Palestras

SÁBADO - 09:00 às 10:30
 
AUDITÓRIO
Os Desafios da Cultura Lean no Desenvolvimento de Software

A cultura Lean surgiu nas fábricas da Toyota em meados do século 20 e provocou uma revolução na indústria automobilística nos anos 80 quando foi apresentada ao mundo, em pesquisa do MIT, como um novo e superior paradigma de gestão de processos e negócios. Desde então, o pensamento enxuto (lean) se tornou o modelo de excelência perseguido pela maioria das empresas de classe mundial, tendo evoluído também para as áreas de serviço, comércio e setor público. Mesmo sendo pouco conhecido por profissionais da área de software, muitos autores consideram a cultura Lean como a base de todos os fundamentos das metodologias ágeis, sendo fácil identificar seus conceitos em princípios e práticas de qualquer método classificado sob esta bandeira. Nesta palestra, discutiremos como a implantação da cultura Lean num ambiente de software pode desafiar tanto profissionais quanto organizações pela demanda de níveis de excelência técnica e comportamental ainda não concebidos pela maioria daqueles que atuam no mercado de trabalho.

 
SÁBADO - 11:00 às 12:30
 
AUDITÓRIO
Agilidade Alternativa com a Corrente Crítica
Adail Retamal (Heptagon/SP) (Ver Palestra)
Engana-se quem acha que há somente uma maneira de se fazer as coisas. É possível ser ágil (adjetivo) sem ser Ágil (marca, rótulo, substantivo). Há uma comunidade mundial que tem obtido resultados fantásticos em desenvolvimento de software sem sequer saber sobre Scrum, XP, etc. Claro que não estou desfazendo do Movimento Ágil, do qual sou parte integrante e ativa, mas quero desafiar os "radicais livres" e "fanáticos" para lembrar que "há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar a nossa vã filosofia" (Shakespeare).
SALA 516
Introdução ao Scrum
Samuel Crescêncio (OnCast/SC)

Para aqueles que ainda desconhecem a metodologia Scrum iniciaremos com os conceitos, práticas e benefícios do método, com discussões sobre a Gestão da Complexidade em Projetos de Software. Abordaremos a estrutura do Scrum e seus papéis: Product Owner, Time e Scrum Master. Falaremos sobre User Stories, Story Points, Dashboard e Burndown Chart. Por fim, discutiremos os diferentes aspectos das reuniões previstas no modelo: Estimation Meeting, Sprint Planning 1, Sprint Planning 2, Daily Scrum Meeting, Sprint Review Meeting e Retrospective Meeting.

SALA 517
Java Meets Agile: A survival guide to adopt Agile inside Java teams
Giovani Salvador (RSJUG) e Guilherme Elias (FUJA/RS)

Apresentar como equipes de desenvolvimento Java podem se beneficiar de processos e ferramentas relacionados à metodologias ágeis para tornar o dia-a-dia do desenvolvimento com Java mais ágil, incluindo a extração de indicadores e identificação de oportunidades de melhoria a partir do código fonte.

SÁBADO - 14:00 às 15:30
 
AUDITÓRIO
Anti-Práticas e Anti-Valores Ágeis
José Peleteiro (Globo.com/RJ)

Durante os 90 minutos disponíveis vamos conversar e trocar experiências sobre algumas práticas e valores que podem arruinar a sua implementação.

SALA 516
Jogos Estatísticos para a Promoção de Práticas Ágeis

Serão realizadas três dinâmicas de grupo com os participantes, baseadas em conceitos e práticas da Produção Enxuta, Teoria das Restrições e Teoria das Filas, a fim de demonstrar a superioridade dos arranjos produtivos orientados ao desenvolvimento Just-in-Time, ao trabalho em equipe e ao planejamento e controle quantitativo de projetos. Os facilitadores irão analisar os resultados de cada jogo com a audiência e desafiar qualquer crença que ainda persistir a favor das abordagens tradicionais de desenvolvimento de software.

