Sobre

História do Grupo

No ano de 2012 um grupo de amigos e familiares escoteiros se reuniu para discutir a formação de um novo grupo na cidade de Sorocaba. Grupo este que tinha por finalidade continuar a união conquistada em trabalhos anteriores, e que este tivesse como meta seguir todos os fundamentos do movimento escoteiro, valorizando a união e a família. Inclusive grafando, em seu estatuto a proibição de ações prejudiciais como “fofocas”, e o incentivo da resolução de eventuais problemas de maneira democrática e harmoniosa.

Assim, em nossas reuniões foram discutidas a forma de relacionamento do grupo, possíveis locais, burocracia, pessoal necessário e todos os detalhes para que se alcançasse esse fim. Depois de muita procura por uma sede, quem abriu suas portas foi a escola em que um dos integrantes ministrava aulas de educação física, a E.E. Prof. Renato Sêneca de Sá Fleury em agosto de 2012. Marcou-se para outubro do mesmo ano a primeira reunião com pais, jovens e escotistas. O começo foi difícil, com o certa resistência do distrito escoteiro, dizendo que a cidade de Sorocaba não precisava de mais grupos, o que atrasou os contatos e documentos necessários para o início das atividades.

Após contato direto com a Região Escoteira de São Paulo, foi finalmente dado andamento ao processo de criação do G.E. Em 26 de junho de 2013 foram realizadas as primeiras promessas, com a presença de vários chefes de grupos escoteiros locais. A partir de então, o grupo foi oficialmente fundado, e têm crescido ano a ano, agregando cada vez mais jovens, pais e escotistas.

O Nome

Em uma feira de nações realizada nesta cidade, no ano de 2012, havia grupo de índios da etnia Pataxó da cidade de Cabrália, no sul da Bahia, da aldeia Coroa Vermelha. Interessados por seu modo de vida, pedimos que escrevessem qual o significado das palavras: família, grupo, união e comunidade. Um dos índios, cujo chefe se chamava Nemo, escreveu as seguintes palavras: moka, huká, patã mionã, e rekôy. Em sua primeira assembleia, foram apresentadas tais ideias, e a última das palavras (rekôy) foi escolhida como forma de representar os ideais de nosso G.E. Tais palavras, segundo o índio, sempre significavam ação, então “Rekôy” pode ser traduzido como estar em grupo, em família em comunidade.

Brasão e Lenço

Partindo do nome, criou-se um desenho onde quatro pessoas abraçam o escotismo, seus “corpos” possuem as cores da bandeira do Brasil, e suas “cabeças” as cores dos ramos. Tais símbolos são amarrados com um nó direito por uma corda, que representa união e amizade.

O lenço por sua vez, leva o brasão completo, e as cores da bandeira nacional, tendo o verde como base, e as demais cores dispostas em fitas sobre suas bordas.