Pesquisar o site


Felicidade

Sérgio Biagi Gregório

1) O que significa a palavra felicidade?

A felicidade pode ser entendida de diversas formas: como bem-estar, como atividade contemplativa, como prazer etc.

De acordo com Abbagnano, o conceito de felicidade é humano e mundano. Em geral, é um estado de satisfação devido à própria situação do mundo. Por essa relação com a situação do mundo, a noção de felicidade difere da de beatitude a qual é o ideal de uma satisfação independente da relação do homem com o mundo e por isso limitada à esfera contemplativa ou religiosa.

2) Como vê-la historicamente?

Na Antiguidade, Sócrates referia-se ao "conhece-te a ti mesmo" como sendo a chave para a conquista da felicidade. Platão dizia que a felicidade é relativa aos deveres que o homem tem no mundo. Para Aristóteles, a felicidade é a identificação com as melhores atividades do ser humano.

No âmbito do Velho Testamento, a felicidade centra-se na aquisição dos bens mais elementares como comer, beber e viver em família e no temor a Iahweh, que equivale à atitude religiosa do homem. Na dimensão do Novo Testamento, a felicidade está nas bem-aventuranças prometidas por Jesus.

Plotino (204-270) afirma que a felicidade do sábio não pode ser destruída nem pelas circunstâncias adversas nem pelas favoráveis. Santo Agostinho (354-430) entende a felicidade como o fim da sabedoria, a posse do verdadeiro absoluto, isto é, de Deus. Tomás de Aquino (1225-1274), na Suma Teológica, utilizou a palavra "beatitude" como equivalente à "felicidade" e a definiu como "um bem perfeito de natureza intelectual". Kant (1724-1804) julga que a felicidade faz parte do bem supremo o qual é para o homem a síntese de virtude e felicidade. Bentham (1748-1832) e Stuart Mill ( 1773-1836) retomaram como fundamento de moral a fórmula de Beccaria: "A maior felicidade possível, no maior número de pessoas". (Abbagnano, 1970)

3) Há relação entre felicidade e os hemisférios do cérebro?

No final do século XIX, os médicos notaram algo estranho nas pessoas com lesão cerebral. Quando o dano era do lado esquerdo do cérebro, elas tendiam a ficar mais deprimidas. Richard Davidson, da University of Wisconsin, conduz uma pesquisa para certificar-se se o sentimento de felicidade é objetivo. Em seus estudos, coloca eletrodos em partes diferentes do couro cabeludo e lendo a atividade elétrica. Essas medições de EEG são então relacionadas com os sentimentos que as pessoas relatam. Quando elas experimentam sentimentos positivos, há mais atividade elétrica na parte frontal esquerda do cérebro; quando experimentam sentimentos negativos, há mais atividade na parte frontal direita. (Layard, 2008, cap. 2)

4) Qual a diferença entre a felicidade entendida por Jeremy Bentham e aquela propagada por Aristóteles?

Para Jeremy Bentham, filósofo do Iluminismo do século XVIII, a melhor sociedade é aquela em que os cidadãos são mais felizes. Felicidade aqui é definida como sentir-se bem. Portanto, a melhor política pública é a que produz mais felicidade. E quando se trata de comportamento individual, a ação moral correta é aquela que produz mais felicidade para as pessoas que afeta. Este é o princípio da Felicidade Maior. Aristóteles, por seu turno, acreditava que o objetivo da vida era a eudemonia, um tipo de felicidade associada à conduta virtuosa e reflexão filosófica.

5) Ter mais renda, mais diversão, mais poder é ter mais felicidade?

Pelo fato de não sabermos conceber plenamente a felicidade, ela aparece mesclada de diversos desejos. Uns imaginam encontrá-la na posse das riquezas, porque supõem que com o dinheiro tudo se compra e que a felicidade é uma mercadoria como tantas outras. Outros procuram encontrá-la nos prazeres sexuais, nas diversões, nos passeios. Outros ainda na glutonaria. Em realidade, estamos confundindo posse com felicidade, prazer com felicidade, desejo atendido com felicidade. A felicidade plena e verdadeira requer a atualização das virtualidades do ser espiritual.

6) Em que a concepção de Marx, acerca da felicidade, difere da de Allan Kardec?

Para Marx, a felicidade do indivíduo estaria presa aos proventos materiais do trabalho (salários).

Para Kardec, a felicidade do indivíduo iria além dos proventos materiais do trabalho (salários), pois implica evolução espiritual. São os bônus-horas de que nos fala o Espírito André Luiz, no livro Nosso Lar.

7) Como interpretar a máxima do Eclesiastes: "A felicidade não é deste mundo"?

Pode ser entendida de duas maneiras: 1) que há outros mundos mais evoluídos do que o Planeta Terra, onde a felicidade é mais plena; 2) que a felicidade não estando no mundo material, pode ser encontrada no mundo interior, como conseqüência do dever retamente cumprido.

Bibliografia Consultada

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo, Mestre Jou, 1970.

KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed. São Paulo: IDE, 1984.

LAYARD, Richard. Felicidade: Lições de uma Nova Ciência. Tradução de Maria Clara de Biase W. Fernandes. Rio de Janeiro: BestSeller, 2008.

São Paulo, janeiro de 2009

Em forma de palestra: http://www.sergiobiagigregorio.com.br/palestra/felicidade-nao-deste-mundo.htm

Apresentação em PowerPoint: http://www.sergiobiagigregorio.com.br/powerpoint/doutrina/felicidade-nao-e-deste-mundo.ppt

Mais textos em PowerPoint: http://www.sergiobiagigregorio.com.br/powerpoint/powerpoint.htm

Estude Online: Lista dos Cursos 24 Horas


Comments