Enquetes e Resumos

Problema do sistema de geração de energia e o meio ambiente.

Ciências do Ambiente – DEQ 0331/ CIAM – Turma 03 – 6T34

Discente: Robson Lima de Souza Reinaldo

Eng. Mecânica

Período: 2009.2 

   

1 – O que é geração de energia?

     É o processo utilizado para se transformar outras formas de energia em energia elétrica. No Brasil, há 2 formas principias de se obter a energia elétrica: através de usinas hidrelétricas e de usinas termelétricas.

     As hidrelétricas respondem hoje por cerca de 70% de nossa capacidade produtiva. Transforma em energia elétrica a energia cinética associada ao movimento da água em rios. Na maioria dos casos, utilizam reservatórios para armazenar água nos períodos úmidos, de muita chuva, e utilizá-la nos períodos secos. Em nosso país, representa em que pesem algumas dificuldades ambientais, a fonte mais econômica para produzir energia elétrica.

     As termelétricas também são utilizadas, atualmente em regime de complementação por causa de seu custo bem mais elevado, em razão do custo com combustível. Atualmente usa-se muito o gás natural. Há outras fontes, ditas alternativas, como as eólicas, que na nossa matriz energética representam muito pouco. 

2 – Como a geração de energia afeta o meio ambiente?

     Algumas externalidades ambientais não são agregadas adequadamente ao custo da energia convencional. Isto ocorre devido ao grau de consciência ainda imaturo da sociedade, especialmente nas décadas passadas, período em que diversas usinas foram construídas. Pode-se citar:

 

  • Emissão de gases poluentes para a atmosfera, contribuindo para o efeito estufa e prejudicando a saúde das pessoas;
 
  • Deterioração do entorno do campo petrolífero, pois, durante o processo de extração de resíduos, ocorre a inundação do poço com polímeros, dióxido de carbono ou soluções cáusticas, podendo ocorrer também à injeção de água e vapor no solo, os quais degradam o local (SCHEER, 2002);
 
  • Desastres ecológicos durante o transporte do petróleo, cujos vazamentos de óleo no mar afetam diretamente a fauna da região;
 
  • Necessidade de eliminação ecologicamente correta dos resíduos do processo de refinamento do petróleo e do carvão;
 
  • Contaminação da água utilizada durante o processo de refino do carvão (SCHEER, 2002);
 
  • Eliminação de fauna e flora devido ao alagamento gerado pelos reservatórios de usinas hidrelétricas;
 
  • Inundação de belezas naturais, áreas indígenas e locais arqueológicos por usinas hidrelétricas;
 
  • Aumento da temperatura da água do mar, ocasionado por usinas nucleares, o qual afeta os peixes e demais seres vivos marinhos da região;
 
  • Risco de acidentes nucleares. Os danos causados pelo acidente de Chernobil foram avaliados em mais de 350 bilhões de dólares (SCHEER, 2002).
 

3 - O que são energias renováveis e esgotáveis? Cite exemplos.

     Em nosso planeta encontramos diversos tipos de fontes de energia. Elas podem ser renováveis ou esgotáveis. Por exemplo, a energia solar e a eólica (obtida através dos ventos) fazem parte das fontes de energia inesgotáveis. Por outro lado, os combustíveis fósseis (derivados do petróleo e do carvão mineral) possuem uma quantidade limitada em nosso planeta, podendo acabar caso não haja um consumo racional.

Principais fontes de energia 

Energia hidráulica – é a mais utilizada no Brasil em função da grande quantidade de rios em nosso país. A água possui um potencial energético e quando represada ele aumenta. Numa usina hidrelétrica existem turbinas que, na queda d`água, fazem funcionar um gerador elétrico, produzindo energia. Embora a implantação de uma usina provoque impactos ambientais, na fase de construção da represa, esta é uma fonte considerada limpa.

Energia fóssil – formada a milhões de anos a partir do acúmulo de materiais orgânicos no subsolo. A geração de energia a partir destas fontes costuma provocar poluição, e esta, contribui com o aumento do efeito estufa e aquecimento global. Isto ocorre principalmente nos casos dos derivados de petróleo (diesel e gasolina) e do carvão mineral. Já no caso do gás natural, o nível de poluentes é bem menor.

