Sobre o médico

Meu nome é Cláudio Bichuetti, sou médico acupunturiatra (CRM-MG 36.126, RQE 29.064 - ACUPUNTURA) e membro titular do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura. Como praticante de Medicina Tradicional Chinesa, tenho por norte os estudos do pulso, da palpação e da língua como guias fundamentais do diagnóstico nosológico. Repetidamente recorro à Acupuntura Abdominal do Dr. Bo, ao lado da fitoterapia nacional e chinesa, para iniciar e fortalecer o tratamento, permitindo ao paciente um prognóstico mais favorável.


Em termos culturais, antecipo que a maioria dos brasileiros tema uma forte sensação de agulhamento. No entanto, a sensação deqi, - que é o nome que se dá a essa sensação decorrente do agulhamento -, torna-se bastante sutil por meio dessa técnica, especialmente para a terapia de controle de peso, doenças crônicas e distúrbios do sistema nervoso, como ansiedade, depressão, dores de cabeça, neurite e tonturas.


A despeito de qualquer sensação deqi, a maior parte do tratamento de acupuntura caracteriza-se por ser muito confortável e relaxante. Para tanto, procuro ter a certeza de que o paciente detém uma compreensão mínima de Qi, meridianos e pontos de acupuntura, especialmente aqui no interior do Brasil, onde a acupuntura ainda é uma novidade para a maioria.


Para queixas de pediatria e outras preocupações da saúde das crianças, eu frequentemente opto por uma abordagem de tratamento que não é apenas muito suave, mas totalmente não-invasiva. Na verdade, subscrevo-me à Acupuntura Pediatrica Japonesa (Shonishin) sempre que é necessário fortalecer e manter saudável o sistema imunológico de uma criança.


A via nervosa central para a estimulação da acupuntura é um assunto fascinante que continuamente estudo. Sinta-se à vontade para me enviar um e-mail sempre que quiser compartilhar novas técnicas e pontos de vista sobre este assunto. Estou sempre interessado em networking com colegas, para compartilhar experiências e notas. Você pode me enviar uma mensagem escrevendo para "me arroba claudio ponto ac".


Num nível mais pessoal, no meu tempo livre, sou um crítico despretensioso de grafitti e formas relacionadas, hobby que me levou a conhecer o trabalho de fotógrafos do mundo inteiro. Também no plano pessoal, tenho um grande interesse pela cultura escandinava e seu promissor senso de justiça para todos os cidadãos, um ideal que vejo como um bom exemplo para o meu próprio país.