“Eu Achava que Eu Deveria Ser Respeitada”


Eu descobri o RMI há quase 2 anos atrás. Naquela época eu estava com meu marido já fazia 8 anos e meio. Eu aceitei Jesus como meu Senhor e Salvador quando jovem, portanto, eu sabia que para Deus abençoar a nossa união nós precisávamos nos casar. Nós já tínhamos 2 filhos juntos e então nos casamos, primeiro em uma cerimônia no civil, e depois fomos casados por um pastor cristão.


Olhando para trás, sempre houve problemas, mas eu nunca os entreguei verdadeiramente a Deus. Eu notei que eu e meu marido estávamos nos distanciando logo após o nosso casamento. Antes disso eu achava que nada poderia nos separar, porque nós dois éramos o melhor amigo um do outro. Mas eu também me lembro da minha mãe me dizendo que assim que eu me casasse o diabo atacaria o meu casamento.


Começou com o nosso distanciamento, em seguida as brigas e depois o desrespeito. Foi então que meu marido me pediu para sair da “sua” casa e voltar para os Estados Unidos. Eu disse a ele que o problema era que ele não me amava mais. Eu recuei, disse que não ia permitir que ele me tratasse daquele jeito e ele então se desculpou por ter me pedido para ir embora.


O golpe fatal veio quando fomos ver uma conselheira matrimonial. Como o meu marido não se abria, e acabou parando de ir nos encontros, minha conselheira me disse que eu sabia que precisava sair de casa pelo bem dos meus filhos e que, lá no fundo, eu sabia que ele estava me traindo.


Eu contei a ela que ele tinha começado a mentir o tempo todo e que dizia que eu era controladora, e por isso não me falava mais onde ia e me pediu para não ligar quando ele saísse. Mas ele sempre voltava para casa à noite e sempre foi gentil com as crianças. Infelizmente, um dia eu estava chorando e liguei para uma senhora cristã mais velha que eu conhecia, e ela me disse que Deus dissera a ela que eu precisava sair de casa e nunca mais voltar a este país.


Como a minha conselheira matrimonial também havia me dito para ir embora, porque meu marido era um dos casos mais difíceis que ela já havia lidado (ela me disse que ele não tinha moral, que era arrogante e gostava de ser desse jeito, que ele era incapaz de amar, e que seria bem capaz de abusar fisicamente de mim), Eu então, tolamente, aceitei isso como um sinal. Eu disse a ele que meus dois filhos e eu viajaríamos para os Estados Unidos de férias por mais ou menos um mês.


Quando ele me ligou, ele foi muito grosseiro e cruel ao telefone, perguntando quando eu traria os filhos dele de volta para casa. Eu disse que logo, talvez dentro de algumas semanas. A verdade é que eu estava apavorada de medo de voltar para casa, eu senti o ódio do meu marido e fiquei muito deprimida. Por eu nunca ter buscado ao Senhor, mas ter sempre procurado a ajuda das outras pessoas, eu não sabia nada do que a Bíblia dizia e achava que eu deveria ser respeitada.


Mesmo antes de sair do país dele, eu havia pensado em suicídio, e por isso eu tinha tanto medo de voltar para aquilo tudo.


Então, um dia, ele me disse que estava com problemas de coração, mas não queria que eu voltasse a menos que eu levasse as crianças, mas, como eu não sabia confiar no Senhor, eu ainda estava com medo. Eu achava que se eu voltasse, ele poderia se divorciar de mim e manter as crianças no país.


A derrubada final da minha casa foi quando eu perguntei se ele estava me traindo e ele disse que não. Mas porque eu não estava confiando no Senhor, e não confiava no meu marido, eu olhei o seu telefone pela primeira vez e vi uma garota para quem ele ligava toda noite e vi as mensagens de texto que eles trocavam. Quando eu o ouvi no telefone, depois de ter tido uma briga ocasional em que ele gritou comigo em público (ele nunca havia feito isso antes) e depois de eu sondar e chorar muito ele admitiu que estava me traindo. Primeiro ele me disse que se sentia mal por ela e queria que tentássemos consertar o nosso casamento—mas houve uma virada no jogo exatamente como Erin diz no seu livro. Logo eu estava chorando e implorando a ele para não abandonar a mim e às crianças! Eu cheguei a ponto de pedir a ele que me matasse!!


Depois que me acalmei, ele disse que tudo era culpa minha porque eu o deixara por 8 meses, e que foi neste período que os sentimentos dele por mim morreram. Ele disse que havia se tornado amargo, mas que agora estava feliz com esta outra mulher. Ele me disse que amava os nossos filhos e a mim, mas não da maneira que um homem deveria amar uma esposa e me disse que estava acabado. Mesmo comigo implorando e implorando ele disse que estava acabado.


Foi então que ele propôs que continuássemos morando na mesma casa e que ele não se divorciaria de mim, o que significava que eu poderia manter o seu sobrenome, mas que ele jamais deixaria a outra mulher. O empurrão final foi quando eu deixei a minha carne levar a melhor e liguei para a OM e menti para o meu marido sobre como eu havia conseguido o telefone dela.


