questionário, respectivamente. A análise realizada evidenciou que os professores de Química, quando atuantes na H.E.M., direcionam seus trabalhos através de diferentes óticas, ou seja, alguns professores assumem a importância dessa disciplina para a atuação em Ciências buscando adaptar os conteúdos de Química a Proposta Curricular de Ciências e outros apenas condensam e/ou, priorizam determinados conteúdos químicos do programa do segundo grau regular. Os alunos parecem perceber pouco a relação entre o ensino de Química na H.E.M. e a utilização desse conhecimento para lecionar Ciências nas séries iniciais do primeiro grau. Para atender as indicações dos alunos, de que a Química na H.E.M. tanto auxilie no exame vestibular como no exercício profissional do Magistério das séries iniciais, mudanças devem ocorrer. Estas mudanças tanto devem priorizar questões de conteúdo como de metodologia de ensino e devem atender ao fato de que a grade curricular da H.E.M. contempla apenas duas aulas semanais de Química na primeira e segunda série que totalizam 160 horas/aula.


ZANON, Lenir Basso

Interações de licenciadas, formadores e professores na elaboração conceitual de prática docente: Módulos Triádicos na Licenciatura de Química. Piracicaba, Educação, UNIMEP, 2003, 282p. Tese de Doutorado. (Orientadora: Roseli Pacheco Schnetzler).

Resumo: Esta tese é uma modalidade de investigação-ação que propõe, desenvolve e investiga uma intervenção - designada por módulo triádico - na formação inicial de professores de química. Seu propósito principal é propiciar interações de licenciandos com um formador (professor universitário) e um professor do ensino médio, no contexto de uma disciplina da licenciatura. Os módulos triádicos visam promover processos de complexifcação conceitual de idéias ambientalistas e restritas sobre a prática docente em química na escola média. O módulo triádico é desenvolvido e investigado em um programa de formação docente inicial em química de uma universidade brasileira, para buscar respostas à questão central de investigação: Os módulos triádicos podem contribuir para a complexificação de idéias simplistas de prática docente, na formação inicial de professores de química? Para obter respostas os dados foram construídos e analisados com base, principalmente, em referenciais teóricos de Schön (1983), Carr e Kemmis (1988), Zeichner (1993), Porlán (1996), Tardif (2000) e (Vigotski, 1984, 1987, 1989, 2001). Nesse sentido, todas as cinco sessões do módulo triádico foram registradas em áudio, cujas transcrições permitiram construir dados concernentes à recontextualização didática do conteúdo químico e a condicionantes sociais da atividade docente escolar em química. As cinco sessões dos módulos triádicos são: 1) planejamento do módulo, que é feito através da interação entre o formador da universidade, o professor de química da escola média e o pesquisador, para definir o tratamento do conteúdo químico a ser desenvolvido no módulo; 2) relatos da vida profissional do professor de química da escola média em aula na disciplina/licenciatura; 3) simulação de recortes da prática docente concernentes ao ensino de tal conteúdo na escola média; 4) intervenções do formador universitário em relação ao respectivo conteúdo; 5) avaliação do módulo pelos sujeitos participantes. Resultados da investigação revelam que os módulos triádicos podem promover o estabelecimento de relações entre saberes teóricos e práticos concernentes à prática docente na escola média, em química. As contribuições referem-se à perspectiva da inserção do módulo triádico em programas de formação docente inicial, descrito como uma possibilidade de suplantação de idéias simplistas sobre a prática docente em química na escola média. Nesse sentido, o módulo triádico pode ser assemelhado a um practicum reflexivo num contexto de desenvolvimento proximal, que contribui para a promoção da formação inicial de professores de química.


ZIMMER, Viviane de Almeida.

Espaços e momentos de reflexão no currículo da formação inicial de professores: um olhar a partir da química. Passo Fundo, Faculdade de Educação, UPF, 2005. 125p. Dissertação de Mestrado. (Orientadora: Solange Maria Longhi).