SALA 517
Implementando com Rails as Histórias de Usuários

Esta palestra irá apresentar as bibliotecas Cucumber e RSpec utilizadas para facilitar a aplicação de técnicas de Behavior Driven Development em aplicações Ruby, e mais especificamente Ruby on Rails nos exemplos. Estas ferramentas tornam muito fácil o cliente ou o próprio usuário validarem as "User Stories", utilizadas em diversas metodologias ágeis, e a utilização destas mesmas "User Stories" como definição executável de o que o software deve fazer. Alem de tornar bastante fácil definir de forma quase textual a especificação de componentes menores do software, facilitando bastante a validação e iteração com o cliente e com o usuário final da aplicação.

SÁBADO - 16:00 às 17:30
 
AUDITÓRIO
Como o Scrum mudou a forma da Borland Entregar Software
Bruno Lichot (Borland)
Com o advento da necessidade de fazer mais por menos e com maior qualidade
no mercado de TI. Assim como todas as empresas, a Borland se encontra diante
desses desafios. Nesta apresentação vamos falar de como o SCRUM tem ajudado
a Borland a superar esses desafios e como ele se tornou muito mais que um
framework de gestão, mas um aliado dos negócios e um excelente nicho de
atuação.
SALA 516
Simulação de um Projeto Scrum com uma Mini-Fábrica de Aviões
Flavio Steffens (W3Haus/RS) e Rafael Prikladnicki (PUCRS)

Que tal aprender alguns conceitos dos métodos ágeis de forma prática? Através da dinâmica da fábrica de aviões, os participantes poderão vislumbrar alguns conceitos sobre motivação, trabalho em equipe, controle de qualidade, processos empíricos, melhoria contínua e principalmente, como cada um destes fatores influenciam no resultado do trabalho. Esta dinâmica foi criada e adaptada durante três anos e tem trazido aos participantes uma alternativa para "vender" a seus colegas e chefes os processos ágeis, pois acreditamos que antes de falar de SCRUM, XP, e demais práticas, é necessário vivenciar a essência ágil.

SALA 517
Refatoração de Banco de Dados

Apresentar conceitos e práticas de Refactoring de Banco de Dados, que consiste em diversas técnicas e práticas para se aplicar melhorias em banco de dados (legados ou não), fazendo uma passagem pelo Catálogo de Database Refactorings do Sr. Scott W. Ambler e demonstrando exemplos e cenários típicos de aplicação utilizando o PostgreSQL com suas facilidades e limitações na implementação de Refactorings.

 
DOMINGO - 09:00 às 10:30
 
AUDITÓRIO
A Agilidade Está no Ar - Um Case na Força Aérea Brasileira

É com grande satisfação que os convidamos para viajar conosco e conhecer a história de nossas três experiências implantando e utilizando metodologias ágeis em projetos na Força Aérea Brasileira. Apresentaremos em cada caso como foram os contratos, as dificuldades culturais, como começamos, quais foram os desafios que enfrentamos e o que fizemos para superá-los para hoje termos 2 cases de sucesso e mais um projeto muito bem encaminhado em curso.
De todos impedimentos à implantação de métodos ágeis, as barreiras social e cultural são, sem dúvida, os maiores obstáculos a serem vencidos. Em nossa história, poucos pontos favoreceram à quebra do tradicional paradigma de desenvolvimento de software. De um lado, uma empresa nascida de uma parceria Rational, com anos de experiência na implantação de processo unificado. Do outro, um órgão militar, tradicionalmente conservador, burocrático, procedimentalizado, "RUPeiro" e regido pela Lei 8.666, que normatiza de maneira inflexível toda aquisição e contratos da Administração Pública. Apresentaremos as dificuldades enfrentadas desde a licitação até hoje, o processo de convencimento, detalhes técnicos da utilização de Scrum e XP e o balanço final da empreitada.

DOMINGO - 11:00 às 11:45
 
AUDITÓRIO
Desenvolvimento Ágil em um Projeto Global:
Um caso envolvendo Chicago, Austin e Porto Alegre

O objetivo é apresentar as boas (e não tão boas) práticas de um projeto global de uma multinacional usando metodologias ágeis, envolvendo equipes distribuídas em três cidades no Brasil e Estados Unidos.