Neste momento eu fui quebrantada e orei pedindo a Deus que Ele me perdoasse pelos meus caminhos pecaminosos e por interferir nos Seus planos. Eu passei uma noite em um hotel para que meus filhos não vissem o estado em que eu estava, mas mais para poder dedicar um tempo para buscar a Deus e a Sua vontade perfeita. Eu voltei para casa, mas as coisas estavam estranhas entre eu e meu marido (éramos cordiais um com o outro) e assim que eu entreguei a minha situação, a minha vida, a minha família e o meu marido a Deus Ele me guiou até vocês.  


Dois anos depois eu enviei um email para a Comunhão da Restauração, minha igreja sem paredes, contando o seguinte:


Eu gostaria de atualizá-las sobre a situação do meu casamento. Como vocês sabem, logo depois que me uni ao Time de Tradutoras do RMI, eu pedi uma licença de afastamento porque eu senti que o Senhor estava me dizendo que Ele estava me preparando para a restauração do meu casamento após 2 anos de lutas.


Honestamente tudo isso tem sido “mais difícil do que eu imaginava que seria”, especialmente a batalha final, porque eu já havia experimentado muita paz em minha vida desde que o SENHOR se tornou o centro dela. O teste mais difícil foi há cinco meses atrás quando quase desisti de tudo porque eu pensava, “Para que continuar se a minha vida está tão boa com o SENHOR? Eu simplesmente não preciso de restauração para ser feliz.” Contudo, eu cria nas promessas do meu Senhor e Salvador e Marido Celestial e nas bênçãos que eu acreditava que Ele tinha guardadas para a minha família.


Houve um mês, durante a minha última batalha, e depois de eu ter dito ao Senhor que eu não precisava da restauração para ser feliz, em que meu MT começou a se tornar mais e mais gentil e a me levar para sair mais vezes. Nós sempre permanecemos vivendo na mesma casa juntos como ele disse que faríamos, mas eu notei que ele não saía mais ou ficava fora até tarde. E também, em vez de ficar chateado ou nervoso comigo, ele começou a brincar mais e a se comunicar comigo.


Contudo, a batalha estava longe de acabar. Perto do fim do mês em que fomos restaurados as coisas começaram a ficar turbulentas. Eu comecei a ver mensagens e ligações da OM novamente, e decidi (eu não estava sendo emocional de maneira alguma, mas me mantinha completamente calma e em paz) que eu não queria continuar em minha jornada de restauração de casamento. Claro, eu O busquei muitas vezes sobre este assunto e me senti em paz com a minha decisão de ser somente a Sua noiva. No entanto, eu orei para que se fosse a Sua vontade para mim que eu continuasse permanecendo pelo meu casamento, que Ele por favor me ajudasse a ver isso porque eu por mim já não queria mais.


E então me senti guiada a compartilhar isto com o meu marido. Eu me aproximei dele de uma maneira carinhosa, amorosa e pacífica e disse que eu gostava muito da ótima maneira com que estávamos nos relacionando, mas que eu gostaria de continuar a minha vida sem ele como meu marido. E este deixar ir mudou tudo. O Senhor é tão fiel e maravilhoso. Meu MT me disse, com muita calma, que não estava mais com a OM e me perguntou o que ele poderia fazer. Eu respondi, “Não estou pedindo para que você faça nada. Eu só gosto do nosso relacionamento do jeito que está, como pais.” Ele então me explicou que estava dizendo à OM para que ela não ligasse mais para ele porque ele não queria mais ter nenhum tipo de comunicação com ela e que havia apagado o número dela do seu telefone. Ele me disse que queria que ficássemos em paz, e eu disse que nós já estávamos em paz. Ele então reiterou que queria que ficássemos em paz, mas juntos, como uma família unida!


Agora eu compreendo, porque eu vinha orando há vários meses para que Deus me mostrasse se o relacionamento com a OM havia acabado e vi que Ele estava respondendo à minha oração. Eu acreditei que Ele permitiu isso para o bem, para que eu pudesse ter a minha confirmação, já que eu nunca ousei mencionar a outra claramente antes, porque eu não tinha certeza se meu MT ainda tinha alguma coisa com ela. Sim, Deus trabalha de maneiras misteriosas.


Deixe-me concluir dizendo que é exatamente como a Pastora Erin diz, quando deixamos ir verdadeiramente Deus tem a Sua maneira de completar o Seu plano… quando estamos verdadeiramente vivenciando o mais íntimo e amoroso relacionamento com o SENHOR, e provamos que Ele é o primeiro, quando compreendemos que não temos que tentar amar e conhecer o Senhor… que isto simplesmente acontece… sem que tenhamos que tentar, nós podemos nos apaixonar tanto por Ele que nada mais importa. Somente quando deixamos ir tudo, até mesmo a oração pela restauração do nosso casamento, é ENTÃO que ela acontece.


Deixe-me dizer, como tantas outras dizem, Deus é bom o tempo todo e a todo tempo Deus é bom.


Obrigada a Deus, ao meu Senhor e a todas vocês no RMI por ficarem ao meu lado e me ajudarem durante todo este processo. Eu oro para que todas aquelas que se aproximarem do RMI encontrem um verdadeiro relacionamento com nosso Marido Celestial que anseia por nós e que nunca nos abandonará. Deus abençoe a todas vocês!




~ Quesia na Nicarágua