Regulamentos do Centro




Regulamento Interno do CFAE; Regulamento das Ações de Curta Duração e Requerimento das Ações de curta duração




Regulamento de Avaliação dos Formandos

 Aplicação das alterações ao Regime Jurídico da Formação Contínua determinadas pelo artigo 4º do Decreto-Lei nº 15/07 de 19 janeiro conjugadas com as orientações emanadas através da Carta Circular 1/2007 do CCPFC.


 

Modalidades da Formação – Pontuação

Itens sobre os quais devem incidir a avaliação

Curso

Oficina

Círculo

Projeto

Seminário

Estágio

 * Participação

* Realização das tarefas nas sessões

40%

25%

30%

15%

50%

40%

 * Produção de trabalhos e/ou materiais

* Investigação

* Aplicação

-

60%

40%

65%

-

45%

 * Reflexão Crítica/Memória final

* Trabalho/Texto final

* Relatório de implementação

* Prova de conhecimento

60%

15%

30%

20%

50%

15%

 Notas:

1 – Alguns itens podem não se aplicar em conjunto.

2 – Cada formador, tendo em conta a modalidade, a especificidade e a metodologia utilizada em cada ação deve definir um perfil de avaliação, devidamente partilhado com os formandos para os itens acima considerados.

3 – Utilizar a escala classificativa de 1 a 10 de acordo com o referencial da escala de avaliação prevista no nº 2 do artigo 46º do ECD – Decreto-Lei 15/2007 de 15 janeiro.

 

Avaliação

Quantitativa

Avaliação

Qualitativa

Créditos

1 a 4,9

Insuficiente

0

5 a 6,4

Regular

100%

6,5 a 7,9

Bom

100%

8 a 8,9

Muito Bom

100%

9 a 10

Excelente

100%

 

Alguns aspetos a ter em conta

 

1 – Regime de assiduidade

De acordo com o nº 2 do artigo 13º do RJFC “não podem ser objeto de certificação as ações nas quais a participação do formando não tenha correspondido ao número mínimo definido no respetivo regulamento. Assim é obrigatória a presença em pelo menos 2/3 do número de horas de duração presencial da ação.

 

2 – Avaliação/Classificação da formação realizada

A todos os formandos será distribuída uma classificação quantitativa na escala de 1 a 10 e correspondentes menções qualitativas, de acordo com o referencial da escala de avaliação prevista no nº 2 do art.º 46º do Estatuto da Carreira Docente, aprovado pelo Decreto-Lei nº 15/2007, de janeiro. Simultaneamente é atribuído um número de créditos conforme o registo de acreditação do Conselho Cientifico – Pedagógico da Formação Contínua da ação frequentada e orientações insertas na sua Carta Circular nº 1/2008 CCPFC.

 

a)      Avaliação do trabalho presencial

·        Participação (pertinência e clareza das intervenções, interesse, motivação, iniciativa e autonomia, assiduidade…);

·        Integração no grupo – relacionamento interpessoal e a capacidade de partilha;

·        Conhecimentos científicos e profissionais demonstrados;

·        Trabalhos e atividades realizadas;

·        Apresentação oral de trabalho.

 

b)     Avaliação do trabalho não presencial

·        Conteúdos do portfólio individual ou grupo (organização, quantidade e qualidade);

·        Registo diário de bordo;

·        Participação em fóruns (pertinência, frequência das intervenções, iniciativa);

·        Trabalhos e atividades realizadas (quantidade e qualidade: rigor, fundamentação, coerência interna, apresentação);

·        Relatório final (entrega atempada, correção formal, conteúdo, caraterização das atividades realizadas, auto-avaliação);

·        Entrega atempada dos trabalhos (cumprimento dos prazos).