Resumo: Partindo de uma retrospectiva sobre o desenvolvimento da química, uma das áreas requisitadas como alicerce de um desenvolvimento científico, tecnológico e humano sustentável, o presente trabalho examina as exigências da progressiva formação de professores destinados à área de ciências e da química ensinada nas escolas de educação básica no Brasil. Aborda a questão da formação inicial desses professores em instituições de educação superior do Rio Grande do Sul, Brasil. Fundamenta-se na linha de formação do professor reflexivo e pesquisador na perspectiva dos vínculos teoria-prática. Defende a idéia de que na sua formação inicial é importante oportunizar espaços e momentos em que os futuros docentes possam ser estimulados à reflexão e ao diálogo sobre a escola, o ensino, a aprendizagem de química e, especialmente, as concepções, as ações e as atitudes de uma prática pedagógica. A metodologia adotada no estudo envolve análise documental e análise das respostas aos questionários aplicados aos coordenadores dos cursos que participaram do presente estudo: cinco IES de natureza administrativa particular, comunitária e federal. O estudo permitiu-nos constatar uma tendência no desenvolvimento de disciplinas de conhecimento específico da área em que há maior ênfase na idéia da formação do químico, sendo colocada de lado muitas vezes a formação do professor de química, não fazendo referências a uma possível aproximação com o contexto escolar e com o desenvolvimento da recontextualização didática. Quando reconhecidos, nas instituições pesquisadas, espaços e momentos de formação de estreita relação com o contexto escolar e a prática profissional, infere-se que haveria melhores condições para o desenvolvimento de uma consciência crítica sobre a futura profissão, forjada com base na oportunidade de convívio e reflexão sobre a realidade concreta da escola. Portanto, na formação inicial de professores de química, quanto mais forem estimulados e consolidados espaços e momentos para que os futuros professores possam refletir, problematizar e dialogar sobre a escola, sobre o ensino e a aprendizagem de química e, sobretudo, sobre a prática pedagógica, buscando desenvolver e formar um professor pesquisador e investigador de sua própria prática, melhores serão as condições de formação desse importante profissional.


ZIMMERMANN, Ciro Maurício.

A Formação Inicial do Professor e a Adaptação do Ensino de Química em uma Instituição Tecnológica. Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Tecnologia. 2000. 149 p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Herivelto Moreira).

Resumo: Os objetivos deste estudo foram: a) verificar o posicionamento dos professores com relação a formação inicial e a sua adaptação ao ensino tecnológico, b) identificar as percepções dos professores de química frente a Educação Tenológica e c) relacionar as contribuições do ensino de química no contexto de uma instituição tecnológica. A metodologia utilizada foi a qualitativa de natureza interpretativa. Os participantes do estudo foram 15 professores do Curso Técnico em Alimentos do CEFET-PR/Unidade Ponta Grossa em diferentes estágios da carreira docente. Os principais resultados mostraram que os professores de química têm opiniões claras sobre as contribuições da formação inicial e a grande maioria pensa que essa formação não os prepara para a docência reconhecendo os problemas advindos dessa formação principalmente no que diz respeito a adaptação ao ensino em uma instituição tecnológica. As evidências mostraram que os professores participantes do estudo na sua grande maioria concordam que não há integração entre as disciplinas de Química com as disciplinas técnicas e não há uma relação entre os conteúdos de Química e a proposta do Curso Técnico em Alimentos. Esses resultados trazem implicações importantes e significativas para a prática pedagógica dos professores e para a formação de profissionais e futuros cidadãos, pois demonstram que a Química deve ser contextualizada na realidade do mundo do aluno.


ZIMMERMANN, Licia

A importância dos laboratórios de Ciências para alunos da terceira série do Ensino Fundamental. Cidade, Faculdade, PUC-RS, 2005. 98 p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Vicente Hillebrand).

Resumo: Este trabalho trata da importância dos laboratórios de Ciências para alunos das séries iniciais. Foram acompanhadas todas as aulas das turmas de terceira série do Ensino Fundamental ocorridas nos laboratórios de Física, de Química e de Biologia de uma escola privada. Após, foram realizados questionários e entrevistas com professores e alunos dessa série para detectar aspectos positivos e negativos dessas atividades e suas repercussões. Foi possível verificar que as aulas ocorridas nos laboratórios de Ciências são de grande importância na vida escolar dos estudantes e que elas devem ser proporcionadas aos alunos desde as séries iniciais, nas quais os conceitos de Ciências começam a ser apresentados e construídos pelos alunos.


