A estranha bandeira branca.



Certa manhã, num cenário antigo da cidade do Rio de Janeiro (br) , como por encanto, surge tremulando  uma bandeira branca bem ao lado da lua.

O objeto , claramente identificável, que encontrava-se nos céus do Grajaú, não se tratava de um pedido de trégua e nem um mero ato de romantismo como usualmente se pensa e muito menos um OVNI.  Aquele pedaço de pano, locado  no zênite onde é hoje a favela da Nova Divineia, também não era uma coincidência carregada pelo vento e que ocasionalmente enroscou-se nos cabos de alta voltagem que riscam os limites do  nosso céu com o caminho das nuvens . 

Embora se encontrasse numa altitude relativa (+ -) de 200 m. acima do plano onde estávamos, quando visto ao telescópio, percebia-se que era um  enorme tecido de algodão branco, provavelmente uma grande “colcha de casal” a  qual a haviam-na  fixada horizontalmente "com dois visíveis nós s”  evidenciando-nos tratar-se de um ato e não um fato alimentado pelo acaso e imaginação como os círculos nas plantações.  Aquilo que víamos era um ato intencional feito por alguma entidade  que apenas desafiava  a compreensão daquelas pessoas  que nao passavam de pobres mortais (eu também)  .

Além do estandarte, fixado num dos fios de alta tensão, misturado a uma dezenas de outros cabos igualmente energizados, encontrava-se também (num dificílimo acesso aéreo) a meio caminho entre duas torres de distribuição de energia elétrica construídas nos cumes de 2 montanhas do maciço atlântico o que dificultava ainda mais aceitar o fato já que na época e ainda hoje, não haviam escadas que chegassem aquela altura e mesmo se houvesse, quem subiria lá?

 

Muitos moradores das ruas próximas , rua Rosa e Silva, na ladeira da Henrique Morize e principalmente na rua Raja Gabaglia são testemunhas oculares daquele instante, entre os presentes, faço questão de mencionar alguns personagens que assistiram a tudo. Haviam os irmãos Leonardo Cezar e Lecy Consuelo Neves, meus irmãos Amir, José Mauricio e o Tufy Simão Neto, os irmãos Egon , Ericson e Eielsom, o Helio Canabarro filho do industrial de alfinetes de segurança Baby, as gêmeas Marly e Marlene, O Pedrinho, Paulinho e Biu filhos do Dr Pericles, o Serginho Frota (+) e seu pai o general Sylvio Frota (+) antes de ser ministro da guerra , todos eles, entortavam o pescoço e olhavam atentamente para aquele desafiador cenário.

Fato novo para o pacato bairro tanto que, conforme iam correndo as horas, começavam  a formar outros grupos de curiosos que igualmente indagavam entre si; como poderia alguém fazer aquilo e justo naquela lugar ?

- Logicamente que a bandeira foi hasteada na calada da noite....si não,...nos teríamos a visto ontem !
Era essa a conclusão mais lógica proposta por um dos especialistas presentes e de fato, "na tarde anterior não havia nenhum objeto não identificado em nosso céu", estabelecido as horas  imediatamente começaram a surgir outras teorias  cada qual mais estranha.

- Pode ter sido obra dos movimentos comunistas! Opinavam uns ligando os fatos ao temor da atual política.

- Ou quem sabe? Algum movimento pró revolucionário - só eles tinham condições para isso Acrescentavam outros. Sem duvida que naquela época, eram essas as sugestões mais aceitas.

Não aconselho nenhum dos presentes a repetir tal façanha, mas para se ter uma, ideia de perigo envolvido, cito o depoimento de uma autoridade no assunto que estava entre os presentes "um engenheiro eletricista recém formado" o qual explicou-nos em forma

http://www.rmcybernetics.com/images/main/teslacoil_close.jpg
simples a clara o grau de dificuldade que  o provável pichador encontraria e segundo suas palavras, afirmou que não havia como, alguém chegar nem próximo ao cabo energizado porque estaria infringindo a tal lei das pontas ou seja se submetido ao efeito Nikolas Tesla (veja).