Energia solar – ainda pouco explorada no mundo, em função do custo elevado de implantação, é uma fonte limpa, ou seja, não gera poluição nem impactos ambientais. A radiação solar é captada e transformada para gerar calor ou eletricidade.

Energia de biomassa – é a energia gerada a partir da decomposição, em curto prazo, de materiais orgânicos (esterco, restos de alimentos, resíduos agrícolas). O gás metano produzido é usado para gerar energia.

Energia eólica – gerada a partir do vento. Grandes hélices são instaladas em áreas abertas, sendo que, os movimentos delas geram energia elétrica. È uma fonte limpa e inesgotável, porém, ainda pouco utilizada.

Energia nuclear – o urânio é um elemento químico que possui muita energia. Quando o núcleo é desintegrado, uma enorme quantidade de energia é liberada. As usinas nuclearesaproveitam esta energia para gerar eletricidade. Embora não produza poluentes, a quantidade de lixo nuclear é um ponto negativo.Os acidentes em usinas nucleares, embora raros, representam um grande perigo.

Energia geotérmica – nas camadas profundas da crosta terrestre existe um alto nível de calor. Em algumas regiões, a temperatura pode superar 5.000°C. As usinas podem utilizar este calor para acionar turbinas elétricas e gerar energia. Ainda é pouco utilizada.

Energia gravitacional – gerada a partir do movimento das águas oceânicas nas marés. Possui um custo elevado de implantação e, por isso, é pouco utilizada. Especialistas em energia afirmam que, no futuro, esta, será uma das principais fontes de energia do planeta. 

   PALAVRAS-CHAVE

    • Energia
    • Meio ambiente
    • Impactos ambientais

RESUMO 

     Quando se avalia aspectos energéticos, é necessário lembrar que o mesmo tem sido explorado desde a idade média, quando o homem utilizava recursos naturais que estavam disponíveis, utilizando-se de técnicas que dominavam sem alterar e destruir de forma significativa o meio ambiente.

     A sociedade nessa época era modesta, e o consumo de energia então era moderado, o comércio era à base de escambo, e o consumo de bens era apenas para a própria sobrevivência e não se pensava em acúmulo de valores. Na idade contemporânea, uma modificação no modo de vida se instalou, e o acúmulo de bens de consumo passou a existir, a realidade na exploração de recursos naturais não era apenas para a própria sobrevivência, mas também para a aquisição de poder. A exploração ambiental tornou-se desenfreada com a introdução de indústrias para o aprimoramento do comércio e a expansão das trocas marítimas, a necessidade de energia começou a aumentar e a escassez em algumas regiões surgiu, pois até o momento utilizava-se a queima de madeira para a produção da mesma.

     O carvão mineral era utilizado intensamente com o advento da máquina a vapor no começo do século XIX, e essa fase pode ser considerada o marco de uma nova ordem no consumo de energia, e conseqüentemente nos impactos ambientais associados.

     A partir da Segunda Guerra Mundial, buscava-se a exaustão explorar os recursos naturais para a reconstrução dos países destruídos e houve um aumento considerável no consumo de energia, pois buscava-se o desenvolvimento de forma alheia aos próprios limites dos recursos ambientais. Ignorava-se então o desenvolvimento sustentável, a intenção era produzir para atender as necessidades de acumulação de capital em benefício do homem, a demanda de recursos naturais aumentava e não se pensava em conseqüências negativas permanentes.

     De acordo com Ministério de Minas e Energia (MME, 2007) o processo de desenvolvimento das nações conduz a redução natural do uso da lenha como fonte de energia. No setor agropecuário, os usos rudimentares da lenha em casas de farinha, em secagem de grãos e folhas, em olarias, na produção de doces caseiros etc., perdem gradativamente a importância em razão da urbanização e industrialização.

     Segundo Silva (2003), o crescimento intenso da população mundial traz consigo a necessidade de moradia, e a exigência do mercado cada vez mais globalizado, fazem com que a demanda aumente e o consumo de mercadorias não fique atrás. Esses processos fazem com que aconteça a apropriação da natureza e, por conseguinte essa seja modificada, chegando a ocorrer à degradação ambiental.

     Silva (2003) aponta ainda que a paisagem é modificada constantemente, tanto em sua forma como no seu conteúdo, a erradicação dos seus materiais primários e segundo a inserção de objetos diferenciados ao lugar.

