Abiogêneses - Um breve capítulo.

A história é bem mais antiga e remonta o século XVIII, mas o que estou editando agora começou há 40 anos, época em os russos, munidos de sua ultra secreta tecnologia de escavação, resolveram perfurar um poço na península de Kola localizada mais para o oceano ártico do que o litoral à noroeste da  Sibéria, integrante da antiga União Soviética,
o pessoal ligado ao projeto acreditavam que os materiais conhecidos da época, usados na liga das ferramentas de corte, quando suficientemente resfriados seriam capazes de driblar  as temperaturas, próximas o limite de 300º centígrados, encontradas nas profundezas da terra  quando então alcançariam o perfil geológico pretendido no projeto, localizado à mais de 15 km de profundidade, e onde suspeitavam (ainda hoje) que houvesse algo diferente do que rocha e com certeza posso garantir, que não se trata de água.
Peninsula de Kola  >==>

Ao contrário das perfuratrizes, usadas em poços artesianos ou pelas petrolíferas em que as pontas da broca eram fixas a um eixo de comprimento infinito, isso é, igual a profundidade do poço, eles usaram o recurso de uma sonda elétrica acoplada a uma broca guarnecida no bordo de ataque com uma ferramenta de corte cujo o trabalho alimentado eletricidade seria  independente da curvatura das paredes do poço e assim poderia ser transmitido diretamente, do gerador  a broca, sem nenhum esforço externo.

Esse projeto foi suspenso por fadiga quando depararam que ao chegar na marca de 12 km as ferramentas de corte simplesmente perdiam a têmpera, depois desse, muitos poços foram abertos mundo afora em diversos países e  todos cobertos de um sigilo estratégico. As vezes preferiam dizer que eram para testes nucleares do que assumir o verdadeiro objetivo, qual seja,  a procura da origem inorgânica do petróleo . O único poço perfurado para fins nucleares foi no Paquistão quando um cientista milionário Abdul Qadeer Kahn achou por bem integrar o Paquistão no fechado clube atômico e para isso implodiu uma montanha.

No Brasil na época do presidente Geisel (ex presidente da Petrobrás) houve um poço que posteriormente foi fechado esse também disseram que era para fins militares quando na realidade só poderia ser financiado com dinheiro de alguma entidade petrolífera multi-nacional e mesmo porque ninguém faz buracos dessas dimensões para soltar fogos de artifício como fez o excêntrico Abdula.
Ha sim! a Cia T.Janer, aquela do lápis e do papel, eram especialistas em poços artesianos sendo que o objetivo era sugar água do subsolo para alimentar os eucaliptos que é a matéria prima destinada a fabricação de lápis e papel.

D
epois desses, surgem na bacia de Campos uma serie de poços em águas profundas, todos da Petrobrás e com isso a teoria sobre  a propriedade a biogênese ficou um pouco esquecida até que começaram a cavar poços mais profundos próximos as águas internacionais, quando de repente surge do nada a ministra chefa da casa cível anunciando-se proprietária de um teórico  poço, e pior, afirmando que só o Brasil tem.


As pessoas que lidam com o petróleo não são tolas, contudo a partir do momento que foi lançado uma bola, o pessoal  do PT (Partido do Trabalhador) e seus aliados queiram ou não, terão que assumir durante a campanha e inventar histórias sobre a essa remota possibilidade e ainda mais usa-la como argumento de campanha, mesmo que seja um enorme chute para dar origem aos royalties do petróleo, ou seja lá o que for  misturar "entre eles mesmos" o certo (pre-existente) com o duvidoso.

<==<
Na convenção do pré sal, ao lado, os dois personagens sorridentes serão os mais  lesados.

Resumindo, se o hipotético óleo do pré-sal ou pós sal (inorgânico ou orgânico )  pudessem ser encontrados à 200 milhas, nos limites da costa brasileira, tudo indicará, a quem se interessar por mineração possa, que além das 201 ou 210 milhas as chances serão as mesmas e nesse caso, as companhias multi-nacionais ou as estatais de propriedade americanos, ingleses árabes , franceses, até mesmo as pertencentes ao ditador vitalício pela Venezuela Hugo Chavez já estariam armando suas barracas na plataforma inter-continental (entre a Africa e o Brasil)  sem pagar royalties ou dar satisfação a país algum e se não estão interessados nessas riquezas é porque não existe óleo, tudo não passa de mais um blefe político temperado ao molho Madeira e banhado com azeite de soja fruto da imaginação. 

O que esta acontecendo a nível mundial é algo totalmente contrário as teorias que defendem a origem orgânica do petróleo e agora mesmo no golfo do México, pela quantidade de óleo que brevemente tingirão as águas do Atlântico Norte, podemos avaliar a quantidade de vestígios fósseis que deveriam de ser encontrados em perfurações (antes de alcançar os depósitos petrolíferos) e como não há ossos correspondentes aos fósseis, prevalece a origem inorgânica do petróleo. Em resposta a hipotética descoberta da competente ministra, repasso uma hipotética situação.

Clic para ampliar.