SALA 516
Scrum com Soluções Simples e de Baixo Custo
Luiz Faias Jr (Bluesoft/SP) 

Soluções simples e de baixo custo podem mudar completamente a maneira como são gerenciados os projetos de software. Será apresentado o caso de sucesso com Scrum da Bluesoft, após pequenas mudanças na organização das tarefas, mas sem afetar a cultura da empresa. Também será exibido nosso ambiente de trabalho e algumas dificuldades encontradas na implantação de práticas de XP, além de nossa experiência com integração contínua e controle de versões utilizando GIT ao invés de Subversion.

SALA 517
Lobo Continuous Tuning: Testes e Monitoramento de Performance Automatizados
Samuel Crescêncio (OnCast/SC) 

Em projetos de característica evolucionária onde funcionalidades são continuamente adicionadas e aprimoradas com refactoring, a degradação do desempenho, motivada pelas frequentes alterações no código fonte, é um risco evidente. Apresentaremos nesta sessão o cenário de um projeto de missão crítica, de aplicações extremamente complexas, controlado pela automação de suites de testes de desempenho e integração contínua baseadas na ferramenta Lobo, uma solução Open Source desenvolvida por nossa equipe, e que agora está à disposição de toda a comunidade de métodos ágeis que utiliza Java.

DOMINGO - 11:45 às 12:30
 
AUDITÓRIO
Métodos Ágeis x Gestão do Negócio
Gustavo Casarotto (Metadados/RS)

Análise dos princípios ágeis com a visão do empresário. Quais os benefícios e porque o empresário deveria investir em métodos ágeis. A busca do equilíbrio entre os controles necessários à execução do negócio e os controles utilizados pela equipe de desenvolvimento. Falar sobre o ambiente que o funcionário está inserido na empresa, como ele tem que se adaptar à cultura, sistemas e liderança e como os métodos ágeis interagem nessa adaptação. Falar sobre a experiência de implantação do MPS.BR nível G utilizando práticas de XP, Scrum, Poker Play e MSF for Agile. As dificuldades de adaptação do modelo e da equipe. Ao final da palestra, deverá ficar claro que Métodos Ágeis e Gestão do Negócio são totalmente compátiveis, desde que os pontos-chave sejam vistos com critério e cuidado.

SALA 516
Os Desafios do Desenvolvimento Ágil num Ambiente SOA
Ari Nickel (TKE/RS) Luís Petkovicz (LHP/RS)

Serão apresentados os conceitos básicos do desenvolvimento de sistemas baseado em Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) e seus impactos num ambiente que adota o Scrum como método padrão para o gerenciamento de projetos de software. O objetivo é discutir a dificuldade de sincronização de atividades e Product Backlog de diferentes equipes que atuam em diferentes produtos com diferentes tecnologias.

SALA 517
Agile com Rails
Juan Maiz (Softa/RS) 

Apresentar o Ruby on Rails como ferramenta dentro do contexto de projetos desenvolvidos com métodos ágeis. Quais as vantagens do Rails em produtividade? Como Rails ajuda nas rotinas de teste, refatoração e melhoria contínua? Exemplos práticos de código, com testes unitários, funcionais e de integração.

DOMINGO - 14:00 às 14:45
 
AUDITÓRIO
Scrum numa Empresa MPS.BR/CMMI
Marcos dos Santos (ilegra/RS) e Carlos Becker (Software Process/RS) 

Atualmente, existem diversas empresas de desenvolvimento de software que utilizam os modelos de maturidade (MPS.BR e CMMI) como referência para a melhoria de seus processos. Devido às exigências do mercado, essas empresas necessitam manter aderência aos modelos e normas de qualidade e ao mesmo tempo buscam adotar métodos ágeis para alcançar altos níveis de desempenho.
Nesse contexto, as empresas buscam adaptar seus processos para permitir que as práticas ágeis sejam introduzidas sem descaracterizar as premissas dos modelos de maturidade. Essa adaptação não é trivial, pois os fundamentos das escolas ágeis e de processos são diferentes. Será apresentado o case de gerenciamento de projetos através de Scrum na empresa ilegra, com destaque para as adaptações realizadas no processo, principais semelhanças e diferenças entre as práticas gerenciais tradicionais e ágeis.