ZULIANI, Silvia Regina Quijadas Aro

Prática de ensino de Química e metodologia investigativa: uma leitura fenomenológica a partir da Semiótica Social. São Carlos, Educação, UFSCar, 2006, 288p. Tese de Doutorado. (Orientador: Dácio Rodney Hartwig).

Resumo: As Práticas de Ensino, na qualidade de disciplinas integradoras entre o conhecimento específico das Ciências em geral e os conhecimentos pedagógicos para o exercício docente, têm se tornado o locus da discussão sobre a formação para o ensino. Neste trabalho, apresentamos o resultado de uma pesquisa realizada através de um projeto de intervenção, levado a termo com licenciandos em Química com base numa proposta que utilizou a Metodologia Investigativa, no desenvolvimento das disciplinas Prática de Ensino de Química I e II, na Universidade Federal de São Carlos. O objetivo da pesquisa foi buscar as percepções dos sujeitos de pesquisa a respeito da própria aprendizagem e sua transferência a outros contextos e utilizou-se o referencial proposto pela Fenomenologia e Semiótica Social para a análise dos dados. Esta análise confirma o potencial da metodologia proposta no desenvolvimento metacognitivo dos sujeitos e indica um processo evolutivo em suas concepções. Gradualmente, eles percebem a construção de estratégias de aprendizagem como um processo de construção pessoal. Por outro lado, ocorre uma valorização desta construção como conhecimento profissional que precisa ser desenvolvido nos alunos através da atuação do professor (transferência a outros contextos e aplicabilidade do conhecimento). A reflexão propiciada pelos sujeitos levou-os a reconhecer a complementaridade entre ensinar e aprender, tornando-se ambos processos indissociáveis. Os alunos foram capazes de construir e reconstruir o significado de aprender com o ponto de chegada na percepção da responsabilidade pelo próprio processo de aprendizagem e na necessidade de aplicar estes conhecimentos a novos contextos ação, ou seja, na atividade profissional.


ZULIANI, Silvia R. Q. Aro

A Utilização da Metodologia Investigativa na Aprendizagem de Química Experimental. Bauru, Educação para a Ciência, UNESP, 2000, 289p. Dissertação de Mestrado. (Orientador: Antonio Carlos Dias Ângelo).

Resumo: O uso da experimentação e do laboratório didático no Ensino de Ciências tem sido objeto de exaustiva pesquisa. Vários pesquisadores vêm delineando propostas que têm contemplado a atividade do aluno. Dentre estas, o método investigativo tem mostrado eficácia na melhoria da qualidade das aulas experimentais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a aplicabilidade do método investigativo em atividades experimentais no Ensino de Química. O método permite ao aluno assumir a responsabilidade por sua própria aprendizagem, e ao professor o papel de orientador e mediador do processo. Este trabalho foi desenvolvido com um grupo de alunos da disciplina Laboratório de Química Geral e Inorgânica, Licenciatura em Física, UNESP, campus de Bauru. Os alunos foram convidados a desenvolver projetos de pesquisa orientados, cujos temas abordavam assuntos envolvidos na química do cotidiano, com plena liberdade na escolha do tema, elaboração e desenvolvimento da atividade experimental. As linhas gerais norteadoras do trabalho estiveram divididas em três partes principais: elaboração do projeto de pesquisa, desenvolvimento experimental e redação e discussão do relatório final. Os dados da pesquisa foram colhidos durante a discussão dos projetos e relatórios desenvolvidos e utilizou-se para tanto, o recurso da gravação em áudio. Os resultados mostraram que a estratégia metodológica empregada proporcionou aos alunos um efetivo incremento na aprendizagem dos assuntos abordados nos projetos. À medida que passaram a perceber a própria capacidade, o trabalho foi desenvolvido com mais interesse e dedicação. Durante o desenvolvimento deste curso constatou-se uma utilização crescente de estratégias metacognitivas, pois os alunos se perceberam responsáveis pelo próprio desenvolvimento. Embora os estudantes não tenham demonstrado plena consciência de seu papel no processo de aprendizagem, as evidências mostraram que foram utilizadas estratégias metacognitivas capazes de facilitar seu desenvolvimento. É de fundamental importância que as estratégias de ensino procurem promover este reconhecimento e controle, pois se-tratam de ferramentas básicas para a promoção do crescimento cognitivo.

Comments