H u m p h r e y s



O SOBRENOME HUMPHREYS

O nome de família surgiu nas Ilhas Britânicas como patronímico (filho ou filha de Humphrey, a versão inglesa de Hunfrid, um prenome de origem germânica). Em suas inúmeras grafias (e.g. Humphries, Humphrey, Humfrey, Humfries, Humfers etc.), é hoje encontrado em todo o mundo anglófono e, na forma Humphreys ou Humphrey, é relativamente comum no sudoeste da Inglaterra e no País de Gales.

No Brasil, existe desde a chegada dos ingleses John Barnett Humphreys ao Rio de Janeiro em 1834 e Hugo (ou Hugh) Humphreys a Minas Gerais por volta de 1840.

Estima-se em 220 mil o total de pessoas no mundo com Humphreys, Humphrey ou Humphries como último nome, dos quais 100 mil nos Estados Unidos, 50 mil no Reino Unido, 15 mil na Austrália, 11 mil no Canadá, 10 mil na África do Sul e 1 mil no Brasil.




CRONOLOGIA DO RAMO FAMILIAR DE HUGO HUMPHREYS (*Inglaterra c.1815; +Minas Gerais, Brasil c.1870)
(episódios históricos relevantes aparecem em vermelho)

1694   São descobertas as primeiras jazidas de ouro no Brasil.

1709   O governo português cria a capitania de São Paulo e Minas de Ouro, cujo território abrange, entre outros, os dos atuais estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná e do Distrito Federal.

c.1780   Caracterizada pelas mesmas técnicas primitivas do século anterior (lavra a céu aberto e aluvião), a exploração de ouro em Minas Gerais entra em declínio.

1808   Sob tutela inglesa, a família real portuguesa chega ao Brasil.

1824   O comerciante e especulador inglês Edward Oxenford obtém autorização do imperador Pedro I para extrair ouro no Brasil. Forma a Imperial Brazilian Mining Company e compra de João Batista Ferreira de Souza Coutinho, futuro Barão de Catas Altas, as minas de Gongo Soco (no atual município de Barão de Cocais, MG). É o início de nova fase da exploração de ouro em Minas Gerais, marcada pelo controle britânico das lavras e pelo emprego de técnicas mais avançadas de mineração, em especial as lavras subterrâneas desenvolvidas no sudoeste da Inglaterra e no País de Gales. Apesar do avanço técnico, os capitalistas ingleses mantêm um dos elementos mais arcaicos da tradicional exploração luso-brasileira: o trabalho escravo.  

Scene at washing house of Gongo Soco Gold Mine, in Brazil (HICKSON, Richard S., circa 1840, coleção Beatriz e Mário Pimenta Camargo)

c.1825
O militar Raimundo Nonato de Souza Coutinho, parente do futuro Barão de Catas Altas, e Rosa Constança de Azeredo Coutinho casam-se em Rio das Pedras (hoje Acuruí, município de Itabirito, MG). Terão seis filhos no total: Francisco de Assis (nascido em 1826),  Maria Ana (batizada em 9 de agosto de 1827), Raimundo Nonato (batizado em 26 de maio de 1828), Ana Josefina (nascida em 1829), João Batista (batizado em 31 de outubro de 1830) e Rosa Constança (filha póstuma de Raimundo Nonato, batizada em 19 de fevereiro de 1832).

Mapa do atual município de Itabirito, com Acuruí (Rio das Pedras) e Morro de São Vicente na margem direita do Rio das Velhas (EA/UFMG)

1828   Afastado da Imperial Brazilian Mining Company por desentendimentos com os demais acionistas, Oxenford funda nova empresa, a National Brazilian Mining Association, e volta a comprar minas de João Batista Ferreira de Souza Coutinho, desta vez as de Macaúbas.

27 de outubro de 1831
Rosa Constança de Azeredo Coutinho aparece no recenseamento de Rio das Pedras como "branca, 30 anos, viúva e mineira". Sob sua responsabilidade, constam seus cinco filhos menores (à época, estava grávida do sexto filho com Raimundo Nonato, uma menina que receberá seu nome, Rosa Constança), o agregado José Gil ("pardo, 12 anos") e 31 escravos (com idades entre 1 e 34 anos). Maior proprietária de escravos na freguesia, Rosa Constança provavelmente explorava ouro em suas terras, nas minas da Paciência e do Morro de São Vicente. No mesmo recenseamento, aparece como morador da freguesia o mineiro inglês William Tregonning, natural da região de Redruth, Cornwall,  que veio ao Brasil para trabalhar nas empresas de Edward Oxenford. Com Tregonning,  estão listados os membros de sua família (mulher, uma filha e três filhos "já em trabalho") e "oito ingleses trabalhadores".


