MP5 Paperino

Estavamos no final da 2ª Guerra Mundial (1943), Enrico Piaggio presidia a empresa de fornecimento de pecas para o setor aeronáutico fundada por seu pai. Era tempo de Europa destruída física e financeiramente. A fábrica da Piaggio encontrava-se em ruínas, mas isso não intimidou Enrico, que resolveu partir em busca de um novo tipo de veículo, capaz de suprir a necessidade de locomoção básica da população. Deveria ser barato, funcional, econômico, robusto e, claro, charmoso e elegante. Além disso, deveria também ser fácil de pilotar por mulheres, não sujar as roupas do condutor e ainda levar um passageiro. Foi batizado com o nome de um inseto, em alusão ao ronco de seu motor dois-tempos com ventoinha de arrefecimento: Vespa

Na fábrica semi-destruída encontravam-se centenas de rodas de trem de pouso de bombardeiros (da bequilha, na extremidade traseira) e grande número de pequenos motores multiuso para lançamento destes aviões.

Baseando-se no scooter (literalmente patinetes infantis) norte-americano Cushmann modelo 53 que foi jogado de pára-quedas na Europa durante a ocupação aliada, Enrico encomendou aos engenheiros Spolti e Casini um primeiro projeto denominado MP5, a que os trabalhadores chamaram de Paperino (Pato Donald em italiano), lançado em 1945. O Paperino teve produzidas menos de 100 unidades e utilizava um motor de 2 tempos Sachs alemão de 98 cc colocado entre as pernas do piloto, com transmissão por corrente e 2 marchas.

Assim a MP5 Paperino é o primeiro de todos os protótipos após o final da Segunda Guerra Mundial na fábrica Piaggio em Biella no Piemonte. Este prototipo originará a primeira Vespa. Mas até se "transformar" em uma Vespa foram construidas quase 100 unidades, esta é uma peça bastante procurada pelos colecçionadores.

Motor: monocilindrico de dois tempos

Diametro: 50mm

Cilindrada: 98cc

Velocidade Maxima: 60km/h

Suspensão: Dois suportes tubulares com molas

Travões: Tambor

Voltar Atras