Histórico

No Inicio:

No inicio do ano letivo, esta Associação identificou vários problemas, que colocavam em risco o ensino dos nossos alunos e acima de tudo a integridade física dos mesmos. Depois de em Agosto terem sido remetidas cartas para todas as entidades oficiais e de não ter sido obtida qualquer resposta afirmativa, optámos em Outubro de 2011 por convocar uma concentração de pais, para reclamar do seguinte: 
  •  O Depósito de gás que nunca tinha sido alvo de inspeção desde a sua instalação; 
  •  O  Posto  de  Transformação  (PT), construído sobre linha de água e constantemente alagado; 
  •  Infiltrações de água nas instalações elétricas da escola; 
  •  Mau estado dos telhados, com constantes entradas de água nas salas de aula durante o Inverno; 
  •  Falta de aquecimento das salas de aula; 
  •  Bancos de cimento deteriorados; 
  •  Telheiros em amianto em elevado estado de degradação; 
  •  Mau estado do pavimento do recinto escolar e da vedação.
 
Escolhemos estes temas para a convocação, mas muitos outros haveria para divulgar, como: 
  • As  estruturas  dos  edifícios  de  betão  estão a deteriorar-se e a apresentar sinais de degradação avançada; 
  • A  falta  de Assistentes Operacionais  (AO)  na Escola E.B. 2, 3 Dr. Rui Grácio, apesar do rácio do agrupamento se encontrar preenchido; 
  • A  sobrelotação  da  escola  que impede a existência de horários completos (das 09h às 17h); 
  • A ausência de Espaços Verdes na escola. 
  • As más condições do Pavilhão gimnodesportivo; 
  • O facto da Escola não ter passado para a responsabilidade da Câmara Municipal de Sintra, devido ao seu mau estado de conservação; 
  • O estado degradado do mobiliário e equipamento que está ao dispor dos alunos; 
  • O deficiente controlo nas entradas e saídas dos alunos na escola.

Actualmente:

Em 11OUT11 esta Associação decidiu convocar a Concentração de pais à porta da escola, como forma de dar visibilidade ao nosso descontentamento, mas desde essa data muitas foram as acções que desenvolvemos na reivindicação dos interesses dos nossos alunos. Para que saibam, apresentamos no quadro os passos que demos e os caminhos que percorremos. 
 
Desde esse dia, o Depósito de Gás  já  foi substituído, a DREL de Lisboa disponibilizou para a nossa escola em Dezembro passado, a quantia de € 92.250,00 (€ 75.000,00 + IVA) e a EDP já se comprometeu em colocar uma rede em volta do PT (Posto de Transformação). 
 
À verba da DREL, a Direção da escola somou algumas verbas próprias do orçamento da escola e decidiu aplicar nas seguintes obras: 
  • Colocação  de  lancis  para evitar que as terras voltem a entrar no sistema de escoamento das águas pluviais; 
  • Arranjo da rede exterior; 
  • Reparação do cimento que se está a desfazer nos pavilhões;  
  • Substituição ou reparação dos degraus partidos; 
  • Cobrir os cabos de eletricidade que se encontram a descoberto; 
  • Colocação de um portão  adicional  com fechadura elétrica associada ao cartão de aluno; 
  • Vão ser realizados alguns trabalhos de jardinagem. 
 
Desde NOV11 que um elemento da APEE, está no interior da Escola, todas as  terças  feiras, entre as 18h00m e as 19h00,  à  disposição  de  todos  os  pais  e  encarregados  de educação que necessitem da nossa ajuda. 
 
Criámos outras formas para que os pais e encarregados de educação nos contactassem, tendo implementado no inicio do ano lectivo  um fórum,  depois disso abrimos o nosso site em         https://sites.google.com/site/asspaiseb23drruigracio/ , e recentemente criámos a nossa página no Facebook com o nome: “APEE EB23 Dr. Rui Grácio”, que vem substituir o fórum. 

Para o Futuro:

A nossa convicção de que a nossa escola precisa de melhores condições não está a desvanecer, nem pensamos que já conquistamos alguma coisa, porque não iremos parar até que tenhamos uma escola adequada às necessidades dos nossos filhos. 
É por isso que mantemos as nossas reivindicações, para que haja  um plano para  a  requalificação da  escola e não pela vinda esporádica de pequenos apoios que apenas atenua a agonia e que nada resolvem.  
Mantemos como principais problemas os seguintes:
 
  • TELHADOS: são constituídos por fibro-amianto, que é um produto cancerígeno, manteremos a exigência da sua substituição e a realização imediata da medição ambiental do índice de partículas cancerígenas;  
  • DEPÓSITO DE GÁS: foi substituído, mas ainda nos foi apresentado o licenciamento emitido pelas entidades competentes; 
  • ESCOAMENTO  DAS  ÁGUAS  PLUVIAIS: foram limpas as raízes, mas como há manilhas partidas, num futuro muito breve as raízes voltarão a crescer e a entupir os drenos e voltamos ao mesmo problema. Há que substituir todas as manilhas que apresentem fracturas; 
  • POSTO DE TRANSFORMAÇÃO: há o compromisso da EDP, mas ainda não há data definida, por isso teremos que manter a pressão e exigir a colocação da rede de segurança; 
  • O MOBILIÁRIO, O PISO, AS PORTAS, AS JANELAS E AS PAREDES DAS SALAS DE AULA: estão num tal grau de degradação, que a frequência daquele espaço pelo nossos filhos constitui um atentado à dignidade que eles merecem. Exigimos material  condigno  e decente para o uso dos nossos alunos; 
  • PISO  EXTERIOR: o espaço anexo aos pavilhões está caótico. Há que repavimentar todo o recinto e recuperar as zonas de recreio; 
  • ESPAÇOS  VERDES: há que embelezar a escola e torna-la mais agradável, construindo e mantendo espaços verdes; 
  • VIOLÊNCIA: existe na escola um crescente de violência, quer psicológica, quer física, tendo-se registado um aumento dos processos disciplinares, sendo este hoje, um grande problema existente.