SALA 516
Agilizando seu Projeto de Software
Bruno Pedroso (SEA/DF) (Ver Palestra)

Embora não se possa afirmar que a adoção de metodologias ágeis em projetos de software seja uma tarefa simples, entendemos que se trata de um processo de aprendizado gradativo e contínuo cuja iniciação pode (e deve) ser encarada sem receios, sendo totalmente acessível à grande maioria das equipes, praticamente sem riscos. Se não podemos garantir que em poucas semanas sua equipe já estará aplicando todas as práticas, consciente de cada um dos valores e princípios relacionados, podemos ao menos  encorajá-lo a dar os primeiros passos, certos de que iniciativas modestas já farão grande diferença no seu dia a dia, criando sinergia, motivação e confiança para seguirem em frente; pequenas conquistas que se potencializam ao longo do tempo, facilitando cada vez mais o processo de adoção da filosofia ágil como um todo. Essa apresentação visa portanto encorajar líderes de equipe, gestores e coordenadores, por meio de dicas simples e baratas, porém muito valiosas. Pretende mostrar que o aprendizado faz parte da metodologia, e portanto para aplicar métodos ágeis basta que se tenha a coragem necessária para começar.

SALA 517
Métodos Ágeis no Ensino Superior
Daniel Wildt (FACENSA) Rafael Prikladnicki (PUCRS) 

Esta será uma sessão estilo "Open Space" para que seja discutido situação atual e caminhos do uso de Metodologias Ágeis no ensino superior. Como as faculdades estão se posicionando e o que a comunidade profissional pode fazer para ajudar a comunidade acadêmica, e vice-versa. Será apresentado um resumo do caso da FACENSA que estará presente no Brazil Scrum Gathering 2009 e também um pouco das ações que estão ocorrendo na PUCRS. A partir daí, é com a platéia a discussão. O resultado da palestra será um conjunto de idéias que serão lançadas como um post no blog do GUMA-RS.

DOMINGO - 14:45 às 15:30
 
AUDITÓRIO
A Evolução dos Princípios Ágeis nas Normas do PMI
Paulo Keglevich (PMI-RS) 

Como uma área de conhecimento essencialmente derivada da consolidação de lições aprendidas a partir da experiência, o Gerenciamento de Projetos tem abraçado cada vez mais os princípios das abordagens ágeis. Em função das experiências dos profissionais de Gerenciamento de Projetos, nestes últimos anos os princípios ágeis tem permeado as normas do PMI, em particular de Projetos e Programas. Nesta apresentação será discutida a complementaridade entre o PMBOK e AGILE, e a importância das normas do PMI a nível estratégico (Programas e Portfolio) para o sucesso dos projetos. Ainda a nível estratégico é possível verificar vários princípios ágeis. Também será dada um breve overview sobre a norma OPM3 e sua importância no desenvolvimento de uma cultura de GP dentro de uma organização, podendo ser útil inclusive para orientar a adoção de práticas ágeis. Finalmente são apresentadas várias ações do PMI em direção a AGILE, incluindo a oferta de treinamentos que creditam PDU's aos PMP's.

SALA 516
Indicadores de Desempenho para Tomadas de Decisão em Projetos Ágeis
Carlos Fabris (Surya/RS) 

A palestra tem por objetivo apresentar diversos indicadores de desempenho de produto e processo de software a fim de discutir a implicação de suas utilizações na melhoria contínua de uma equipe ágil. Serão abordados temas como: qualidade de código, gerência de requisitos, evolução de Sprints (eficiência e eficácia), entre outros, sempre com o foco no questionamento da importância do indicador durante a realização de um projto de software.

SALA 517
Eu Odeio Métodos Ágeis!
Daniel Wildt (GUMA/RS) 

Uma série de blogs na internet investem muito tempo criticando as Metodologias Ágeis. Neste espaço aberto, o facilitador vai instigar a platéia com algumas das "famosas" críticas destes sites da internet e propor algumas coisas que estas pessoas poderiam fazer para não seguirem falhando no uso de Metodologias Ágeis. E a platéia vai criticar, aceitar e sugerir novas ações.

 
 
Comments