ODEVE E HAVER

na História da Madeira


dados para História das Instituições Financeiras e Finanças madeirenses 

 

  O Projecto

 

 

 
 

O Deve e haver

 

 

 

 

Dossier de imprensa

em preparação 



 

  

 

Durante largos anos a Madeira foi despojada de quase totalidade dos seus rendimentos enviando milhares de contos, e não recebendo o mais insignificante melhoramento. Aquele povo bondoso e trabalhador foi objecto da mais torpe exploração. Assim, privado de escolas, sem estradas, sem águas de irrigação, sem a menor comodidade, tem arrastado uma vida miserável de trabalho e sacrifício. Sem orientação, sem plano, sem a menor provisão a economia da Madeira foi abandonada aos acasos da sorte(...) e não há solo mais produtivo nem produtos mais preciosos, nem terra mais linda, nem clima mais benigno; tudo quanto dependia da natureza ali está na sua expressão mais sublime; todo o mal que ali existe é só obra de homens.

 Visconde da Ribeira Brava, in O Liberal, 5 de Junho de 1913
 

    

 Somos uma espécie de enteados da metrópole, que nos trata como madrasta cruel; ao passo que dispensa aos açoreanos o tratamento de filhos legítimos e de enfant gaté.

Diário de Notícias, 3-9-1892

 

Mas nós madeirenses, que não usufruímos nenhuns dos melhoramentos morais ou materiais que gozam os nossos irmãos do Continente(...) nem provavelmente os teremos tão cedo, e que vivemos isolados no meio do Oceano.(...) podemos, devemos contribuir para melhoramentos, que não gozamos, para despesas que não fazemos ? Parece-nos que não.

As Novidades,  28 de Março de 1867

 

AV//Fumchal-2006