     Após a Revolução Industrial, passou-se a utilizar mais recursos naturais como, por exemplo, o carvão o petróleo e o gás, esses com um custo mais elevado quando necessário o transporte até os centros consumidores.

     Na década de 1950 inúmeros relatos de problemas ambientais se sucederam e como conseqüência surgiram inúmeros estudos científicos que revelavam série de desequilíbrios ecológicos causados pela exploração e pelo uso descontrolado dos recursos naturais.

     As tentativas para explicar os problemas ambientais resultam então como descrito anteriormente o efeito da acumulação de capital e, por conseguinte o crescimento da população sobre os limitados recursos do planeta (CAMPOS, 2006).

Nos últimos anos, a temática ambiental tem estado no centro das discussões dos diversos segmentos da sociedade; os diversos problemas ambientais são visíveis por qualquer indivíduo que, todas as manhãs, deixa sua casa para cuidar do seu próprio sustento e de sua família, embora, infelizmente nem todos tenham consciência do problema.

     Seguem alguns problemas ambientais: 

  • A poluição do ar urbano: é um dos problemas ambientais atuais mais visíveis, deve estar associado à queima de carvão mineral e dos derivados de petróleo na indústria;
 
  • A chuva ácidarefere-se ao efeito da poluição causada por reações ocorridas na atmosfera quando acontece associação de água com o dióxido de enxofre (SO2) e os óxidos e os óxidos de nitrogênio (NOx), formando o ácido sulfúrico (H2SO4), e ácido nítrico (HNO3). Ao serem depositados nos solos, esses ácidos têm efeitos negativos na vegetação e estruturas (prédios e monumentos), conhecido como precipitação seca, esses são dissolvidos na chuva e levados até os aqüíferos freáticos e rios.
 
 
  • O efeito estufa e as mudanças climáticas: se devem a modificação na intensidade da radiação térmica emitida pela superfície da Terra, por causa do aumento da concentração de gases estufa na atmosfera. O efeito estufa é um fenômeno natural que permite manter a Terra numa temperatura favorável à existência biológica, no entanto o aumento da quantidade de gases proveniente principalmente da queima de combustíveis fósseis podem ter ampliado este efeito.
 
  • O desmatamento e a desertificação: é um dos problemas ambientais dos mais antigos. As florestas têm sido devastadas nos últimos setecentos anos, primeiramente na Europa. Atualmente boa parte das florestas tropicais estão ameaçadas. A destruição da floresta pode ser ocasionada pela poluição do ar, urbanização, implantação de projetoshidrelétricos, expansão da agricultura, exploração de produtos florestais, queimadas e também degradação da terra em áreas áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas, em função do impacto humano adverso relacionado ao cultivo e práticas agrícolas inadequadas, assim como o desflorestamento.
 
  • A degradação marinha e costeira: assim como de lagos e rios, vem de materiais poluentes: esgotos sanitários e industriais, descarregados nos cursos de água e que são causa de cerca de 75% deste tipo de degradação. O restante é provocado por vazamentos oriundos da navegação, mineração e produção de petróleo.
 
  • O alagamento: ou perda de áreas de terra agricultáveis ou de valor histórico, cultural e biológico, está relacionado principalmente ao desenvolvimento de barragens e reservatórios, os quais são formados para fins de navegação, saneamento básico, irrigação. Lazer e geração de eletricidade. Os alagamentos de áreas para a implantação de hidrelétricas provocam a emissão de monóxido de carbono, em função de decomposição da madeira submersa, alteração do ecossistema aquático, erosão das margens dos lagos, alteração do lençol freático e cursos de rios. As hidrelétricas causam, além dos problemas ambientais, impactos sociais relacionados ao reassentamento de populações.
 
  • A contaminação radioativa: é proveniente do beneficiamento de urânio utilizado em grande parte nas usinas nucleares para a geração de eletricidade. O resíduo liberado pelas usinas, conhecido como lixo atômico, se não for bem acondicionado, pode se tornar um grande problema, pois tem vida longa.
 
 

CONCLUSÃO 

     Com base no que vimos anteriormente, concluímos que o processo de geração de energia pode causar diversos problemas ambientais, por isso faz-se necessário o desenvolvimento de energias que não agridam o meio ambiente, como as energias renováveis. 

Comments