O Agrupamento‎ > ‎

Caracterização

Enquadramento legal

O Agrupamento de Escolas João Villaret foi constituído por despacho do Senhor Director Regional de Lisboa e Vale do Tejo em 14 de julho de 2004 e está vinculado aos princípios consignados na Constituição da República Portuguesa e aos princípios e normas consignados na Lei de Bases do Sistema Educativo (decreto-lei n.º 46/96).

É constituído pelos estabelecimentos de ensino localizados no concelho de Loures, freguesias de Loures, Frielas, Santo Antão do Tojal e São Julião do Tojal, em número de oito Jardins de Infância, oito escolas do 1º ciclo e uma escola do 2º e 3º ciclo do Ensino Básico, sede de Agrupamento.


Breve referência ao nosso passado

1. Desde a abertura até setembro de 2004
A Escola sede iniciou o seu funcionamento em outubro de 1982 com grande escassez de material didáctico, em pavilhões pré-fabricados. Começou por ser apenas um local de alojamento de alunos excedentes da zona de Loures e de Odivelas. Além das obras de manutenção e conservação, foram sendo adequados os espaços às exigências das mudanças que se foram operando na sociedade que se refletiam na escola. Foram transformadas arrecadações e espaços internos em gabinetes de trabalho, UNIVA, Ludoteca, Biblioteca, pequeno auditório, sala de informática e clube de rádio. Foram construídas rampas para melhorar a acessibilidade e colocadas redes de segurança nos muros que ofereciam risco de queda.

Para responder as necessidades da população escolar com baixo nível de motivação em risco de abandono, foi diversificada a oferta educativa. Desde 1996 que se têm organizado turmas com currículos de transição para a vida ativa, como acontece com os currículos alternativos com vertente pré profissionalizante.

A parceria que se estabeleceu com o Centro de Formação Profissional da Indústria, Vestuário e Confecção (CIVEC) para a formação dos alunos nas áreas de vestuário e mecânica. A partir de 2002-2003, os alunos do 3º ciclo tiveram acesso a cursos de formação nas áreas de administração, eletricidade, eletrónica e informática, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho. Para o despiste, orientação vocacional e acompanhamento dos estágios destes jovens em contexto de trabalho foi muito útil a UNIVA, criada em 1999, no âmbito do projecto «Da Escola à Empresa», em parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional. Estes percursos de formação exigiram uma abertura muito grande à comunidade, nomeadamente para a realização de estágios em contexto de trabalho e inserção no mercado de trabalho.

A heterogeneidade cultural e a dificuldade de inclusão escolar de alguns alunos, a partir de 1994, levou a escola a sentir necessidade de aprofundar os seus conhecimentos na educação intercultural e na construção de materiais pedagógicos no âmbito da aprendizagem cooperativa. Envolvemo-nos em vários projetos transnacionais com a Bélgica, Suécia, Inglaterra Espanha, Noruega e França, alguns deles promovidos pelo Secretariado do Entreculturas.

Em 2002, no âmbito do projecto Arion, recebemos a visita de vários gestores escolares europeus que revelaram interesse pela nossa organização, oferta educativa e inclusão dos alunos. Do relatório por eles elaborado, consta a seguinte avaliação: «This one of the happiest schools we visited. It is very well integrated and it was obvious that there was clear leadership direction from de head and senior teacher there was a real creative buzzy energy…»

Para combater e prevenir a indisciplina foram envolvidos os alunos, pais, professores e funcionários, através de várias medidas educativas, salientando-se os projectos "Guardiões" e "Equipa de Intervenção Pedagógica". Nos dois primeiros anos, a Escola foi gerida por uma Comissão Instaladora, nomeada pelo Ministério da Educação, tendo, a partir de 1984, sido a gestão assegurada por Conselhos Diretivos/ Executivos eleitos democraticamente, ao abrigo dos decretos-Lei n.° 176-A/76, de 23 de outubro e n.º 115-A/98 de 4 de maio.

2. Mudanças significativas após a constituição do Agrupamento
Desde a constituição do agrupamento no ano letivo 2004-2005, apesar da dispersão geográfica dos estabelecimentos de educação e ensino, constatamos que se têm estabelecido uma relação afetiva e de confiança que facilita a ação educativa e as alterações que tem havido necessidade de realizar. A importância e valorização crescente do Pré-escolar, como etapa importante na socialização e desenvolvimento das crianças, bem como a articulação vertical, outrora inexistente, entre ciclos, são conquistas que devemos realçar.

Têm-se sentido melhorias significativas nos seguintes aspectos:
- Quebra do isolamento, sobretudo das escolas mais pequenas;
- Articulação horizontal e vertical entre ciclos;
- Maior facilidade na constituição de equipas de trabalho que envolvem docentes de vários estabelecimentos de ensino;
- Partilha de experiências e saberes;
- Tomada de consciência da diversidade de contextos educativos;
- Técnicos especializados para alunos com necessidades educativas especiais;
- Gestão integrada dos recursos humanos, tanto a nível de docentes como assistentes operacionais;
- Participação em projectos pedagógicos comuns aos vários ciclos que visam a melhoria dos processos de aprendizagem e ensino;
- Planificação Anual a nível de todas as escolas do Agrupamento;
- Uniformização de documentos e procedimentos;
- Rapidez e eficácia na resolução dos problemas;
- Participação efectiva na construção de instrumentos de trabalho e tomadas de decisão.


Caracterização socioeconómica e cultural

1. Caracterização do meio/dados históricos e culturais
O concelho de Loures foi criado em 1886, por Decreto Real de 26 de julho.
A fertilidade das terras, a abundância das águas e a pureza dos ares do campo enriqueceram esta região saloia que, desde D. Afonso Henriques até ao reinado de D.ª Maria II, se englobou no termo da cidade de Lisboa. É por isso natural que muitos monarcas e nobres elegessem estas terras como locais de lazer, de descanso e de fuga às doenças e pestes, como testemunham as inúmeras quintas aqui existentes. As características culturais desta região resultam da prolongada ocupação muçulmana e da progressiva miscigenação entre as várias etnias e religiões, de que nasceram os moçárabes, que ao longo dos tempos preservaram traços culturais muito próprios.

No dia 04 de outubro de 1910, os republicanos de Loures proclamaram o estabelecimento do novo regime nos Paços do Concelho, precedendo um dia a Implantação da República. Em 1990, Loures foi elevada a cidade. De entre o património histórico-cultural desta cidade destacam-se a Igreja de Santa Maria de Loures, a Quinta do Conventinho, o Palácio do Correio-Mor, o Cruzeiro de Loures e a Casa do Adro. Das festividades culturais, salienta-se o Carnaval de Loures que teve origem em 1934, participando nele muitos dos nossos alunos.

Loures é sede de município com dezoito freguesias. Destas, Santo Antão do Tojal, São Julião do Tojal, Loures e Frielas são as principais áreas de residência dos nossos alunos. Síntese de um passado essencialmente rural e de um presente dominado, quer pelo desenvolvimento económico, quer pelo crescimento demográfico, Loures tem vindo a evoluir apresentando-se como uma cidade de contrastes, caracterizada por algumas paisagens bucólicas com arquitetura rural, mas também espaços de moderna construção, recortados por uma rede viária moderna que nos transporta para outros lugares: Quinta do Infantado, na zona oriental da cidade.

É nela que se situam as novas instalações da Escola Básica João Villaret, sede de Agrupamento.