Nesse sentido, caso alguém avisado ou não avisado e acreditando ou não na placa de advertência “com caveira dois ossos em X com uma caveira prefixada nas torres de transmissão energia” esticasse o braço, apontando o dedão,  mesmo se o infeliz estivesse afastado uns 3 metros do local... como um relâmpago uma faísca elétrica ( de 300.000 walt's ) , saltaria do reator em direção à ponta do dedo do herege e o fulminaria instantaneamente.



Para evitar isso, um dos espectadores sugeriu que o moleque teria se informado da hora e o dia certo que o pessoal da manutenção desligavam os cabos e nesse espaço de tempo teria subido lá ajudado com uma escada e amarrado a bandeira.

A idéia até que procede, mas você usaria essa escada??

Em meio ao mar de propostas, aventou-se a possibilidade de um único suspeito, munido de uma roupa totalmente emborrachada, durante a noite , subisse em uma das torres e com o auxilio de uma roldana presa por um gancho às costas , rolasse , por entre os cabos até o local - Mas como voltaria ?... e a umidade da noite ? Ainda outro depoimento de um técnico- Só é possível chegar perto se a pessoa possuísse uma roupagem de aço e totalmente isolada e com um circuito ligado a terra ( muita coisa para um grupo de pichadores que não tinham nem dinheiro para adquirir um Spray, de fato era muito..... muito perigoso até sonhar, o que dirá pensar em subir lá numa imensa escada afim de desatar os dois nós .

Em vez da imaginária escada tremulante, ou do equilibrista de plantão
se desenvolvêssemos, uma escala de grandeza para medir o grau de periculosidades envolvidos em várias proezas humanas, com certeza , se igualaria a soma das dificuldades que levaram o homem a lua.
O Equilibrista

Aquele cenário que sugeria mais , um alerta da terceira Ordem Mundial,  perdurou por muito tempo, até que num determinado dia, exatamente no local, um enorme balão de São João, enrosca-se nos cabos de AT e "lambe", ficando com boca  (onde prende a bucha) 
e canalha presas entre a bandeira e cabos energizados fazendo-os emitir faíscas para todos os lados . Ali debaixo chegávamos a ouvir o pipocar ininterruptos e ver, as faíscas correndo em volta e por entre os fios da fina estrutura carbonizada que se formava e desse modo, ao mesmo tempo que esvaecia-se e em frações de minutos o cenário volta a sua forma original, mostrando  tão somente um céu azul rabiscado apenas com os brilhantes fios do progresso.

Aproveitando o modismo temático de hoje segue uma outra hipótese, não cogitada na época, que com certeza elucidaria a autoria de tal façanha é a seguinte; Além de pichadores ou terrorista , existe a possibilidade de seres de outros planetas estarem irrigando a nossa energia.  Seriam então as únicas pessoas aptas em executar esse tipo de façanha e caso convivessem entre nós " eu especialmente não acredito em discos voadores" ,  provavelmente que os extraterrestres seriam imunes as leis da física que governam o nosso planeta e quando muito da própria legislação.

Será que tal feito, foi obra de um extraterrestre  ?

Alguém sugere melhor versão para esse fato? Se for o caso de alienígenas, ajude-me a resolver alguns paradoxos que certamente surgirão.

Segundo nossa legislação, caso tenha sido o terráqueo :

Diriam foi obra do Pichador e o mesmo, será imediatamente preso devido as novas leis vigentes na nação. – Lei que protege os direitos autorais e os monumentos.da  pichação"

Caso tenha sido o Marciano:

Diriam , foi obra de um extraterrestre em visita ao pais e o alienígena seria logo aclamado como herói e ainda, procurariam saber como ele fazia para dominar as altas energias.

Afinal o que e quem são essas pessoas especiais acima da legislação  que ainda se dão ao luxo de desafiar as leis da física?

Alguém poderia enviar-me uma sucinta explicação?

* Os misteriosos círculos nas plantações.

Email:: 1qq@bol.com.br

WebRep
Overall rating
 
WebRep
Overall rating
 
WebRep
Overall rating
 
WebRep
Overall rating
 
WebRep
Overall rating
 
WebRep
Overall rating
 
WebRep
Overall rating