Habitantes sob responsabilidade de Dona Rosa Constança de Azeredo Coutinho (Recenseamento de Rio das Pedras, 27 de outubro de 1831)

1834   A National Brazilian compra da família de José Feliciano Pinto Coelho da Cunha, futuro Barão de Cocais, os direitos de exploração de ouro na serra de Cocais, incluindo a mina de Brucutu, na localidade de São José do Brumadinho. A empresa passa a ser conhecida como United Mocaubas and Cocaes National Brazilian Mining Association.

31 de outubro de 1836
A viúva Rosa Constança de Azeredo Coutinho casa-se com o inglês James Clark (que aparece com o nome aportuguesado de "Diogo Clarky") na igreja de Nossa Senhora da Conceição, Rio das Pedras. Note-se que Clark não precisou se converter ao catolicismo, uma vez que os noivos obtiveram "dispensa (...) de disparidade de culto".

Certidão de casamento de Rosa Constança de Azeredo Coutinho e James Clark (Acuruí, MG, 1836)

29 de dezembro de 1839
Três anos após seu casamento com Rosa Constança de Azeredo Coutinho,  James Clark converte-se ao catolicismo em Ouro Preto, atendendo "aos dictames de sua consciência esclarecida certamente pela circunspecta e zelosa cathequese de seu cunhado o Reverendo Sr. Emerenciano Maximino [de Azeredo Coutinho] (...) e excitada pela impressão dos exemplos de sua digna esposa".
"Diário do Rio de Janeiro"  (10 de janeiro de 1840)

c.1840
Hugo Humphreys chega ao Brasil, provavelmente a serviço das empresas Imperial Brazilian Mining Company (Gongo Soco) ou National Brazilian Mining Association (Cocais). Assim como William Tregonning, a maior parte dos mineiros ingleses em Gongo Soco e Cocais é originária da região de Redruth, Cornwall, no sudoeste inglês, onde o sobrenome Humphreys ocorre com relativa frequência. O mais provável, portanto, é que Hugo Humphreys tenha nascido em Cornwall -- embora não se possa descartar a hipótese de naturalidade galesa. Existe, ainda, a possibilidade de algum parentesco com o engenheiro e inventor inglês John Barnett Humphreys (Londres, 1787 - Rio de Janeiro, 1858), que imigrou para o Brasil em 1834 a serviço da Rio Doce Company, empresa de capital inglês criada precisamente com o objetivo de escoar o ouro explorado em Minas Gerais.


9 de janeiro de 1850
Nos arredores da mina de Brucutu, na capela de São José do Brumadinho, paróquia de São João do Morro Grande (hoje Barão de Cocais, MG), Hugo Humphreys casa-se com Ana Josefina de Souza Coutinho, de 21 anos, filha do falecido Raimundo Nonato de Souza Coutinho e de Rosa Constança de Azeredo Coutinho Clark. A certidão revela que Humphreys se converteu ao catolicismo para o casamento ("...Hugo Humphreys, inglês, depois de ter prestado seu juramento e ter feito as prestações de fé e de abjuração na Matriz diante de muitas pessoas..."). Entre as testemunhas, constam Francisco de Assis de Souza Coutinho e João de Azeredo Coutinho, respectivamente irmão e tio de Ana Josefina.

Certidão de casamento de Hugo Humphreys e Ana Josefina de Souza Coutinho (Barão de Cocais, MG, 1850)

c. 1850
Após seu casamento com Ana Josefina de Souza Coutinho, Hugo Humphreys passa a morar em Rio das Pedras, onde nascem seus filhos Maria (batizada em 30 de julho de 1851), Raimundo (batizado em 10 de julho de 1852), Rosa Josefina (batizada em 1856, em Barão de Cocais), José (batizado em 10 de maio de 1858), João (batizado em 23 de setembro de 1860) e Jorge (batizado em 10 de dezembro de 1861, cujos padrinhos são Bernardo Nascentes Pinto e Ana Casemira, respectivamente genro e filha do Barão de Cocais). 

1853   A comarca de Curitiba se emancipa de São Paulo com o nome de província do Paraná. 

1856   Gongo Soco encerra suas atividades. Em 32 anos de operação da mina, os ingleses conseguem extrair quase 13 toneladas de ouro, riqueza que -- assim como a de Brucutu -- nada serviu ao desenvolvimento da região (um século e meio mais tarde, as minas de Gongo Soco e Brucutu são exploradas pela companhia Vale por causa de outro minério, o ferro).

18 de abril de 1856
No livro do registro de terras de Rio das Pedras, Rosa Constança de Azeredo Coutinho, novamente viúva, aparece como proprietária da "Fazenda Passa Tempo". No registro detalhado, é declarada proprietária "das fazendas de cultura, terras minerais e campos nesta freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Rio das Pedras, aplicação do Morro de São Vicente, (...) nos lugares denominados Passa Tempo, Ouro Fino, Morro das Almas, Terreno Paciência".

Registro das propriedades rurais de Rosa Constança de Azeredo Coutinho (Acuruí, MG, 1856)

10 de maio de 1858
José de Souza Coutinho Humphreys, filho de Hugo Humphreys e Ana Josefina de Souza Coutinhoé batizado na igreja de Nossa Senhora da Conceição do Rio das Pedras (na atual Acuruí, município de Itabirito, MG).

Certidão de batismo de José de Souza Coutinho Humphreys (Acuruí, MG, 1858)

c.1862
Hugo Humphreys fixa residência em Mariana, MG, para trabalhar na mina de ouro da Passagem (a meio caminho entre Ouro Preto e Mariana), controlada desde 1859 pelo inglês Thomas Bawden e, partir de 1863, pela Anglo Brazilian Gold Mining Company. Em Mariana, nascem Elisa (batizada em 23 de julho de 1863, cujo padrinho é João Bawden, filho de Thomas) e Francisco de Souza Coutinho Humphreys (batizado em 3 de novembro de 1867).

Mapa das principais minas de ouro de Minas Gerais no séc. XIX (adap. de M.C.Eakin)

1864
As minas do Morro de São Vicente são vendidas por 36 mil libras (equivalente a cerca de 2 milhões de libras atuais) à empresa inglesa East Del Rey Company.

1867
Em sua viagem ao rio São Francisco, o diplomata e explorador inglês Richard F. Burton visita o Morro de São Vicente. No primeiro volume de "Explorations of Highlands of the Brazil", publicado em 1869, Burton menciona que São Vicente pertencera "a D.Rosa, viúva de um mecânico inglês".

 BURTON, Richard F.  "Explorations of Highlands of the Brazil", 1869, p.417.

1868
As terras de São Vicente passam à recém-criada Sao Vicente Mining Company.

20 de novembro de 1869
Em relatório publicado pela Sao Vicente Mining Company no London Standard, o veterano minerador William Treloar, outro oriundo de Cornwall, recomenda a exploração da "mina de Humphreys", que contaria com "promissor veio".

 "Standard" (Londres, 1869)

19 de junho de 1874
O "Diário de Minas" registra o falecimento de Rosa Constança de Azeredo Coutinho na província do Rio de Janeiro.

 "Diário de Minas" (Ouro Preto, MG, 1874)

c.1880
José de Souza Coutinho Humphreys muda-se para o Paraná, provavelmente a fim de trabalhar na construção da linha ferroviária entre Curitiba e Paranaguá.

1885   É aberta a linha ferroviária entre Curitiba e Paranaguá. 

12 de setembro de 1886
Na Catedral de Nossa Senhora da Luz, Curitiba, José de Souza Coutinho Humphreys casa-se com Matilde Ferreira de Azevedo, natural de Morretes, Paraná

Certidão de casamento de José Humphreys e Matilde Ferreira de Azevedo (Curitiba, PR, 1886)

16 de outubro de 1888
Nasce em Curitiba José Humphreys, filho de Matilde e José de Souza Coutinho Humphreys

Certidão de batismo de José Humphreys (Curitiba, PR, 1888)
 
1914
Morto em 3 de janeiro de 1914, José de Souza Coutinho Humphreys deixa pecúlio em favor de sua terceira mulher, Anália, e de seus filhos José, João, Ernesto, Elvira, Frederico e Elmira.

A República (Curitiba, PR, 4 de dezembro de 1914)

c.1919
Funcionário da Estrada de Ferro do Paraná assim como seu pai, José Humphreys fixa residência em Ponta Grossa, a 100 km de Curitiba.

1º de abril de 1920.
José Humphreys e Rafaela Hernandez Cabezon, filha dos espanhóis Elisa e Juan Cabezon, casam-se em Ponta Grossa, Paraná.

José e Rafaela Humphreys (c.1920)

Fontes: Arquivos paroquiais de Minas Gerais e do Paraná, Arquivo Nacional (Brasil), Biblioteca Nacional (Brasil), Arquivo da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais.



NONDVM ADVENIT OPTIMVS

Comments